Parece brincadeira

Recebi esse convite por e-mail.

livro

Me chamou a atenção a figurinha da esquerda: Você lê na capa: “A cereja do bolo” e na bolinha verde destacada: “Autor do best-seller ‘A azeitona da empada'”   …  :-)  Guardarei, nesse sorriso enigmático (ou nem tanto…risos..) a piada pronta, em toda sua incomensurável extensão. :-)

Me lembrei dos programas de TV favoritos do Garfield: “Vendo a grama crescer” e “Vendo a tinta secar”.

Eu vou ao lançamento, of course, sou colaboradora da Spaan, tenho que prestigiar. E estou em minha fase auto-ajúdica, faço questão de comprar um exemplar da cereja do bolo, se possível acompanhada de uma azeitona da empada. Brincadeirinhas e críticas de meu lado intelectual-literário arrogante-esnobe à parte, a sacada foi genial. Tivesse o indivíduo optado por outro título ou evitado mencionar o livro anterior no convite e eu jamais teria me preocupado em ver do que se tratava. Agora, juro, me interessei.

E falo sério sobre a minha fase auto-ajúdica, estou formulando novas teorias a respeito da literatura de auto-ajuda, pois considero que houve (e ainda há) uma injustiça em relação a esse tipo de livro, pois jogamos tudo no mesmo saco, indiscriminadamente. Ocorre que há a boa literatura de auto-ajuda, existe gente realmente competente e talentosa escrevendo auto-ajuda, sorry, o que posso fazer a respeito? E é melhor que seja assim. Já que não podemos eliminar essa literatura de nosso meio (afinal de contas, a grosso modo, ela está entre nós desde os tempos aristotélicos…), melhor incentivar a separação entre o joio e o trigo e buscar tirar dela o que ela tem de melhor.  De repente deveríamos encontrar um bom eufemismo para a boa auto-ajuda. Ela necessita de leitores com bom cérebro e sem preconceitos intelectualóides para mostrar a que veio, mas mostra, sim, senhor. Aceitemos a realidade. E deixemos de frescura.

Só espero não ter nenhuma indigestão… nem com a cereja do bolo, nem com a azeitona da empada…