Graminha de trigo

savanas

Eu comprava isso para os meus gatos na feirinha orgânica de Porto Alegre. Comprava várias bandejinhas e montava em cima de uma bandeja quadrada de madeira (já que o Tiggy queria deitar nas bandejinhas minúsculas de grama, o que as amassava e impedia que os outros comessem). Muita gente que viu as fotos do Tiggy deitadinho na grama na época me perguntou como eu fazia. Era chato porque eu comprava pronto em Porto Alegre e não conseguia ajudar quem estava em outra cidade.

Hoje me deparei com um fórum de mamães de porquinhos da índia e descobri um passo-a-passo feito por uma moça que se identifica como Panqueca. Vou colocar o PAP dela aqui e o link para vocês acompanharem o tópico inteiro, que é muito interessante. E se você tem porquinho da índia e ainda não conhece o fórum, pode te ajudar.

Bacana saber que isso serve não apenas para gatos. Aliás, se você não tem gatos, nem porquinhos-da-índia, mas se interessa por alimentação natural e saudável, essas são as graminhas utilizadas na fabricação do suco de clorofila. É para isso que os japas de Porto Alegre vendiam, aliás, e ficaram um pouco chocados quando a sem noção aqui resolveu dizer que os gatos adoravam deitar naquela grama (eu achei que eles ficariam felizes em saber).

Bem…bora para o PAP da Panqueca (não é receita de panqueca, tá? Panqueca é o nome da porquinha-da-índia da moça. Achei o máximo, já que minha gata se chama Ricota):


“Faça você mesmo: Grama para porquinho!

Olá pessoal! Vi essas dicas e resolvi seguir, e agora compartilho com vocês: GRAMA DE TRIGO!


Os porquinhos amam, além de ser super nutritiva! E o melhor, é super fácil de fazer, e você não precisará nem de solo (terra) para isso.

Você vai precisar de:

– Trigo em grãos (integral);

– Pote plástico escuro e tampa;

– Bandeja plástica ou algo similar;

– Plástico para cobrir a bandeja;

– Papel toalha;

– Água;

– Carinho!


Siga o passo-a-passo abaixo:

Compre trigo em grãos, assim:

trigo

2

Coloque um punhado de grãos de trigo de molho em água num pote escuro, e cubra. Deixe de molho por 24 horas.

3


No dia seguinte, algumas sementes já estarão até brotando. Escorra.

4

Prepare uma bandeja plástica.

Forre a bandeja com algumas folhas de papel-toalha e espalhe as sementes por cima.

5

Molhe bem e cubra com um plástico (pode ser desses de cozinha).

6

Deixe coberto com plástico por 2 a 3 dias, num lugar que receba bastante luz solar (sem pegar sol direto!), sempre observando se está úmido (é importante estar sempre úmido).

7


Mantenha úmido, as sementes vão brotando…

8


Com 3 a 4 dias, estará assim, e você pode retirar o plástico. Mantenha em local iluminado e não se esqueça de regar ou borrifar água umas 2x ao dia!

9


Com cerca de 6 dias, estará assim…

10


Mantenha em local arejado, e observe a raiz, pra ver se não há formação de mofo.

11



Com 7 dias… um “tapete” de grama lindo!

12

Você pode deixar crescer por mais uns dias, ou, se for ansioso como eu, pode dar aos seus porquinhos!

13

Eu fiz 2 bandejas dessas, coloquei uma inteira pra ver como reagiam. Gostaram muito! Mas como elas puxam a folha e vinha a raiz e tudo mais, bagunçando, resolvi cortar a grama e dar assim:
(Nota da Vanessa: isso serve apenas para porquinhos da índia, se você cortar a graminha para os gatos, perderá toda a graça e eles ignorarão solenemente. Deixe que arranquem, que deitem em cima, arrastem pela casa…ou todo o trabalho terá sido em vão, a menos que você fique segurando os toquinhos de grama até eles terminarem de comer, o que, convenhamos, não é a ideia)

14

Cortando a grama assim, dá pra deixar crescer novamente na bandeja por mais 1 ou 2 vezes. Com o tempo, como não há solo, é normal que comecem a se formar fungos nas raízes. Aí, é hora de descartar tudo e começar novamente!

Mantenha a graminha úmida mas não molhe demais, para não estragar as raízes.

Se preferir, pode plantar em vasos com terra, assim não terá o problema do mofo e poderá cortar e deixar crescer novamente por mais vezes.”

No tópico do fórum, há pessoas dizendo que plantaram alpiste (é o que a gente encontra pra vender em pet shops, em potinhos minúsculos e ridículos, que só servem mesmo para filhotes igualmente minúsculos e ridículos), outras dizendo que plantaram o trigo na terra. Clique aqui para acompanhar o tópico.

Vou fazer, preciso arranjar uma bandeja baixa do tamanho que o Tiggy gosta, para iniciar o processo. O bom é fazer duas, alternadas, para sempre ter uma graminha pronta quando a outra já estiver detonada.  Porque, sejamos sinceros, é bem fácil detonar matinho…

deitado2

…Não é?

deitado

.

Deixar partir

PQAAABv6mTeyyt9uMXOhMdcvt3ljyIEutr7okYtIfi88hZsyPSeuE8rQ3KfOeEgeOYALViiavYes9uC_S2h8H6o1t4MAm1T1UEbisywobT421FnQV6T-hHdUsrm4

Nas férias, revisarei e completarei um livro que escrevi em 2006, a biografia do Tiggy (se alguém quiser reclamar de eu ter feito um livro com protagonistas felinos, lembre-se de que Akif Pirinçci ganhou o prêmio de melhor romance policial por Felidae). Um trecho dele diz muito a respeito deste domingo, é a cena em que ele acorda da cirurgia após o acidente e vê a gatinha Tina, que fora resgatada antes dele do estacionamento do Hospital Souza Aguiar :

“Acordei bastante tonto, mas reconheci imediatamente aquele miado. Tina estava ao meu lado, já sem as manchas de sangue, recuperada, embora ainda sem o olho esquerdo e sem um dos dedos da pata dianteira esquerda. Contei a ela o que havia acontecido. Me sentia abatido, cansado, sem vontade de fazer nada, nem brincar. Minha boca estava estranha, eu ainda sentia dores, embora a ardência que eu sentia sob o queixo tivesse desaparecido, restara apenas um estranho latejamento. A pata direita estava imobilizada, era difícil andar. Tina me contou que a tia Andréa cuidara dela, e que a casa estava cheia de outros gatos. Alguns já conhecidos nossos, outros, do parque que ficava em frente ao estacionamento e do qual Tom já me falara horrores, e outros, de diversos lugares. Perguntei, esperançoso, por minha mãe ou meu irmão, mas ela disse que eles nunca haviam estado lá. Antes que eu pudesse ficar triste, ela me ensinou algo que eu levei para toda a minha vida:

– Amarelo, pessoas passam pela vida da gente, gatos passam pela vida da gente, lugares passam pela vida da gente. É importante amar e se envolver enquanto eles ainda estão em nossa vida, e deixá-los partir quando não estiverem mais. Só assim você conseguirá viver, continuar lutando: se recomeçar sem olhar para trás. Eu sinto falta da minha família, dos humanos que moravam comigo, mas eles me deixaram naquele lugar, me esqueceram. Ainda acredito que alguns deles sintam a minha falta, mas não penso mais nisso. Eu os deixei partir de dentro de mim. Deixei partir a casa, os móveis, minha poltrona favorita, o cachorro que era meu amigo. Agora eu me dedico à tia Andrea. Ela diz que eu vou para outra casa, que vou ter um lar. Tem gato que se agarra a isso, e se esfrega em todo mundo que aparece aqui, outros gatos não aprenderam a deixar o passado ir, e muitos até adoecem por isso. Alguns morrem, acredite, morrem de tristeza. Eu estou feliz com o que vier. O Criador me deu outra chance, ele sabe o que faz.”

E mais para a frente, Tiggy conta:

“Uma dessas pessoas levou a Tina. Isso nos pegou de surpresa, e ela não sabia se ficava com medo ou agradecida. Nos despedimos, desta vez com alegria e esperança. Depois eu soube que ela estava bem na nova casa, que tinha amigos gatos e era muito amada por sua nova família. Fiquei muito feliz por ela e, seguindo seu conselho, a deixei ir. Guardei as lembranças em uma gaveta bem especial, e segui, sem olhar para trás”

—–

Transcrevi isso aqui porque ontem deixei o Gatão partir. Ele comeu um pedaço de sacola plástica, teve uma obstrução, fez uma cirurgia e, no final das contas, não resistiu. Foi tudo muito rápido. Ontem cedo, internado na clínica, ele teve uma parada cardiorrespiratória e foi para o céu dos gatinhos. Não, ele não estará sempre ao meu lado, porque se fosse para ficar ao meu lado, não precisaria ter morrido. Ele está agora em um lugar onde pode comer toda a ração que quiser e isso jamais lhe trará qualquer problema de saúde.

Obrigada, meu Deus, por ter me dado a oportunidade de passar cinco anos ao lado dessa criaturinha tão especial. Ele era meu gatinho mais companheiro, extremamente inteligente e carinhoso, brincalhão, divertido, entendia tudo, tudo mesmo e era um excelente amigo (além de muito fofo, parecia um ursinho). Os outros, talvez por serem mais novinhos, são muito sem noção, não me comunico com eles tão bem quanto me comunicava com ele.  Fico feliz por ter proporcionado a ele um lar de verdade após tirá-lo da rua já adulto, vítima de abandono. Teve um lar com muito amor, segurança e cercado de cuidados.

Ele não gostava de me ver triste, então me lembrei desse trecho que eu havia lido dia desses (que fala de algo que aprendi com os gatos). Vou guardar as lembranças em uma gavetinha muito especial e deixar meu amiguinho partir de dentro de mim.

ate08.set 025

PS: Lembrei de um post que escrevi sobre ele em março, escrevi o texto enquanto ele dormia no meu colo, tirei várias fotos para ilustrar o post (coloquei só uma, mas tirei várias) e o folgadinho não acordou :-) Clique aqui para ver.


.

.