Desperte o milionário que há em você*

Carlos “Wizard” Martins é um megaempresário, autor do livro “Desperte o milionário que há em você” (Editora Gente), que tem o subtítulo “Como gerar prosperidade mudando suas atitudes e postura mental”, mas ele não nasceu rico, nem ganhou seu dinheiro de alguém. Foi com trabalho duro e visão empreendedora que ele conquistou sua fortuna, após mudar sua maneira de pensar ao alimentar-se de bons livros. Em uma obra curtinha (156 páginas, curtinha até demais), compartilha com o leitor sua forma de pensar, que lhe permitiu construir uma fortuna depois dos trinta anos, após ser demitido de seu primeiro emprego. Faz tempo que não leio um livro de autoajuda com tanta cara de autoajuda. Não me entenda mal, o livro não é ruim, mas no final de cada capítulo há uma espécie de “resumo” com fundo cinza, com tópicos que têm a maior cara de estereótipo de texto de autoajuda. Não chega a prejudicar o conteúdo do livro, eu estranhei um pouco, mas depois tentei tirar proveito desses resumos, para ajudar a fixar os principais pontos.

Várias citações interessantíssimas ficam passeando por sua cabeça por muito tempo, pedindo: “pensa em mim, pensa em mim”. Fala sobre coisas práticas como planejamento financeiro, mas a maior parte do livro é voltada a manter um padrão correto de pensamento, mudar a forma de enxergar o mundo e a si mesmo. Carlos é mórmon e ao contar sua história, faz umas três menções à igreja dos santos dos últimos dias (que acrescentou o livro de Joseph Smith às Escrituras e é considerada uma seita), mas as informações passadas por ele não têm a ver com religião (na verdade, acho que ele está mais preocupado em incentivar as pessoas a aderirem ao modelo de franquia do que a se juntarem à igreja em que ele frequenta). Quando ele se viu diante do desemprego e da dificuldade financeira, sua reação foi fazer uma oração sincera buscando direção a Deus. Quando obteve a certeza do que deveria fazer profissionalmente, ele agiu. Ele fala de agir pela certeza, mesmo sem ver (isso não é fé?), de perseverança, de definição. Esses conceitos lhe são familiares?

A conclusão a que eu cheguei foi bem simples: não importa a religião, a profissão, a cor da pele ou nível de escolaridade, é uma lei universal: se você age a fé, você vê o resultado. Pode ser mórmon, evangélico, católico, espírita, pode até nem ter religião. Foi exatamente isso que eu vi nesse livro. É essa mudança de pensamento profunda que ocorre naqueles que participam das reuniões dos 318, às segundas na IURD, com sede de aprender e crescer e que depois dão testemunhos espantosos. O triste é ver muitos crentes que resistem a essas verdades, presos à sua religiosidade e à caixinha equivocada à qual decidiram que Deus deve se encaixar, enquanto pessoas de fora estão lá, agindo a fé, sendo sinceros com Deus, alcançando resultados e chamando a atenção do mundo.

Olha que interessante esse trecho (existem vários trechos interessantes no livro, vou transcrever apenas alguns):

“Quando você se propõe a mudar as coisas ao seu redor, uma coisa interessante acontece. É como se existissem forças que “puxam” você de volta ao seu estado atual, já familiar e estável, pois esse é um caminho conhecido, apesar de não desejado. Por isso, uma coisa eu posso garantir: em sua busca da prosperidade, seu desejo, sua força e sua perseverança serão testados.” (Carlos Wizard Martins)

“Geralmente, as pessoas não mudam quando se sentem bem, mas quando estão abatidas, deprimidas ou frustradas. Quando atingimos o ponto do inconformismo insuportável, a tendência é fazer muito mais do que estamos fazendo. O sofrimento nos impele àqueles momentos de grandes decisões, afinal, estamos sofrendo. Então, finalmente, tomamos uma atitude e alteramos o curso que estamos seguindo.” (Carlos Wizard Martins)

Em seguida, ele cita Ralph Emerson:

“Nossa energia origina-se de nossa fraqueza. Só depois de sermos aferroados, picados e dolorosamente atingidos, desperta-nos a indignação armada com forças secretas. Um grande homem está sempre desejando ser pequeno. Enquanto esta acomodado no conforto das vantagens, ele dorme. Quando é pressionado, atormentado ou derrotado, tem a oportunidade de aprender alguma coisa. Adquire sagacidade e maturidade. Ganhou fatos, aprendeu sobre sua ignorância, está curado da insanidade da presunção. Adquiriu moderação e habilidade verdadeira.” (Ralph Waldo Emerson)

Uma outra citação que ele faz, retirada de um livro de Norman Vincent Peale:

“Há um modo de saber se você já está velho: qual é seu estado de espírito ao levantar-se pela manhã? A pessoa jovem acorda com uma estranha sensação de ânimo, uma sensação que talvez não seja capaz de explicar, mas é como se dissesse: ‘Este é meu grande dia. Este é o dia em que acontecerá uma coisa maravilhosa’. O indivíduo velho, não importa a idade, levanta com o espírito indiferente, sem a expectativa de que acontecerá qualquer coisa importante. Será apenas um dia como outro qualquer. Talvez espere que não seja pior. Algumas pessoas mantêm o espírito da expectativa aos 70 anos, outras o perdem cedo na vida.” (Norman V. Peale)

Gostei do conteúdo do livro, mas corre o sério risco de ao fim da leitura você se interessar em se tornar um novo franqueado dos cursos de idiomas do autor…rs…ele acredita tanto no modelo que a certa altura do livro, venda a ideia ao leitor. O que não deixa de ser um bom ensinamento: quer dar certo em alguma coisa? Escolha uma ideia em que você acredite tanto, mas tanto, a ponto de vendê-la a qualquer pessoa que sente ao seu lado para ouvir o que você tem a dizer. Se você acreditar naquilo com todas as suas forças, isso será natural e sairá com credibilidade suficiente para fazer com que se destaque no meio da multidão que exerce a mesma atividade.

Vanessa Lampert

(Você também me encontra no Twitter , no Facebook e no Meu Blog)

Quer ler todas as resenhas? Clique aqui.


* Resenha originalmente publicada em:

http://www.cristianecardoso.com/pt/portfolio/livros/

Dia do escritor

caderno

Hoje (25 de julho) é o dia do escritor! Parabéns para nós!…rs…Minha amiga Sandra Porto compartilhou um link no Facebook sobre como estimular a criança a escrever (clique aqui para ler o artigo). Várias dicas são interessantes (embora algumas coisas nunca tenham passado por minha infância, talvez funcionem…rs…), então comecei a pensar no que foi decisivo para que eu tivesse tanta afinidade com a palavra escrita.

O acontecimento que fez toda a diferença para mim: ganhar um diário. Tudo bem que eu só me interessei em ter um diário quando a Claudia, minha irmã, começou a escrever um, antes disso eu nem sabia do que se tratava. Mas ela agia como se escrever fosse algo tão mágico que eu logo quis colocar minha vida no papel. Eu não sei quando ela ganhou o diário, não tenho essa memória registrada. Só me lembro que era um modelo com fecho de cadeado embutido, com uma capa clara (desenho de um cachorrinho fofo com algum instrumento musical, acho. Um trombone, talvez?). Aos doze anos, ela provavelmente tinha o que registrar (confesso que li o diário dela algumas vezes, mais pela emoção da caçada do que por interesse genuíno, mas não me lembro de absolutamente nada do que ela escreveu, exceto de um relato sobre a morte da minha tia preferida, Esther, algo sobre ter ido com minha mãe reunir seus objetos pessoais, não sei, realmente não me recordo de detalhe algum).

Cansada de pedir sem ser atendida (ninguém achou que uma criança de 7 anos realmente queria um diário), eu, com a criatividade monstro que me é peculiar, peguei um caderno antigo de espiral e o furei de um lado a outro, na altura do que eu imaginava que seria o local do cadeado, peguei um pedaço de arame e atravessei o furo, fazendo o maravilhoso fecho. Anunciei a todos que aquele era meu novo diário. Eu fiquei super orgulhosa da minha genialidade, mas pelo visto era a única a ter tal reação.

(Aqui abro um parêntese para explicar que o mundo dentro da minha cabeça sempre foi meio…digamos…diferente. Aquele “diário” na minha cabeça era a coisa mais linda e se parecia perfeitamente com qualquer dos melhores diários existentes no mundo. A lembrança que eu tenho dele é que era uma coisa fantástica, muito engenhosa, embora eu tivesse a consciência de que era um tanto quanto excêntrico. Na minha cabeça, as coisas simplesmente se transformavam naquilo que eu cria que elas eram. Para você ter uma ideia, alguns anos antes, tínhamos acabado de nos mudar para aquele apartamento no Edifício Dona Neta, minha irmã e nossa vizinha iam para a natação e eu não entendia o porquê de não poder ir também. Alguém então me disse que era porque eu não tinha maiô, nem prancha, nem touca. Corri até meu quarto, vesti o que eu achei mais parecido com um maiô, prancha e touca. Perfeito! Problema resolvido, queria ver quem me impediria de ir! Ao chegar na sala, me surpreendi com a reação das pessoas (qual seria a sua? hahaha…) e só então tive consciência de que estavam diante de uma figurinha vestida com um collant de balé, com um travesseirinho retangular achatado debaixo do braço e uma calcinha na cabeça! 😀 As pessoas ficaram com peninha de mim; naquele dia fiquei em casa, mas assim que tive recomendação médica, fui matriculada na aula de natação.)

No meu planeta o lançamento daquele diário teria status de lançamento de iPad, com cobertura da imprensa e fila na porta das lojas de madrugada. Mas na Terra as pessoas fizeram aquela cara de peninha e não demonstraram grande entusiasmo. Tudo bem, eu tinha grande compaixão pelos mais velhos, compreendia suas falhas de julgamento. Nada abalava meu entusiasmo por coisa alguma, principalmente se fosse criada por mim.

Algum tempo depois, no entanto, minha mãe surgiu com um diário…ou melhor, com o que ela achou que era um diário. Não tinha chave, o que já o descaracterizava enquanto diário aos meus olhos, mas tinha folhas decoradas e capa fofinha. Foi a minha vez de ficar com peninha da minha mãe e não quis que ela percebesse que eu não tinha gostado do presente. Não que eu não tenha gostado, eu gostei, mas ele era muuuito inferior à maravilha que eu havia criado (na minha opinião tendenciosa, é claro…rs…). No entanto, eu tinha aquela mania de querer agradar minha mãe, então a fiz acreditar que aquele era o melhor presente do mundo. Para não decepcioná-la, aposentei minha maravilhosa invenção e resolvi fazer amizade com aquele caderninho.

Na capa havia um casalzinho e uma inscrição: “My Diary”. Achei que seria um bom nome para o meu novo amigo. Eu o chamava de Diary. Me esforçava para fazer uma letrinha bonita, mas eis algo que NUNCA consegui a contento. Aquele foi meu primeiro blog, porque não tinha chave, eu largava em qualquer lugar e não me importava que fosse lido por alguém. Minha irmã mais velha (Naura, que na época tinha 21 anos) sempre era convidada a ler…rs…

E assim foi. Eu tinha uma coleção de lápis de cor. Na verdade, eles eram uma família, os menores eram crianças, tinha até um bebezinho amarelo limão que não ultrapassava os três centímetros de altura. Eu tinha liberdade em casa e dentro da minha cabeça, e meus maiores companheiros eram os lápis e os cadernos. No começo, eu desenhava. Fazia histórias em quadrinhos (novamente, imitando minhas irmãs. Pessoa desprovida de personalidade própria…hahaha…mas é isso que crianças fazem, não é mesmo? Imitam seus referenciais para formar sua identidade). Aos poucos, os textos começaram a tomar conta dos quadrinhos, não tinha mais tanta paciência para desenhar e preferia descrever as cenas. Enquanto minhas irmãs faziam quadrinhos bonitinhos, com desenhos limpinhos e arrumadinhos, as paredes dos meus quadrinhos desabavam e um desenho cabeludo (foi o Santiago que disse que meu traço era “cabeludo”, em uma aula de cartum…hahaha…) era espremido por dezenas de palavras escritas em vanessês arcaico (aqueles hieroglifos que eu insistia em chamar de letra). Tenho a maioria desses cadernos até hoje, para provar.

E eu tinha liberdade, já falei? Minha mãe me deixava mexer na máquina de escrever. Eu achava o máximo. Até que, quando eu tinha oito anos, ela me DEU a máquina dela! Uau! Eu escrevia todas as abobrinhas que me vinham à cabeça e criei o “Jornal Abobrinhal” (minhas principais referências eram Aparício Torelly e Jim Davis, não dava para esperar nada diferente. Perdi as contas de quantas vezes li “As máximas e mínimas do Barão de Itararé” na infância). Minha mãe e todos os meus irmãos eram obrigados a ler e se divertiam, riam, diziam que eu tinha talento. Minha irmã insistia que eu tinha que mandar minhas abobrinhas para o Jô Soares (que tinha acabado de começar seu Talk Show no SBT) e eu, que era muito menos cara-de-pau do que eles imaginavam, secretamente desejava que alguém fizesse isso por mim (hoje dou graças a Deus por ninguém ter feito…hahaha…).

No mesmo ano, meu tio morreu e minha tia foi morar nos Estados Unidos. De lá, ela escrevia cartas enormes para toda a família e para mim. Eu respondia e achava o máximo enviar uma carta para ela. Minha mãe me incentivava a escrever aquelas cartas, e eu me sentia muito importante. Achava um pouco chato quando ela me tratava como criancinha, mas ficava feliz por ter essa ferramenta à nossa disposição! Era como brincar com os cadernos, mas com um adulto que estava muito, muito longe! Escrever encurtava distâncias de uma maneira fantástica.

Como nessa época eu já era bastante estimulada a ler (falei sobre isso aqui), e como passava o dia inteiro escrevendo e desenhando, minhas redações eram elogiadas na escola, o que também era um incentivo. O fato de conviver com pessoas bem mais velhas do que eu em casa também ajudava na questão do vocabulário e da formação do raciocínio lógico. Mas dos cinco aos quinze anos eu só tinha uma grande paixão: teatro. Desde a primeira pecinha infantil que apresentei na escola, até as que apresentava com grupos amadores, eu achava que queria ser atriz. Foi só aos 15 anos que me dei conta de que eu conseguia viver sem atuar, sem desenhar, sem cantar, mas não sem escrever.

Conheci uma menina que me disse que seu sonho era ser algo que eu nunca tinha ouvido ninguém dizer que seria: escritora. Na mesma hora que ouvi, me dei conta de que existia aquela possibilidade, lembrei das histórias que eu criava, da sensação maravilhosa de inventar personagens, de colocar meus pensamentos e sentimentos de forma coerente no papel…pensei em como seria fazer isso a vida inteira, fazer isso para viver e tive certeza: eu também queria.

De lá para cá, um caminho de muita prática, muito estudo, desenvolvendo o amor pela produção de texto e tudo o que envolve esse mundo das letras. Li muito, escrevi mais ainda, meu texto deu um salto absurdo com o advento da internet (e pensar que eu dizia que nunca trocaria minha máquina de escrever por um computador…hahaha…) e dos meus blogs, que me obrigaram a escrever diariamente para leitores que não eram meus irmãos, nem minha mãe, nem minha melhor amiga.

É impressionante como coisas tão simples como um diário ou cartas para uma tia que mora longe podem ser tão importantes a ponto de definir o futuro de uma pessoa. Com a prática, descobri que conseguia me expressar muito melhor por escrito, era minha forma de lidar com os acontecimentos, com os sentimentos, de entender o que acontecia dentro de mim, de me conhecer melhor. Bem mais tarde, quis usar essa minha habilidade para algo maior do que o meu umbigo e hoje finalmente faço o que gosto, do jeito que eu gosto, ajudando os outros. Projetos importantes e possibilidades infinitas se abrem à minha frente, coisas que só acontecem no mundo da imaginação, que é o mundo da fé. Esses projetos e possibilidades vão se materializando e construindo algo que é muito maior do que eu jamais poderia criar para mim, algo escrito pelo maior (e melhor) Escritor de todos os tempos.

Sou grata por aquele diário que minha irmã escondia como se fosse um tesouro. Gravou em mim a mensagem de que escrever era algo extremamente precioso, que merecia ser protegido e tratado com carinho e respeito. Quando eu revirava as roupas no armário em busca do diário, não queria conhecer os segredos da Claudia, queria apenas descobrir o que tinha de tão precioso, de tão fantástico naquele caderno trancado. Era um mundo novo. Era o meu futuro. Era a minha vida e tudo de bom que ela me traria vinte anos depois. Suficientemente precioso para ser tratado com toda aquela reverência.

PS: Talvez agora a Claudia entenda a razão do meu horror quando ela decidiu queimar seu diário, alguns anos depois. Pelo menos salvou a capa, que usei para guardar o Diary. Total falta de senso histórico da pessoa.

PS2: Lembrei também de minha mãe tinha guardado um registro escrito à máquina, de uma conversa minha com meu irmão, aos dois anos de idade. A linguagem enrolada foi transcrita exatamente da maneira que eu falava e aquele era um dos únicos registros da minha primeira infância, algo muito especial para mim e que me mostrou a importância de registrar as coisas por escrito e do quanto escrever era necessário.

.

Eu sou ela amanhã

Pessoal, eu vi esse vídeo e enquanto todo mundo está rindo e tirando sarro da menina, eu me vi nela. Sério. Exceto pelo fato de que minha mãe me ensinou a pentear o cabelo de baixo para cima (embora nem sempre eu fizesse isso), eu era bastante sem noção e dou graças a Deus por não existir Youtube quando eu tinha essa idade. Eu ia sofrer muito. Fazia meus vídeos com a câmera que tínhamos em casa. Se tivesse internet e Youtube eu certamente teria publicado!

A maioria dos vídeos dessa época nem existem mais porque eu era tão sem noção que depois gravava uma coisa qualquer da TV por cima. Argh, que falta faz um córtex pré-frontal! Graças a Deus, que me curou e fez com que essa parte voltasse a funcionar. Mas juro que vou transformar a fita que tenho aqui em dvd, para vocês verem que não estou mentindo.

Tem gente rindo da falta de noção da menina, ela faz tudo o que não deveria fazer com um cabelo crespo. Cabelo crespo a gente só desembaraça molhado, com creme no cabelo, delicadamente, de baixo para cima. Primeiro desembaraça as pontas, depois o meio, depois a raiz. Também não vira de cabeça para baixo, nem passa creme para pentear na raiz! Não quero nem imaginar como esse cabelo ficou quando secou…mas qual dona de cabelo cacheado nunca fez isso? Nunca penteou cabelo seco, nunca entupiu o cabelo de creme sem enxague (na comunidade “Cabelos Cacheados” no Orkut o pessoal apelidou essa fase de “fase cremosinha”) na tentativa de domá-lo? Atire a primeira pedra quem nunca fez o que não deveria fazer? Só não filmou e postou no Youtube porque não tinha isso no seu tempo, porque você achava que era certo, ou não faria. Mas ainda prefiro milhões de vezes essa menina, com sua inocência, tentando ajudar de verdade, do que muito vídeo de dica falsa que vejo por aí.

Tem gente rindo da aparência dela também, e da dicção ruim. Eu era 50 vezes pior. Se essa menina tivesse os dentes que eu tinha e a minha dicção, eu não quero nem imaginar o cyberbulling que ela sofreria. Procurei o vídeo original e não encontrei, tentei descobrir quem é essa garota, para falar com ela e dizer o que minha mãe me disse (clique aqui, se você não conhece a história).

Claro, a menina não tem noção, mas ela está naquela fase em que ninguém tem noção de verdade. Pena que em tempos de Youtube ninguém é poupado por ser criança nessa idade, nem por ainda não ser uma beldade com rosto e corpo já definidos. Eu acharia graça da inocência dela, fazendo bagunça, arrebentando os cabelos, derrubando creme no chão, crendo que está realmente fazendo um tutorial para ter cachos como os da Roberta Messi, caso as pessoas não estivessem sendo tão cruéis nos comentários.

Aí vejo gente tentando defender dizendo que ela é “especial”, que tem problemas mentais…olha, acho que não. Quem me visse aos 13 anos também diria isso. Quem me visse aos 11 anos falando como criança e pulando como uma criatura de sete anos, também diria isso. Eu tinha QI muito superior à média, mas por não me encaixar nos padrões de rosto, corpo e comportamento, não era respeitada pela maioria. Felizmente, a minoria existe. E é ela que faz o mundo valer a pena. Segue o vídeo, para quem não viu:

http://www.youtube.com/watch?v=WZtNN_5wh-s&feature=player_embedded

Pare de reclamar e concentre-se nas coisas boas*

Amo esses títulos autoexplicativos. No final das contas, o que vai pegar seu leitor no meio daquele emaranhado de outros livros é o título, não é mesmo? A menos que ele já saiba quem você é, o que não era o caso.  ”Pare de reclamar e concentre-se nas coisas boas” é a versão “título óbvio” que a editora Sextante deu para “A complaint free world” (“Um mundo livre de reclamações”), escrito por Will Bowen. – O que não me espanta, já que é a mesma editora que traduziu “The Servant” (“O servo”), de James Hunter, para “O monge e o executivo”. :-)

A ideia de “Pare de reclamar e concentre-se nas coisas boas” é bem interessante. A proposta é ficar 21 dias sem reclamar, sem se lamentar, sem criticar e sem falar mal dos outros. “Moleza” – pensei. Li o livro para ter certeza de que não se tratava de uma atitude de conformismo diante dos problemas. Não é. Ao menos eu entendi que não é se conformar com tudo, mas não ficar reclamando e se lamentando o tempo todo. Achei que o livro poderia ser mais bem desenvolvido, eu o faria com o dobro de páginas (tem apenas 140), para deixar a coisa mais clara, pois alguns pontos ficaram resumidos demais. Mas este é um livro do qual eu não posso reclamar…hahaha… Felizmente, Will dá vários exemplos e conta histórias que nos permitem entender até o que ele não explicou.

Bem, vamos ao desafio: 21 dias sem reclamar, certo? Você deve usar algum objeto para controle, o grupo de Will escolheu uma pulseira, que deveria ser colocada em um dos braços. Assim que você se pegar reclamando, troque a pulseira de braço e recomece a contagem. Segundo ele, leva de 4 a 8 meses para completar os 21 dias seguidos sem reclamações. Apenas as reclamações e críticas que saírem pela sua boca (ou seus dedos, no caso de digitar) contam, as que ficarem apenas em sua mente, não. A pulseira ajuda a tornar o hábito consciente.

Segundo o autor, talvez você tenha que se afastar de amigos e familiares fofoqueiros ou reclamadores compulsivos que atrapalhem seu esforço (até porque depois que você se tornar uma pessoa sem reclamações, não terá muito assunto com eles…rs…), principalmente porque eles podem te fazer voltar ao vício de reclamar e fofocar. Ele orienta a não tomar parte em conversas de reclamação. Seu interlocutor pode se queixar, criticar ou fofocar, mas você deve ficar quieto (se reclamar da reclamação dele, terá de mudar sua pulseirinha de lado…rs…), sem retorno, a conversa se esvaziará.

Bem, lá fui eu fazer o desafio. As primeiras 24 horas foram tranquilas, cheguei ao cúmulo de monitorar meus pensamentos até durante o sonho (sou uma criatura disciplinada, amigos)! Eu pensava “não, não vou dizer isso porque é uma reclamação, deixa eu reformular a frase para uma sentença mais positiva”. Sério, eu fiz isso dormindo. No entanto, no dia seguinte, acordei com um torcicolo e reclamei…depois, reclamei de não ter colocado a roupa para lavar (Poxa, levanta e vai lavar a roupa, de que adianta reclamar?*) e troquei minha pulseirinha imaginária de braço duas vezes antes mesmo do café da manhã. Não demorou muito e reclamei que meu cabelo estava muito ressecado. Coloquei a pulseirinha imaginária no outro pulso. Pouco tempo depois, lá estava eu falando de como ainda não tinha conseguido fazer a resenha do Casamento Blindado. Troca a pulseirinha de novo…fiquei chocada! Mesmo controlando, foram três reclamações seguidas! Bastou ter acordado com um incômodo físico para virar a miss rabugice 2012.

Não me considero uma pessoa “reclamona”, muito menos negativa, mas me espantei com a dificuldade que tive com esse desafio de não fazer comentários negativos e não reclamar em voz alta, aí reclamei de ter reclamado…rs… (No meu caso, tenho policiado meus pensamentos, também, pois sou expert em me criticar e cobrar demais de mim. E meus papos comigo mesma – obviamente – são feitos dentro da minha cabeça. Embora Will diga que os pensamentos acabam mudando quando mudamos o padrão de palavras, policio os pensamentos, embora não mexa na pulseirinha por eles.) Vou reler o livro para analisá-lo melhor, mas recomendo a leitura, sim. Qualquer coisa que te ajude a ter uma postura mais positiva diante da vida, faz diferença.

Uma coisa interessante que Will escreve é que a gente tem o péssimo hábito de dizer quando acontece algo ruim: “eu mereço!” ou “isso só acontece comigo” ou “tinha que ser assim!”, fazendo com que um recado seja enviado ao nosso cérebro (e ao universo), que tratará de providenciar mais coisas ruins, afinal de contas, merecemos… Então, o antídoto é: aceite as coisas boas que te acontecem! Aconteceu algo legal, mesmo que pequeno (como encontrar uma boa vaga no estacionamento), diga: “eu mereço!” ou “isso sempre acontece comigo!” ou “tinha que ser assim” ou “tudo sempre dá certo para mim”. Aos poucos você realmente vai acreditar nisso e começará a desenvolver esse novo padrão para a sua vida. Assim, você começa a se concentrar nas coisas boas, torna-se grato pelas coisas positivas que acontecem, mesmo as menores, que passavam despercebidas.

Will acreditou tanto nisso que colocou toda a sua igreja nesse desafio (ele é pastor de uma pequena igreja americana) e criou o movimento “Um mundo sem reclamação”, baseado nesses princípios. Óbvio que funciona, pois diminuir a quantidade de reclamações, críticas e fofocas fará com que você pare de exercitar os maus olhos. E, segundo a Bíblia, os olhos são a lâmpada do corpo, se teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso. Se teus olhos forem maus, todo teu corpo andará em trevas. Mudar do olhar mau para o olhar bom é sair das trevas para a luz.   Quer reclamar? Reclame para Deus. Mas reclame sabendo que ele resolverá, e esqueça, confie (isso poderia estar mais claro no livro, mas optaram por uma abordagem mais secular).

Vale a pena. É uma leitura divertida, um assunto interessante com uma proposta desafiadora – e eu AMO desafios. Você também deve gostar, imagino. E então? Que tal 21 dias seguidos sem se queixar, sem falar mal dos outros e sem criticar? Se quiser conhecer bem as regras e os argumentos, procure este livro em alguma livraria, ele é curtinho e fácil de ler. Eu vou reler o meu. Depois conversamos mais a respeito.

PS:  *Isso me lembra o dia em que eu comentei com minha mãe (ao telefone, pois ela mora em Campo Grande – MS), que não tinha lavado roupa durante o dia, e que já era noite, se eu lavasse àquela hora ela não ia secar, porque estava frio e com umidade alta e blá blá blá… Ela riu e disse, com seu jeito calmo: “Vanessa, você já parou para pensar que tudo o que tem a fazer é colocar as roupas dentro da máquina e apertar um botão? Imagina se tivesse que lavar todas elas à mão?” … Pense no tamanho da minha vergonha ao constatar o ridículo daquela reclamação, diante de um raciocínio tão claro? Na verdade, se você pensar bem, 98% das reclamações que fazemos ao longo do dia são ridículas assim. O que podemos resolver, podemos resolver. O que não podemos, tudo o que podemos (e precisamos) fazer é apresentar a Deus.

PS2: Isso também é colocar em prática Filipenses 4:8, lembra desse versículo?  ”Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.”  No final das contas, Will está certo, se você se habituar a falar apenas o que é bom, vai se encher do que é bom. Afinal de contas, a boca fala do que o coração está cheio…e mudar o que você fala inevitavelmente irá alterar o conteúdo do seu coração e da sua mente.

Vanessa Lampert

Meu Blog:

http://www.lampertop.com.br

Você também me encontra no Twitter

E no Facebook


* Resenha originalmente publicada em:

http://www.cristianecardoso.com/pt/portfolio/livros/