Dos Livros Ruins E Das Coisas Que Não Dão Certo

Depois da ausência de uma semana para me recuperar de uma virose, eu queria uma boa resenha.  Tenho alguns livros que eu sei que são bons, mas não fui muito esperta…poderia ter lido um certo enquanto arriscava outro duvidoso, como sempre faço…se o duvidoso não é bom, faço resenha do certo. Mas esta semana a inteligência passou longe e deu tchauzinho: li apenas os que não conhecia…e escolhi com um dedinho estragado. Mas aprendi alguma coisa.

Foram cinco livros. CINCO livros. E nenhum foi com a minha cara. Amo ler, vocês sabem, garimpar coisas boas nas águas turvas das livrarias, e não entendi o porquê de não ter feito uma escolha certa nos livros desta semana. O último me enganou de tal maneira que só ao chegar na metade percebi que ele estava me enrolando e ainda não tinha dito a que veio! Não dá. Se você leu 50% do livro e ele não saiu do lugar, alguma coisa está errada. Corri para espiar o final e percebi que nem lá a história evoluía. Dá uma certa frustração pegar um livro que você acha que seria bacana e descobrir que ele é ruim. Por outro lado, fechar um livro ruim reacende a esperança de encontrar um melhor. É um desafio. Você tem uma escolha a fazer: ou desanima, ou renova a esperança e persevera.

Quando algo te diz não, quando alguma coisa não dá certo, quando as coisas não saem exatamente do jeito que você esperava, as piores e mais improdutivas reações que você pode ter são: se desesperar, se entristecer e desistir. Não jogue a toalha! Pegue aquela frustração e a transforme em força, em revolta. Revolta contra a estação em que o trem errado te deixou. Revolta que traz uma vontade doida de pegar outro trem, ou de construir seu próprio trem, novos trilhos, e ir para o lugar em que já deveria estar. Quando você pega o caminho errado, ficar parado chorando ou reclamando não vai te levar para o lugar certo.

Não deu, é? Então agora é uma questão de honra. Faça o que tem de fazer. Insista. Tente outra vez. Um amigo te enganou? Você foi passado para trás? Não desista de fazer amigos por causa disso. Cometeu um erro? Se arrependa e faça o que é certo desta vez. Seu namorado te traiu? Seu ex-marido te batia? Não coloque todos os homens no mesmo saco. Seu casamento acabou? Não pense que nunca poderá ser feliz. Alguém te decepcionou? Perdoe e siga adiante. Não deixe de acreditar nas pessoas.

Um livro é diferente do outro. Seria ridículo eu desistir de ler qualquer livro só por ter encontrado alguns ruins. Seria absurdo eu dizer que não quero mais ler por ter errado na escolha de TODOS os livros desta semana. Imagine se eu ficasse pensando em cada um daqueles livros…nas promessas que eles me fizeram, no quanto eu esperava deles, em quanto me decepcionei e no que eu gostaria de ter lido em cada uma daquelas páginas! Aquelas páginas traidoras!

Imagina se eu continuasse remoendo? Não conseguiria fazer mais nada! Não teria forças para pegar um novo livro, me arriscar em novas linhas, pensaria: “Ah, os livros são todos iguais!” E nunca mais teríamos resenha, porque eu passaria o ano inteiro desperdiçando todos os bons livros por estar apegada à lembrança dos maus. Me agarraria às experiências negativas, me fechando para as positivas (o que, convenhamos, é uma tremenda falta de inteligência). E não sei de quem tenho mais dó, se dos bons livros, que jamais seriam lidos, se de mim, que jamais leria um livro decente, ou se de vocês, que nunca mais teriam boas dicas…rs…

Amigos, as experiências ruins servem como aprendizado, e só. Não são águas em que devemos nadar por muito tempo. Aliás, por tempo nenhum. Passou, não volte lá. Siga adiante. Não olhe para trás. Feche o livro, não se torture. Existem coisas melhores pela frente. Faça o que sabe que é o certo, mantenha sua esperança, sua fé, seus bons olhos, sua alegria. Não permita que nada lhe roube a alegria, nem suje seu coração. Sempre há uma nova chance, sempre há uma porta. Sempre há um novo livro, que pode ser aquele que vai te marcar para sempre, que pode ser aquele que te fará se lembrar do porquê de você amar tanto ler. Por isso, não desista.

O fato de parecer que quase tudo deu errado nas últimas semanas – nesta, principalmente – e que eu estava correndo contra o vento, não foi em vão. Quanto mais as coisas pareciam erradas, mais eu colocava, conscientemente, em prática o versículo de Hebreus 2:1 “Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos.” Desanimar também é se desviar das verdades ouvidas, assim como se desesperar, quando essas Verdades têm a ver com perseverança, força, certeza das coisas que se esperam – que é a definição de fé. Essa fé não comporta desistência e desânimo. Você pode até se chatear na hora, mas não alimenta esse sentimento. Você sabe que se estiver no caminho certo e não se desviar, não há possibilidade nenhuma de errar o destino.

 

Vanessa Lampert

Quer ler todas as resenhas? Clique aqui. 

 

PS: Caso queira ler mais um pouquinho sobre isso, escrevi o curtinho “A tribulação produz perseverança”.

 

Este post foi originalmente publicado no site Cristiane Cardoso.