As batalhas que a gente escolhe

Hoje estou com muita saudade dos meus amigos. Às vezes a minha conchinha fica grande demais…principalmente quando eu vejo pessoas de quem gosto tanto e com quem há tanto tempo não consigo conversar. Às vezes a gente vive na correria, os dias passam, os meses, os anos…e a oportunidade de bater papo fica cada vez mais escassa. E, infelizmente, os poucos momentos em que nós poderíamos dar atenção a alguém especial acabamos desperdiçando com pessoas que não gostam da gente (absurdo isso, mas quantas vezes já não aconteceu?) ou com situações que não valem o nosso esforço.

Dia desses, falando do fato de eu não ter saco para a Copa (nesse link aqui: http://lampertop.com.br/?p=2734), eu escrevi no blog que a gente escolhe as nossas batalhas. Isso é algo de que a gente tem que lembrar todos os dias. Essa batalha vale a pena? Porque uma batalha sempre vai tomar o tempo de outras batalhas. Priorizar. Não sofrer à toa. Não sofrer por algo que não valha suas lágrimas. Não supervalorizar um problema. Não gastar tempo com discussões inúteis. Escolher olhar as coisas por um lado positivo em vez de se afundar em mágoas e em negatividade.

O tempo passa rápido demais. Rápido demais, mesmo. A vida muda em um piscar de olhos. Não vale a pena gastar seu tempo e empregar sua energia em algo sem analisar muito bem antes. É como um investimento. Você não vai aplicar seu dinheiro em qualquer investimento que alguém oferecer sem pensar bem antes, sem pesquisar e comparar as opções. A gente não se dá conta do tesouro que tem nas mãos. E também não se dá conta de algo ainda mais precioso: a nossa escolha. Está em nossas mãos o que fazer com o tempo e a energia que temos. Está em nossas mãos gastá-los com coisas inúteis ou com coisas realmente importantes. Nossos amigos. Nosso relacionamento. Ajudar quem quer ser ajudado (sim, porque tem gente que não quer. Não gaste seu tempo com eles). Nossa espiritualidade. A salvação da nossa alma. Existe uma cartela de coisas boas que precisam de quem trabalhe nelas. Escolha as suas guerras. Saiba dizer não para batalhas inúteis. Saiba diferenciar.