Absurdo! Globo tenta golpe no Rio com manipulação tosca

Absurdo! Globo tenta golpe no Rio com manipulação tosca

E por que eu abomino esse grupo de comunicação

Deveria ser crime. Na verdade, deve ser crime. Esse tipo de manipulação tosca é fruto de duas coisas:

1 – A sensação de impunidade que uma emissora irresponsável desenvolve depois de anos distorcendo fatos e publicando como se fosse notícia (sensação essa partilhada pela revista Veja).

2 – A convicção de que o povo é idiota. Anos e anos subestimando a inteligência dos telespectadores e vendo o público comprar todos os argumentos distorcidos que ela vomita, fazem com que a Globo (e a Veja, já que são irmãs) tenha certeza de que fala com anencéfalos.

Assim, esse tipo de aberração acontece:

https://www.youtube.com/watch?v=j2D3K1dJC6w&feature=youtu.be

 

Conheço essa ficha. Como o vídeo esclarece, é ficha de membro. Eu já preenchi uma e nem existia PRB na época. Realmente, são muitas perguntas, como qualquer ficha de cadastro de qualquer lugar. Mas o cidadão que está assistindo à Globo, acreditando que está vendo um jornal sério, sabe disso? Não, ele não sabe! Ele está sendo levado a crer em uma mentira, está sendo manipulado por uma matéria tosca, sem ter a menor noção disso.

Ao ver que a possibilidade da vitória de Crivella é real, a Globo tenta apelar para o tapetão e forjar razões para inelegibilidade. Você realmente acredita que se tivesse uma grande quantidade de material de campanha apreendida em uma Universal a Rede Globo não faria questão de filmar? Imagina, todos os santinhos, adesivos e sei lá mais o que é material de campanha, com a cara do candidato que a emissora odeia, espalhados sobre uma mesa, como quando a Polícia apreende armas? Mas, sem o material irregular (porque, claro, ele não existe), só resta à globo tentar falsificar um “escândalo” eleitoral às vésperas da votação, na esperança de fazer alguém desistir de votar em um candidato que correria o risco de “inelegibilidade”. Factoide é isso. A imprensa inventa qualquer coisa negativa a respeito de alguma pessoa. Não é necessário ter provas, pois o jornalismo tupiniquim tem se habituado a trabalhar com “indícios”, ainda que criados a partir da interpretação equivocada de alguém. Assim, uma ficha de membro se transforma em material irregular de campanha, um saco estufado de pedidos de oração se transforma em saco de dinheiro, uma nota de um dólar sendo mostrada para a câmera se transforma em uma nota de cem dólares e a palavra de um bandido tem muito mais valor do que a palavra de alguém que é inocente – ou deveria ser, enquanto não se prova o contrário.

Essa é a mídia que apodrece diante dos nossos olhos. Apoiou a ditadura, esteve sempre ao lado dos piores e despreza qualquer melhora na sociedade, sempre buscando seus próprios interesses e pintando o pior quadro possível de instituições e pessoas que atrapalhem seus planos de poder. Pintando o pior quadro possível até do Brasil, mesmo quando as coisas estão muito melhores do que quando os amados da ditadura governavam. A Globo, Veja & companhia prestam um desserviço à sociedade brasileira, tentando boicotar aqueles que estão do lado dos menos favorecidos. Porque elas não estão. Os menos favorecidos só são contados para dar retorno financeiro a essas empresas com a venda dos produtos que anunciam. Os menos favorecidos também são contados como massa de manobra, mas, no fundo, são desprezados.

Temos visto a Globo (e a Veja…nunca me esquecerei de mencioná-la) falar mal da Universal há mais de vinte anos e do governo atual há doze. A repetição de factoides e reportagens maldosas e manipuladas acaba moldando na mente das pessoas a lente por meio da qual elas enxergam essas instituições e as pessoas que fazem parte delas. O preconceito é instilado na população como um veneno que corrói lentamente. Felizmente, o antídoto está na informação, cada vez mais divulgada pela internet, que nos deu a voz que não tínhamos antes. Até pouquíssimo tempo, essa mídia apodrecida era quem nos dizia o que era verdade e o que não era. E a verdade dela se tornava a verdade do povo, mesmo quando era mentira. Como saberíamos daquilo que ela queria esconder? Como nos faríamos ouvir se estivéssemos do “lado errado” do jogo? Como eu poderia dizer que, como membro da Universal, eu nunca sofri lavagem cerebral? Como eu poderia dizer que nossos cultos não são só um imenso momento da oferta? Como eu poderia dizer que realmente acredito que os repórteres do UOL dormem o culto inteiro e só acordam na hora da oferta? Como poderíamos dar nossa versão da história quando ela é oposta à versão da Globo e da Veja? Hoje, para o horror da velha mídia, temos voz e ela é ouvida.

E estamos formando um público que tem senso crítico, que não engole mais qualquer porcaria que a mídia jurássica tenta criar. O público de hoje vê uma capa da Veja com um factoide eleitoreiro e isso vira piada. O público de hoje vê esse vídeo que eu reproduzi aqui e percebe que tem mais furos que uma peneira. Foi apreendido material de campanha? Cadê o material de campanha? Justo pouco antes da eleição? E o que essa ficha tem a ver com material de campanha? Não parece uma ficha cadastral? E esse papel com o site do Crivella prova o quê? Como a Globo teve acesso exclusivo antes do Ministério Público? Que conversa é essa? Quem a Globo apoia?

Por isso, eu não voto e nunca votarei em candidato apoiado pela Globo e por essa mídia estragada. Na verdade, é meu primeiro critério de escolha de candidato (na verdade, é meu primeiro critério para análise de qualquer coisa. A Globo/Veja noticiou? Vou pesquisar e ouvir o outro lado, porque deve ser mentira). Sei que ela só apoia quem promete fortalecê-la e não é interesse do país dar força a quem não tem compromisso com a verdade e ainda alardeia ter. Não tem. E eu gostaria que ela fosse honesta quanto a isso. O problema é que se ela fosse honesta, deixaria de ser a Globo.