100 maneiras de motivar a si mesmo

100 maneiras de motivar a si mesmo

Peguei esse livro por acaso na livraria, em uma das estantes, escondido no meio dos outros. São textos curtos, cada capítulo fala sobre uma dica diferente e tanto o título quanto o subtítulo prometem bastante: “100 maneiras de motivar a si mesmo” (100 ways to motivate yourself) – “Um plano de ação para banir os pensamentos negativos que bloqueiam seus sonhos e objetivos”, da editora Sextante. (Estranhamente, são 110 capítulos, não 100.)

Eu não costumo ser muito atraída por esse tipo de título porque geralmente é de autoajuda clichê e emocional, que eu detesto. Mas não dá para descartar um livro só pelo título, eu tinha que ler algumas páginas. O conteúdo me surpreendeu positivamente! Não é um livro autoajuda-cheerleader (emocionais, cheios de clichês, que ficam saltitando ao seu redor, dizendo que você é o máximo, que vai conseguir, u-huuuu! Vo-cê! Vo-cê! Vo-cê!), é um livro que faz você ter certeza de que vai conseguir. Ele faz você pensar e perceber de maneira lógica que se fizer x, vai alcançar y. O autor, Steve Chandler, é coach de liderança e tem uma forma de pensar bastante parecida com a minha, é bem humorado e escreve muito bem, então foi uma leitura muito prazerosa.

Como os capítulos são curtos e objetivos, é um livro bem legal até para quem não tem muito tempo e também para quem não tem muito hábito de ler. Você termina um capítulo rapidinho e fica meditando nele até pegar o livro de novo e ler o próximo. Não importa se levar 110 dias para ler o livro…rs. O importante é conseguir extrair o melhor dele. E tem muuuita coisa legal, eu nem teria como colocar trechos de tudo o que achei útil, ou teria que escrever outro livro.

Mas a leitura foi uma boa conversa. Steve Chandler me deu alguns chacoalhões e em outros momentos eu tinha que corrigi-lo: “acho que não foi bem isso que você quis dizer” (sim, eu converso com livros rs), como quando diz: “Quando escrevemos nossos planos e sonhos, precisamos ditar o que nosso coração manda”, não é bem isso que ele quis dizer. Ele está falando sobre pensar grande e não se limitar. Eu sei que não foi isso o que ele quis dizer porque dizer “siga o seu coração” não combinaria com as outras coisas que ele diz no livro todo, então eu o perdoo, Chandler rs.

Os capítulos são pequenos (110 em 187 páginas), mas todos têm alguma coisa forte e prática. Ele fala sobre ser seletivo com suas amizades, sobre a importância do silêncio, sobre tornar as coisas mais leves, sobre como cumprir suas metas, sobre criar as melhores condições possíveis para o pensamento, sobre discutir com o pessimismo…aliás, essa é ótima, olha um trecho:

“Se quer aproveitar ao máximo seu biocomputador (que é o cérebro), precisa reconhecer que os pensamentos pessimistas são menos eficientes. Depois de admitir a natureza pessimista do seu pensamento, você estará pronto para dar o próximo passo: aprender a argumentar a favor da visão otimista.

Comece a questionar sua primeira linha do pensamento. Faça de conta que você é um advogado cujo trabalho é provar que o seu lado pessimista está errado. Baseie seu caso naquilo que é possível. Você vai se surpreender. O otimismo é expansivo por natureza – abre uma porta após a outra para as possibilidades. O pessimismo é justamente o oposto: é restritivo, fecha portas. Se você realmente quer abrir a sua vida e se motivar para o sucesso, torne-se um pensador otimista.”

É uma boa técnica para enfraquecer pensamentos pessimistas. Porque eles vêm com aquela aparência de “especialista na situação” e a gente geralmente os ouve com a maior reverência. Se começar a enfrentá-los e a duvidar deles, perderão a força. E não se esqueça: não há pensamento neutro. Ou o pensamento é otimista, ou pessimista.

Um ponto interessantíssimo do livro é a visão dele com respeito ao bombardeio de informações. Inclusive, há um capítulo em que ele sugere que o leitor faça um jejum de informações. :) E a opinião dele sobre noticiários é bastante semelhante à minha. O  trecho abaixo me fez dar as mãos ao meu novo amigo Steve e decidir que tinha gostado do livro, definitivamente. rs

“Se você é espectador ou ouvinte frequente de noticiários, pertence a um culto bastante persuasivo e hipnótico. Você precisa ser desprogramado com urgência! Comece mudando a forma como vê ou escuta as notícias e os programas sensacionalistas. Elimine todos os pensamentos negativos, cínicos e céticos que está deixando fluir para sua mente ao se abrir para esse tipo de entretenimento. Tais programas não são de notícias, e sim de más notícias. Quanto mais você considerá-las notícias, mais vai acreditar que ‘é assim mesmo’ e mais medroso e cínico vai se tornar.

(…)

Às vezes é impossível evitar as reportagens de crime e escândalos, por isso é importante aprender a encará-las de uma forma capaz de desprogramar seu efeito colateral. Fazemos isso muito bem quando passamos os olhos pelos tabloides nas bancas de jornal. Já estamos rindo antes mesmo de ler a manchete de que extraterrestres vivem na Casa Branca. Precisamos ter essa mesma atitude quanto à imprensa considerada séria.”

É exatamente assim que eu vejo as notícias. Nunca me permito embarcar emocionalmente em uma notícia de crime ou escândalo. Minha opinião é geralmente o contrário do que a Globo ou a Veja pregam. E não é por ser desinformada, pelo contrário, me informo o suficiente para não concordar com a imprensa tradicional.

“Jamais pensaríamos em passar pela cabine do piloto antes de um voo e dizer a ele: ‘Pode me levar para qualquer lugar!’ No entanto, é dessa forma que vivemos nossos dias quando deixamos de verificar o mapa.”

A maioria vive assim. Simplesmente segue o fluxo, no pior estilo “deixa a vida me levar”. E essa é a melhor forma de desperdiçar a vida.

“A chave para a transformação pessoal está na sua vontade de fazer coisas bem pequenas – mas fazê-las hoje.”

E eu corrijo Chandler aqui: A chave para a transformação pessoal está na sua decisão de fazer coisas bem pequenas – mas fazê-las hoje. Porque vontade é algo que vem e vai, mas o poder da decisão é nos manter firmes até o fim, em qualquer propósito que definirmos.

Vou deixar mais um trechinho aqui, que fala sobre escritores, mas que eu creio que valha para tudo o que você quer fazer na vida.

“Às vezes, não fazemos certas coisas porque não temos certeza de que iremos fazê-las bem. Achamos que não estamos com vontade ou energia suficiente para cumprir aquela tarefa, então, adiamos, ou esperamos até que a inspiração venha a nós.

O exemplo mais conhecido desse fenômeno é o que os escritores chamam de ‘bloqueio criativo’. Uma barreira mental parece se erguer, impedindo o escritor de continuar a escrever sua obra. (…)

O ‘bloqueio’ (ou falta de automotivação) ocorre não porque o escritor não consegue escrever, mas porque ele pensa que não pode escrever bem. Ou seja, ele acha que não tem energia ou a voz pessimista dentro de si o desencoraja, o faz duvidar da própria capacidade. Isso acontece com muitos de nós, mesmo com algo tão insignificante quanto um e-mail ou um relatório.

(…)A cura para o bloqueio criativo – e também o caminho para a automotivação – é simples: ir adiante e escrever mal. (…) Com o mero ato de digitar um texto, você enfraquece a voz pessimista que tenta convencê-lo a não tentar. De repente, está escrevendo. Uma vez que entra em ação, fica mais fácil obter mais energia e qualidade para o seu trabalho.”

 

PS: Li esse livro no meio de 2014 e ano passado mesmo fui atrás dos outros livros do autor. Estou terminando “100 maneiras de motivar as pessoas” (leeentamente…levando muito mais do que 110 dias. Deixo na bolsa e leio em salas de espera rs), creio que vai dar uma resenha, é bem legal. Ainda falta ler “100 maneiras de criar riqueza”. 😀

 

O teste do silêncio

1211065_48265428

Hoje eu cansei da minha voz. Decidi não falar, a menos que meu marido me perguntasse alguma coisa. E, mesmo assim, responderia em tom baixo e pausado. Nada de falar alto ou atropelando as palavras alucinadamente (eu oscilo entre falar pausado demais – principalmente quando estou cansada ou com sono e as palavras fogem – e emendar uma palavra na outra, quase sem respirar, as palavras como um bando de cavalos selvagens trotando loucamente em campo aberto sem encontrar nenhum obstáculo pelo caminho) e também nada de ouvir aquele trinado metálico irritante que determinada nota na minha voz faz, ressoando dentro da minha cabeça como um gongo recém atingido. Eu falaria baixo e melodiosamente, quase flutuando pelo som.

E foi o que fiz.

Estranhamente, aquelas palavras em turbilhonamento dentro da minha cabeça se acalmaram. Alguém desligou o liquidificador. Consegui me concentrar melhor, percebi que estava mais centradinha. Claro, estou tendo alguma dificuldade de ordem conjugal, com meu marido me perguntando de cinco em cinco minutos: “você está bem?” “está tudo bem?” “está acontecendo alguma coisa?” Mesmo eu tendo avisado a ele que tinha decidido falar menos e mais baixo. Eu não sou daquelas mulheres chatas que não param de falar (pelo menos ele diz que não sou), mas, pelo visto, ele sente falta da maritaca contando as coisas que descobriu nas pesquisas, fazendo perguntas, falando do apocalipse, dos livros que está escrevendo ou editando, do que leu e dos artigos que precisa terminar (trabalhamos no mesmo ambiente, então dá para ir fazendo pequenas intromissões ao longo do dia). Até que ele, depois de muito participar da alegre cantoria diária, anuncia sua entrada na caixinha do nada: “agora vou ficar quietinho, tá?” E o silêncio reina até que a caixinha se abra novamente (o que, geralmente, demora bastante rs). :)

Só depois que parei de falar é que percebi o barulho. Sabe quando alguém desliga uma máquina que você nem percebeu que estava ligada e, subitamente, você escuta o silêncio? Então… Está aí uma boa dica para esse final de Jejum de Daniel: um jejum de palavras. Não precisa necessariamente cortar comunicação com as pessoas e ficar falando por mímica. A ideia, na verdade, partiu de uma constatação a respeito da experiência que costumamos ter no Templo de Salomão.

Percebi que a experiência do Templo de Salomão só é realmente completa (para mim) quando eu chego bem mais cedo e fico em silêncio, lendo a Bíblia, meditando, orando e escrevendo. Quando a reunião começa, já estou sintonizada (tente fazer isso antes do culto em sua igreja, mesmo que não seja no Templo. Vai perceber a diferença). Pensei que talvez guardando mais silêncio e diminuindo o volume da minha voz, eu conseguiria manter a sintonia o dia inteiro, sem muitas interferências – o que potencializa o Jejum de Daniel. E eu estava certa.

Vale a pena tentar. Amanhã, fale menos. Limite-se ao mínimo necessário e, quando falar, use um tom de voz mais baixo, mais suave. Depois me diga como foi a experiência.  E, se pensar bem, uma pessoa educada só fala quando seu interlocutor para de falar. Deus é muito educado. Ele não nos interrompe, não nos atropela. Então, se não diminuirmos o ritmo de nossa fala, como ouvi-Lo? E, se você acha que Deus só fala na igreja ou quando estamos orando, seu relacionamento com Ele precisa de uma turbinadinha.

“Falou mais Moisés, juntamente com os sacerdotes levitas, a todo o Israel, dizendo: Guarda silêncio e ouve, ó Israel! Hoje, vieste a ser povo do SENHOR, teu Deus. Portanto, obedecerás à voz do SENHOR, teu Deus, e Lhe cumprirás os mandamentos e os estatutos que hoje te ordeno.” (Deuteronômio 27.9,10)

Guarda silêncio e ouve. Sem guardar silêncio, como ouvir? E, pior ainda, se você passa o dia reclamando e falando de problemas, quando vai ouvir a voz de Deus? Para obedecer à Sua voz, é necessário ouvi-La. E só ouvimos uma voz de cada vez. Ou você ouve sua própria voz, ou ouve a voz da dúvida, ou ouve a voz do medo, ou ouve a voz dos problemas, ou ouve a voz das impossibilidades, ou ouve a voz de Deus.

Adivinha só qual é a melhor opção?

 

 

PS: Se você tiver a felicidade extrema de ler este texto pela manhã e fizer esse teste do silêncio durante o dia todo, vai potencializar muito sua experiência na reunião da noite (estou pensando em quem vai à Noite da Salvação, na Universal quarta-feira).

Quem pode permanecer na presença de Deus?

sinai

“Quem subirá ao monte do SENHOR? Quem há de permanecer no Seu santo lugar? O que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à falsidade, nem jura dolosamente. Este obterá do SENHOR a bênção e a justiça do Deus da sua salvação. Tal é a geração dos que o buscam, dos que buscam a face do Deus de Jacó.” (Salmos 24.3-6)

Bem simples, meus amigos. Não é necessário ter profunda sabedoria ou duzentos pontos de QI para entender isso. Davi faz duas perguntas: “Quem subirá ao monte do SENHOR?” e “Quem há de permanecer no Seu santo lugar?” Não é isso que você quer? Não é para isso que está fazendo o Jejum de Daniel? Não é para se aproximar de Deus e permanecer na Sua presença? Não há muitos critérios para se chegar até Deus, mas há muitos critérios para se permanecer na presença dEle. Você pode se aproximar de Deus como estiver, mas se quiser tê-Lo ao seu lado por toda a vida (e depois da morte), terá de se encaixar na disciplina dEle. E qual é essa disciplina? Está na resposta de Davi:

“O que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à falsidade, nem jura dolosamente. Este obterá do SENHOR a bênção e a justiça do Deus a sua salvação.”

Note que ele não diz nada a respeito de títulos religiosos ou de tempo de igreja. Limpo de mãos. Puro de coração. Que não entrega a sua alma à falsidade. Que não jura dolosamente. É assim que temos de ser para alcançarmos a bênção e a justiça que tanto queremos. Isto é, se você tiver as mãos sujas, cometendo injustiça; se tiver o coração sujo, com mágoas, ressentimentos ou maus olhos; se você entrega sua alma à falsidade, sendo uma coisa na frente das pessoas e outra pelas costas, sem coragem de falar o que realmente pensa, sendo falso, infiel, dissimulado, desonesto e não confiável; se jurar dolosamente, mentindo, testemunhando em falso, quer seja para se safar de alguma punição ou para prejudicar outra pessoa, você não pode permanecer na presença de Deus.

O lugar santo é santo, é limpo. Se quiser rolar na lama, não pode ficar no lugar santo. Se quiser ficar no lugar santo, não pode rolar na lama. Não tem meio termo.

Faça a sua escolha.

Sobre 50 tons de cinza e os mil tons de ignorância

fifty-shades-grey

O artigo polêmico foi publicado primeiro no blog do Bp. Renato Cardoso. De autoria da cantora e escritora americana Evelyn Higginbotham, o texto gerou comentários furiosos de pessoas que queriam porque queriam assistir ao filme 50 tons de cinza sem peso na consciência. Evelyn não ajudou muito. Ela faz uma análise dura do espírito do livro que deu origem ao longa e rasga o verbo dizendo que os responsáveis pelo sucesso do livro são os “demônios da depravação”. Ok, a palavra “depravação” está em desuso, vem à mente a figura de uma velhinha carola acusando: “seus depravados!” Mas, se deixar seu preconceito de lado, você vai concordar com ela. “Depravar” significa estragar, mas tem vários outros significados: prejudicar-se, perverter-se, corromper-se, provocar a decadência. Não há nada que combine mais com 50 tons de cinza.

O livro é ruim. Não é bem escrito, a história, em si, só convence quem já está predisposto a gostar ou que, pelo menos, vai com o coração aberto para se emocionar. Como eu não sou uma pessoa facilmente “emocionável”, achei ridículo – e estou sendo sincera. Sim, eu li o livro. Tinha que fazer uma resenha e, ao contrário de um artigo, em que a pessoa é livre para dar sua opinião tendo ou não lido o livro inteiro, para escrever uma resenha, eu tenho que ler até o fim. Só que a postura para se ler um livro sobre o qual você vai resenhar deve ser crítica. Eu sou uma leitora difícil e o livro tem que me conquistar, tem que me convencer de que vale a recomendação. 50 tons de cinza sequer se esforçou. Se fosse um homem, seria daqueles que só querem levar a mulher para a cama. Tem uma historinha pseudo-romântica, mas é só fachada para as cenas de sexo, não sejamos hipócritas. E as cenas de sexo, apesar de literariamente ridículas (por serem excessivamente descritivas), causaram impacto na maioria das leitoras.

Se tudo é tão ridículo e malfeito, por que raios o troço se tornou um best-seller? Honestamente, eu só posso concordar com a Evelyn, o melhor agente literário de porcaria é o diabo. E não pense, com isso, que estamos dizendo que as pessoas que praticam esse tipo de sexo torto são malignas ou malvadas porque “estão com demônio”, como se as pessoas fossem demônios. Na verdade, o mal não tem o menor interesse em quem já é mau. O interesse dele é prejudicar, perverter, corromper e provocar a decadência da vida de suas vítimas. O problema é quando essas vítimas não percebem que estão sendo envenenadas, lenta e gradualmente pelo conteúdo estragado que consomem na mídia, na literatura, no cinema, na música, no entretenimento, em geral.

O engraçado (ou triste, dependendo do ponto de vista) é que o artigo da Evelyn causou uma discussão absurda. Tudo bem você defender seu direito de comer lixo à margem do Tietê. Cada um com suas preferências gastronômicas. Mas não é justo querer calar alguém cuja opinião contraria a sua (a sua opinião que, diga-se de passagem, é igual à da maioria) se a intenção dessa pessoa é apenas a de alertar a quem está inocentemente se encaminhando para o monte de cocô, sendo enganado pela propaganda, achando que vai comer espaguete ao alho e óleo. Você pode achar que as pessoas devem fazer o que quiserem e descobrir, por conta própria, que não gostam de comer cocô. No entanto, eu gostaria de ter a chance de ser poupada do gosto de fezes na boca e consideraria meu amigo quem me alertasse. Por isso, é impossível que eu não alerte a outros.

Se você está confuso quanto a assistir ou não ao filme ou quanto a ler ou não o livro porque viu comentários dizendo que você deveria formar sua opinião só depois de comer o cocô, um alerta: essas pessoas não são suas amigas e não estão nem aí para você. Elas só dizem isso porque querem fazer o que têm vontade, sem peso na consciência. No entanto, não são honestas para admitir isso nem para elas mesmas. Não digo isso com raiva, mas com pena. Porque se o personagem canastrão Mr. Grey tem 50 tons de cinza em sua alma, a ignorância tem pelo menos uns mil tons.

Quem diz que 50 tons de cinza “é só ficção” ou que sabe separar ficção de realidade, não faz a menor ideia do que está falando. Há várias pesquisas sobre isso isso. Já se mostrou que há alterações significativas no cérebro de quem lê romances. E também que o nosso cérebro não diferencia ficção de realidade e, durante a leitura, ativa as mesmas áreas que ativaria se estivéssemos praticando aquela ação. A leitura da palavra “perfume”, por exemplo, ativa a área responsável por sensações olfativas. Ainda que você entenda “oh, é ficção” e tente separar depois, alguma marca vai ficar. Seu cérebro vai armazenar como experiência vivida. Provavelmente por isso, o que leu começa a ficar banalizado, o comportamento é visto de forma cada vez mais normal e assimilado com facilidade. Agora, imagine assistir a um filme…

Quem diz que não tem nada a ver, não entende nada de história e de literatura, também. Em toda a história da humanidade, a literatura foi usada como meio de influenciar o pensamento e até mesmo arma de manipulação ideológica. Por meio da literatura, comportamentos antes considerados negativos passaram a ser vistos como positivos. Por meio da literatura, mudanças sociais foram sugeridas e digeridas. Para o bem ou para o mal. Geralmente, para o mal, porque o movimento que nossa sociedade tem feito desde a primeira prensa até os dias atuais é na direção da degradação do que temos de melhor. Talvez estejamos no fim da civilização como a conhecemos, a julgar pela propagação da ignorância e estagnação dos cérebros.

Curiosamente, a revista Isto é trouxe matéria de capa falando das pessoas que tiveram “a vida sexual transformada”  pelo livro (pobres criaturas), descredibilizando a palavra de quem, na profunda ignorância, disse que ficção é algo inócuo, que não muda a vida de ninguém. Muda, sim. A boa ficção, muda para melhor. A ficção ruim geralmente só dá dor de barriga. Mas a ficção envenenada, mata aos poucos. Não é de uma hora para outra que seu casamento vai se estragar por causa de 50 tons de cinza ou similares que incentivem a degradação feminina. Não é de uma hora para outra que as mudanças acontecem. E esse é o maior erro das pessoas, em todas as esferas: ignorar o poder das coisas aparentemente insignificantes. O sábio rei Salomão escreveu que são as raposinhas que destroem a vinha. As raposinhas são aquelas pequenininhas, fofinhas e aparentemente inofensivas. É aquela história bonita que faz você chorar. É aquele filme romântico que deixa você suspirando. Fala de amor, pôxa vida, que mal tem? Que mal pode fazer?

Se as pessoas quiserem jogar seu tempo e seu dinheiro no lixo vendo algo que com certeza irá prejudicar sua vida, paciência. Já os mais inteligentes, que dão valor ao seu tempo, ao seu dinheiro e ao seu cérebro, certamente vão usar o tempo e o dinheiro economizados com algo mais útil. Esses, certamente são gratos à Evelyn pelo alerta.

 

 

PS: O mais engraçado são as pessoas que cobram que o Bp. Renato leia o livro antes de criticar, mas não percebem que o texto é da Evelyn…não conseguem sequer ler um post com atenção para perceber que não é dele, será que dá para confiar na percepção delas a respeito de um livro?

PS2: Para quem quiser ler a resenha que fiz sobre o livro, está aqui:  http://blogs.universal.org/cristianecardoso/pt/livros-que-nao-sao-o-que-parecem-cinquenta-tons-de-cinza/  

PS3: Depois disso, o artigo foi publicado também no blog da Cristiane e no do Bispo Macedo e alguns dos comentários no blog da Cris são muito semelhantes aos dos haters no blog do Bp. Renato.Alguns, prefiro nem ler para não sair do Espírito, sinceramente. Meu recado já está dado aqui, aos sinceros que, como eu, não gostam de coprofagia.