Guerra contra o sentimentalismo

sentimento2

Estou fazendo o Desafio Godllywood, que é uma série de tarefas para mulheres que querem melhorar emocionalmente, fisicamente e espiritualmente. Preferi não fazê-los na ordem, mas fui escolhendo os que seriam mais importantes para mim neste momento. Também não estou fazendo um por semana, escolhi combinar vários, de acordo com o que consigo, para fazer bem direitinho e em um ritmo mais intensivo, que tem mais a ver comigo. Todos eles têm alguma espécie de divulgação em redes sociais. Uma frase, uma foto, cada desafio vem com uma orientação de divulgação, para provar que estamos fazendo. Quando você torna uma tarefa pública, é natural que se comprometa mais com ela. No entanto, o que eu acho mais legal em publicar meus desafios, é a oportunidade de ajudar outras pessoas, passando o que aprendi. Como o desafio de hoje acabou rendendo um texto relativamente grande, preferi transferi-lo para o blog, assim consigo ajudar um número maior de pessoas e a informação não se perde. Colo aqui o enunciado do Desafio Godllywood 83:

“Entre em guerra contra os sentimentos e as emoções. Quando for surpreendida pelo medo, ansiedade ou pena de si mesma, reaja imediatamente usando a sua razão. E o que é a razão? Abrir a mente, pensar! Na hora que precisamos decidir ou resolver coisas, não podemos nos deixar sentir coisas – temos que usar a fé inteligente.

Usando o exemplo da moda do jeans rasgado: é um fato que nem todo mundo gosta e, até aí, não tem problema algum – é questão de gosto. Agora, quando se começa a criticar a pessoa que gosta, não seria isso uma maneira de reagir com a emoção? Quem planta emoção, colhe emoção – e emoção não leva ninguém a lugar algum.

Cuidado, meninas, sejamos sábias! Não é à toa que a Bíblia nos ensina a ser sábias e não sentimentais. Essa semana, pense como você tem reagido ultimamente e se suas emoções têm lhe atrapalhado nessas horas. Procure reagir na razão em tudo.

Até o fim da semana, poste o seguinte na nossa página do Facebook: Eu uso a minha razão para resolver meus problemas. #DesafioGodllywood83”

Escolhi esse desafio porque seria um dos mais difíceis de fazer nesta semana. Meu sogro estava na UTI desde dezembro. Foram meses de muita oração e muito complicados para nós. Para mim, especificamente, acompanhar, ainda que à distância, aquela rotina de UTI, com paciente piorando e melhorando a cada visita, era uma espécie de tortura, porque me fazia lembrar o que eu senti quando meu marido esteve hospitalizado. Eu combatia aqueles sentimentos com a fé, mas o desafio me fez racionalizar claramente o que eu tinha que fazer. E me deu um roteiro muito específico, que me ajudou nos últimos dias.

Estávamos esperançosos porque ele melhorava e estava reagindo, já tinha até previsão de alta, mas na quinta ele piorou de uma hora para outra e, na sexta, faleceu. Meu esposo arrumou as malas e viajou em questão de horas. Não fiquei triste pelo meu sogro, apesar de ser muito ligada à família do meu marido, pois entendemos que ele foi salvo – e isso não é motivo de tristeza. Porém, além do medo de que a carga emocional do momento prejudicasse a saúde do meu marido, somos muito unidos e sempre que ficávamos separados, era um drama para mim (principalmente na TPM).

Mas…o desafio é  reagir imediatamente usando a razão. Toda vez  que batia a tristeza por ele estar longe, eu raciocinava: “esse é um momento dele, eles já perderam a mãe e ele precisa ajudar a única irmã, que é solteira. Os dois precisam desse tempo. E eu tenho um bilhão de coisas para fazer.” E, em vez de ficar pensando abobrinha, me ocupava em fazer o que tinha de ser feito em casa e no trabalho.

Depois, vi fotos de amigas minhas com amigas delas e comecei a ficar triste porque estava sozinha. “Nenhuma amiga tem tempo para mim”, “ninguém lembra que eu existo”, “por que ninguém me convida para nada?” – foram algumas das coisas que passaram pela minha cabeça na hora. Aí, imediatamente, eu me posicionei contra aquela postura ridícula de vítima. Peraí, cidadã. Se for assim, você também não tem tempo para ninguém. Quantos e-mails pessoais têm na sua pasta “responder”, aguardando resposta porque você não conseguiu fazer tempo para todos eles? Você também sabe que não é a criatura mais sociável do universo. E como quer receber sem dar? – Pensar essas coisas já neutralizou a voz da “María la del Barrio” que existia em meu coração rs. Até porque, eu não tenho – e nunca tive – saco para novela mexicana, vamos combinar.

Então, como era sábado, convidei uma amiga para almoçar comigo. Ela já tinha compromisso com a família e não pode ir, mas marcou de me encontrar outro dia (acabou não dando certo, também, porque a chuva nos atrapalhou, mas ela ficou me devendo um passeio haha). Aquela minha atitude colocou um fim no drama que começava a se formar na minha cabeça. Eu não aceitaria me sentir a vítima abandonada.

Resultado: ao contrário da última vez em que meu marido viajou sozinho (e que, lei de Murphy, eu estava na TPM), eu não fiquei enchendo o Whatsapp dele de lamúrias de saudade, e deixando o pobrezinho angustiado e sofrendo. Cuidei de mim, tomei pelo menos 2 litros de água por dia, me alimentei nas horas certas, cuidei da casa, trabalhei, me foquei nas coisas que precisava fazer e o deixei à vontade para vir só quando pudesse vir. Ele ficou mais tranquilo (tudo o que não precisava neste momento era ter de se preocupar com uma esposa histérica, por favor, né?), fez o que era necessário fazer por lá e, desta vez, foi ele que ficou mandando mensagens de saudade e fez tudo bem rápido para voltar logo.

Claro que eu quero que ele volte para eu cuidar dele, mas é incrível como eu não estou sofrendo, nem me torturando, nem me vitimizando. Simplesmente porque escolhi não alimentar os sentimentos que me colocam para baixo. Quando percebo um deles vindo, raciocino e mato antes que nasça e dê filhotes. Agora meu marido vai chegar e encontrar uma esposa forte para ajudá-lo a se manter firme na fé e a superar essa fase da melhor maneira possível. E pronta para mimá-lo bastante. Aproveitei também para comprar um colchão novo e vamos nos livrar das dores nas costas. Usei bastante minha Agenda Godllywood para organizar meus dias e conseguir dar conta de tudo (porque meu esposo me ajuda muito em casa, sem ele aqui, muda toda a rotina e eu tive que me adaptar sem sair do eixo). Nem a TPM foi capaz de me arrastar para a areia movediça do sentimentalismo autodestrutivo rs.Termino esta semana muito mais forte e com certeza me manterei focada nesse desafio for life.

 

PS: Atenção à foto: Note o brinquedinho do Tiggy perto do meu braço, olhando apavorado para minha tentativa de fazer um olhar dramático…kkkk

Sobre as manifestações midiáticas

latuff-e-a-globo

Não se deixe manipular pela mídia. Entenda uma coisa: a mídia golpista não está nem aí para o Brasil, para a ética, para a verdade, para a liberdade, para você ou para o combate à corrupção. Ela usa mentiras e distorce verdades para cumprir a agenda de quem paga melhor. Tem gente de olho na Petrobras e não é o PT.

A mídia diz quem você deve odiar, de quem você deve gostar e a quem você deve amar. Ela empurra goela abaixo uma opinião e vende como informação. Não há apuração decente dos fatos e o noticiário é uma grande peça de propaganda. O que está se delineando não é o clamor popular pelo fim da corrupção. O que se delineia é o quadro do caos, com uma multidão manipulada e despolitizada que realmente acredita que impeachment ou ditadura militar sejam a solução dos problemas.

Esse pessoal movido a raiva e que consegue odiar, detestar ou desprezar pessoas a quem não conhece, é do tipo que facilmente abriria os braços para o anticristo achando que ele é um grande estadista. Eu é que não vou para as ruas em um evento orquestrado pela Rede Globo & cia. para manipular a opinião pública mais uma vez e transformar o Brasil em uma novela ridícula. Tenho uma visão muito racional de tudo o que está acontecendo e ela me leva a me posicionar contra Globo, Veja, Folha de São Paulo, Época, etc. e a favor da democracia.

A favor da Dilma e da Petrobras? Sim, enquanto elas representam a minha liberdade de pensar o que eu quiser sem que a Globo me diga como as coisas são (na visão dela) ou de quem devo gostar. A vida não é uma novela e política não é um jogo de futebol. Que dia 15 as pessoas que realmente raciocinam fiquem em casa lendo um livro de História. Eu não vou fazer figuração para o projeto de golpe da Rede Globo. Vou cobrar de quem eu elegi e apreciar o momento histórico em que denúncias são investigadas (no meu tempo, elas eram engavetadas e a roubalheira corria solta). Esperar que a justiça humana seja feita e pedir a Deus justiça, pois não há injustiça maior do que alguém que diz fazer jornalismo privar o povo da verdade por interesses mesquinhos.

Resumindo minha opinião:

 brizola

 

 

PS: Tem coisa pior do que gente pedindo impeachment sem fundamento. Só uma pequena ilustração do tipo de espírito que tem se alimentado dessa histeria midiática:

espirito

Se isso não é ódio cego e burro, não sei o que é.

 

A morte com Deus

morte

Não há tristeza quando você sabe para onde vai sua alma. A vida é um sopro. Em um instante, tudo acaba. E a Eternidade começa. É o momento em que você colhe o que plantou. Não tem como esperar passar a eternidade com Deus se você não se interessou em ter um relacionamento com Ele enquanto estava neste mundo.

Já para quem escolheu, ainda neste mundo, ficar com o Autor da vida, a morte é um momento de alegria. Há festa no céu por um pecador que se arrepende. Imagina a festa quando ele, finalmente, chega ao Lugar em que Deus sempre quis que ele estivesse, onde nenhum mal poderá alcançá-lo! É isso que significa “Aquele que crê em Mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em Mim, não morrerá eternamente.”  – João 11.25,26

Nos momentos mais difíceis, em que as pessoas normalmente se desesperariam, o Espírito Santo nos consola e nos dá paz. Isso religião nenhuma pode dar (nem a evangélica), apenas um relacionamento com Deus é capaz de fazer.

Muito obrigada, meu Senhor, por nos amar até o fim, a ponto de transformá-lo em um novo começo.

Como andar para frente

sign

Cada escolha que você faz é um passo que você dá. Uma boa escolha é um passo para frente. Uma escolha ruim, um passo para trás. Como acertar? Com a direção de Deus, você toma decisões corretas. Mas cuidado para não confundir a direção de Deus com a direção do seu próprio coração. Sua vontade não é “direção de Deus”. O clamor da multidão não é “direção de Deus”.

A voz de Deus só se ouve no silêncio do nosso espírito, com a certeza de que alcançaremos o resultado esperado, ainda que o caminho seja diferente do que gostaríamos.  A voz de Deus exige confiança. Ela vem dentro da nossa mente e às vezes nos pede para dar a outra face, entregar a túnica quando nos pedem a capa, andar a segunda milha quando já andamos uma. Uma aparente perda para um ganho muito maior, que não conseguimos ver no momento. A escolha certa nem sempre é a que queremos fazer. Muitas vezes, contraria nossa vontade. Mas toda escolha certa é um passo em direção ao nosso objetivo. Cada passo que dá em direção ao seu objetivo, ainda que seja um passinho de bebê, leva você mais perto daquilo que quer alcançar.

Por isso, escolha dar passos em direção ao objetivo. Não desvie o caminho. Não ouça o clamor da multidão para dar um passo aparentemente mais vantajoso, mas que a levará para longe de onde você quer chegar. Pense e invista naquilo que trará resultado de longo prazo. Se quiser andar para frente, não dê passos para trás.