A inabilidade de ver imagens na mente

violin-1569489

Ao se lembrar daquela sua tia querida, a imagem do rosto dela vem nitidamente à sua memória? Você consegue imaginar uma paisagem bonita de forma clara? É capaz de formar imagens em sua mente? Até uns cinco anos atrás, não fazia ideia de que as pessoas podiam “ver” imagens mentalmente. Achava que todos pensavam como eu, com palavras, sensações e conexões sensoriais e extra-sensoriais (não sei explicar rs). Claro, tenho muita imaginação. Consigo criar histórias na minha cabeça, mas nunca vi imagem nítida nenhuma acordada. É algo muito mais sensorial e cheio de palavrinhas.

Pelo que li, há casos muito mais graves do que o meu, em que pessoas não conseguem ver absolutamente nada. Meus “olhos da mente” veem como alguém que tem uns 10% de visão (ou menos). Meus sonhos são super nítidos e detalhados, mas meus pensamentos não têm imagens e minhas lembranças são escuras, sem detalhes, tudo meio nebuloso e enfumaçado. Como um filme quase apagado de cem anos atrás.

Ok, é meio chato você saber que as pessoas podem fazer filmezinhos nítidos em suas cabeças e você não, mas isso nunca foi uma fonte de frustração para mim. Por isso, foi com espanto que li uma reportagem em que um cidadão “portador de aphantasia” (por que a ciência tem mania de rotular tudo o que é diferente, como se fosse uma doença? Coisa chata) dizia que, quando descobriu que outras pessoas viam imagens, ficou muito abalado, como se estivesse perdendo algo muito importante na vida. Ele se sentiu isolado e sozinho.

Oi? Como assim, cidadão? Seu cérebro funciona de um jeito diferente, não significa que ele esteja quebrado! E por que raios isso é motivo de se sentir isolado e sozinho???? Ok, não quero desprezar o sofrimento de ninguém ou menosprezar os dramas da vida. Mas não faz o menor sentido. Nunca vi uma imagem nítida na minha cabeça e até acho que seria muito desconfortável ver. Sério, quando fecho os olhos, fica tudo escuro. É quase como silêncio. Já era chatíssimo antigamente estar sozinha em um lugar silencioso e ter de conviver com o barulho dentro da minha cabeça (graças a Deus por hoje ser capaz de ter silêncio na minha mente), imagina se ainda tivesse imagem?

Em vez de pensar no que as outras pessoas faziam e ele não podia fazer, se comparando negativamente, esse ceguinho mental poderia tentar descobrir o que ele fazia melhor do que os outros ou desenvolver alguma habilidade diferente. Porque quando uma área de nosso cérebro não funciona direito, geralmente alguma outra área acaba compensando. No meu caso, é a área da linguagem e a capacidade de ser detalhista.

Tudo depende da sua forma de reagir às coisas.  O fato de não saber que eu tinha uma “dificuldade” me fez ignorá-la completamente. Aprendi a desenhar (com predileção por figura humana). Aprendi a fazer esculturas de pessoas. Sou boa com proporções do corpo humano e tenho excelente senso estético. Desenvolvi a habilidade de prestar atenção aos detalhes. Como penso com palavras, meu olhar para texto sempre foi bem apurado. E isso me ajuda no trabalho, editando textos, analisando, lendo, revisando e escrevendo. Consigo imaginar e construir cenas com palavras. O mundo é um conjunto de riscos, espaços, traços, letras e estímulos sensoriais. Meus olhos mentais podem ser meio ceguetas, mas não me sinto isolada e sozinha.

Quando preciso “visualizar” alguma coisa, uso  os demais sentidos, ou escolho não depender deles. Por exemplo, um grande desafio para mim na igreja era quando, durante a oração, o pastor dizia “se imagine agora diante do trono de Deus” e começava a descrever o que ele estava imaginando. Nunca entendi o que tinha que fazer rs.

Não adiantava tentar formar uma imagem na minha cabeça, o máximo que eu conseguia era o contorno escuro de pedaços desconectados e transparentes do tal trono imaginário, que não merecia ser chamado de “trono de Deus”. E me sentia uma grande pecadora ao tentar fazer Deus se sentar naquele negócio malfeito rsrs. Me dê um papel e eu consigo fazer o tal trono. Mas não me peça para vê-lo de olhos fechados.

Depois de um século e meio de tentativas frustradas, mudei de tática. Simplesmente comecei a imaginar que estava, de olhos fechados, diante do trono de Deus. Deus estava ali, na minha frente…eu não precisava ver Seu trono. Não precisava ver nada ao redor. Simplesmente sabia que Ele estava ali. Talvez isso seja óbvio para muitos, mas para mim foi uma revelação, então preciso anotar aqui rs. Provavelmente era essa percepção que o pastor estava tentando levar as pessoas a terem, mas eu estava tão ligada no que eu não conseguia fazer, que não entendi o que poderia fazer.

Ao se focar no que não consegue, você só reforçará que não consegue. No final das contas, o problema do coleguinha aphantástico não é não conseguir pensar com imagens. O problema dele é ficar se comparando com os outros, focando naquilo que ele não consegue fazer e achando que está no prejuízo, enquanto poderia perceber o que ele sabe fazer, valorizar o que tem e prestar atenção no que é bom e positivo.

Se você ficar se comparando com os outros, vai encontrar uma porção de coisas em que as outras pessoas são melhores do que você. Várias coisas em que os outros têm facilidade e você não tem. E, provavelmente, não vai enxergar o que você tem de bom e em que pode aprimorar.

.