Sobre a saída dos canais abertos da TV paga

9c510632-888a-412b-b6ac-74ff5521a767

Record, Rede TV e SBT criaram a Simba Content para lutar contra a situação desigual que há no mercado televisivo. Na verdade, essa situação não é de hoje, mas é a primeira vez que emissoras se unem para peitar a concorrente que ainda acha que manda no Brasil. A luta dessas empresas é por espaço e por uma concorrência mais justa, mas creio que podemos aproveitar essa luta para engatar a luta dos consumidores de TV e dos brasileiros, em geral, contra a manipulação e o poder irrestrito que a rede Globo ainda exerce neste país. 

Essa questão da TV a cabo está mal explicada por grande parte dos meios de comunicação, que se limitam a copiar e colar o que as empresas dizem. Não explicam, por exemplo, que essa discussão não é de hoje e que o problema principal também não é de hoje. A Globo exerceu controle sobre a Net e a Sky como proprietária e acionista por muitos anos, até que, forçada pela lei e por suas muitas dívidas, buscou novos sócios e começou uma manobra para se retirar do controle da operação dessas empresas, mas sem perder o poder de veto sobre os canais. Sim, apesar de sair do controle operacional da Net e da Sky (porque foi obrigada a isso), ela manteve o poder de vetar canais nas operadoras que controlava. Além, é claro, de ser dona de 61 canais na TV fechada…alguém acha que ela não usa essa influência na negociação com as outras operadoras?

Talvez por isso as empresas de TV a cabo paguem pelo sinal aberto da Globo e não só por seus canais fechados (e o consumidor também, afinal de contas, está tudo no pacote). Mas na hora de pagar pelo sinal digital da Record, Rede TV e SBT, dizem que terão de aumentar a mensalidade… é claro, muito “pobrinhas” são essas empresas de TV a cabo, não é mesmo? Suas mensalidades são tão baratinhas e elas têm tão poucos assinantes que nunca conseguiriam pagar três canais a mais…quanto é mesmo o faturamento delas? E o dono da Net, Claro e Embratel, o bilionário mexicano Carlos Slim, não é um dos homens mais ricos do mundo? Por favor, né? Alguém REALMENTE acredita que essas empresas podem pagar a Globo, mas não podem pagar três emissoras produtoras de conteúdo sem repassar esses valores ao consumidor? Alguém realmente acha que o assinante já não está pagando há muito tempo por esses canais?

Mas esse é o modus operandi delas: ameaçam o consumidor para que ele fique bem quietinho no canto dele, sem questionar, sem reclamar. O problema é que os mais afetados por essa situação não têm força para se defender. Há locais no Brasil em que o sinal aberto é ruim e para assistir a essas emissoras de sinal aberto as pessoas precisam de TV a cabo.

Defendo o direito das pessoas assistirem ao que quiserem, principalmente se está em contrato. É esse direito de escolha que precisa ser assegurado, não importa se você gosta ou não de canais de TV aberta e se assiste a eles ou não. Defender o direito do outro é ter consciência de seu papel como cidadão. País que vive na base do cada um por si não vai para frente e vive escravo de corruptos, estejam eles na política, em corporações multinacionais ou em monopólios de comunicação.

A luta do consumidor é pelo direito de escolher. Na prática, parece claro que a globo ainda tem forte influência nas operadoras de TV a cabo. Também parece haver um esforço para manipular os consumidores ao tirar deles opções e o poder de escolha. Aliás, isso não é novidade. Ameaçadas pelo youtube e por serviços de streaming como Netflix, as operadoras tentaram até limitar a internet dos brasileiros recentemente, lembra? 

Admiro a coragem das emissoras que formam a Simba Content em se unir para enfrentar o monstrengo global que historicamente engolia com jogo sujo e perseguições todos aqueles que ousavam se levantar contra ele. 

O Brasil não é mais o mesmo que Roberto Marinho tinha nas mãos. A Globo há tempos perdeu o controle absoluto que tinha sobre as massas e sobre o mercado, mas, apoiada por multinacionais que se instalam aqui mais preocupadas com seus próprios interesses do que com a qualidade do serviço que se propõem a oferecer, essa emissora continua exercendo um poder que não deveria mais possuir. Poder esse que ainda é capaz de colocar no topo quem ela quiser e destruir o que for, desde que ganhe com isso. Por essa razão, apoio qualquer investida contra essa hegemonia forçada e compro a briga, que também é minha. É de todos nós. Enquanto houver tratamento desigual entre as emissoras, o Brasil viverá refém da rede Globo.

.

PS: Boa explicação do Marcelo de Carvalho, da Rede TV sobre o que é a Simba e a situação atual: https://tvuol.uol.com.br/video/16159918/

E o comunicado oficial dele: https://www.youtube.com/watch?v=smGZh21ZNLQ

PS2: É sempre bom lembrar a quem ainda não assistiu: existe um documentário antiguinho, mas muito educativo, chamado Muito além do Cidadão Kane, sobre o poder paralelo exercido pela Globo ( https://www.youtube.com/watch?v=s-8scOe31D0 ). A Globo não é conhecida por jogar limpo com seus concorrentes e sempre preferiu ganhar no tapetão e tirar do público as opções de escolha a brigar de forma justa em igualdade de condições. Para conhecer um pouco mais sobre a história e entender melhor a emissora, recomendo a leitura do livro “O quarto poder”, do jornalista Paulo Henrique Amorim .

UPDATE: As operadoras agora estão trabalhando com desinformação, tentando fazer com que as pessoas acreditem que a culpa é das emissoras e elas não têm nada com isso. Pena que já cancelei a TV a cabo, senão cancelaria de novo, só de raiva. Só para esclarecer: As emissoras podem, sim, cobrar pelo conteúdo digital e isso está sendo discutido desde 2013, olha só (matéria de 2013): “Durante debate no congresso da Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA), em São Paulo, representantes da Band e do SBT afirmaram que o conteúdo digital terá custo maior, que poderá tanto ser assumido pelas emissoras abertas quanto pelos assinantes de TV a cabo, caso o valor seja repassado às operadoras de TV por assinatura, que poderão dividi-lo entre a base de clientes.” (Na verdade, nem seria necessário repassar aos clientes, pois as operadoras de TV a cabo já cobram mensalidades suficientemente altas para cobrir esse custo.) PS do Update: Ignore o título sensacionalista do link (Veja sendo Veja, né?), a matéria não diz que o telespectador teria que pagar, mas dá a entender que ficaria a critério da empresa de TV a cabo repassar ou não e depois diz que o valor seria baixo e não atingiria o consumidor. http://veja.abril.com.br/…/espectador-pode-pagar-por…/