Exemplo do que não se deve fazer

leitura

Sei que pode soar como uma heresia literária criticar Fernando Pessoa. Mas estou realmente achando que farei uma série “Heresia Literária”, porque depois que você lê um determinado número de livros e vive um determinado número de anos, passa a não fazer mais sentido ficar enaltecendo os caras só porque eles são ícones literários. São seres humanos, afinal. São pessoas. Falhas. Cheias de erros. E se escreviam bem e acertavam na literatura (afinal de contas, a literatura não exige que as coisas nos façam bem, apenas que nos soem bem), erravam — e muito — na vida e nos pensamentos. O problema de ninguém admitir isso e ninguém falar sobre isso é que depois lá estão as pessoas sem muita coisa na cabeça a encher suas caixas cranianas de palavras da depressão, da esquizofrenia ou da neurossífilis dos outros, que até hoje ressoam nas linhas que eles escreveram.

Encontrei uma antiga anotação minha sobre o poema “Aniversário”, de Fernando Pessoa (assinado pelo heterônimo “Álvaro de Campos”), e gostaria de compartilhar com vocês. Eu costumava gostar desse texto, mas quanto mais o tempo passa, mais se afasta o tempo da antiga casa, da antiga configuração familiar, mais eu o abomino enquanto conteúdo, porque exemplifica tudo o que não deve ser alimentado.

Aniversário

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,

Eu era feliz e ninguém estava morto.

Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,

E a alegria de todos, e a minha, estava certa como uma religião qualquer.

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,

Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,

De ser inteligente para entre a família,

E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.

Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.

Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida.

Sim, o que fui de suposto a mim-mesmo,

O que fui de coração e parentesco.

O que fui de serões de meia-província,

O que fui de amarem-me e eu ser menino,

O que fui – ai, meu Deus!, o que só hoje sei que fui…

A que distância!…

(Nem o acho…)

O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!

O que sou hoje é como a umidade no corredor do fim da casa,

Pondo grelado nas paredes…

O que sou hoje (e a casa dos que me amaram treme através das minhas lágrimas),

O que sou hoje é terem vendido a casa,

É terem morrido todos,

É estar eu sobrevivente a mim-mesmo como um fósforo frio…

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos…

Que meu amor, como uma pessoa, esse tempo!

Desejo físico da alma de se encontrar ali outra vez,

Por uma viagem metafísica e carnal,

Com uma dualidade de eu para mim…

Comer o passado como pão de fome, sem tempo de manteiga nos dentes!

Vejo tudo outra vez com uma nitidez que me cega para o que há aqui…

A mesa posta com mais lugares, com melhores desenhos na loiça, com mais copos,

O aparador com muitas coisas – doces, frutas, o resto na sombra debaixo do alçado -,

As tias velhas, os primos diferentes, e tudo era por minha causa,

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos…

Pára, meu coração!

Não penses! Deixa o pensar na cabeça!

Ó meu Deus, meu Deus, meu Deus!

Hoje já não faço anos.

Duro.

Somam-se-me dias.

Serei velho quando o for.

Mais nada.

Raiva de não ter trazido o passado roubado na algibeira!…”

.

Para que ficar lamentando o passado ou o arrastando a cada novo aniversário? Sei que é Pessoa, mas a poesia é o retrato do que não se deve fazer. É o tipo de coisa de que eu gostava no auge da depressão e que não traz nenhuma energia positiva.

“Pára, meu coração! Não penses! Deixa o pensar na cabeça!” É o grito do desespero de quem percebe estar conversando inutilmente com seus sentimentos (já tinha gremlin naquela época). Não adianta só mandar o coração parar de pensar, meu amigo, é você que está desenvolvendo todo o raciocínio sugerido pelo primeiro sentimento que passou no seu coração. Você pegou o barco do sentimento e saiu navegando pelo rio gosmento da nostalgia por conta própria. Na época da depressão, quando eu era adolescente, passava madrugadas inteiras nessa viagem autodestrutiva. E terminava chorando por horas, convulsivamente, porque não sabia como sair daquele inferno.

O espírito dessa poesia não é positivo.  “O que sou hoje é como a umidade no corredor do fim da casa”? “Hoje já não faço anos. Duro.”? “Raiva de não ter trazido o passado roubado na algibeira”? Abra as janelas, deixe o sol entrar, jogue fora essa bagagem que só pesa, das coisas não roubadas, que, mesmo assim, apodrecem na memória. A vida muda, são ciclos, são fases. A infância passou e que bom se foi boa. Se não foi, que bom que passou.

O ovinho da depressão foi chocado desde a minha infância. Eu era feliz e saltitante, mas dramática e nostálgica. Lembro de, aos 6 anos, me sentir velha e pensar que bom mesmo era quando eu tinha 4 anos e não tinha as angústias que eu já tinha do alto dos meus quase 7. E assim foi até os 22. Aos 10 eu sofria pelos 7, quando eu era feliz e não sabia. Aos 12 eu tinha saudade dos 10, esse sim, um tempo bom que não voltava mais. Ao fazer 15, eu me senti idosa e tudo o que eu queria era voltar aos 12. Aos 17, eu sentia falta dos 15, e jurava que faria tudo diferente se pudesse voltar. Aos 18 e 19 eu vivi a profunda viuvez pelos 17, porque achava que minha vida tinha acabado naquele ano. Foi o pior período da depressão. Aos 21, já recuperada, tinha raiva de mim mesma por não ter aproveitado os 18 e 19. Aos 22, meu pai morreu, minha vida virou de cabeça para baixo e decidi, como método de sobrevivência, me agarrar à fé, olhar para a frente e nunca mais olhar para trás. O passado passou, fecho a porta e ainda que minha mente precise voltar para recuperar algum dado, não permito ao meu coração voltar lá. 

Não olhe para trás, nem um dia. Já conheci gente que se destruiu por ficar uma noite inteira sem dormir, pensando no que já foi, ouvindo discurso demoníaco do filmezinho das lembranças do passado. Caiu de tal jeito que não se levantou mais. Não vale a pena. 

Vivi muitos anos na “vibe” dessa poesia, sofrendo pelo que não existe mais e me arrastando pela vida. Hoje, entendo que a vida são quartos sequenciais. Após passarmos por um, abrimos uma nova porta para entrarmos em outro e devemos fechar a porta para seguir em frente, carregando conosco só os sentimentos bons e as coisas que aprendemos. O quarto anterior ficou para trás e o quarto em que estamos sempre tem coisas fantásticas que jamais serão devidamente exploradas se não fecharmos a porta.

.

.

PS. Eu sei que o acordo ortográfico manda tirar o acento diferencial de “pára”, mas optei conscientemente por não fazê-lo. O blog é meu e eu uso a convenção que quiser rs.

PS2. Como parte do meu projeto 2020 para atualizações do blog, vou começar a fazer posts mais curtos, voltar a falar sobre livros, sobre leitura e conversar com vocês por aqui, na medida do possível. :)

PS3. Obrigada pelas orações e pelo carinho que vocês têm demonstrado por mim. Eu creio na força de uma corrente de oração por um objetivo. Muito pode, por sua eficácia, a oração de um justo. Imagina de vários! Vamos juntos nessa fé! Espero poder dar boas notícias com relação à minha recuperação física ainda neste primeiro semestre. :)

.

Sobre a saída de pastores (Perguntas dos leitores, Parte 2)

photo_2020-02-02_17-00-44

Samara Brion – Gostaria que falasse sobre saída de pastores do nosso meio. 

Vejo como natural. Já tinha maluco saindo da obra na época de Jesus, a ponto de Ele chegar a perguntar para os discípulos: “e vocês? Também vão sair?” olha só:

“Desde então muitos dos seus discípulos tornaram para trás, e já não andavam com Ele. Então disse Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos? Respondeu-lhe, pois, Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna. E nós temos crido e conhecido que tu és o Cristo, o Filho do Deus vivente. Respondeu-lhe Jesus: Não vos escolhi a vós os doze? e um de vós é um diabo. E isto dizia ele de Judas Iscariotes, filho de Simão; porque este o havia de entregar, sendo um dos doze.”

(João 6.66-71)

Note que a Bíblia diz que “MUITOS dos seus discípulos tornaram para trás, e já não andavam com Ele”. Isso não depõe contra o ministério de Jesus, apenas contra os malucos que saíram. Na época dos apóstolos, depois que Jesus ressuscitou, também era frequente a deserção. O apóstolo Paulo reclama disso várias vezes nas cartas, às vezes citando nomes. Gente é um negócio complicado, onde tem gente, tem problema, porque cada um tem uma cabeça, as pessoas fazem escolhas estúpidas e criam situações que não deveriam existir. 

 Na igreja sempre teve isso, desde a época de Jesus, a diferença é que agora temos a internet, ficamos sabendo das coisas muito rapidamente e dá a impressão de que os casos estão em maior número ou mais frequentes, mas é só impressão. Antes a gente ficava sabendo só quando alguém contava e, às vezes, anos depois…sim, eu vivi a era pré-internet #TiaVanessaÉumDinossauro. E mesmo nos primórdios da internet, as coisas demoravam a se espalhar. Hoje, com as fake news a galope nas redes sociais, as coisas às vezes se espalham antes mesmo de acontecer rs.

E tem o pessoal da agência de marketing do inferno que adora juntar esses casos (e inventar mais uns outros) para parecer que estão saindo mais pastores que antes, o que é uma estratégia. Se falam “muitos casos” ou em “aumento de casos”, citando um punhado de nomes, as pessoas tendem a repetir isso como se fosse verdade, mas é falta de pensar. Citando o livro “Rápido e devagar”, na parte que fala sobre heurística da disponibilidade: “As pessoas tendem a estimar a importância relativa das questões pela facilidade com que são puxadas da memória — e isso é amplamente determinado pela extensão da cobertura na mídia. Tópicos mencionados com frequência ocupam a mente mesmo quando outros fogem à consciência.”,  no caso em questão, quanto mais se fala sobre alguém ter saído (e a fofoca faz o papel de “mídia”, mas no nosso caso além da fofoca às vezes tem a mídia mesmo), maior parece a questão, como se os casos fossem mais frequentes porque estamos ouvindo falar mais neles. A estratégia de maketing do inferno é juntar casos não relacionados e alardear como se isso fosse indicativo de alguma coisa, mas é só isso mesmo, estratégia de manipulação (de haters que querem ganhar relevância). 

O que me lembra um trecho de outro livro, com o sugestivo nome de “Como mentir com estatística”, que escancara algumas estratégias de manipulação de dados: “Morreram mais pessoas em aviões no ano passado do que em 1910. Portanto, os aviões modernos seriam mais perigosos? Isso não faz o menor sentido. O número de pessoas que pegam aviões hoje em dia é centenas de vezes maior, só isso”. Da mesma forma, juntar, sei lá, cinco ou dez casos de pastores que saíram e tentar criar alguma celeuma com relação a isso, ignorando o fato de que hoje as informações chegam a nós com muito mais rapidez e que a igreja está absurdamente maior do que poucos anos atrás e, portanto, tais casos são estatisticamente irrelevantes (assim como desprezar inúmeros outros fatores envolvidos em cada um dos casos) é, no mínimo, desonestidade intelectual.

O que acho importante dizer — essencial, na verdade — é que, dependendo da conversa, a gente não deveria sequer se interessar por esse tipo de assunto. Sério mesmo. Eu não gosto de perder tempo com conversa sobre se pastor x saiu, se bispo y está de banco, porque é um modo muito rasteiro de se lidar com as coisas da igreja. Não sei se me faço entender. Igreja não é clube, não é grupinho (principalmente a Universal), os pastores estão fazendo um trabalho sério, focado em ajudar as pessoas, Deus fala comigo lá dentro, vou buscar a orientação dEle e prestar meu culto a Ele, ninguém tem tempo para gastar com fofoca porque a qualquer hora a gente pode morrer ou Jesus pode voltar e a gente tem de estar bem para subir com Ele. Esse é o tipo de coisa que surge para desviar a atenção.

Ter ficado com tão pouca energia física e mental me ensinou a não desperdiçar energia e tempo com o que não acrescenta. É como se você fosse um celular com 4% de bateria. Em que você gastaria? A gente tem de aprender a alocar nossos recursos no que realmente dá retorno. Nossa bateria espiritual é um recurso preciosíssimo que pode se gastar facilmente se ficarmos perdendo tempo com coisas “de baixo”. A diferença entre a bateria espiritual e a física é que a gente não sente quando gasta. Se não cuidarmos racionalmente da nossa bateria espiritual, de modo intencional e consciente, ela vai enfraquecendo e só perceberemos quando ela estiver zerada — ou nem perceberemos,  algumas pessoas entram em “coma espiritual” sem nem se darem conta. Então, é melhor tomar cuidado redobrado.

É mais ou menos o que ensina o apóstolo Paulo, em Colossenses 3: “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra”. Eu tenho dedicado meu tempo a pensar nas coisas que são de cima. O tempo que dedicaria a ficar debatendo a vida de quem saiu é o mesmo tempo que eu tenho para meditar na Palavra de Deus, trabalhar nas mudanças que tenho a fazer no meu interior ou ajudar alguém que está precisando. A dica é: mantenha distância de quem se aproxima só para conjecturar a respeito da vida de alguém da igreja (seja pastor ou não, tenha saído ou não), como se falasse de alguma celebridade. Na verdade, mantenha distância de quem fica falando da vida alheia, em geral.

É claro que fico chateada quando vejo algum bispo ou pastor de quem eu gostava saindo da obra. Sei que esse tipo de coisa não acontece de uma hora para outra (se você ainda não leu o livro “O Resgate”, do Bp. Sérgio Corrêa, leia, porque ele explica direitinho isso) e coloco minhas barbas de molho, porque se eles, que estavam há tanto tempo no Altar, foram enrolados assim, o que sobra para mim? É mais uma prova de que não dá para bobear e não dá para perder tempo com fofoquinha, ressentimento, inutilidades e coisas do tipo. O segredo para se manter sempre firme na fé é permanecer focado nas coisas do alto, seguindo a ética da Palavra de Deus, buscando a Ele sempre com sinceridade e humildade. Quem seguir isso, vai orar por quem saiu, e seguir em frente, olhando sempre para onde deve olhar: para cima. 

E fica o alerta:

“Irmãos, não sejais meninos no entendimento, mas sede meninos na malícia, e adultos no entendimento.”

(1 Coríntios 14.20)

.

.

.

.

PS. A resposta acabou ocupando um post inteiro, então coloquei sozinha aqui, depois vem a parte 3, com mais perguntas e respostas. Próximos assuntos: fé, gremlins e livros :)

Perguntas dos leitores, parte 1

exaustaPlena

Vinícius Silveira – Lembro-me de em alguns posts você falar sobre um certo cansaço que sentia. Já eram sinais ou eles apareceram de uma hora pra outra?

V – Não posso afirmar, pois não sei qual foi o post, mas é muito provável que já fossem sinais (a menos que tenha sido algum cansaço natural, justificado, por eu ter feito alguma coisa realmente cansativa rs). Os sintomas foram aumentando gradualmente, tive períodos de melhora e piora, mas consigo identificá-los claramente a partir de 2006, que foi quando a saúde começou a se deteriorar lentamente (mas sempre dava para atribuir a alguma outra coisa, como problemas hormonais, falta de água, estresse — perdi a conta de quantos médicos disseram que era estresse… — cada hora alguém sugeria uma causa diferente, eu tratava, melhorava um pouco e depois piorava de novo. Às vezes tinha outro problema associado, melhorava o problema associado e eu ficava na ilusão de estar melhor). 

De 2014 para cá a piora foi progressiva, até chegar a um ponto que não consegui mais segurar sozinha e nada que eu fazia era capaz de melhorar (isso no final de 2017). Essa piora maior a partir de 2014 se deu quando me senti mal na academia e fui ao cardiologista, que me pediu vários exames e orientou a suspender a atividade física enquanto não descobríssemos o que era… Suspendi a atividade física, fiquei super sedentária e meu quadro piorou (porque disautonomia piora com inatividade). Agora preciso voltar a conseguir fazer exercícios, porque isso vai me ajudar a melhorar.

Aliás, acho que o problema todo foi justamente a piora não ter sido de uma hora para outra. Como foi gradual, fui me adaptando às limitações e demorei para perceber que tinha alguma coisa séria acontecendo. Aliás, isso é meio padrão na vida, pensa bem, se o problema vem de uma vez, de uma hora para outra, a gente se assusta e procura ajuda. Mas se a água da panela vai esquentando lentamente, quando a gente vai ver, já está cozido. Por isso nossa tolerância a situações ruins não pode ser muito elástica. Não dá para ir “empurrando com a barriga” alguma coisa que você percebe que está te prejudicando. 

Camila Gomes – Você já nasceu com alguma doença ou desenvolveu depois de adulta? Ou já tinha e os sintomas começaram a aparecer nos últimos anos? 

V – Então, resposta complicada rs. É um problema que já existia, mas que só se manifestou como “doença” depois. Eu não sabia, mas nasci com uma mutação em um gene que faz a síntese do colágeno. O colageno é a “cola” do corpo, e o meu é defeituoso, o que faz o corpo ser mais frágil. Na verdade, ninguém sabe direito ainda como é o mecanismo que leva essa mutação a desenvolver todas as complicações que ela pode desenvolver (a tal Síndrome de Ehlers-Danlos), e como é algo que está no corpo todo, pode piorar mais uma função e menos a outra, variando de pessoa para pessoa. No meu caso, existe até a possibilidade de que a cardiopatia que eu tive ao nascer esteja ligada à disfunção autonômica e ao problema do colágeno, ou seja, a doença poderia estar presente desde que eu nasci, mas ninguém sabia. 

Hoje consigo identificá-la em vários pontos da minha vida: no cansaço fácil do qual eu reclamava em praticamente todos os meus cadernos (piorando a partir dos 14 anos), nos formigamentos das pernas, nas dores das mãos (que me levavam a imobilizá-las várias vezes e me fizeram escrever com as duas), na falta de sede, na falta de fome, em vários problemas durante a vida que os médicos não identificavam. Muitas coisas eu sequer achava que eram sintomas. E me acostumei a sempre me forçar além dos meus limites para fazer alguma coisa, ou nunca faria nada, porque me canso muito antes das pessoas normais. 

Resultado: eu tinha muito mais resistência a trabalhar exausta, e ninguém percebia, o que paradoxalmente fez de mim uma pessoa mais forte rs. É meio parecido com o que o Bp. Renato disse esses dias, sobre tempos difíceis fazerem pessoas fortes. No meu caso, as dificuldades me fizeram mais forte por dentro e por fora, e creio que recuperarei essa força exterior em breve. E é verdade: quando as coisas são mais difíceis, quando as outras pessoas não levam suas dificuldades a sério e quase ninguém te dá apoio, você acaba tendo duas opções a escolher: ou fica se vitimizando e fazendo drama, se sentindo “a injustiçada” e sofrendo; ou se levanta, aprende a confiar em Deus e fica mais forte. Não dá para viver muito tempo nessa primeira opção (ao menos não quando você quer VIVER, de verdade), então a gente fica mais forte e deixa de se permitir ser colocada como vítima das circunstâncias. 

Samara Brion – Gostaria de saber quais sintomas sente, quando descobriu a doença.

V – Os sintomas principais da disautonomia, no meu caso, são: fadiga incapacitante (sensação de exaustão física) mesmo deitada, sonolência (geralmente causada por pressão baixa ou frequência cardíaca baixa), cansaço absurdo quando estou em pé (como se subisse uma montanha), gastroparesia (a digestão simplesmente para. Eu já cheguei a vomitar à noite o que tinha comido de manhã ou no dia anterior – eca). Brain fog (“névoa cerebral”: falta de concentração, raciocínio lento, dificuldade de encontrar palavras, cansaço mental…nesses dias eu tento ficar longe da internet, para não ficar escrevendo “unicóórnio” nas redes sociais hahaha), estase venosa (acúmulo de sangue nas extremidades, principalmente nos pés e pernas quando em pé, chegam a ficar vermelhos ou arroxeados, por isso uso meias elásticas), falta de equilíbrio (um dos motivos de eu estar usando um bastão de caminhada, tipo o cajado de Moisés rs). Mas tenho dias bons, em que essas coisas todas estão mais atenuadas e consigo sair de casa.

E os sintomas que são usados como critério diagnóstico para POTS (o tipo de disautonomia em questão): frequência cardíaca em pé sobe mais de 30 batimentos por minuto e se mantém assim nos primeiros 10 minutos. Por exemplo, em repouso costuma estar em torno de 55, em pé pula para 120 e não diminui. Isso não é normal e mostra uma disfunção autonômica (disautonomia), porque o sistema nervoso autônomo é a parte do sistema nervoso que regula as funções automáticas do corpo (como frequência cardíaca, pressão, circulação, digestão, respiração…). O normal é um aumento de uns 10 batimentos por minuto, por exemplo, a pessoa em repouso está com 60bpm e em pé vai a 70 bpm. 

Investigo esses sintomas desde 2014, mas o diagnóstico só veio no final de 2017, mesmo com o tilt test (exame capaz de detectar) positivo desde 2015… (cardiologista “muito bom” #sqn que eu tinha não entendia nada)

Gabriela Alves – Com a doença, você deu um tempo no trabalho?

V – Sim, infelizmente. No final de 2018 (antes das eleições), acabou a bateria de vez e tive que parar. Ainda não estou conseguindo fazer a mesma coisa todos os dias, gastar energia mental e física em produção de textos argumentativos com pesquisa, edição de texto de outros autores (o que exige um trabalho absurdo de atenção, porque a responsabilidade é grande) e avaliação de conteúdo, que é outro trabalho bem complexo e detalhado. Mas estou melhorando e sei que logo vou conseguir ter condições de voltar. Aliás, justamente por isso estou me forçando a escrever mais, a estudar, a postar no blog… 

Gabriela Alves – Como é sua rotina?

V – Entendo “rotina” como um conjunto de coisas que as pessoas fazem todos os dias em horários pré-definidos, é isso? Ainda não consigo ter isso, porque tudo depende de como estou no dia. Mas estou tentando fazer uma. Por favor, me explique o que as pessoas querem saber quando me perguntam isso. É sério, sempre me perguntam e eu não sei responder, por favor, me ajude, detalhe um pouquinho mais rs. 

.

.

.

PS1. Acho que a grande utilidade de falar sobre essas doenças é deixar mais forte o testemunho quando eu me livrar delas, afinal de contas, vocês acompanharam o horror, serão minhas testemunhas da vitória. :) 

PS2. A disautonomia não é exclusividade da síndrome de Ehlers-Danlos, ela pode vir também como consequência de outras doenças, até de algumas mais comuns, como diabetes e esclerose múltipla (que é rara, mas é mais comum que SED, ou ao menos mais diagnosticada). E pode acontecer em idosos, pela própria idade mesmo. Pode aparecer como sequela de uma virose forte ou mesmo de uma cirurgia. Eu costumo dizer que é como um mau contato na fiação. Tem gente que consegue ter uma vida quase normal com ela, tem gente que está mais esgualepada que eu. Tudo depende do nível de comprometimento. A maioria das informações úteis está em inglês, inclusive uns banners informativos do Facebook da Dysautonomia International, que seria algo muito útil de ter em português, mas aos poucos as coisas vão chegando.

Se alguém quiser links em português sobre o assunto, esse fala sobre a POTS https://sobrepots.blogspot.com/2017/10/sindrome-da-taquicardia-postural.html  Este é sobre as adaptações de estilo de vida que costumam melhorar o quadro (ou evitar coisas que pioram) https://sobrepots.blogspot.com/2017/09/adaptacoes-de-estilo-de-vida-para-pots.html 

PS3. Sobre a SED, essa matéria com a história das irmãs Julia e Luana talvez exemplifique melhor toda a complicação e a questão da falta de médicos especializados no Brasil. O tipo delas é mais grave porque pode causar ruptura de órgãos e aneurismas, levando à morte, mas fora isso os sintomas no geral são bem semelhantes. https://www.gazetadopovo.com.br/viver-bem/saude-e-bem-estar/irmas-sindrome-ehlers-danlos-lutam-contra-preconceito/ É uma doença muito esquisita, convenhamos.

PS4. Fiz um post com cara de entrevista, pinçando só as perguntas dos comentários de vocês, mas li tudo que vocês escreveram, tá? 

PS5: Daqui a pouco coloco a parte 2, depois a parte 3… os próximos assuntos são: saída de pastores, fé, gremlins e livros. 😀

PS6: Fiz algumas pequenas edições nos comentários: Recortei só as perguntas, para ficar com cara de entrevista, e quem fez mais de uma pergunta, elas vão aparecer separadas, não briguem comigo rs. E troquei os “senhora” por “você”, para uniformizar. :)

PS7. Se alguém tiver mais alguma pergunta, fique à vontade para fazer. :)