Desperte o milionário que há em você*

Carlos “Wizard” Martins é um megaempresário, autor do livro “Desperte o milionário que há em você” (Editora Gente), que tem o subtítulo “Como gerar prosperidade mudando suas atitudes e postura mental”, mas ele não nasceu rico, nem ganhou seu dinheiro de alguém. Foi com trabalho duro e visão empreendedora que ele conquistou sua fortuna, após mudar sua maneira de pensar ao alimentar-se de bons livros. Em uma obra curtinha (156 páginas, curtinha até demais), compartilha com o leitor sua forma de pensar, que lhe permitiu construir uma fortuna depois dos trinta anos, após ser demitido de seu primeiro emprego. Faz tempo que não leio um livro de autoajuda com tanta cara de autoajuda. Não me entenda mal, o livro não é ruim, mas no final de cada capítulo há uma espécie de “resumo” com fundo cinza, com tópicos que têm a maior cara de estereótipo de texto de autoajuda. Não chega a prejudicar o conteúdo do livro, eu estranhei um pouco, mas depois tentei tirar proveito desses resumos, para ajudar a fixar os principais pontos.

Várias citações interessantíssimas ficam passeando por sua cabeça por muito tempo, pedindo: “pensa em mim, pensa em mim”. Fala sobre coisas práticas como planejamento financeiro, mas a maior parte do livro é voltada a manter um padrão correto de pensamento, mudar a forma de enxergar o mundo e a si mesmo. Carlos é mórmon e ao contar sua história, faz umas três menções à igreja dos santos dos últimos dias (que acrescentou o livro de Joseph Smith às Escrituras e é considerada uma seita), mas as informações passadas por ele não têm a ver com religião (na verdade, acho que ele está mais preocupado em incentivar as pessoas a aderirem ao modelo de franquia do que a se juntarem à igreja em que ele frequenta). Quando ele se viu diante do desemprego e da dificuldade financeira, sua reação foi fazer uma oração sincera buscando direção a Deus. Quando obteve a certeza do que deveria fazer profissionalmente, ele agiu. Ele fala de agir pela certeza, mesmo sem ver (isso não é fé?), de perseverança, de definição. Esses conceitos lhe são familiares?

A conclusão a que eu cheguei foi bem simples: não importa a religião, a profissão, a cor da pele ou nível de escolaridade, é uma lei universal: se você age a fé, você vê o resultado. Pode ser mórmon, evangélico, católico, espírita, pode até nem ter religião. Foi exatamente isso que eu vi nesse livro. É essa mudança de pensamento profunda que ocorre naqueles que participam das reuniões dos 318, às segundas na IURD, com sede de aprender e crescer e que depois dão testemunhos espantosos. O triste é ver muitos crentes que resistem a essas verdades, presos à sua religiosidade e à caixinha equivocada à qual decidiram que Deus deve se encaixar, enquanto pessoas de fora estão lá, agindo a fé, sendo sinceros com Deus, alcançando resultados e chamando a atenção do mundo.

Olha que interessante esse trecho (existem vários trechos interessantes no livro, vou transcrever apenas alguns):

“Quando você se propõe a mudar as coisas ao seu redor, uma coisa interessante acontece. É como se existissem forças que “puxam” você de volta ao seu estado atual, já familiar e estável, pois esse é um caminho conhecido, apesar de não desejado. Por isso, uma coisa eu posso garantir: em sua busca da prosperidade, seu desejo, sua força e sua perseverança serão testados.” (Carlos Wizard Martins)

“Geralmente, as pessoas não mudam quando se sentem bem, mas quando estão abatidas, deprimidas ou frustradas. Quando atingimos o ponto do inconformismo insuportável, a tendência é fazer muito mais do que estamos fazendo. O sofrimento nos impele àqueles momentos de grandes decisões, afinal, estamos sofrendo. Então, finalmente, tomamos uma atitude e alteramos o curso que estamos seguindo.” (Carlos Wizard Martins)

Em seguida, ele cita Ralph Emerson:

“Nossa energia origina-se de nossa fraqueza. Só depois de sermos aferroados, picados e dolorosamente atingidos, desperta-nos a indignação armada com forças secretas. Um grande homem está sempre desejando ser pequeno. Enquanto esta acomodado no conforto das vantagens, ele dorme. Quando é pressionado, atormentado ou derrotado, tem a oportunidade de aprender alguma coisa. Adquire sagacidade e maturidade. Ganhou fatos, aprendeu sobre sua ignorância, está curado da insanidade da presunção. Adquiriu moderação e habilidade verdadeira.” (Ralph Waldo Emerson)

Uma outra citação que ele faz, retirada de um livro de Norman Vincent Peale:

“Há um modo de saber se você já está velho: qual é seu estado de espírito ao levantar-se pela manhã? A pessoa jovem acorda com uma estranha sensação de ânimo, uma sensação que talvez não seja capaz de explicar, mas é como se dissesse: ‘Este é meu grande dia. Este é o dia em que acontecerá uma coisa maravilhosa’. O indivíduo velho, não importa a idade, levanta com o espírito indiferente, sem a expectativa de que acontecerá qualquer coisa importante. Será apenas um dia como outro qualquer. Talvez espere que não seja pior. Algumas pessoas mantêm o espírito da expectativa aos 70 anos, outras o perdem cedo na vida.” (Norman V. Peale)

Gostei do conteúdo do livro, mas corre o sério risco de ao fim da leitura você se interessar em se tornar um novo franqueado dos cursos de idiomas do autor…rs…ele acredita tanto no modelo que a certa altura do livro, venda a ideia ao leitor. O que não deixa de ser um bom ensinamento: quer dar certo em alguma coisa? Escolha uma ideia em que você acredite tanto, mas tanto, a ponto de vendê-la a qualquer pessoa que sente ao seu lado para ouvir o que você tem a dizer. Se você acreditar naquilo com todas as suas forças, isso será natural e sairá com credibilidade suficiente para fazer com que se destaque no meio da multidão que exerce a mesma atividade.

Vanessa Lampert

(Você também me encontra no Twitter , no Facebook e no Meu Blog)

Quer ler todas as resenhas? Clique aqui.


* Resenha originalmente publicada em:

http://www.cristianecardoso.com/pt/portfolio/livros/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *