Abra o coração e feche a geladeira

“Abra o coração e feche a geladeira” (“Made to Crave”, Editora Thomas Nelson), de Lysa TerKeurst, é uma abordagem cristã ao tema “fazer as pazes com a balança”, mas o assunto principal é o relacionamento com Deus e o domínio próprio. Lembro que por muito tempo eu queria me convencer de que tinha Deus, mas escorregava sempre na falta do bendito domínio próprio. Como a Bíblia deixa muito claro que ele é uma das características do Fruto do Espírito, tive que engolir meu orgulho e assumir que precisava nascer de novo.

Achei bacana esse assunto em um livro cristão. Porque o pensamento religioso corrente é quase o de que somos almas penadas vagando por aí sem corpo! Acho engraçado como as pessoas têm coragem de dizer que cuidar da alimentação não é um assunto espiritual, mas assim que o excesso de peso causa doenças, correm para Deus pedindo cura. Ué, antes não era espiritual, agora é? Será que não dá para levar isso a sério desde o começo?

Lysa teve problemas com o excesso de peso. Chegou aos 90kg e continuava comendo de maneira emocional e dando justificativas estapafúrdias para seus maus hábitos. Ela faz pensar sobre suas escolhas e consequências.

Se eu fosse honesta comigo mesma, minha questão seria simples e clara: falta de domínio próprio. Poderia disfarçar e justificar esse problema durante o dia todo, mas a verdade era que eu não tinha um problema de peso; eu tinha um problema espiritual; eu dependia da comida para me consolar mais do que dependia de Deus. E simplesmente era preguiçosa demais para encontrar tempo para fazer exercícios.

Violento, não? Mas real. Quantas vezes já dissemos que Deus era o primeiro em nossa vida, mas colocamos outras coisas na frente dele, sem perceber? Se você depende de alguma coisa mais do que de Deus, se algo externo ou interno (como um comportamento ou impulso) te controla, te domina, alguma coisa está terrivelmente errada.

Achei muito legal o que ela fala a respeito do desejo. Ela explica que o ser humano foi criado para desejar, mas que esse desejo só pode ser satisfeito por Deus. Ansiamos Deus, mas antes de descobrirmos isso, tentamos preencher nossas lacunas com comida, compras, relacionamentos, entretenimento, trabalho, sexo e qualquer coisa que nos traga algum vislumbre de prazer momentâneo. Mas aquele desejo profundo nunca é suprido…é o que muitos denominam de “vazio”.

Quando eu era mais nova, tentava preencher esse vazio com compras (de qualquer tipo, até na farmácia, o negócio era comprar o que meus olhos desejassem e que pudesse ser parcelado em dez vezes no cartão!) e, antes de me casar, com paixões platônicas. Eu não namorava ninguém e era contra “ficar”, mas criava histórias na minha cabeça e me alimentava delas (tenho vergonha dos meus diários daquela época, nem te conto!). Mas nunca era suficiente, porque o vazio é um buraco negro, meus amigos, suga tudo para dentro de si, a única coisa que acaba com ele é a presença de Deus.

Por não conseguir poder controlar muito da sua vida, Amy sentiu que não conseguiria mais restringir as suas escolhas alimentares. A comida foi o entorpecente que ela escolheu.

Isso é profundo. Existem pessoas usando comida como entorpecente. E morrendo de culpa depois.

A autoestima de Lysa foi comprometida por ter sido abandonada pelo pai e abusada pelo avô. Ela mostra que mesmo as feridas mais profundas podem ser curadas através de um relacionamento com Deus.

Por anos a fio olhei para as flores das pessoas e secretamente as desejei para o meu prazer. Entretanto, o vislumbre desse homem cavando fundo da terra com suas mãos me trouxe uma nova revelação. Ele tinha um jardim porque havia investido tempo e energia para fazê-lo. Seu desejo não foi transformado em um jardim. Sua esperança não foi transformada em um jardim. Ele não se levantou um dia e encontrou um jardim com flores desabrochando de forma miraculosa na terra.

Não dá para você olhar aquela bonitona magra e definida e sentir inveja! Se você não está disposta a pagar o preço que ela paga para ter aquele corpo, você não quer aquele corpo. Se não estiver disposta a pagar o preço de investir tempo e energia para fazer um jardim, você não quer um jardim.

Recomendo o livro, com toda certeza. Apesar do tema denso, a leitura é leve e divertida, embora comece em um ritmo lento. Só não gostei do resumo no final de cada capítulo, com perguntas para ver se o leitor entendeu. Sempre me irrito com isso, e se alguém não se irrita, por favor, me explique como esse tipo de coisa te ajuda que eu realmente tenho curiosidade em saber.

É diferente de ter uma tarefa no final do capítulo. Tarefa é legal, incentiva a colocar em prática, mas esses resumos com perguntinhas, ainda mais depois de capítulos tão curtos, me parecem cansativos.

Outro problema foi a tradução/revisão (como não tive acesso ao original em inglês, não sei dizer se foi uma ou outra, ou as duas). Alguns trechos precisam urgentemente ver um revisor, como o feioso abaixo:

É como descascar as camadas de uma cebola. Apenas quando você pensa que tirou um pedaço dela, você percebe que existem muitas camadas ainda.

Um recado às editoras: respeitem os leitores. Vale a pena investir em boa revisão, principalmente em obras traduzidas. No caso de “Abra o coração e feche a geladeira” os erros não foram suficientes para que eu tenha vontade de jogar o livro pela janela, mas podem atrapalhar a compreensão de um leitor mais desatento, que provavelmente terá de ler mais de uma vez para entender alguns trechos.

No geral, acho que o maior mérito do livro é tirar as coisas da esfera emocional e trazer para a esfera racional. E fazer isso com leveza e humor. Jamais me esquecerei, por exemplo, de que:

As batatinhas fritas não me amam

:-)

Lysa é radical porque o problema dela com comida era bem sério. Não acho que devamos nos privar de todo e qualquer chocolate, por exemplo. Cada um deve saber os seus limites, suas fraquezas e fazer as coisas com sabedoria. Melhor se privar e ficar bem do que fazer concessões e ver todo o seu esforço ir por água abaixo. Afinal de contas,

Nenhuma comida jamais terá o sabor mais doce do que o da vitória.

Vanessa Lampert

Para ler as resenhas arquivadas, Clique aqui. E para ler as recentes, clique aqui.

PS: Não desisti da série “Livros que não são o que parecem”, viu? Sábado teremos mais um, aguardem. E estou anotando todas as sugestões de livros que vocês dão, estão todos em minha interminável lista. :-D

PS2: A Tamires de POA, e a Jéssica de BH me lembraram (nos comentários deste post) a respeito das Dicas Radicais, do Blog da Nanda Bezerra! Quem não está acompanhando, vale a pena! Clique aqui para acessar as dicas da Nanda! Obrigada, meninas!

Originalmente publicado no blog Cristiane Cardoso. Clique aqui para ver a postagem original.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *