Da série: Diálogos Insanos

Davison está incontrolável hoje. Uma vez por mês (ou menos) ele fica com vontade de comer carne. Hoje foi um desses dias e agora tem um pedaço de bicho morto (ok, sorry) na panela de pressão, e ele chegou com uma cara muito estranha (eu devia ter desconfiado!!! É cara de quem está tendo uma crise de trocadilho! Ele tem Transtorno de personalidade trocadilhesca):

-Que pena que você não vai comer a carne de panela.

-Não precisa ficar com pena, não, amor, não estou sofrendo, eu não como carne.

Então ele se revelou, como um psicótico alucinado que saca seu punhal com cara de maluco para atacar sua vítima distraída:
-Mas…e se eu assar um CONTRA filé??? Ou se eu cozinhar um VAZIO???

Eu já estou acostumada com a obsessão dele por trocadilhos infames e até me contaminei com isso, já que não consigo falar ou pensar em algo com potencial trocadilhístico sem me sentir obrigada a fazer a piada. Para fechar com chave de ouro, ele completou, antes de sair:

– Mas não se preocupe, porque eu vou deixar o coxão de fora.

Um comentário sobre “Da série: Diálogos Insanos

  1. Ismael disse:

    Ao escrever, achei que havia levantado demais o véu, que qualquer um reconheceria minha letra, que meu disfarce seria descoberto, principalmente pela investigadora do Autor Desconhecido. Mas acho que alcancei o ponto correto e e deixei a dúvida leve e esvoaçante. como num conto de Borges: o jogo de espelhos, a imagem da imagem, fingir ser quem somos.

    Não é fácil controlar a palavra escrita, mas só escritores sabem disto. Você também sabe disto, Vanessa, por que você também é uma escritora.

    Não conhecemos os autores originais, pois eles, na verdade, não existem. Eles também copiaram de alguém, com mais ou menos palavras. O que me deixou fã do Autor Desconhecido é justamente sua proposta heróica, impossível e borgeana de Aproximação a Almotassim.

    Talvez um dia Quintana receba a autoria dos versos que inventei, que delícia !

    Este post ficou bom: Um belo diálogo insano…

    Não deixe de me avisar sobre o Autor.

  2. Ismael:

    “Nenhum deles plenamente válido”. Tem razão. E você não é Paulo Coelho, Paulo Coelho pode ser um escritor medíocre, mas é bem mais inteligente do que isso. E ele não seria tão fã do Autor Desconhecido, já que é a favor de tomar textos e recortes de textos de outros como se fossem dele mesmo. Nice try.

    E não é tão difícil assim controlar a palavra escrita. Isso é desculpa de quem não sabe escrever :-)

    Se você tivesse se limitado ao e-mail certamente teria ficado sem resposta. E só te respondi nesses comentários porque hoje estou de bom humor e percebi que você queria atenção.

    Vanessa Lampert.

  3. Ismael disse:

    Em minha defesa tenho quatro argumentos, nenhum deles plenamente válido:

    – Verifique a opinião de outras pessoas sobre o que escrevi. Veja se alguem não acha meu texto crítico, mas nem tanto assim. Faça uma auto-análise: sua paixão felina não colocou um viés no seu entendimento ?

    – É difícil controlar a palavra escrita. A palavra falada nos obedece bem, quase sempre, por que contamos com o nosso tom de voz, nossos gestos, nosso olhar, para fazer com que ela comunique exatamente o que queremos expressar. A palavra escrita é mais endiabrada. Nem mesmo escritores profissionais publicadíssimos podem se gabar de dominá-la plenamente.

    – Vc certamente conhece os versos de Quintana: “Com esse barulho todo/de uma trombeta preciso/e não de palavras.” Se eu escrevesse docinho e só por e-mail, vc iria me ouvir ? FFFFFOOOOMMMMM!!!

    – Não fui gratuitamente agressivo…. Vc começou ! Vc se referiu a mim de forma bem desagradável em seu Autor Desconhecido. Na verdade, estou no limiar de minha capacidade de fair-play ao pedir o renascimento do Autor.

    Em tempo: o nome “Ismael” significa “o senhor(a) me ouviu”. Estou certo que sim, que vc já está pensando seriamente em ressuscitar o Autor.

    Não deixe mesmo de me avisar.

    Um beijo,
    Paulo Coelho

  4. Ismael disse:

    O Autor Desconhecido é um blog (blogger) que não é um blog, ora essa. Agora o lambert é realmente e infelizmente um blog, ou seja, a publicação de diário pessoal sem qualquer interesse para quem está fora do círculo de familiares, amigos próximos e animais de estimação com acesso a internet. A motivação para escrever um blog é de origem infantil, exibicionista e egocêntrica, mas tudo bem, todos nós somos um pouco assim e como autora do Autor, seu balanço ainda é bem positivo, Vanessa. Era essa a idéia que queria passar.

    Li o post. Entendi que vc vai cuidar da vida do Autor. A vida é importante em que formato tiver. E BTW, a morte do gatinho acontecia só no sonho, era uma figura, droga ter que explicar tudo.

    Finalmente, o óbvio, mas que vc não percebeu: Pelo que vi de seu urgh…blog nada do que vc faz que seja voltado para o mundo externo ao tal círculo que mencionei é tão valioso como o Autor. Desculpe, mas alguém tinha que lhe dizer isto. A boa notícia é que o Autor é muito bom.

  5. Ismael, “achei este seu blog pessoal, um blog.” Jura??? Nossa, se você não me dissesse, eu jamais teria percebido. Primeiro, se você realmente tivesse tirado um tempinho para ler este…urgh…blog, você teria visto este post: http://lampert.com.br/blog/?p=67 que, aliás, já responde cada uma de suas dúvidas.

    O trabalho de desvendar autorias exige tempo e esforço que não posso dedicar ao site agora, mas em breve, voltarei. Infelizmente, veja só, eu tenho uma vida independente do Autor Desconhecido, que está, sim, em segundo plano em minha lista de atividades, por razões óbvias, é só pensar um pouquinho :-)

    Mas não surte, nem tenha chiliques, controle seus impulsos, respire fundo, tome um copo de água e espere. Assim que eu dispuser de um tempo extra, colocarei o site no ar.

    Obrigada por sua inestimável (não dá para estimar mesmo) colaboração.

    PS: O dia em que eu trocar algum gato – meu ou não – por qualquer outro projeto de utilidade pública (ou não), me interne. Nada é mais importante para mim do que a vida – tenha ela o formato que tiver.

  6. Ismael disse:

    Oi, Vanessa !

    Seu site “Autor Desconhecido” é uma das páginas mais deliciosas da internet. É criativa, bem elaborada, bem humorada, realmente brilhante. Genial ! ! ! ! !

    Você não me conhece e pode pensar que tenho algum tipo de perversão relacionada a fazer elogios rasgados. Não é verdade e provo isto agora: achei este seu blog pessoal, um blog. Gatinhos. Sonhos. Resfriados. Trocadilhos. Alguém me traga uma corda.

    Felizmente a internet contem blogs pessoais assim, que me deixam espaço para escapar da rede. Se todos os sites fossem como Autor Desconhecido, eu estaria preso na web para sempre. Então, obrigado tanto pelo Autor e como pelo seu blog. Pode levar a corda.

    Pena que só descobri o Autor Desconhecido recentemente, e percebi ao mesmo tempo que o site está parado. É como se apaixonar por uma causa e só aí perceber que ela está morta e não tem mais ninguem sequer panfletando por ela.

    Então, aqui vai meu pedido, Vanessa: Tenha um sonho em que seu gatinho pega um resfriado e morre. E a partir daí coloque toda sua energia no Autor Desconhecido. Ele merece. Ele, o Autor, não o gatinho, tadinho.

  7. Sandra, que horror, como diria a Rede Globo, nada substitui o Talento… (o “tá lento”…). Não estraga minha piada dizendo que não entendeu…risos… O pior é que nem consigo explicar porque não sei exatamente o quê você não entendeu…mas deixa eu tentar: contrafilé, vazio e coxão de fora (na minha terra se chama coxão duro…ou mole, sei lá, nunca sei quem é quem) são nomes de cortes de carne. Eu não como carne, por isso achei estranha a pergunta inicial dele, mas objetivo era única e simplesmente fazer trocadilhos infames. Se ainda precisar de maiores esclarecimentos, pode perguntar, esclarecerei de maneira suficientemente esclarecedora, e com o maior prazer :-)

    Fernanda, o pior é que eu acho que todos os meus amigos devem ter pensado a mesma coisa. Quero ver quanto tempo vou levar para convencer todo mundo de que eu não abandonei ninguém, nem desisti da amizade de ninguém, ainda que tenha parecido isso…risos…

    Beijos às duas fofas!

    Van.

  8. Hahahaha, o Davison e o Mauro poderiam ser ótimos amigos e iam passar horas rindo, pelo jeito. Adorei receber seu recado. Na minha cabeça você já tinha desistido de ser minha amiga e tinha sumido, risos… Beijos, Fê.

  9. Salenka disse:

    Nossa, vcs escritores devem viver mesmo numa dimensão linguística paralela. Boiei totalmente. Não entendi uma piada. o.O

    … ou pode ser que eu particularmente esteja mais lenta que o de costume essa manhã. Minha inexperiência culinária tb pode estar limitando meus horizontes semânticos. v.v

Deixe uma resposta para Salenka Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *