Noé – o pior filme do mundo

Noe_cartaz_naoNoe_cartaz_nao

Assisti ao filme Noé e me senti enganada pelo trailer (leia mais sobre isso no texto que escrevi para o blog da Cristiane). Para quem, mesmo assim, ainda tem curiosidade sobre o filme, segue a sequência. Se você ainda quer assistir, eu sugiro que leia esse texto antes, até o fim…a menos que você não tenha nada mais para fazer com o dinheiro do ingresso e com as duas horas e meia de sua vida, que o filme lhe sugará, e que não voltam nunca mais. Garanto que você lerá esse texto em bem menos tempo do que isso. E certamente se divertirá mais. :) O filme é arrastado, sombrio e com graves problemas de ritmo. Quando você pensa que vai engrenar, desacelera. E quando você acha que vai ter algo interessante, aparece uma cena confusa qualquer. Então, eliminei essas coisas mais chatas e fiz as sequências de cenas, para dar um panorama da coisa. Talvez algo pareça sem sentido, mas é porque não teve sentido mesmo:

O Criador fez o homem à Sua imagem e semelhança. O homem escolheu desobedecer, ao dar ouvidos a uma serpente e comer o fruto proibido (que pulsava como um coração. Primeiro momento em que eu ri no filme). O Criador, então, puniu o homem, expulsando o casal Adão e Eva do Jardim do Éden, condenando os dois a se esforçarem pela comida. Ao ver isso, um grupo de anjos bonzinhos, mas meio abobalhados, que sabia que havia algo de bom no homem (afinal de contas, era a imagem do Criador), ficou com pena da humanidade e resolveu descer para ajudar (a imagem deles é de uma silhueta de luz. O tipo de efeito especial que a gente sabe que em poucos anos vai parecer ridículo para um olho treinado). O Criador entendeu como traição e puniu aqueles anjos, fazendo com que eles se tornassem parte da Terra. (Já que – teoricamente – estamos falando da Bíblia, lembremos que: Anjos caídos = demônios)

Eles eram luz, mas a partir deste momento, se tornaram gigantes de pedra, fisicamente deformados e tortos (mas com um luzinha lá dentro). Mas eles são legais. Eles ensinaram ao homem tudo o que sabiam a respeito da Terra, porque eram bonzinhos e queriam ajudar. Se tornaram os Guardiões e acolheram os filhos de Caim, mas foram traídos por esses homens malvados, que desvirtuaram aquilo que eles haviam ensinado. E ainda se voltaram contra eles! Demônios, as vítimas inocentes.

Os filhos de Seth (o outro filho de Adão e Eva), eram os “preferidos” do Criador, e mais civilizados. Noé era um deles. Os filhos de Caim mataram o pai do pequeno Noé e roubaram uma pele de cobra que ele usava para fazer um ritual estranho de “transferência do direito de primogenitura”, algo como tornar-se protetor do meio-ambiente. Corta para a cena de Noé adulto, com seus filhos pequenos, observando plantinhas. Um bicho que parecia um cachorro com escamas aparece ferido por homens miseráveis e famintos, meio bestiais, mas que só querem comer o animal. Os filhos de Caim. Desesperado, ferido, caído no chão, um deles pergunta: “O que você quer?” E Noé, malvadão, responde: “Justiça” – e mata o indivíduo. Esse Noé era vingativo. Carnívoros devem morrer.

A essa altura do campeonato você já percebeu que esse cara não é o Noé que você conhece. Então vou chamá-lo de “Nãoé”. :-) Nosso amigo Nãoé tem uma mulher e três filhos pequenos: Sem, Cam e Jafet. O local é tipo um deserto, sem árvores, terra seca, nada de vegetação. Mesmo assim, de alguma forma ninja, Nãoé é vegano.

Nãoé sonha com gente morta debaixo dágua e entende que o Criador destruirá o mundo. Sabe que tem que fazer alguma coisa, mas não sabe o quê. Como viu também no sonho uma montanha, que é onde mora (sozinho) o avô centenário (originalmente todo mundo era centenário), Metusalém, segue para lá com a família. No caminho, encontra um vilarejo destruído e uma criança ferida, Illa, única sobrevivente, quase da idade de seu filho Sem. Eles adotam a menina. A esposa de Nãoé diz que ela vai sobreviver, mas será estéril (deve ter feito um ultrassom pré-histórico, pois não sei como seria possível descobrir isso por um simples corte na barriga, em uma região que provavelmente só pegaria o intestino…).

Se livram de outro grupo de malvadões porque encontram aqueles demônios gigantes de pedra com problemas de coluna. Os demônios gigantes ficam desconfiados e não aceitam ajudar a família. Eles não gostam dos humanos, porque os humanos desobedeceram ao Criador (demônios, como todo mundo sabe, gostam muito do criador…). No entanto, um desses gigantes volta durante a madrugada para ajudá-los a escapar e segue com eles. Na verdade, todos os personagens do filme são muito mal construídos. Os únicos personagens que despertam alguma empatia no público são os demônios. A gente chega a sentir pena deles, pois parecem injustiçados.

Metusalém é uma espécie de bruxo. Dá um chazinho alucinógeno para Nãoé, que alucina com a Arca. Não ouve nada, nenhuma instrução. Apenas vê a arca e sabe que tem que construir aquilo para se livrar do dilúvio. Metusalém também dá a Nãoé uma semente mágica do Éden e ele a planta na terra seca. Quando os outros demônios vêm levar o demônio traidor, veem água brotando do chão, entendem que Nãoé realmente falou com o Criador e resolvem ajudar.

Então… Uma floresta cresce em cinco minutos (do superfeijão mágico do Éden) e Nãoé vê ali a madeira para a sua Arca. Mãos à obra! A família começa o trabalho, mas quem realmente faz a Arca é o diabo e seus demônios!! Em dez anos, concluem o trabalho.

Eu gosto de filmes de fantasia. Estou escrevendo um livro que pode ser categorizado como fantasia. Não tenho o menor preconceito com isso. Então, a certa altura do filme, tentei abstrair, para ver se como entretenimento de fantasia a obra prestava. Imaginei que aquele não era Noé, era Joaquim. O Joaquim da Arca.

Joaquim da Arca vai buscar esposas para seus dois filhos no meio dos humanos esfomeados e os vê matando animais e arrastando mulheres para trocá-las por comida, em uma barbárie primitiva. Então, ele se convence de que nenhum humano merece viver, nem mesmo sua família, e decide não buscar esposas para Cam e Jafet (Sem se arranjou com a irmã postiça, Illa Hermione, cover da Bella, do Crepúsculo), o que deixa o adolescente Cam revoltado – e com razão, mas Joaquim da Arca não está nem aí para ele. Começa a se tornar egoísta e fanático. Se despersonaliza e agora acredita que a missão deles é salvar os animais, que são inocentes, e manter a Terra limpa dos humanos. Humanos, a sujeira do universo.

Arca pronta, os animais começam a entrar e são colocados para dormir com uma fumaça-sonífero mágica (haja sonífero para deixá-los dormindo por meeeeses). O malvadão (que ninguém me convenceu que é realmente malvado, é só um miserável líder de homens famintos que comem carne. Tipo a maioria dos humanos que conhecemos hoje) descobre que a arca está sendo construída e resolve ir também porque, afinal de contas, eles também merecem sobreviver. Você ficaria com pena deles, se conseguisse sentir alguma coisa por algum personagem do filme (além dos demônios com cara de dó).

Aí, vamos ao anticlímax total: lembra daquela cena do Trailer? Aquela que eu achei superforte, em que o líder dos inimigos diz a Noé: “Tenho soldados à minha disposição e você sozinho me desafia?” Então, Noé, confiante e tranquilo, responde: “Eu não estou sozinho”.

Pois é…no trailer parecia que ele estava falando de Deus. No filme, quando ele diz isso…adivinha? Se levantam atrás dele todos aqueles demônios de pedra. Quem quer que tenha montado aquele trailer estava realmente a fim de fazer uma piadinha de mau gosto.

Então…os “malvados injustiçados” voltam para o acampamento e se preparam para a batalha. Na hora de ir para a batalha, o chefe dos malvados tenta falar com o Criador, pois não entende por que ele está sendo rejeitado. Pede várias vezes para o Criador falar com ele, mas esse tal Criador não fala com ninguém nesse filme, só se tomar o “boa noite Cinderela” do vovô Metusalém. Como o chefe dos malvados não tem chazinho alucinógeno, pega sua bazuca recém-construída (porque tinha arma de fogo naquele tempo, né?) e segue para a batalha, gritando ensandecido.

Totalmente sem noção do momento ideal para se fazer as coisas, Cam resolve sair para caçar esposa no meio dos filhos de Caim. Despenca em uma vala cheia de corpos apodrecendo e ali encontra uma moça suja e descabelada. Ela está com fome e ele oferece farelinhos de qualquer coisa dentro de um lenço sujo. É amor à primeira vista. Eles ficam lá, abraçados naquele lugar romântico (afinal de contas, o mundo nem estava acabando), até que começa a chover e ele foge com ela em direção à Arca. No caminho, ela prende o pé em uma armadilha e fica gritando, desesperada, porque os malvadões resolvem surgir do nada no exato instante. Também no exato instante, Joaquim da Arca aparece e puxa Cam, deixando a pobre garota gritando no chão, até ser pisoteada e esmagada pelos malvadões (sério). Naoé não está nem aí.

Calma, calma, um pouco antes. Quando Cam sai para caçar esposa, Illa, namorada/esposa/irmã adotiva de Sem sai atrás dele e encontra o vovô Metusalém na floresta. Sem também sai atrás dela, em busca do irmão. Metusalém dá um passe que a deixa com dor de barriga e meio ninfomaníaca. O mundo está acabando, mas Ila ataca Sem no meio do caminho, totalmente sem noção do momento ideal para se fazer as coisas. Depois  voltam, sorridentes, para a Arca. Tio Joaquim pergunta de Cam. Ops. Esquecemos Cam, estávamos fazendo coisas que não se deve fazer no meio da floresta mágica à beira do fim do mundo. Joaquim Nãoé resolve sair correndo atrás do filho pirado e o encontra com a futura garota pisoteada (e essa parte eu já contei no parágrafo anterior).

Corta para a galera tentando ultrapassar a barreira de Guardiões de pedra e sendo devidamente esmagada por eles, enquanto Joaquim e Cam conseguem passar sem ser esmagados (que pena). Segue uma cena de batalha mequetrefe, com gigantes de pedra esmagando dúzias de humanos de uma só vez para defender a Arca. O demônio chefe é morto, pede ao Criador que o perdoe e vira novamente um bichinho de luz, saindo em formato de anjo luminoso, para o céu, enquanto o outro (que tem cara de coitadinho) diz, com voz abobalhada: “o Criador levou ele para casa!” Então…todos eles querem defender a Arca para serem levados de volta para o céu…

Joaquim continua matando homens malvados alucinadamente enquanto a chuva cai. Enfim, quando todos os demônios de pedra já se transformaram em borboletinhas luminosas e foram para o céu, uma das coisas mais inúteis do filme acontece: o chefe dos malvados consegue entrar na Arca. Ele fica lá, por alguns meses, extinguindo parte da vida animal da Terra e sendo cuidado pelo abobalhado Cam (todo mundo é meio abobalhado nesse filme). Ele faz um discurso sobre como os humanos são superiores e foram colocados para subjugar outras espécies. Arranca com os dentes a cabeça de um réptil, mostrando que comer carne crua é coisa de malvado.

Um milagre, então, acontece: a estéril Illa descobre que está grávida ao fazer um teste de farmácia com uma folhinha mágica. Momento ruim, já que poucos dias antes ouviram todo um sermão do Joaquim Nãoé sobre a queda do homem e como o Criador quer se ver livre dessa praga. Contam a novidade ao patriarca, estragando todo o plano perfeito para a extinção da humanidade. Ele fica revoltado e tem mais um surto psicótico. Acredita que o Criador quer que ele mate o bebê, se for menina, para evitar que faça mais homenzinhos.

Obviamente, como o leitor já adivinhou, vai ser menina. Mas a partir daí o filme vira um dramalhão mexicano, com tentativas de manipulação emocional com texto raso, chegando ao ponto da esposa de Noé dizer a ele que se ele matar o bebê, ela vai odiá-lo, desprezá-lo e nunca o perdoará. Ela diz isso gritando e babando. Não há fé ou demonstrações de grandeza interior. E o Deus do filme é totalmente ausente, omisso, intolerante e cruel. Mais ou menos o que pensam dEle os que interpretam a Bíblia de modo raso e infantil. O que existe em Noé é um psicótico fanático e descontrolado, falando de um Criador que só existe em sua cabeça. E todas as coisas são tão rasas e absurdas que não me conquistaram nem como filme de ficção.

O tempo passa, a tensão mexicana aumenta, ninguém mais conversa na Arca, todo mundo odeia Noé. Ele quer matar o bebê, Sem quer matar Noé e Cam está alimentando o chefe dos malvadões que também quer matar Noé. Como sempre, tudo acontece na mesma hora: o malvadão fica forte e tenta matar Noé, com a ajuda de Cam; Illa entra em trabalho de parto e tem gêmeas e Sem resolve matar Noé, just in case. No momento mais dramático, a arca encalha em uma pedra, derrubando Sem. Cam mata o malvadão, evitando a morte de Noé e eu fiquei sem saber por que raios esse cara apareceu na arca…provavelmente para extinguir os cachorros escamosos e os lagartos de cabeça vermelha.

Bem, Noé não se abala com toda essa coisa de meu-filho-me-traiu-alimentou-meu-inimigo-e-tentou-me-matar e mesmo assim sai, com uma faca, para matar as recém-nascidas (malfeitas por computador). Ele está decidido a esfaquear a cabeça das criancinhas e a mãe vai deixar, mas ao ouvi-la cantar a musiquinha que ele cantava para ela na infância e que o pai dele cantava para ele, ele sente amor no coração e o amor vence o ódio. O ódio, no caso, era a ordem do “criador”. A esposa de Noé está feliz, pretende dar uma menina para Cam e outra para Jafet no futuro.

Deprimido por não ter conseguido ser malvadão até o fim, Noé se isola e resolve beber, longe da família (depois de esperar as uvas nascerem do lado de fora da arca, é claro). Cam vê o pai pelado e deprimido e resolve ir embora. Afinal de contas, ele já é adolescente. Vai ter que esperar mais uns dezesseis anos até poder casar com uma das sobrinhas. Melhor andar errante pelo mundo desabitado, não é mesmo? Com uma mochila pós-diluviana nas costas, ele sai, em direção a lugar nenhum, para se encontrar com ninguém.

Illa dá uma nova versão da história para Nãoé, que aplaca seu sentimento de culpa. Segundo ela, tudo foi um teste do criador, para ver se Nãoé saberia fazer a escolha certa. Era tudo uma questão de Nãoé decidir se eles eram ou não dignos de serem salvos. Nãoé fica satisfeito com a explicação e volta para a família. Ninguém mais é feliz, nem inocente. Todo mundo matou ou pensou em matar. O criador faz um show pirotécnico com arcos celestes coloridos.

O troço termina com o ritual de “enrolar a pele da serpente no braço” e toda aquela lengalenga de “passar o direito de primogenitura” para as duas bebês que não fazem a menor ideia do que aqueles adultos tanto falam.

O filme termina, sem que você tenha muita ideia de qual foi a intenção. De qualquer forma, não é um filme bíblico. É um filme cujos personagens têm nomes de personagens bíblicos e que, por coincidência, fala de um dilúvio. As semelhanças com a narrativa bíblica terminam aí. O problema é que quem não conhece a Bíblia – ou conhece superficialmente, começa a achar que o filme é bíblico e que as coisas foram mais ou menos assim. E pode começar a pensar que os demônios não são assim tão maus e que Deus não é assim tão bom.

Como fantasia, é chatíssimo. Como ficção filosófica, muito raso. Como adaptação bíblica, é totalmente falso. Logo, foram as duas horas e meia mais desperdiçadas de toda a minha vida. Ganhou do último Transformers, aquele em que o babyliss da moça suporta toda a sequência confusa de luta. Felizmente, em poucos anos, o público vai rir dos anjos luminosos e dos bebês de GC à la Crepúsculo, então é um filmeco de vida curta. Mas que foi um desperdício de milhões que me deixou muito, mas muito indignada com Hollywood, isso foi.

Se você não leu meu texto no blog da Cris, sugiro que leia (clique para ler). Lá eu falo a respeito da minha teoria sobre quem realmente escreveu o roteiro…

13 comentários sobre “Noé – o pior filme do mundo

  1. Duas coisas que aprendi com esse filmes:
    Noé recebeu ajuda dos “transformers” para construir a arca e que
    o “tatu-cachorro” não existe hoje porque foi comido na arca durante o diluvio pelo inimigo de Noé.
    Brincadeiras a parte o filme é uma droga, gostei da ideia de um Noé fodão, mas os caras conseguiram fazer uma estória bem distante da ideia que aprendemos sobre o diluvio, mas que acabou tão monótona quanto a leitura das genealogias da bíblia.

  2. Ismael disse:

    Cara !!!

    O texto que vc escreve é típico de quem não conhece e não sabe interpretar a biblia … Minha sugestão é que vc leia mais , estude mais vá a fundo no tema e depois de tudo, pessa muita , mas muita ajuda de Deus , pois eu sei que mesmo assim vc será capaz de não entender .

    • Amigo, você leu o texto até o fim??? Diz que não leu o texto até o fim, vai! Diz que leu só até o começo do segundo parágrafo, por favor. Não me deixe perder a fé na humanidade.

  3. antonia disse:

    Oi Vanessa,
    Somente ontem achei por acaso este site. Não tenho palavras pra dizer p quanto eu amei sua resenha, principalmente o “resumo” que Vc fez do filme. Não me divertia assim faz tempo. Estava pensando em assistir no PC, mas vou deixar pra lá. Vc retratou tão bem que parece que assisti. Vc escreve muito bem, tem como conversamos por alguma rede social. Adoraria trocar idéias com Vc. Bjs.

  4. adam disse:

    virou num incesto puro, tio come sobrinha para repovoar o mundo kkkkkkkkkkkk que piada esse filme

    sorte que abaixei ele nao gastei m centavo kkkkkkk

  5. Marcos disse:

    Só uma dúvida, será que os anjos caídos tinham tantas mãos por causa das asas?
    Foi a impressão que tive.

    Fora isso, para mim, só valeu assistir pois tinha Emma Watson, uma atriz que gosto. De resto, talvez ganhasse mais vendo algum programa de tv.

  6. Me senti enganada, e fiquei horrorizada com as blasfêmias referidas a PALAVRA DE DEUS. Meu conselho seria que todos boicotassem e não fossem assistir a essa porcaria de filme.

  7. Isabela disse:

    Oi Vanessa,
    Depois de ter lido sua resenha no site da Cristiane, tive que vir aqui ler o texto todo (não por causa da curiosidade sobre o resto do filme, em si, mas porque amo sua forma de escrever).
    Ri muito com seus comentários sobre o filme. Eu realmente não estava pensando em assistir, mas o anúncio mostrava que, de fato, a história não ia ser muito fiel, mas que ia falar da confiança em Deus.
    Mas parece que ele só errou que, na verdade, não foi NADA fiel, e que é mais eficaz confiar em anjos de pedra…. erro comum! hehe
    Sei que você é super ocupada, mas espero ler mais resenhas suas! Até de filme, foi muito show. Eu consegui visualizar tão bem o que você falava (e ria junto com você das absurdisses)!
    Um grande beijo,
    e continue escrevendo sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *