Tempo para tudo

Depois daquele lendário final de semana em que consegui descansar, ainda fiquei bem durante uma semana inteira. Mas há alguns dias, estou indo dormir no limite das minhas forças físicas. É como se, no final da noite, minha bateria já tivesse esgotada e ainda me restassem uma porção de coisas para fazer. E eu faço, né? Pelo menos o máximo que consigo fazer dessas coisas. Então, vou dormir de madrugada, mas no dia seguinte não posso acordar tarde… acordo cedo…ou seja, durmo pouco.

Obviamente, se eu não quiser virar um patê de salsicha, preciso resolver essa questão hoje. Nada de deixar para amanhã ou para o final de semana. Consegui adiantar algumas coisas que, nos dias anteriores, ficaram a cargo da madrugada, e vou dormir um pouco mais cedo. Amanhã, vou adiantar mais coisas e ficar ainda mais feliz. Não dá para descuidar, senão tudo descamba com a maior facilidade para o modo “monstros comedores de tempo” e eu acabo escrava de meus afazeres, até tarde da noite. E não tenho mais idade para isso. Até os 24 anos, eu podia dormir de 3 a 4 horas por noite (sério, aloka) e acordava a mil por hora. Hoje, não funciona mais assim. Tenho que dormir antes da meia-noite, ou viro abóbora.

É aquela coisa do equilíbrio, que todo mundo diz que existe. Há tempo para tudo debaixo do sol, como diz nosso amigo Salomão. Acho que o que me faz não ficar doida é ter essa certeza de que o dia seguinte vai ser melhor, ou que semana que vem as coisas estarão mais organizadas, ou que amanhã vou acordar bem, esse tipo de coisa. E estou sempre procurando maneiras de melhorar aquilo que não está bom, porque não adianta só identificar o problema e não lutar para resolvê-lo.

Hoje, por exemplo, eu vou dormir mais cedo. Não tão cedo quanto eu gostaria, porque tivemos uma porção de coisas para fazer à noite, inclusive uma consulta médica (é, no início da noite. Nossos médicos são doidos). Mas muito mais cedo do que ontem, do que antes de ontem, do que antes de antes de ontem… Então, sei que amanhã estarei melhor. E isso já é uma vitória! Eu não me contento com essas pequenas vitórias, mas comemoro cada uma delas. Elas me motivam a alcançar mais uma pequena vitória. Porque as vitórias gigantes são feitas de milhares de vitórias pequenininhas. Se você aprender a valorizar as coisas que conseguiu alcançar, certamente terá muito mais forças para alcançar muito mais.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *