Uma amiga no momento mais difícil

terapia

Acho que não falei ainda sobre o que a Terapia do Amor tem feito por mim nos últimos meses. Primeiro, deixa eu explicar o que raios é essa “Terapia do Amor”. Embora o nome possa sugerir isso, não é uma terapia de casal. Nem tem terapeuta, aquele cara que fica anotando coisinhas no prontuário enquanto você fala sem parar em um consultório. Se você quiser aconselhamento, é possível (e gratuito) conversar com um conselheiro, mas não é obrigatório. Eu, por exemplo, nunca conversei. Procuro chegar bem cedo para sentar lá na primeira fileira (para manter atenção total) e fico quietinha, escrevendo ou lendo até começar.

Quando essas palestras específicas para a vida amorosa começaram a ser feitas no Templo de Salomão pelo Renato e pela Cris, eu estava em um momento bem complicado da minha existência. Meu marido decidiu fazer uma cirurgia importante que ele estava adiando há muitos anos. A experiência no hospital foi muito desgastante (ainda preciso escrever a respeito, com mais detalhes), emocional e fisicamente. Foram 15 dias intensos e saímos de lá já sabendo que teríamos um período lento de recuperação pela frente.

Quando voltamos para casa, eu já estava com três projetos importantes atrasados e amontoados. E não tinha nenhuma amiga por perto, porque…bem, nosso ritmo de vida acabava favorecendo o isolamento. Sei que não posso colher o que não plantei, logo, não dava para sair pedindo a amizade de ninguém naquele momento. E eu não podia buscar conforto nas palavras do Davison, porque ele precisava de mim. Ele precisava que eu estivesse forte. Ele precisava que minha fé estivesse em alta e eu não entendia por que ela parecia drenada ao final do dia, mesmo buscando a Deus. Então, veio a Terapia do Amor no Templo de Salomão. Confesso que fiquei “meio assim” de ir sem o meu marido. Mas não durou muito, porque, por favor, né? Eu não poderia perder a oportunidade. Eu tinha que ir lá e pegar o Espírito para a gente. Então, fui.

Eram 7 semanas da transformação da água para o vinho e desde a primeira quinta-feira, a transformação já começou dentro de mim. Eu achava que não tinha problemas de relacionamento, mas tinha, sim. Só que não com meu marido, mas comigo mesma. Eu era muito mais exigente comigo do que jamais fui com qualquer outra pessoa. Se você, que me conhece, acha que eu já fui exigente com você, multiplique por dez e terá uma vaga ideia de como eu era comigo. Naquela semana, por causa da Terapia, fiz uma lista das coisas que queria mudar. Eu queria ser menos exigente comigo, mas sem pender para o lado da autocomplacência. Não queria ser daquelas pessoas que acham que nunca erram e que perdoam (ou justificam) todas as bobagens que fazem sem aprender nada com isso, ou que se poupam ao extremo e acabam perdendo a chance de fazer mais do que a maioria. Eu gosto de forçar para ir além das minhas limitações, gosto, mesmo. Mas tinha que fazer isso de uma forma mentalmente saudável. Só não sabia como, mas pedi a Deus diariamente para me ajudar.

Então, naquela mesma semana, li uma frase em um livro da Lucy Beresford: “Converse consigo mesmo de maneira amorosa, respeitosa e solidária”. Porque eu já estava naquela “vibe” de achar uma maneira de me tornar menos exigente, as fichas todas caíram com apenas uma frase. Se o livro inteiro tivesse só essa frase, já teria sido suficiente. Era a resposta que eu procurava.

Percebi que a amiga de quem eu estava sentindo falta não estava do lado de fora, mas, de dentro.  Qualquer pessoa que me contar um problema que está passando, nunca vai ouvir de mim uma palavra negativa. Pelo contrário. A palavra que sai da minha boca é  de fé, de força, para cima. “Você pode, você consegue, vai dar certo”, etc. No entanto, para mim, eu dizia coisas terríveis. Exigia tudo de mim, mas não me dava nada. Nenhuma palavra de incentivo, nenhum gesto de afeto. Nada.

Dizia para mim coisas que eu nunca teria coragem de dizer a ninguém, do tipo me torturar quando atrasava algum projeto (detesto atrasar coisas e quem acompanhou meus anos de 2013 e 2014 pode imaginar quantas vezes me torturei) ou me chamar de burra ao cometer um erro por desatenção. Eu me sentiria uma monstra se dissesse a uma funcionária minha: “você é muito burra!” Nem consigo imaginar uma situação assim. Então, por que cargas d’água falava aquelas coisas para mim? Era como se eu não estivesse me considerando uma pessoa.

Comecei a falar comigo como se falasse com outra pessoa. Eu era minha mais nova amiga, minha funcionária, minha colega de trabalho, alguém que eu queria incentivar a crescer, alguém que eu queria aprender a admirar. Fui relevando os erros releváveis e vi que essa Vanessa errava, sim, mas queria muito acertar. Ela tinha uma vontade imensa de acertar, de fazer melhor, de ajudar. Assim como eu sempre gostei da companhia dela no cinema, na livraria e no happy hour, agora estava começando a gostar da companhia dela no trabalho, acreditando mais nela e me esforçando para enxergá-la como Deus a vê. E, a cada quinta-feira, ganhava mais uma ferramenta para me ajudar nesse novo relacionamento. Estava reconstruindo uma ponte quebrada, mas ela ficaria mais forte do que nunca.

No dia da Festa dos Tabernáculos, eu, finalmente, enterrei de vez a torturadora. Ainda estou nesse processo de construir hábitos mais saudáveis no meu relacionamento comigo mesma, mas se não fosse o que aprendi desde que comecei a ir à Terapia, em agosto, eu não teria conseguido atravessar o momento mais difícil deste ano, em que me senti mais sozinha e mais frágil. Não teria conseguido ajudar o meu marido no momento em que ele mais precisava de mim, quando ele se sentiu mais fragilizado, tanto fisicamente quanto emocionalmente. Eu me esforcei para não transmitir a ele a guerra que estava enfrentando dentro de mim, e, graças a Deus, consegui.

Tentava lutar para manter minha fé em alta, mas me boicotava com a generalzinha na minha cabeça, dizendo que eu não estava fazendo nada direito. Não podia contar com o apoio do meu marido e enchia a paciência eterna de Deus diariamente, até que Ele me mostrou que isso era algo que eu precisava fazer por mim. E só eu poderia fazer. Minha fé só se manteve forte e nos ajudou a encarar os novos desafios porque aprendi a contar com minha amizade (e parei de me sabotar).

Você pode ser uma excelente pessoa, que se preocupa com os outros, que adora ajudar outras pessoas, que resgata gatinhos na rua, que ama conversar com velhinhos e cuidar de crianças, que dificilmente faz alguma coisa pensando em si mesma, que tem muito senso de humor e é bastante positiva, que detesta injustiça e tem o desejo de agradar a Deus, mas, se não falar consigo mesma com respeito, amor e consideração, se não for para si mesma a amiga que você gostaria de ter nos momentos mais difíceis, nos momentos em que você mais precisa de força, não vai adiantar nada. Olhe para dentro de você. Pode ser que, assim como eu, você ainda não tenha se dado conta do quanto tem sido monstrinho consigo mesmo. Tem gente que o diabo nem precisa se esforçar para colocar pra baixo, ela mesma faz isso, com seus próprios pensamentos. É muito legal e saudável buscar a excelência em tudo o que faz, mas não se esqueça de que se amar faz parte de ser excelente. E você tanto gera e fortalece quanto mostra seu amor próprio com atitudes de respeito e consideração para com você mesmo.

Tem sido muito legal poder contar com essa amiga. Meu relacionamento com meu marido saiu ganhando, meu relacionamento com Deus também melhorou, o nível de energia aumentou, assim como minha força interior. Percebi que se eu não der para mim mesma aquilo de que preciso emocionalmente, não tenho o direito de esperar isso de ninguém.

 

PS: Quinta, no início da Terapia, Renato e Cris falaram sobre o relacionamento que devemos ter conosco. E na sexta-feira ele postou o texto “O seu relacionamento com você”, que fala exatamente sobre isso (recomendo MUITO a leitura).

7 comentários sobre “Uma amiga no momento mais difícil

  1. Comentário um pouco atrasado rsrs, mas só fui ler o texto hoje. Muito obrigada Vanessa, você não tem noção como essa palavra me ajudou. Que Deus te abençoe muitooo! Beijos

  2. Compartilhar a sua experiência me fez refletir muito sobre o meu relacionamento comigo mesma. Apenas quando li a postagem é que pude perceber quantas vezes me tratei de uma forma diferente da qual costumo tratar as demais pessoas – por vários momentos, a mesma paciência, compreensão e motivação que oferecia aos outros, deixei de dar para mim. Existem coisas que apenas nós podemos fazer por nós mesmos. E essa é uma delas.

    Amei e me identifiquei muito com seu blog. Deus abençoe.

    • Stephanie,

      Fico muito feliz de ter ajudado você a refletir sobre seu relacionamento consigo. Seja sua melhor amiga e você vai conseguir ajudar muito mais as outras pessoas. Tenho tido uma outra qualidade de vida desde que descobri isso. :-)

      E eu também amei seu blog. É você quem escreve todos os textos?

      Deus a abençoe mais!

      Beijos.

  3. Eu também me identifiquei muito! Li o post recomendado e também me ajudou!
    Obrigada por compartilhar!
    Bjs 😉

  4. Joana disse:

    Tenho encorajado e dado sempre uma palavra de fé para as pessoas nos momentos difíceis, mas tenho me torturado com maus pensamentos a meu próprio respeito e me criticado quando estou em um momento de dificuldade ou quando cometo algum erro. A consequência disso é que isso tem afetado negativamente a minha fé.

    A verdade é que quando eu estava fazendo a Terapia do Amor (parei por um tempo devido a desculpa: falta de tempo), o meu relacionamento comigo era o contrário do que escrevi acima e consequentemente isso afetava positivamente a minha fé. Incrível como esta reunião nos ajuda independente do nosso estado civil.

    Obrigada por contar essa experiência que acrescentou no que Deus tem falado comigo ultimamente e abriu meus olhos sobre o que eu tenho que fazer (:

  5. Jéssica disse:

    Vanessa, nem sei como explicar o quanto foi ótimo começar o dia com a leitura desse post. Deus falou comigo. Os meus olhos acabaram de se abrir! Obrigada!! Deus te abençoe cada vez mais!! Beijos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *