Guerra contra o sentimentalismo

sentimento2

Estou fazendo o Desafio Godllywood, que é uma série de tarefas para mulheres que querem melhorar emocionalmente, fisicamente e espiritualmente. Preferi não fazê-los na ordem, mas fui escolhendo os que seriam mais importantes para mim neste momento. Também não estou fazendo um por semana, escolhi combinar vários, de acordo com o que consigo, para fazer bem direitinho e em um ritmo mais intensivo, que tem mais a ver comigo. Todos eles têm alguma espécie de divulgação em redes sociais. Uma frase, uma foto, cada desafio vem com uma orientação de divulgação, para provar que estamos fazendo. Quando você torna uma tarefa pública, é natural que se comprometa mais com ela. No entanto, o que eu acho mais legal em publicar meus desafios, é a oportunidade de ajudar outras pessoas, passando o que aprendi. Como o desafio de hoje acabou rendendo um texto relativamente grande, preferi transferi-lo para o blog, assim consigo ajudar um número maior de pessoas e a informação não se perde. Colo aqui o enunciado do Desafio Godllywood 83:

“Entre em guerra contra os sentimentos e as emoções. Quando for surpreendida pelo medo, ansiedade ou pena de si mesma, reaja imediatamente usando a sua razão. E o que é a razão? Abrir a mente, pensar! Na hora que precisamos decidir ou resolver coisas, não podemos nos deixar sentir coisas – temos que usar a fé inteligente.

Usando o exemplo da moda do jeans rasgado: é um fato que nem todo mundo gosta e, até aí, não tem problema algum – é questão de gosto. Agora, quando se começa a criticar a pessoa que gosta, não seria isso uma maneira de reagir com a emoção? Quem planta emoção, colhe emoção – e emoção não leva ninguém a lugar algum.

Cuidado, meninas, sejamos sábias! Não é à toa que a Bíblia nos ensina a ser sábias e não sentimentais. Essa semana, pense como você tem reagido ultimamente e se suas emoções têm lhe atrapalhado nessas horas. Procure reagir na razão em tudo.

Até o fim da semana, poste o seguinte na nossa página do Facebook: Eu uso a minha razão para resolver meus problemas. #DesafioGodllywood83”

Escolhi esse desafio porque seria um dos mais difíceis de fazer nesta semana. Meu sogro estava na UTI desde dezembro. Foram meses de muita oração e muito complicados para nós. Para mim, especificamente, acompanhar, ainda que à distância, aquela rotina de UTI, com paciente piorando e melhorando a cada visita, era uma espécie de tortura, porque me fazia lembrar o que eu senti quando meu marido esteve hospitalizado. Eu combatia aqueles sentimentos com a fé, mas o desafio me fez racionalizar claramente o que eu tinha que fazer. E me deu um roteiro muito específico, que me ajudou nos últimos dias.

Estávamos esperançosos porque ele melhorava e estava reagindo, já tinha até previsão de alta, mas na quinta ele piorou de uma hora para outra e, na sexta, faleceu. Meu esposo arrumou as malas e viajou em questão de horas. Não fiquei triste pelo meu sogro, apesar de ser muito ligada à família do meu marido, pois entendemos que ele foi salvo – e isso não é motivo de tristeza. Porém, além do medo de que a carga emocional do momento prejudicasse a saúde do meu marido, somos muito unidos e sempre que ficávamos separados, era um drama para mim (principalmente na TPM).

Mas…o desafio é  reagir imediatamente usando a razão. Toda vez  que batia a tristeza por ele estar longe, eu raciocinava: “esse é um momento dele, eles já perderam a mãe e ele precisa ajudar a única irmã, que é solteira. Os dois precisam desse tempo. E eu tenho um bilhão de coisas para fazer.” E, em vez de ficar pensando abobrinha, me ocupava em fazer o que tinha de ser feito em casa e no trabalho.

Depois, vi fotos de amigas minhas com amigas delas e comecei a ficar triste porque estava sozinha. “Nenhuma amiga tem tempo para mim”, “ninguém lembra que eu existo”, “por que ninguém me convida para nada?” – foram algumas das coisas que passaram pela minha cabeça na hora. Aí, imediatamente, eu me posicionei contra aquela postura ridícula de vítima. Peraí, cidadã. Se for assim, você também não tem tempo para ninguém. Quantos e-mails pessoais têm na sua pasta “responder”, aguardando resposta porque você não conseguiu fazer tempo para todos eles? Você também sabe que não é a criatura mais sociável do universo. E como quer receber sem dar? – Pensar essas coisas já neutralizou a voz da “María la del Barrio” que existia em meu coração rs. Até porque, eu não tenho – e nunca tive – saco para novela mexicana, vamos combinar.

Então, como era sábado, convidei uma amiga para almoçar comigo. Ela já tinha compromisso com a família e não pode ir, mas marcou de me encontrar outro dia (acabou não dando certo, também, porque a chuva nos atrapalhou, mas ela ficou me devendo um passeio haha). Aquela minha atitude colocou um fim no drama que começava a se formar na minha cabeça. Eu não aceitaria me sentir a vítima abandonada.

Resultado: ao contrário da última vez em que meu marido viajou sozinho (e que, lei de Murphy, eu estava na TPM), eu não fiquei enchendo o Whatsapp dele de lamúrias de saudade, e deixando o pobrezinho angustiado e sofrendo. Cuidei de mim, tomei pelo menos 2 litros de água por dia, me alimentei nas horas certas, cuidei da casa, trabalhei, me foquei nas coisas que precisava fazer e o deixei à vontade para vir só quando pudesse vir. Ele ficou mais tranquilo (tudo o que não precisava neste momento era ter de se preocupar com uma esposa histérica, por favor, né?), fez o que era necessário fazer por lá e, desta vez, foi ele que ficou mandando mensagens de saudade e fez tudo bem rápido para voltar logo.

Claro que eu quero que ele volte para eu cuidar dele, mas é incrível como eu não estou sofrendo, nem me torturando, nem me vitimizando. Simplesmente porque escolhi não alimentar os sentimentos que me colocam para baixo. Quando percebo um deles vindo, raciocino e mato antes que nasça e dê filhotes. Agora meu marido vai chegar e encontrar uma esposa forte para ajudá-lo a se manter firme na fé e a superar essa fase da melhor maneira possível. E pronta para mimá-lo bastante. Aproveitei também para comprar um colchão novo e vamos nos livrar das dores nas costas. Usei bastante minha Agenda Godllywood para organizar meus dias e conseguir dar conta de tudo (porque meu esposo me ajuda muito em casa, sem ele aqui, muda toda a rotina e eu tive que me adaptar sem sair do eixo). Nem a TPM foi capaz de me arrastar para a areia movediça do sentimentalismo autodestrutivo rs.Termino esta semana muito mais forte e com certeza me manterei focada nesse desafio for life.

 

PS: Atenção à foto: Note o brinquedinho do Tiggy perto do meu braço, olhando apavorado para minha tentativa de fazer um olhar dramático…kkkk

7 comentários sobre “Guerra contra o sentimentalismo

  1. Fernando Martins disse:

    Olá Vanessa !

    Muito bom este seu novo texto. O que você escreveu é um guia prático de como usar a razão em nosso benefício. Fato que às vezes, ou muitas, passa despercebido. Fico impressionado observando que nós, seres humanos, apesar de sermos dotados de um cérebro poderoso, fazemos muito pouco uso dele. Em geral, somos seres que nos movemos pela inércia, mas deveríamos ser o contrário disso. Deveríamos agir e nos mover pela nossa capacidade de reflexão. Enfim, seu texto é importante porque aponta para este fato. Agora, fazendo um parêntese… Por inspiração do seu blog e de alguns amigos, acabei criando o meu próprio blog. É um blog sobre as relações entre a literatura e a educação infantil. Se tiver um tempo, dê uma olhada (www.educareasletras.blogspot.com) e, se gostar, favor divulgar. Um abraço, Fernando Martins.

  2. Patricia disse:

    Vanessa,

    até me casar, a TPM era um problema que somente me afetava. Depois do casamento, o meu esposo começou a sentir os efeitos na nossa relação. Foi assim durante alguns meses (sou casada há um ano), até que eu tomei a decisão de não deixar mais que aquele caldeirão de emoções influenciassem nosso relacionamento. Afinal de contas, eu não podia justificar meus pecados (mau-humor, instabilidade emocional, falta de carinho, etc) usando a TPM. No final das contas, podemos chamar do que for, mas, a verdade é que tudo o que fazemos de forma impensada nesse período vai contra as leis de Deus. Foi por isso que dei um basta! Se sou cristã, é nessa fé que vou seguir, independente do que eu esteja sentindo ou passando. Se não, tudo vira motivo para justificar nossos erros, nossos pecados…

    P.S. O marido percebeu a diferença. Me disse que de uns meses pra cá, não tive mais TPM! Kkkkk
    “Sabe de nada, inocente!”

    Um beijo pra vc!
    Patricia

  3. Muito bacana Vanessa!
    Era mesmo o que eu estava precisando ler para dar guerra aos sentimentos! Não quero colher emoção, então não plantarei emoção! A guerra está aberta! rsrs

  4. Verdade Vanessa, tambem estou nos Desafios Godllywood e como cada tarefa é individual, descobri algumas mazelas em mim que jamais havia me dado conta, pois sou uma pessoa com a vida focada nas coisas de Deus, priorizo minha salvação, medito todos os dias na palavra de Deus e …Ops! De repente, uma tarefa simples, comer de 3 em 3 horas me deixou com os quatro pneus arreados e chorei como uma criança decepcionada comigo mesmo. Sim, decepcionada. Estou há exatamente 4 anos com 9 kilos acima do peso normal e minhas desculpas eram que o importante é estar bem com Deus e tal. Mas ficava a maior parte do dia sem comer nada, e quando ia comer, misturava tudo, lanchava, jantava em seguida, sobremesa e pra encerrar, lá pelas duas da manha um chazinho com biscoitos. No dia seguinte, mal estar, azia, gosto amargo na boca, sem fome e sem disposição. Nesta tarefa de comer de 3 em horas o Espirito Santo me mostrou o quanto eu maltratava o Templo de Sua morada. Era relaxada com o ambiente onde eu pedia para Ele habitar. Foi forte o desfio, nunca me vi naquela situação de cobrança espiritual.Foi uma revelação! Me senti nua, despreparada, desleixada, desprovida de zelo com a Casa do Meu Senhor que é o meu corpo! Mas me arrependi, pedi perdão a Deus por tanto descaso com minha vida espiritual, pois isso reflete na vida espiritual, pois eu trago doenças, enfermidades, indisposição física quando maltrato meu corpo, excesso de peso por falta de disciplina…Enfim, foi uma experiencia inesquecível que rendeu bons frutos e falo isso todo o momentos para minhas amigas e em duas semanas perdi 4 quilos e estou mantendo a alimentação de 3 em 3 horas ainda e bebendo muito mais de 1,5 litros de água por dia, e refrigerantes? Não compre mais. Tudo o que Deus faz é bom, e tudo que a igreja tem proporcionado a nós é edificante e nos conduz não apenas a salvação de nossas almas, mas a sermos seres humanos melhores, mais tolerantes com o próximo e mais praticantes das boas obras usando a fé inteligente, raciocinando e deixando para trás um comportamento que nunca nos valorizou que nada mais é o que a mídia tem levado a bilhões de humanos a serem sentimentais.Beijos pra você e para seus gato.Você é uma pérola preciosa.

  5. Raquel disse:

    Muito forte o post, Vanessa Lampert! Tive até que parar pra deixar um comentário, pois o que você relata aqui é uma das coisas que quase sempre me afetam (principalmente na TPM). A mania de se vitimar é tão grande que, se não estivermos vigilantes, derrubamos mundos e fundos com nossos dramas diários. Com certeza, sua experiência me ajudou muito e me levou a pensar. Também não sou a pessoa mais sociável do mundo e por conta disso posso exigir demais dos meus poucos amigos ou até apodrecer por dentro remoendo esses pensamentos inúteis. A vida é curta demais para gastá-la com tanto sentimentalismo! Obrigada por compartilhar isto conosco.

    Ps. Temos o mesmo problema em fazer pose para fotos com olhares dramáticos… hahahah

  6. Jaqueline disse:

    Poxa, Vanessa, uma pena o falecimento do seu sogro. Mas como ele era convertido, com certeza está bem melhor que todos nós. Estou orando por vcs, para que se recuperem e superem esse momento. Deus abençoe vcs. Bjs

  7. Camila Gomes disse:

    A sra é uma mulher de Deus tão real,e quando digo real é que expõe os seus problemas e dificuldades seguidos de soluções que Deus, a fé e as situações da vida lhe ensinaram e dessa forma nos ajuda, formando uma corrente de fé e força. Dessa forma também mostra a todas nós, sem exceção, que podemos com fé e visão fixa no Senhor Jesus sermos também mulheres de Deus. Tão bom poder vir aqui e ser acrescentada com as coisas que escreve, com seus testemunhos e voltas por cima. Obrigada pela sua humildade e amor em compartilhar suas experiências e fé conosco. Te admiro muito. Continue na fé sempre, pois só Jesus tem ideia do número de pessoas que a sua fé sempre firme N’ele pode ajudar. Aproveito para comentar que admiro demais o seu relacionamento com o marido da sra, tão cheio de carinho!! Como um casal de namorados apaixonados. Peço a Deus para que Ele possa me abençoar tbm com um relacionamento conjugal tão lindo quanto o de vocês. Te amo, D. Vanessa <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *