A maneira certa de pedir

knock-knock-1439837

Há dois exemplos muito interessantes que Jesus dá quando fala sobre oração e que mudaram minha percepção de como pedir as coisas para Deus. O primeiro deles está em Lucas 11.5-9

“Disse-lhes ainda Jesus: Qual dentre vós, tendo um amigo, e este for procurá-lo à meia-noite e lhe disser: ‘Amigo, empresta-me três pães, pois um meu amigo, chegando de viagem, procurou-me, e eu nada tenho que lhe oferecer’. E o outro lhe responda lá de dentro, dizendo: ‘Não me importunes; a porta já está fechada, e os meus filhos comigo também já estão deitados. Não posso levantar-me para tos dar’; digo-vos que, se não se levantar para dar-lhos por ser seu amigo, todavia, o fará por causa da importunação e lhe dará tudo o de que tiver necessidade. Por isso, vos digo: Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e a quem bate, abrir-se-lhe-á.”

E a continuação é aquele mesmo trecho do final do post de ontem, que fala sobre pedir o Espírito Santo (é importante sempre entender o contexto dos versículos que a gente lê). Note que esse exemplo não diz que Deus não quer ajudar ou não quer ser amigo. O foco está no comportamento daquele que pede (afinal de contas, Ele usou essa história para nos ensinar a maneira certa de pedir). O que Ele descreve aqui é uma pessoa tão decidida naquilo que quer que não fica com dodóizinho. Porque o “normal” da maioria dos humanos de hoje em dia, que são MEGA dodóis seria ficar chateado com o que o amigo disse.

“Puxa, isso é jeito de falar comigo?” “Ele me mandou não importunar! Nunca mais vou falar com ele!” “Ah, é assim, é? Então não conte mais comigo para nada!” “Puxa, eu não esperava ser tratado assim…”

A razão das pessoas se magoarem e se ofenderem tão facilmente hoje em dia é que somos levados pela nossa cultura atual a nos colocarmos no centro do universo. Nosso umbigo é o sol, ao redor do qual todo o resto precisa girar. Então, se alguém fala de uma maneira mais seca, a pessoa já se sente atingida em seu ponto mais frágil: o ego.

Parafraseando o Ramsés, de Os Dez Mandamentos, o ego grita: “Como OUSA falar assim comigo?”, a emoção aflora, em carne viva. Nessa síndrome de Ramsés, centrada em si mesma, a criatura mal consegue usar sua fé. Não tem como! Porque entra na emoção de tal forma que começa a se achar injustiçada e pensar mal do outro, que o “agrediu”. E a coisa toma um contorno de novela mexicana, porque o que o ser humano mais sabe fazer na vida é drama. E essa é a receita para a praga das trevas tomar conta da vida do indivíduo.

Já o amigo importuno, não está nem aí. Ele sabe o que precisa e está determinado a alcançar. Ele não é mal-educado ou agressivo, é apenas definido naquilo que foi fazer à porta do amigo. É a descrição perfeita da fé que não desiste, que não desanima, que se recusa a ficar chateada ou ofendidinha. O amigo importuno sabe que está sendo chato. Sabe que não tem o menor direito de estar ali na porta do outro à meia-noite. Mas conhece muito bem o Amigo a quem está pedindo. Ele sabe que esse Amigo é bom e que tem o melhor pão do mundo. Então, por saber muito bem quem é o Dono do pão, ele insiste até conseguir.

Em outra ocasião, falando desse mesmo assunto, Ele contou a seguinte história:

“Disse-lhes Jesus uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer: Havia em certa cidade um juiz que não temia a Deus, nem respeitava homem algum. Havia também, naquela mesma cidade, uma viúva que vinha ter com ele, dizendo: Julga a minha causa contra o meu adversário.

Ele, por algum tempo, não a quis atender; mas, depois, disse consigo: Bem que eu não temo a Deus, nem respeito a homem algum; todavia, como esta viúva me importuna, julgarei a sua causa, para não suceder que, por fim, venha a molestar-me.

Então, disse o Senhor: Considerai no que diz este juiz iníquo. Não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que a ele clamam dia e noite, embora pareça demorado em defendê-los? Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça. Contudo, quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra?”  (Lucas 18.1-8)

Novamente, aqui Ele não está comparando Deus a um juiz iníquo. O foco é ensinar como devemos agir nossa fé ao clamar a Deus. Ele usa como exemplo o comportamento da viúva insistente que, assim como o amigo importuno não desiste enquanto não recebe a resposta. Mais uma importunadora que passa por cima de seu ego para insistir, focada naquilo que sabe que deve fazer.

Por essa razão, Jesus termina perguntando se quando Ele voltar encontrará fé na terra. Porque o que Ele descreveu é a verdadeira fé: definida, desprovida de nhenhenhém, que não tem vergonha de ser chata. Como a daquela mulher que Ele mesmo elogiou:

“Partindo Jesus dali, retirou-se para os lados de Tiro e Sidom. E eis que uma mulher cananeia, que viera daquelas regiões, clamava: Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de mim! Minha filha está horrivelmente endemoninhada. Ele, porém, não lhe respondeu palavra.

E os seus discípulos, aproximando-se, rogaram-Lhe: Despede-a, pois vem clamando atrás de nós. Mas Jesus respondeu: Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel. Ela, porém, veio e O adorou, dizendo: Senhor, socorre-me!

Então, Ele, respondendo, disse: Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos. Ela, contudo, replicou: Sim, Senhor, porém os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus donos. Então, lhe disse Jesus: Ó mulher, grande é a tua fé! Faça-se contigo como queres. E, desde aquele momento, sua filha ficou sã.” (Mateus 15.21-28)

Note aqui a personalidade de Jesus. Nada a ver com aquele “Jesus” católico com cara de dor de barriga, com peninha das pessoas, fraco e emotivo. Se você ler essa passagem pensando que Jesus era esse da dor de barriga, vai ficar bastante confuso e achar que ela não faz sentido. Mas se entender como Ele é, de fato, vai perceber o que Ele fez aqui.

A demora dEle em atendê-la e a aparente rejeição fez com que a fé daquela mulher se fortalecesse ainda mais. Ela não se importou com o jeito que foi tratada. Não estava nem aí para seu umbigo. Ela tinha total consciência das prioridades e sabia muito bem o que queria. Sua fé era definida. Jamais ficaria magoada, triste, se sentindo vítima. Ela não estava ali na posição de vítima. Estava ali sabendo exatamente a Quem estava clamando. E não sairia sem a resposta.

Não é exatamente o que Ele disse que deveríamos fazer quando deu o exemplo do amigo inoportuno e da viúva chata? Essa é a fé que nos dá o Pão de que precisamos, mesmo de madrugada. Essa é a fé que faz com que nossa causa seja julgada. Essa é a fé que nos dá o Espírito Santo. Essa é a fé que transforma cachorrinhos em filhos. A fé que não busca reconhecimento. A fé que não se vitimiza. A fé que não tem pena de si mesma. A fé que não busca a peninha. A fé que não fica de nhenhenhém. A fé que sabe a Quem está clamando e, por isso, nunca vai desistir.

.

#JejumdeDaniel #Dia15

PS: Eu deveria agir naturalmente, com um ar blasé, mas não consigo. Fiquei muito feliz ao ver que alguns escavadores ocultos (e outros nem tão ocultos assim rs) se comunicaram comigo no post anterior :) . Embora eu seja da opinião de que devemos escrever mesmo quando parece que ninguém nos lê (eu creio, pela fé, mesmo, que sempre tem alguém lendo e que para aquela pessoa aquela palavra fará diferença), é sempre uma pequena festa ler depoimentos de leitores para quem este blog tem sido útil. É como encontrar amigos em uma trilha. Estamos no mesmo espírito, juntos na mesma caminhada, nas subidas íngremes, nos lugares escorregadios, aprendendo a permanecer firmes no Caminho. Quanto a quem não comenta: eu amo vocês, mesmo assim rs. Estou convicta de que os leitores deste blog são os melhores do mundo. :)

PS2: Coloquei o PS do post anterior em uma página própria, pois achei que seria uma boa forma de explicar a política de comentários deste blog. Está no link Seu comentário sumiu? 

16 comentários sobre “A maneira certa de pedir

  1. Ola! Vanessa, tive que comentar aqui porque sou a leitora que lê e não comenta e, mesmo sabendo da diferença que faz para você isso, i’m sorry. Somos conterrâneas (sou de campo grande,ms). Gosto muito dos seus post pois espalha a fé-inteligente. A minha personal trainer (meus neoronios não estão mais sedentários, já foram)! Obrigada! Deus te abençoe.

  2. Olá Vanessa!

    Bom, já faz algum tempo que acompanho os teus textos e tenho que dizer que eles sempre me esclarecem. Por muito tempo nutri sentimentos, dúvidas e inseguranças que me impediam de seguir em frente. Mas, a cada dia que tenho vindo aqui ler as mensagens que tu postas (esse é o primeiro blog que eu acesso diariamente) é um incentivo e te vejo como uma amiga que se preocupa em dizer a verdade para me fazer acordar. Seja na forma como desenvolve as ideias, seja no cuidado em esclarecer um assunto ou no estilo simples que desenvolves um texto. Queria te sugerir que escrevesse um livro, não importa sobre o quê, eu compraria na certa e sei que iria acrescentar na minha Vida. Obrigada por se disponibilizar em falar para pessoas como eu, aquilo que Deus quer mostrar e que precisa ser dito. Continue postando no blog e eu continuarei te acompanhando (aliás, tenho espalhado teus textos para muitos amigos que, como eu, estão sendo abençoados com cada palavra) .

    Deus te abençoe ainda mais e ilumine essa mente inquieta.

  3. Ah, Vanessa… Logo mais cedo li o cap. 11 de Lucas e vim ver o post do dia agora à noitinha, acabo encontrando o quê? A resposta!

    Foi o que não fiz das outras vezes, desanime por não receber, só que minha fé era fundamentada na emoção e pior de tudo era que eu botava a culpa em Deus e vinha o esfriamento, eu começava a olhar na vida dos outros o que não tinha e virava uma bola de neve. Agora sei que não posso. Pelas futuras almas ganhas, não vou mesmo desanimar.

    É incrível como Deus sabe de tudo, e mais incrível ainda é como ele responde quando precisamos e cremos!

    Na fé, querida Vanessa.

  4. E é isso que praticarei esse ano: importunar a Deus até Ele me responder, sem ter pena de mim e sem olhar para as circunstâncias.

  5. Olá Vanessa… sou Wanderlei, brasileiro, paulista, mas vivo em Maputo, Moçambique…

    Comecei a pouco tempo ler seus posts, mas digo que… suas palavras são o máximo de simplicidade e o máximo em verdade, portanto já te admiro, ninguém diga que não entende o que você escreve porque estaria sendo no mínimo “sonso”, desculpe a expressão srssrss, mas é isso aí, a sua respeitosa irreverência fala forte… Vai fundo!

  6. Vanessa, sou leitora assídua desde 2009… a primeira vez que te vi foi no programa “Coisas de Mulher” na IURD TV, não me recordo muito bem do tema, mas vc falava sobre compulsão por compras, algo assim…rsrsrs…depois te vi também na IURD TV no programa do Bispo, vc estava junto com uma outra moça e não paravam de falar um minuto…kkkkk…. lembro que foi muito legal!!!! Desde então leio diariamente seu blog, e quando não tem post fico chateada! rsrsrs
    Te vi pessoalmente uma vez, na festa dos tabernáculos no Templo, vc estava sozinha, fiquei com vontade de me apresentar e te dar um abraço, mas fiquei tímida…hahahaha

    Querida, lendo este texto fiz uma oração por sua vida…vc não imagina o quanto já me ajudou com suas palavras simples, suas ironias…hahahaha….vc não imagina!!! Que Deus te abençôe abundantemente, e por favor, não pare de escrver diariamente quando o jejum acabar tá?

    beijooooooossss

  7. Bem, suas palavras não são apenas inteligentes e agradáveis, elas vem do Espírito de Deus e acredite você ajuda muito mais pessoas do que imagina! Estamos juntos nesta caminhada árdua, porém totalmente compensadora, que o Espírito de Deus te ilumine ainda mais a te conserve para que você venha ajudar a conservar outros.

  8. Vanessa,

    Não sei como descobri o seu o blog (acho que foi em uma das postagens do blog do Bispo Macedo), mas desde esse dia não consigo ficar um dia sem visitá-lo! (rsrs). Faz parte da minha vida sabe. A forma como escreve é luz para os meus caminhos!! Agradeço a Deus por você e para que Ele continue te usando a cada dia mais!!!!
    Ah! Também amo gatos >^.^<

  9. Confesso que não era leitora assídua do seu blog, mas é incrível como cada vez que leio os posts aprendo muuuito! E, Vc escreve muuuito bem de forma clara e objetiva!!
    Eu li o termo dos comentários rsrs e quero poder sempre te encontrar no meio das trilhas pra exercitar tantos meus neurônios, qtos meus pensamentos pra sempre manter a minha fé definida!!!
    Desde jah obrigada e até breve

  10. Bom dia!
    Vanessa, eu estou achando até engraçado como Deus tem falado comigo através dos seus posts. É sério, parece que cada um deles é para uma necessidade que tenho. O de hoje, foi uma resposta a minha oração de ontem. Saiba que estou amando tudo e ler seu blog diariamente faz parte do meu planejamento anual. Eu não sei o porquê de eu ter pensado em seu blog para o meu planejamento anual, mas tenho certeza que o Espírito Santo sabe. Vou aprender muitas, muitas coisas com você e vou melhorar meu português também! :-) Obrigada e obrigada! Beijos…

    Obs: Depois do jejum, posta dicas de português também, pois você escreve muito bem.

  11. Eu leio os seus posts quase sempre, e para além de ser uma leitura prazerosa é deveras edificante. Gosto de textos longos, mas que na sua extensão não perdem o foco e a linha de pensamento. E este blog está repleto deles!
    É uma honra participar deste blog mesmo sendo de um país diferente (Moçambique).
    E como conheço inúmeros leitores ávidos, sempre recomendo a leitura das suas mensagens divisoras de águas.
    Um abraço Vanessa.

  12. Leio TODOS os seu posts desde o último Jejum de Daniel :)

    Tenho certeza de que muitos outros também o fazem, então quando vier a questão “será que tem alguém lendo mesmo?” lembre-se: A Raphaela está lendo kkk

    Na verdade tenho um pedido :)

    Por estar em um horário diferente, nunca sei a hora que os seus posts são publicados, e fico várias vezes no dia checando kkkkk (isso desde o último Jejum de Daniel tá… sou praticamente uma stalker). Então, será que a gente não podia se cadastrar para receber seus posts no e-mail? 😀

    Assim não vou precisar mais ficar stalking o seu blog kkkkk

  13. Prezada Lampert
    Sou leitor assíduo do blog do bispo Macedo e foi na sua contribuição a mensagem do 12º dia do jejum que passei a conhece-la. E porque achei muito revelador o que partilhou, decidi visitar seu blog. São textos um tanto que longos mas que sem dúvida agregam muito valor. Deus continue lhe usando

    António de Moçambique, Maputo

  14. Queria te dar um abraço por cada palavrinha que você usou, já que não posso, vou pedir pra que Deus te abençoe pra que você continue usando esse espacinho pra salvar.
    Porque o que você escreveu não foi só legal, foi VIOLENTO!
    Obrigadaa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *