O preconceito que Duvivier não enxerga

DuvivierPreconceituoso

Gregorio Duvivier publicou um artigo na Folha de São Paulo narrando como um cidadão que acordasse do coma em 2020 encontraria o Rio de Janeiro. Na visão dele, o Rio teria se transformado em uma cidade religiosa (no pior sentido da palavra). Culpa, é claro, da vitória do Crivella. O artigo é uma pilhéria, obviamente, ele trabalha com uma linguagem de exageros propositais e até entendo o que tentou fazer com o texto, mas o resultado é um punhado de estereótipos grosseiros em um atestado de preconceito assinado e reconhecido em cartório.

Me pergunto se Duvivier tem noção do tamanho do preconceito que seu artigo destila. Acredito que não. Nem ele, nem a maioria dos leitores que concordam com ele. Esse, aliás, é o maior problema dos preconceituosos: são cegos para o próprio preconceito. O preconceituoso até enxerga a intolerância nos outros, mas jamais nele mesmo.  E não enxerga o próprio preconceito porque acha que está falando a verdade, está descrevendo o que vê. Não percebe que já enxerga distorcido porque interpreta tudo a partir de sua forma equivocada de pensar.

Sei que o texto do Duvivier não é sério, mas nessa “brincadeira” ele expressa com clareza o que pensa da Universal. Transportando esse mesmo modelo de texto para a boca de qualquer outro preconceituoso (mesmo que “de brincadeira”), talvez fosse mais fácil enxergar. Um homofóbico, por exemplo, imaginando um Rio de Janeiro cujo prefeito fosse homossexual, poderia pensar em um lugar com os piores estereótipos que sua mente fosse capaz de inventar, quem sabe um lugar que obrigasse todo mundo a ser homossexual e onde gays estuprariam criancinhas na rua. Um racista que imaginasse um Rio de Janeiro cujo prefeito fosse negro, poderia (de brincadeira) usar seus mais odiosos preconceitos para pintar uma cidade tão abjeta quanto seus pensamentos, talvez colocando os negros como bandidos, preguiçosos e burros.

Se o prefeito fosse muçulmano, ainda que (como Crivella) tenha garantido que não misturaria religião com política e governaria para todos, um intolerante poderia descrever o futuro da cidade usando todos os estereótipos de sua bagagem para criar um espantalho terrorista. Mulheres de biquíni na praia seriam decapitadas. Praia, só com burca. E um prefeito do candomblé, então? Alguém poderia imaginar que ele sacrificaria todos os animais da cidade e transformaria todas as praias em “macumbódromos”. Enfim, não há limites para a criatividade de um preconceituoso que acha que só está descrevendo a “verdade” (vista através de suas lentes, é claro). É por meio desse tipo de discurso que se reforça e solidifica um preconceito.

Antes que alguém comente isso, não vou aqui criticar a esquerda ou dizer que ele pensa assim porque é esquerdista e blá blá blá. Sou totalmente contra esse tipo de discurso reducionista, que é exatamente o que Duvivier cometeu na Folha de São Paulo. Abaixo, colo um comentário que encontrei na página dele, de um leitor que tem o mesmo posicionamento político dele e claramente não votou no Crivella, mas consegue fazer uma análise coerente da situação. Coloco aqui para que vocês consigam entender que um discurso coerente e racional independe de posicionamento político. O que estou discutindo aqui é a intolerância e isso, infelizmente, a gente encontra na esquerda, na direita, no centro, nas margens, no avesso, em qualquer lugar.

Comentario_Ruan1

E, respondendo ao argumento de que o texto do Gregorio Duvivier é só “uma brincadeira”:

Comentario_Ruan2

Qual é o objetivo do texto do Duvivier? Você até entende se algo assim vier de uma criança de dez anos, dizendo que eu sou feia, boba e chata. Mas de alguém que escreve para um dos jornais de maior circulação do Brasil? Qual é o objetivo? Conscientizar não é. Conscientizar a respeito do quê, se o autor não trabalha com a realidade, mas sim com suas ideias pré-concebidas? Mobilizar para a luta, a fim de evitar o apocalipse zumbi? Mas se ele só trabalha com a mitologia do seu próprio pensamento distorcido, que mobilização seria essa?

Dá para entender? Quando o discurso se baseia no preconceito, qualquer coisa que se construa sobre ele, desmorona. Sob esse aspecto, o texto do Duvivier é inútil. É um desabafo que só serve para reforçar o preconceito de quem já é preconceituoso como o autor. Ele fala com seus pares, com quem já tem a mesma opinião. Não é um artigo de jornal, é um post de Facebook. Eu não me ofendo com facilidade, só acho ridículo. Do ponto de vista de quem concorda com Duvivier, o artigo é um desabafo por causa da ignorância de quem, por puro antipetismo, colocou um religioso no poder (correndo o risco de instaurar uma teocracia no Rio de Janeiro #vontadederir). Do ponto de vista de um membro da Universal, é uma agressão gratuita, carregada do pior preconceito, motivada por um impulso de mau perdedor.

Quem realmente se importa com a sociedade e quer fazer algo útil pelas outras pessoas precisa ser capaz de entender todas as microculturas que fazem parte dessa sociedade. Caso contrário, vai se fechar dentro do seu próprio casulo e conversar com seu próprio umbigo. A cada vez que me deparo com um discurso desses, que, sem me conhecer, tenta dizer que eu sou ignorante, manipulada e bitolada, mais rejeito qualquer outra coisa que venha de quem apoia esse discurso. Se querem só reforçar seu preconceito e receber abraços de outros preconceituosos, está funcionando.

Segue abaixo o texto completo:

“Ungida seja a Folha de São Salmo

Por: Gregorio Duvivier

Em 2011, o iPhone ainda era redondinho. Escapuliu das mãos de Fernando e foi parar debaixo do banco exíguo do seu Palio Weekend. Sua mãe não parava de falar do outro lado da linha. “Calma, mãe! Tô procurando o celular” foram as últimas palavras de Fernando antes do coma. Entrou com tudo num poste da avenida Nossa Senhora de Copacabana e só acordou em 2020.

Quando abriu os olhos, a primeira coisa que viu foi um sujeito de camisa branca e gravata lilás. “Olá, eu sou seu médico, Zaqueu”. “Essa é a Clínica São Vicente?”, Fernando perguntou. “Antiga São Vicente, hoje Clínica Vitória em Cristo.” “Mas isso é no Rio de Janeiro?” “Antigo Rio de Janeiro, hoje Novo Rio Jordão. Muita coisa mudou desde a revolução, Ezequiel.” “Meu nome é Fernando.” “Desculpa, Fernando não existe mais. Seu equivalente bíblico é Ezequiel.”

Fernando desceu a rua Marquês do Sétimo Dia até chegar no Jardim Messiânico, onde, olhando pro alto, se deparou com uma enorme pomba no alto do Corcovado. Na avenida Nosso Senhor de Copacabana sentiu falta dos botecos. Entrou numa padaria, a televisão passava um jogo de futebol: FluCristense jogava contra o Coríntios. No lugar da bola, uma santa. Abdias, zagueiro corintiano, chuta a santa pro gol. Na trave. ‘Tá amarrado em nome de Jesus!’, grita o garçom.

No intervalo, Fernando comprou uma ‘Folha de São Salmo’ e percebeu que se aproximava o Carnaval. ‘Certas coisas não mudam’, pensou Fernando, ao ver o concurso de Mulata da Record. Logo percebeu que todas vestiam saia até o tornozelo. O samba-enredo da Ungidos da Tijuca versava sobre o perigo da maconha: ‘Desde a Galileia, os fariseus só querem te drogar/ é coisa do tinhoso/ sete-pele escabroso/ vai te enfeitiçar’.

Pagou com o cartão. Não esqueceu a senha, mas esqueceu dos 10%, lembrou o garçom. ‘Achei que o serviço tava incluído’, explicou Fernando. ‘O serviço tá incluído. Tô falando do dízimo.’

Arrasado, Fernando procurou os amigos. ‘Como é que vocês deixaram o Rio chegar nesse estado?’, Zebedeu, antigo Duda, não entendeu a revolta. ‘De vez em quando um amigo some, toma uma surra, mas em geral é porque se desviou do caminho. Se você tem Jesus no coração e vive na paz do Senhor, seu caminho tá iluminado.’ O amigo sorri pra câmera. Fernando não acredita. Sussurra entre os dentes: ‘A gente precisa fazer alguma coisa’.

‘Calma, Ezequiel’, o amigo sussurra de volta. ‘Pode até estar ruim, mas qualquer coisa é melhor que a roubalheira do PT.'”

Viram que primor? Na minha análise racional, tento evitar o impulso de pensar: “puxa, que babaca”. Mas aí penso que obviamente a criatura nem sabe o que está dizendo. Se soubesse, não diria. E não consigo nem ficar com raiva do cara, sério.  Esse é o exemplo claro do texto feito sem mediação do cérebro. O autor ficou tão revoltado e frustrado com o resultado da eleição que usou todo aquele SENTIMENTO para cometer o artigo. Porque se sentiu agredido com a escolha de quem elegeu Crivella, quis agredi-los com esse texto.

Acho que encontrei o objetivo desse artigo do Gregorio Duvivier: ensinar que você pode até escrever alguma coisa no auge da emoção, mas é melhor deixar paradinho lá no seu computador até o sangue esfriar para ver se realmente vale tornar público. Textos passionais revelam o pior do escritor. Geralmente aquilo que, se ele enxergasse, iria preferir mudar.

.

PS: Crivella venceu a eleição ontem e as reações já me fizeram começar um texto sobre preconceito, que eu pretendia publicar durante a semana. Aí hoje me aparece essa. Pelo visto, esse será o tema da semana…

PS2: Sei que causa indignação. Eu mesma disse que o primeiro impulso foi achar o texto babaca. Mas esse post não foi para criticar a pessoa do Duvivier, e sim o comportamento dele nesse caso específico. Já vi Gregorio Duvivier escrever muita abobrinha, mas também já o vi escrever muitas coisas com que concordei. Não é uma questão de “fulano é ruim, por isso fala coisas ruins”. Essas coisas ruins podem estar em qualquer lugar, inclusive dentro de gente muito boa que não faz ideia de que é preconceituosa. O alerta é contra o preconceito e não contra o Duvivier. O tema “igreja Universal” desperta esse tipo de reação odiosa das pessoas e quem é membro da igreja há muito tempo, como eu, já até está meio que acostumado. Mas é importante expor esse problema para alertar quem não quer agir como o Duvivier agiu (inclusive ele mesmo, vai saber).

..

12 comentários sobre “O preconceito que Duvivier não enxerga

  1. marcioney disse:

    Menina te conheci hoje quando li seu artigo: Livros que não são o que parecem e de cara já gostei das suas opiniões e da sua sede de conhecimento, seu jeito despojado de escrever e mesmo os textos longos me incitaram a ir ate o final devido o conteúdo e a critica inteligente. Me inspirou a buscar por cultura cada vez mais e exercitar o pensar. Te encontro em outras linhas por ai…Deus a abençoe em tudo o que fizer. abçs!

  2. Isso é um sinal que o PERFUME UNIVERSAL NUNCA IRÁ SE APAGAR: #PRONTO PARA LUTA.

    A vida cristã nem sempre é fácil. A Bíblia diz em Mateus 5:11-12 “Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguiram e, mentindo, disserem todo mal contra vós por minha causa. Alegrai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram aos profetas que foram antes de vós.” A Bíblia diz em 2 Timóteo 3:12-14 “E na verdade todos os que querem viver piamente em Cristo Jesus padecerão perseguições. Mas os homens maus e impostores irão de mal a pior, enganando e sendo enganados. Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido.”
    A perseguição não dura para sempre, A Bíblia diz em 1 Pedro 5:10 “E o Deus de toda a graça, que em Cristo vos chamou à sua eterna glória, depois de haverdes sofrido por um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, confirmar e fortalecer.”
    Há uma promessa para aqueles que são perseguições pela sua família. A Bíblia diz em Mateus 19:29 “E tudo o que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou filhos, ou terras, por amor do meu nome, receberá cem vezes tanto, e herdará a vida eterna.”
    As provações ajudam-nos a crescer espiritualmente. A Bíblia diz em Tiago 1:2-3 “Meus irmãos, tende por motivo de grande gozo o passardes por várias provações, sabendo que a aprovação da vossa fé produz a perseverança.”

  3. Olá, Vanessa, parabéns pela sua análise. A intolerância está na cabeça das pessoas . E elas convivem muito bem com esta hóspede , sem se tocar de que está fazendo estrago em sua casa mental. A propósito, sou cristã, ou melhor, todos os dias tento ser cristã, não sou evangélica e torço para que o futuro governo do município do Rio de Janeiro dê certo , em todos os sentidos , na segurança, na saúde, na educação, na cultura, no desporto, no transporte, na tolerância, no convívio com a diversidade, no crescimento moral das pessoas em geral. Porque assim ganharemos todos. Abraços e grata por você escrever com raciocínio. Claudia

  4. Sou ateia não tenho interesse em nenhuma religião. Mas quem começou com a intolerância foram os fundamentalistas, q agridem o pessoal da um banda e dizem que as outras religiões são coisa do demônio

    • Como assim “quem começou com a intolerância”? Se existem pessoas que se dizem cristãs e agridem pessoas de outras religiões, elas estão erradas. Mas elas estarem erradas não autoriza ninguém a errar também. Esse argumento é o tipo de justificativa que o preconceituoso dá para aplacar sua própria consciência. Por favor, releia o texto.

  5. Olha… esses últimos dias foram bem difíceis…. Lembrei muito dos idos dos anos 90,sabe? Dejavu total! Ouvi que Crivella cancelará o carnaval, que abrirá espaço pras milícias atuarem nas comunidades do Rio, que a população será obrigada a pagar dízimos, que o Museu do Amanhã será transformado em Templo de Salomão, que o Cristo Redentor terá o rosto do Bispo Macedo, que o próprio (Bispo Macedo) é quem será o prefeito e Crivella apenas uma marionete nas mãos dele… Ah, tanta coisa… Se lembrar de mais venho te contar.

  6. Vanessa, já pensei nisso. Anota mesmo… já na expectativa das suas ponderações daqui a um ano.
    Sei que essas especulações serão superadas… Quem criticou vai divulgar o competente governo dele…

  7. Mas eu digo, que babaca…
    Algumas vezes vi o Duvivier em algum lugar, pensei q só a cara dele fosse de imbecil, mas me enganei.

  8. Gregório é um babaca, não tenha dúvidas. Mas ele não está sozinho, não. Um amigo/contato no FB me patrulhou demais por votar em Crivella. Apelou, disse que em dois anos eu estarei usando burca. Aconselhei-o a diminuir o consumo de drogas. Era só o que eu poderia falar.

    • Barbaridade… Estou anotando todas essas “previsões” que os profetas do apocalipse zumbi estão fazendo sobre o governo do Crivella para analisar, daqui a alguns anos, o que se cumpriu e o que não rs. Garanto que a parte da burca em dois anos faz parte do que não se cumprirá hahaha. Também estou anotando as coisas que as pessoas disseram por preconceito religioso. Se você se lembrar de mais alguma abobrinha que ouviu por ser eleitora do Crivella, pode me dizer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *