Tudo eu!

803118894_17216_6566167330250737151

*Imagem: buraco negro sugando a energia dos outros (Credits: NASA/CXC/M.Weiss)

Identificando a voz do gremlin — Parte 1

Qual é o “estilo literário” do gremlin que se empoleira em nossos ombros para sugerir pensamentos negativos e nos fazer mergulhar em autocomiseração? Vamos falar sobre algumas das características mais comuns dos pensamentos que ele sugere, não apenas para que você possa identifica-los, mas para desenvolver aquela intolerância de que falamos no post anterior. Vamos falar sobre essas características aos poucos, para facilitar o entendimento, mas segue uma listinha básica:

São autocentrados

Há forte componente emocional negativo

Presença de adjetivos negativos

Presença de termos definitivos e generalizações

Previsão de futuro catastrófico

Conclusões surrealistas 

São autocentradosA maioria é centrada no “eu”. “EU sou isso e aquilo” (geralmente alguma coisa negativa), “EU nunca vou conseguir”, “ninguém ME suporta”, “fulano pensa isso e isso de MIM”, “como ele pode fazer isso COMIGO?” etc.

Por mais que você se ache altruísta e doador, começa a se preocupar extremamente com a opinião do outro a SEU respeito, com a SUA performance durante uma conversa ou com o impacto que determinada situação pode ter na SUA vida ou com o que VOCÊ queria que a outra pessoa tivesse feito ou dito. 

É complicado ter que admitir uma coisa tão feia a respeito de nós mesmos, eu sei, mas é necessário. Dar crédito à voz do gremlin faz com que até a mais altruísta das criaturas comece a olhar só para si. Repare nesse tipo de pensamento vitimista e perceba o quanto ele gira em torno do seu umbigo.

É por isso que um bom antídoto à autovitimização é cuidar de outras pessoas. Se bem que eu já vi pessoas usarem o fato de cuidar de outras para se vitimizar. Na verdade, eu mesma já fiz isso, admito. “EU faço isso, isso e aquilo e ninguém ME valoriza”, “só EU faço tudo nessa casa”, “EU não tenho ninguém para ME ajudar”, “EU sou um ombro amigo para todo mundo, mas não tenho nenhum ombro amigo para MIM”.

Nessa, a gente perde a oportunidade de realmente conhecer as outras pessoas e entender como elas pensam para conseguir se colocar no lugar delas e perceber que as coisas não giram em torno do nosso umbigo. E também de desenvolver um olhar mais misericordioso, dando aos outros o que gostaríamos de receber, inclusive a compreensão.

O problema é que, nesse estágio você se torna um buraco negro sugador de energia. Mesmo se todo mundo lhe desse tudo o que você acha que precisa, ainda não seria suficiente. Você continuaria sentindo falta e encontrando motivos para dizer que, em muitas outras coisas, você continua em desvantagem.

É por isso que você tem que morrer. Calma. Não quero matar ninguém. O “você” que tem que morrer é essa natureza humana movida por emoções. É por isso que o gremlin tem tido tanto espaço. Quanto mais alimenta essa natureza emotiva, mais frágil emocionalmente você fica (e mais exposto a ação gremliniana). É um paradoxo, não? Mas quando deixamos de alimentá-la e aprendemos a dizer “não” a nossas próprias vontades para fazer o que é certo, ficamos emocionalmente mais fortes e resistentes, pois estamos desenvolvendo em nós a natureza de Deus. Veja se isso é ou não sacrificar a própria vontade para fazer o que é certo:

“Amai, pois, a vossos inimigos, e fazei bem, e emprestai, sem nada esperardes, e será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo; porque Ele é benigno até para com os ingratos e maus. Sede, pois, misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso.”

Lucas 6.35,36

 

.

*Para quem está chegando agora: “gremlin” é como chamo os monstrinhos invisíveis que imagino sentados em nossos ombros sugerindo pensamentos negativos. Eu os imagino com aquela cara dos monstrinhos do filme Gremlins, principalmente para não querer um troço desses no meu ombro. 

 Se quiser entender melhor a referência, leia esses dois posts do Jejum de Daniel:

Dando crédito à voz do gremlin

O estado de drama e as lentes verdes do gremlin

2 comentários sobre “Tudo eu!

  1. Guria disse:

    Oiii, te vejo como uma mulher de Deus por isso venho aqui lhe pedir uma direção. Aqui vai meu desabafo:
    Não sinto nada, nem alegria, nem amor, nem paz. Só uma espécie de tranquilidade.
    E por não sentir alegria, mas sim um vazio, acabo ficando triste. Demonstro felicidade mas dentro de mim estou triste, vazia.
    Quando oro, parece que o que preciso está bem próximo de mim. A todo momento vem palavrões na mente e isso é muito ruim. Pra tentar conseguir felicidade acabo ‘descontando’ na comida. Luto constantemente contra pensamentos de maus olhos em relação aos propósitos na igreja.
    Preciso de ajuda. As pessoas olham pra mim e dizem que tenho o Espírito Santo, mas só Deus e eu sabemos o que se passa dentro de mim. Quando tento dizer sobre isso para alguém as pessoas pensam que é coisa da minha cabeça, pq mudei muito. Porém aqui dentro está uma guerra pra acontecer o milagre do meu encontro com Deus.

    • Kaka disse:

      Oiii!!! O bispo Macedo fez uma publicacao explicando sobre algo semelhante à isso!Fique feliz,você está no caminho certo! Pesquise por :pensamentos satânico -Bispo Macedo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *