O parque de ilusões

umbrella-2603925_640

Parece incrível, mas o que impede as pessoas de entregar sua vida a Quem pode lhes fazer feliz é o fato de elas terem sido enganadas por este mundo a vida inteira.

O mundo é um parque de ilusões. A pessoa passa a vida toda achando que tem alguma coisa, que é alguma coisa, que sabe alguma coisa. Lá no fundo, ela sente que é uma farsa, mas não pensa muito nisso.

Ela também é enganada para achar que alguma coisa deste mundo tem valor. O papelzinho retangular colorido cheio de bactérias que carrega para lá e para cá se torna um deus. Tudo é feito em função dele. Quando começa a ter mais papéizinhos do que consegue carregar no bolso, substitui por um retângulo de plástico tingido com letras prateadas que desbotam (e sujam a mão).

E se acha mais importante quanto mais frescura tiver o pedaço de plástico. O dourado é melhor que o vermelho, o prateado é melhor que o dourado e o preto é melhor que o prateado, mas o plástico é o mesmo, a máquina em que foram feitos é a mesma. E os papéizinhos que os diferenciam, na prática nem existem. São números em um computador.

O mundo insiste em martelar o mantra de que aproveitar a vida é sair para um lugar cheio de gente (na maioria, estranhos), mal iluminado, barulhento, com cheiro de fumaça e, nesse lugar, de preferência sacrificando o descanso (aquele que serve para recuperar seu corpo, aumentar sua longevidade e protegê-lo de futuras doenças horríveis), pular e sacudir ao som de um barulho extremamente alto, ingerir grandes quantidades de um líquido de sabor amargo, que irrita a mucosa do esôfago e do estômago, inflama o fígado e sobrecarrega os rins — além de destruir neurônios e atrofiar o cérebro. Além, é claro, de encostar a boca aberta nas bocas abertas de pessoas de hábitos de higiene oral e saúde desconhecidos (não vou entrar em detalhes sobre outras partes do corpo que encostam em pedaços de humanos desconhecidos). Isso, para o mundo, é “curtir a vida”.

A vida, para o mundo, deve girar em torno do papelzinho colorido e de atividades como ouvir um barulho e ficar sacudindo de modo a causar prejuízo às suas articulações, passar o dia olhando para um retângulo brilhante enquanto tamborila seus dedos sobre ele, gastar horas conferindo as atividades de outros humanos ou fingindo viver uma vida que não é sua. Trocar papel colorido por pedaços de pano costurado, tijolos empilhados, latas com rodas e uma porção de outros materiais também traz felicidade, segundo o mundo.  

O mundo também diz que ser visto e reconhecido por milhares de desconhecidos deveria ser o objetivo de uma vida. Para muitos, aparecer em um retângulo brilhante na casa de muitas pessoas traz a sensação passageira de ser alguém. Para outros, o simples aviso de que várias pessoas clicaram em um botão embaixo de alguma coisa que ele publicou em outro retângulo brilhante já traz alguma satisfação momentânea.

O mundo faz você acreditar que seu nariz não é como um nariz humano deveria ser (embora não haja nenhum manual do fabricante para dar respaldo a essa afirmação) e garante que a única saída é dar muitos papéis coloridos para outro humano quebrar seu nariz, tirar um pedaço dele e colocá-lo supostamente na posição “certa”.

O mesmo com suas mamas, barriga, pernas, braços, lábios, rugas, cabelo, pele…aparentemente, não há nada de certo em seu corpo e é necessário conseguir muitos papéis coloridos a vida inteira para tentar consertar o que alguém disse que está errado. Mas a esperança de felicidade também vem no pacote.

Além disso, o mundo também tenta convencer de que a pessoa alcançará a felicidade se encontrar outro ser humano que traga os problemas dele para se juntar aos dela e criar vários outros a partir da junção dos dois, de preferência vivendo na mesma casa, tendo que compartilhar as coisas enquanto cada um está pensando em si mesmo, querendo que o outro supra suas necessidades (afinal de contas, foram ensinados assim pelo mundo). E, como a pessoa não se sente suficientemente feliz assim, o mundo a convence de que a fonte da felicidade está na reprodução da espécie e que, se fizer mais um ser humano para sofrer neste mundo, sua vida terá sentido.

Depois, o mundo garante que a causa do sofrimento é justamente o ser humano com quem a pessoa se uniu e que a solução é se afastar daquele ser humano e encontrar outro com o qual possa fazer exatamente as mesmas coisas e ter os mesmos resultados. Mas, por alguma razão, ela acredita que será diferente.

O vazio permanecerá, mesmo se a pessoa conseguir cumprir todas as exigências deste mundo. Ele não cumpre nenhuma das promessas que faz. Não há felicidade, não há alegria que não seja momentânea, não há necessidades supridas, não há sensação de plenitude. Só cansaço, frustração e ilusões despedaçadas. No final, fica a amargura de quem só conheceu o engano e acha que isso é tudo o que existe.

E este mundo é uma sala de espera, mas quer nos convencer de que ele é o destino final. As pessoas estão aqui, brigando e lutando por coisas que em breve vão passar. Não têm como saber o que virá depois, mas vivem como se não tivesse nada depois. Um dia, porém, todos nós seremos chamados pelo nome. Cada um para o lugar em que escolheu estar enquanto estava na sala de espera. E a gente não escolhe com esperança, com palavras ou com vontade. Quando escolhemos em que iremos gastar nosso tempo, a o que daremos atenção ou em que demonstraremos interesse, ou quando definimos nossas prioridades, estamos escolhendo a porta que se abrirá para nós quando nosso nome for chamado.

Agora esse texto faz sentido:

“Então disse Jesus aos Seus discípulos: se alguém quiser vir após Mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-Me. Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de Mim, achá-la-á. Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?” Mateus 16.24-26

Este mundo é uma porcaria, assim como a vida vivida em função dele. Na verdade, o que este mundo realmente quer é a sua alma. Ela é a única coisa realmente preciosa. E é por isso que vale a pena renunciar ao que for para entregá-la ao Único que pode mantê-la a salvo e dar a você a chance de saber o que é a vida, de verdade, fora do parque de ilusões.

.

#JejumdeDaniel #Dia5

Leia também:  O deserto em mim

 

 

Estamos em uma jornada de 21 dias de jejum de informações e entretenimento chamado Jejum de Daniel. Durante esses dias, os posts no blog serão voltados exclusivamente para o crescimento espiritual. Leia este post para entender melhor.

** Para quem não acompanhou ou para quem gostaria de rever os posts das edições anteriores do Jejum de Daniel neste blog, segue o link da categoria: http://lampertop.com.br/?cat=709 .

6 comentários sobre “O parque de ilusões

  1. Kaka disse:

    Realmente…o texto me fez refletir sobre o que verdadeiramente importa.A ilusão é tão grande que cega as pessoas de tal forma que não as deixa entregar-se por completo, como se a vida em caquinhos que ela insiste em segurar valesse a pena. O que eu mais quero é entegar a minha vida por completo para receber a verdadeira vida.Conte mais sobre entregar as dúvidas e os sofismas por favooor! Obrigada pelo texto!
    Bjoos

      • Kaka disse:

        Ooi, Vanessa! Obrigada por responder. Então, eu não sei como fazer isso..vou tentar explicar:eu não bebo, nao fumo, não me prostituo, me policio de olhar as pessoas com bons olhos,não guardar mágoa de ninguém e evitar fofocas ou conversas que não me convém.Eu não sou nenhuma santa mas eu sei que estou buscando melhorar. As pessoas falam que elas só tiveram um encontro com Deus quando se entregaram por completo no Altar.Mas mesmo assim eu ainda não tive esse encontro! Aí eu me pergunto o que me resta entregar?!Sendo assim, eu pressuponho que deve ser algo relacionado à dúvidas ou ansiedade ou alguma coisa do tipo.Mas ficar sem saber ao certo o que me falta entregar está me angustiando…

        • Jaiani disse:

          Oi!
          Eu também me encontro exatamente na mesma situação. Estou na igreja a um bom tempo e venho buscando o Espírito Santo desde então, mas ainda não O recebi. Muitas vezes me bateu essa angústia que você relatou em seu comentário (de não saber exatamente o que nos falta entregar) e quando as pessoas falam que é só se entregar 100% no Altar parece ser algo tão simples que de tão simples torna-se complexo para mim rsrsrs. Vamos fazer a nossa parte e ter a certeza de que Deus fará a Dele. Na fé!

        • Roni Santos disse:

          Me perdoe, mais já pensou em ser sincera ou um vaso sem cera.
          A palavra ‘sincera’ vem da junção de duas palavras do latim: sine cera. … Há ainda outra versão para a origem da palavra. Segundo esta versão, os artesãos romanos fabricavam vasos de cera. Se a cera era de excelente qualidade – pura –, o vaso tinha uma transparência que permitia ver os objetos colocados dentro dele.

          Sugestão de leitura: leia os seguintes livros do Edir Macedo; Orixás, cablocos e guias, sugiro este livro você inicie a leitura à partir da pag. 171 em diante, depois leia do início, pois você irá entender qual o processo verdadeiro todos nós precisamos passar: Libertação espiritual, batismos na águas, encontro com DEUS, e batismo com o ESPÍRITO SANTO.
          E depois leia o livro O novo nascimento.
          OBS: Mudanças de hábitos e totalmente diferente de libertação espiritual.

        • Agora entendi, Kaka. Você está confundindo entrega do seu SER com mudança de hábitos. Aí, quando lê ou ouve algo a respeito de se entregar 100%, entende outra coisa. Seu comentário não descreve entrega de nada, só uma série de hábitos e comportamentos bons (que não são mais do que a nossa obrigação). A entrega envolve quem você É. Pensamentos, objetivos, intenções, interesses, planos, traumas, passado, preocupações, medos, etc. Você decide começar do zero.Depois escrevo mais sobre isso em um post, mas você pode descobrir sozinha, pois Deus existe e quer te ajudar a entender. Converse com Deus e peça a Ele para mostrar a você sua verdadeira condição espiritual.
          Beijos!

Deixe uma resposta para Jaiani Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *