Uma palavrinha sobre as eleições

photo_2018-10-06_20-03-47

[Estou fazendo tratamento médico e não deveria me desgastar escrevendo sobre esse assunto, mas não ficaria tranquila sem colocar pelo menos alguns tópicos que considero importantes enquanto ainda há tempo de votar. Por favor, leia até o final.]

Para escolher em quem eu iria votar no primeiro turno, li o plano de governo do PT, do Ciro, do Alckmin, da Marina e do Bolsonaro. Conclusão: ideologicamente, PT, Ciro, Marina e Alckmin estão mais alinhados do que gostariam de admitir. A questão da ideologia de gênero nas escolas, por exemplo, só não existe no plano de governo do Bolsonaro (ele fala claramente em ensino sem ideologia). Ciro promete “articulação e apoio ao Estatuto da Diversidade Sexual” e “implementação efetiva do Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos LGBT”, o que garante o ensino da teoria de gênero como se fosse consenso científico.

Logo, quem discorda dessa ideologia não tem muita alternativa na hora de votar. Já quem apoia, tem todas as outras opções a comparar e escolher. Depois do atentado, a mídia e a militância de esquerda bateram tanto no Bolsonaro que comecei a me interessar por ele. Eu queria saber se ele realmente era o maluco totalitário que diziam que ele era, por isso resolvi ler o programa de governo completo, sem fazer juízo de valor, só tentando entender, mesmo, já que formar minha opinião com base na lista de xingamentos que as pessoas apresentam como se fossem características dele não é bem minha praia. E o fato de que a Globo e a Veja estavam claramente contra ele era sinal de que ele não deveria ser tão ruim assim.

Todos os cidadãos devem ser respeitados, como a constituição garante e como a Declaração de Direitos Humanos determina. Foi um espanto descobrir, logo nas primeiras páginas, que o plano de governo do Bolsonaro é muito mais inclusivo e democrático do que eu imaginava. Fala em seguir a constituição e as leis, não estimula preconceito de nenhum tipo.

A melhor base de ideias incrivelmente é a dele, ainda que não seja um projeto perfeito e ainda que eu não concorde com todas as propostas. Com relação ao que não concordo nas propostas dele, presidente não governa sozinho, por isso é bom escolher direito os deputados e senadores. Assim, teremos quem defenda nossas ideias. (E, não sei se você reparou, mas foram deputados e senadores que tiraram a Dilma. Eles apresentam projetos de lei e — mais importante do que isso — eles aprovam e também barram projetos de lei. Arrisco dizer que saber em quem votar para o legislativo é mais importante do que saber em quem votar para o executivo…)

Resumindo, se o Bolsonaro colocar o plano que está no TSE em prática, não vejo nenhuma ameaça à democracia, nenhum plano maligno, nada que destrua o Brasil. Até agora o que me parece é que a oposição a ele é feita na base da forçação de barra, bullying de quinta série e notícias com dados incompletos para passar uma impressão de que o cara é um monstro. Não é. Mas deve ser uma ameaça bem grande às estruturas falhas do nosso sistema. E só por isso já mereceria meu voto.

Comecei a pensar fora da bolha da esquerda no ano passado e mudei de candidato umas três vezes durante o período eleitoral. Só comecei a pesquisar a sério o Bolsonaro por causa da reação dos opositores (aqueles com quem fiz campanha para o PT em 2010 e 2014) ao atentado que ele sofreu. E minha visão dele hoje é bem diferente. Não é mito, não é salvador da pátria, mas também não é monstro destruidor de democracia.


Extras:

Eu me identifiquei bastante com esse vídeo, ele resume bem minha mudança de posicionamento político:  https://www.youtube.com/watch?v=hiVQ8vrGA_8

Este site é muito útil para entender como as informações sobre Bolsonaro têm sido distorcidas: http://mentiramparamimsobreojair.com/

Link para baixar as propostas dos candidatos em PDF:

http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-2018/propostas-de-candidatos

Alckmin (estranhamente, o arquivo do Alckmin que está no TSE é um resumo. A proposta na íntegra está no site dele):
https://www.geraldoalckmin.com.br/wp-content/uploads/2018/09/Programa_GA_2018.pdf

Bônus: Para quem acha, como eu achava, que “discurso de ódio” é coisa das pessoas de direita, apresento-lhes o maravilhoso mundo dos prints do perfil “Ódio do Bem”: https://twitter.com/odiodobem

.
PS: Me perdoem o texto desorganizado, é que a votação do primeiro turno já é amanhã e estou angustiada por não ter conseguido concluir o texto direito, então resolvi publicar bagunçado, mesmo. Se tiver segundo turno, é provável que os posts sobre o assunto sejam todos bagunçados assim.

PS2: Sobre quem chama Bolsonaro de “coiso” e “inominável”: eu tenho uma excelente teoria sobre o porquê de essa estratégia estar sendo aplicada. Se alguém quiser, posso elaborar um post sobre isso no segundo turno — se houver segundo turno — ou em retrospectiva, se ele vencer no primeiro.

PS3: Sobre o tratamento médico, é um problema raro, de nascença, que eu não sabia que tinha, mas que se agravou nos últimos anos e estamos trabalhando para normalizar. Mas Deus me livre de ter que falar sobre isso neste post hahaha. Se o povo não consegue entender e respeitar o período de recuperação pós-cirurgia, infecção e longa hospitalização de um cara que levou uma FACADA NA BARRIGA, vai querer saber alguma coisa de um problema do qual a maioria sequer ouviu falar? rs

Obs. Não achei os créditos da imagem. Se alguém souber de quem é, por favor, me avise.

3 comentários sobre “Uma palavrinha sobre as eleições

  1. Ayla Nascimento disse:

    Olá Vanessa, espero que melhore logo, pode contar com minhas orações. Bom, achei seu post muito sensato, e diria que até necessário. Votei na Marina no primeiro turno e não me arrependo, me identifiquei bastante com suas pautas e fiquei bastante satisfeita com seu plano de governo. Apesar de analisar as propostas de Bolsonaro, e agir com racionalidade quanto a isso, ainda me sinto incomodada com vários pontos. E o fato dele admirar o Coronel Ustra e ainda simpatizar com o regime militar me deixa extremamente triste. Também não sou a favor do PT no poder, visto que essa proposta de criar uma nova constituinte em um período tão polarizado como a que vivemos é um verdadeiro tiro no pé. Enfim, pelos últimos acontecimentos, creio eu que o pior não são nem os candidatos em si, mas sim alguns eleitores que mancham e muito a imagem dos presidenciáveis. Que Deus tenha misericórdia dessa nação.

    Um grande abraço, querida, melhoras!

  2. Mario Henrique disse:

    Olá Vanessa acabo de ler sua postagem sobre as eleições,pois não falas somente de Jair Bolsonaro percebi mas sei que foi direto ,sem alianças no congresso o presidente nao anda ou sai do lugar
    Votei com tranquilamente em quem votei mas vi que muitos aqui no Ceará e também no Brasil vão no embalo ,mas oro por nosso pais se Deus Não Operar estamos perdido
    Deus te Abençoe

  3. Também li as propostas de governos e cheguei a mesma conclusão que você. (Os eleitores deveriam ler minuciosamente os planos antes de vociferarem suas opiniões políticas. Afinal, o que são 80 ou 60 páginas em PDF? Têm pessoas criticando coisas que seus candidatos defendem nos planos escritos… Mas deixa isso pra lá.)

    Ah! PeloAmorAviseQuandoMelhorar. Fiquei preocupada agora…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *