Por que não oramos pelos mortos

metaphor-6-1475318

Apesar do que diz um hoax espalhado por aí, a Universal não faz oração pelos mortos no dia dos finados (nem em dia nenhum). Não há na Bíblia nenhuma indicação de que deveríamos fazer. Pelo contrário, diz que todas as chances de salvação se encerram com a morte e que não há mais possibilidade de ser ajudado depois que sua vida acaba. Há céu e inferno, nenhum lugar intermediário. E não se pode passar do céu para o inferno ou vice-versa. A situação após a morte, seja ela qual for, é imutável.

Mas, se a Bíblia é contra essa prática, de onde isso surgiu? Essa, especificamente, veio de uma tradição pagã celta. Durante o festival de Samhain, que ia de 30 de outubro a 2 de novembro, as pessoas homenageavam os mortos e os deuses que, para os celtas, também eram seus ancestrais. O cristianismo iniciou sem nada dessas coisas, mas depois que foi institucionalizado e absorvido pelo catolicismo, começou a fusão com práticas pagãs. Assim, o festival de Samhain se dividiu em Dia dos finados (homenagem aos mortos) e Dia de todos os santos (homenagem aos deuses).

Como sempre digo, é importante saber por que você faz as coisas que faz — antes de decidir continuar ou não fazendo. A base do ato de orar pelos mortos está na crença de que existe o purgatório, um lugar intermediário, entre o inferno e o céu, para onde a pessoa iria purgar seus pecados até poder entrar no céu. Convenientemente, seria necessário pagar missas, fazer orações e comprar indulgências, caso quisesse sair mais cedo do purgatório.

Se cremos que a Bíblia deve ser respeitada como base para a nossa fé, não cremos no purgatório, já que ela é bem clara quanto a haver apenas o céu e o inferno como destinos finais da alma, e não cita purgatório algum*. E, se não cremos no purgatório, não faz o menor sentido orar pelos mortos. Deus não ouve essa oração, pois ela não tem fundamento. Se Deus não ouve essa oração, para quem você está orando?

A cultura é tão arraigada aqui no Brasil que há cristãos protestantes que visitam túmulos nesse dia. Alguns se sentem culpados se não o fizerem. Sou contra essa prática, primeiro por ser originada de um culto pagão (o que, por si só, já mostra que tipo de influência espiritual rege essa celebração). Segundo, porque não creio que, espiritualmente falando, faça bem a alguém visitar o túmulo de um parente morto. Primeiro, porque a pessoa não está mais ali. Segundo, porque não vai adiantar orar por ela – muito menos acender velas. Terceiro, porque vai trazer de volta à sua memória tudo o que você viveu e isso fragiliza emocionalmente. A fragilidade emocional é uma porta aberta para o mal que vem desenterrar culpas, dores, mágoas e tristeza.

O período do luto é importante, para processarmos a perda. Mas ele deve acabar pouco tempo depois da morte da pessoa e não ser renovado uma vez por ano. O que você tem de fazer pelos seus parentes, faça enquanto estão vivos. Depois de mortos, não vai adiantar esforço algum para aplacar sua consciência levando flores ao túmulo e tendo conversas post-mortem que não teve durante a vida.

Lide com o fato de que você fez o que sabia fazer com os recursos que tinha. Por exemplo, hoje eu teria outro tipo de relacionamento com o meu pai. Mas, quando ele morreu, eu não sabia o que sei hoje. Então, o relacionamento que tive com ele foi o que eu sabia ter. O que me resta é fazer o meu melhor por quem está vivo hoje. E ensinar outras pessoas a entenderem seus próprios pais e não exigirem deles mais do que eles têm condições emocionais de dar.

Lutamos por outro tipo de mortos: aqueles que, apesar de ainda respirarem, terem um corpo e caminharem por este mundo, estão longe de Deus. Porque, se Deus é vida, quem está longe dele está morto. Por esses mortos vivos ainda podemos orar. Eles valem nosso esforço. Eles valem nossas noites em claro, nossas orientações, nosso direcionamento. É por eles, os sofridos deste mundo, que oramos e lutamos. É pelos que vivem angustiados, deprimidos, desanimados e cansados que buscamos.

Esses vivos mortos podem tornar a viver, por isso, lutamos por eles. E não acendemos velas por eles, mas acendemos nossa própria luz, para que nos vejam e enxerguem o caminho. Ao ganharem vida novamente, isto é, ao terem uma experiência pessoal com Deus (não uma experiência religiosa), tudo mudará. Serão vivos. E, quando o corpo morrer, eles continuarão a viver, pois estarão com o Autor da vida. É isso que significa “Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em Mim, ainda que esteja morto, viverá; e todo aquele que vive, e crê em Mim, nunca morrerá” (João 11.25,26).

.

*Antes que algum católico surja do além aqui citando Macabeus para dizer que há base bíblica para a doutrina do purgatório, explico: Macabeus é apócrifo e não faz parte da Bíblia original (e nem da que utilizamos hoje, está presente apenas na Bíblia católica, à qual foi acrescentado). O próprio autor do livro sabia que ele não era divinamente inspirado, tanto que escreveu: “…finalizarei aqui minha narração. Se ela está felizmente concebida e ordenada, era este o meu desejo; se ela está imperfeita e medíocre, é que não pude fazer melhor” (2 Macabeus 15).

O boato do sabonete ungido e a imbecilidade humana

sabon.

Soube que viralizou a “notícia” de que a Universal estaria vendendo “sabonetes ungidos” a 110 reais pela internet. A pseudonotícia foi comentada em um site “gospel”, inclusive com comentários de um pastor de outra denominação, invocando Lutero e dizendo que tem “vergonha da barganha promovida pelos adeptos da teologia da prosperidade”. Eu tenho vergonha é da irresponsabilidade de quem publica e comenta boatos sem o mínimo de apuração.

Porque, caro leitor, você não precisa ser jornalista para fazer uma apuração básica. Hoje em dia, todo cidadão é gestor de conteúdo e tem a obrigação de aprender a checar a veracidade das informações que recebe, até para não se transformar em massa de manobra.

Eu não precisei de dez minutos para pesquisar a notícia e descobrir que era um boato descarado. O tal site que vendia os sabonetes não tem nada a ver com a Universal, tanto que comercializa sabonetes com o logotipo de outras denominações. E o tal sabonete não custa 110 reais, esse valor é o pacote com 500, o que me leva a crer que o site seja de algum sem-noção que não sabe como funcionam as campanhas e resolveu ter um “lucrinho” tentando vender sabonetes a granel.

Porém, o boato foi suficiente para que preconceituosos de plantão saíssem compartilhando e opinando como robozinhos pré-programados. Isso apenas escancara o que está dentro dessas pessoas. O que me deixa muito indignada com esse tipo de comportamento é a total falta de cuidado com as palavras. A total falta de ética de quem distorce a verdade e propaga boatos. A pessoa acha que, porque (na cabeça dela, pelo julgamento dela) o outro é desonesto, ela pode ser, também. Pode falar a bobagem que for, sem o menor interesse em procurar a verdade.

Pensa: “é, eles são ladrões e enganam os otários”, veem um Hoax que diz isso e compartilham, não porque aquela notícia tem fundamento, mas porque ela confirma seus preconceitos. Conferem as informações que recebem com seus próprios preconceitos, como se o preconceito fosse um bom juiz.

Viu uma denúncia e teve vontade de compartilhar? Faça um favor à humanidade: respire fundo, desconfie e vá pesquisar um pouquinho no Google. Se você tem um site ou um blog, faça uma pesquisa básica antes de dar sua opinião. Caso contrário, avise aos seus seguidores que o que você mantém é uma página de fofoca.

Suponhamos que eu esteja preparando um artigo sobre uma denúncia contra determinado cidadão. Não é nada bombástico, é uma notícia fria, o cara está sendo investigado há bastante tempo. Porque já estou suficientemente indignada com as coisas que descobri a respeito e meus ânimos estão inflamados, pesquiso informações e opiniões que possam inocentá-lo aos meus olhos e me deem um novo ângulo da situação, para tentar entender os dois lados, tirar minha conclusão e passar uma opinião sensata ao leitor. Se, depois de tudo isso, minha opinião se mantém, poderei passá-la ao leitor com base e argumentos. Entendo que isso é comportamento ético e respeitoso com quem investe seu tempo em ler o que escrevi.

Se não tenho tempo de fazer isso, simples: não compartilho. Escrevo sobre outra coisa que não exija pesquisa, em que eu não corra o risco de cometer uma injustiça. Se os outros têm tempo para fofoca (porque isso é o que notícia não confirmada é), problema é deles; eu tenho certeza de que aqueles que são da Verdade, têm compromisso com a verdade. E quem tem compromisso com a verdade, não admite ter parte com mentiras.

Guarda a tua língua do mal, e os teus lábios de falarem o engano.
Salmos 34:13

.

PS: A Universal respondeu oficialmente, desmentindo a tal “notícia” do site gospel. A propósito, salve aí nos seus favoritos o link em que essas notas são publicadas: http://www.universal.org/unicom 

PS2: A quem é cristão de verdade, eu recomendo que não perca seu tempo com esses sites “gospel”. De “gospel” eles não têm nada.

A fazenda que Lulinha não comprou

Retirado daqui: http://www.terra.com.br/revistadinheirorural/edicoes/44/artigo92975-1.htm

Junho de 2008

“A fazenda que Lulinha (não) comprou

Na internet, circula o boato de que o filho do presidente Lula comprou uma megafazenda. Verdade? Confira a seguir e saiba tudo

IBIAPABA NETTO

LUCIANA PREZIA/AE
E-MAIL APÓCRIFO: mensagens como a acima transcrita, viraram moda em todo o País

Não é de hoje que se conhece o ditado de que “cada um que conta um conto, aumenta um ponto”. E, como o brasileiro gosta de uma boa história, algumas mentiras se tornam verdades, às vezes até mais divertidas do que a própria realidade. Nem mesmo o mundo rural está livre das boatarias que hoje percorrem o mundo em mensagens eletrônicas via internet. Todas, é claro, sem a identificação da autoria.

Quem sentiu na carne os efeitos de um boato bem contado foi o criador de nelore puro de origem José Carlos Prata Cunha, dono de terras em Valparaíso, interior de São Paulo. Circula na internet um e-mail que conta a história de uma fantástica operação em que o filho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o “Lulinha”, teria comprado a sua principal área, a Fazenda Fortaleza, por R$ 47 milhões. “Isso é tudo bobagem, nunca vendi minha fazenda e, na verdade, nem oferta cheguei a receber”, esclarece Prata Cunha à DINHEIRO RURAL. “Tratamos isso como piada”, reforça Leonardo Badra, sócio de Fábio Luís na empresa de jogos eletrônicos Gamecorp.

Mas de onde, então, nasceu essa curiosa história?

DIVULGAÇÃO
O VERDADEIRO DONO: José Carlos Prata Cunha, proprietário da Fazenda Fortaleza, diz que nunca recebeu uma oferta de compra pelas suas terras

Para Fernanda Prata Cunha, filha de José Carlos, que acompanha de perto os problemas derivados do “boato rural”, a confusão nasceu de uma sondagem imobiliária. “Realmente fomos procurados por um grupo que se disse representante do filho do presidente”, explica. Mas, comenta a fazendeira, a notícia rapidamente caiu “na boca do povo”, os e-mails começaram a circular e nunca houve, na prática, algo que se aproximasse de uma oferta de compra.

A fazenda não foi vendida, porém, a dor de cabeça dura até hoje. “Tivemos de modificar a entrada da fazenda e proibir a entrada das pessoas”, lamenta Fernanda. Segundo ela, a propriedade virou uma espécie de “ponto turístico” em Valparaíso. “As pessoas param para tirar foto e as brincadeiras por causa da suposta venda que não aconteceu são constantes”, diz. De certa forma, ela se diverte. “Algumas pessoas na cidade nos olham meio estranho”, brinca.

Mas os “causos” rurais do filho do presidente da República não se limitam às terras dos Prata Cunha. Ele também ganhou fama em outros Estados da Federação, como no Pará. Em outra mensagem, um pouco mais recente, circula a “revelação” de que Lulinha estaria prestes a se tornar um novo “rei do gado”. Para tanto, ele teria comprado duas propriedades nas cidades de Marabá e Xinguara, ambas do megapecuarista Benedito Mutran, dono de um dos maiores rebanhos comerciais do Brasil. O que ele diz a respeito? “Tudo bobagem, nunca houve essa operação”, diz Mutran.

Em 2007, de fato, Mutran vendeu algumas de suas terras para a Fazenda Santa Bárbara, do empresário Carlos Rodemburg. As vendas aconteceram, só que o comprador era outro. E com verdades misturadas a meias-mentiras, a equipe de DINHEIRO RURAL, de passagem pela ExpoGrande, maior mostra pecuária de Mato Grosso do Sul, se deparou com o novo boato. Entre amigos, um pecuarista de nome Augusto Araújo Oliveira tentava se livrar das gozações dos amigos. O motivo? Uma suposta venda de bois para o filho do presidente. Indagado pela reportagem, ele disse, lacônico: “Não sei de nada, não sei de nada”, desconversou, e foi embora. Verdade? Mentira? Não se sabe, mas com certeza vem aí um novo boato rural.”


PS: Esse artigo esclarece o hoax “Novo Milionário Brasileiro”, repassado exaustivamente por email nesse período de eleições.

UPDATE: Não se esqueçam de divulgar a lista de emails falsos contra a Dilma, com os links para os textos que provam que são falsos, estou atualizando à medida em que recebo novos hoaxes. Clique aqui para ver Quer votar em outro candidato? Fique à vontade, mas vote por motivos verdadeiros, e não pelas mentiras.