Da série “Onde foi parar sua dignidade?”

Gatos são conhecidos por exibirem um alto grau de independência e por deixarem bem claro aos seus donos que, por mais que os amem, certas coisas estão completamente fora de cogitação. Uma dela é “agir como um cachorro”.

Os cachorros são criaturas maravilhosas e seu forte instinto de matilha os fazem ver seu dono como seu amo, mestre e senhor, digno de toda a obediência. A felicidade para um cachorro é ter o seu lugar bem definido na matilha e todo dono deve criar situações onde seu bichinho possa exercitar essa necessidade, como lhe ensinar truques e lhe dar recompensas por bom comportamento. Isso faz bem para a cabecinha deles e privá-los de uma hierarquia bem definida dentro de casa é quase um tipo de tortura.

Todo gato, em contrapartida, ao nascer, recebe um manual contendo instruções específicas de como agir para fazer parte da SSFD, ou “Sociedade Secreta dos Felinos Domésticos”. É uma sociedade mundial com um rígido código de honra ao qual todo gato deve jurar respeitar e zelar por toda sua existência.

Os donos de gatos, por sua vez, conscientemente ou não, devem se submeter alegremente a todas as regras e estatutos da SSFD, caso desejem usufruir da felicidade e do senso de realização que tais nobres criaturas trazem às suas vidas.

Exemplos dessas regras  de conduta podem ser vistas no ótimo Hallmarks of Felinity, de Brooke McEldowney:

Um gato sempre deverá andar (com graça e leveza) por locais onde sua presença será mais notada.

9cl-12

Um gato jamais deverá permitir que seu humano durma além do horário

9cl-19

Um gato deverá sempre ocupar os mais importantes lugares da residência.

9cl011120

E por aí vai…

Mas como foi dito, a regra de ouro, aquela que está acima de todas as demais e que todo gato JAMAIS deverá esquecer, é que ele não poderá agir como um cachorro. Sob hipótese alguma.

Certamente o Grafitte (não sei se é esse o nome dele, mas soou legal), o gatinho do vídeo abaixo, perderá sua carteirinha de sócio da SSFD.  Pobre Graffite, onde foi parar sua dignidade?…