Última palavra sobre as eleições

Quando vejo o tom da campanha de Haddad às vésperas da eleição, percebo que fiz a opção certa quando decidi que ele não teria meu voto. Como todo mundo sabe, tenho simpatia pelo PT, participei das últimas campanhas presidenciais, mas a minha militância nunca foi cega.
Pelo contrário, o que eu sempre achei bacana foi o espaço para o livre pensamento dentro do Partido dos Trabalhadores. Até nos blogs, em sua maioria, os textos sempre foram coerentes e lógicos, muito mais inteligentes do que os raivosos da oposição.
A campanha municipal em São Paulo começou assim. Como Haddad não me pareceu uma boa escolha do partido, fiquei feliz quando soube que Russomano seria candidato pelo PRB, partido que vi nascer. O maior problema veio quando Haddad ameaçava terminar em terceiro lugar. Perdeu o tom.
Aquilo que eu esperava do Serra (e que o PSDB também está fazendo, principalmente através da mídia), veio da campanha de Haddad.  Ligaram a metralhadora giratória. Agora começaram a usar depoimento de ex-obreira, atacar a IURD com os mesmíssimos argumentos da velha mídia.
Estou na IURD há quase treze anos e refuto veementemente qualquer acusação de manipulação e de que sejamos impedidos de pensar. Muito pelo contrário! Não conheço outro lugar que incentive tanto a pensar com a própria cabeça! Conheço a Igreja Universal, sei como funciona e posso garantir que todo mundo tem livre escolha e eu penso muito bem, obrigada.
Claro que temos interesses em comum, entre eles o de não ter um governo comprometido com a velha mídia que tanto nos odeia. Somos unidos e militamos pelos nossos ideais, raciocinamos e entendemos bem o que estamos fazendo. Sabemos que Russomano não é da IURD e não tem compromisso nenhum conosco, mas acreditamos que ele é a melhor opção para São Paulo e temos esse direito.
Política é um assunto de todos os cidadãos, estejam eles vinculados ou não a uma igreja. Porque fazemos parte de uma igreja temos de ser excluídos da sociedade? O fato de um candidato ser de um partido que tem membros de uma determinada igreja, não significa que aquela igreja irá participar do mandato! Se a igreja de vocês faria isso, me desculpe, a minha não faz. Como qualquer grupo, temos interesses em comum, mas nenhum deles é o de dominar o mundo, impor o cristianismo goela abaixo ou qualquer asneira que se diga por aí.
Eu garanto que conheço mais a IURD do que a tal ex-obreira. Garanto que entendo mais de como ela funciona do que qualquer crítico de sofá. Mas não estou aqui para defender a IURD ou dizer o óbvio: que Russomano é tão fantoche do Bispo Macedo quanto Dilma era um poste (e todos nós vimos que Dilma jamais foi um poste). O que preciso dizer, e que está entalado na minha garganta é: é correto usar as armas do inimigo para vencer?
Nós ajudamos a reeleger o Lula (inclusive o vice-presidente José Alencar se filiou ao PRB em 2005), ajudamos a eleger a Dilma e o PRB faz parte da base aliada do governo federal. Esse papel do denuncismo irresponsável não se encaixa no PT.
Esperava coerência. Porque quando o Serra e o PIG (Partido da Imprensa Golpista) faziam isso contra a Dilma, o Lula e o PT, pegando “ex isso” e “ex aquilo” para dar depoimento, acreditando em qualquer coisa que lhes diziam, espalhando hoax a torto e a direito a gente dizia que era errado, que não se podia acusar sem provas, e falava do horror que é trabalhar uma campanha eleitoral baseada no medo. Lembro que os olhos de todos estavam bem abertos a isso naquele tempo. Por que agora se fecharam?
Esperava esse tipo de baixaria do Serra, jamais do PT! Usar o medo e o preconceito que o povo tem contra a IURD (medo e preconceito esses gerados e alimentados pelo PIG há vinte anos)para tentar barrar a candidatura de Russomano é ridículo! Dar trela para “ex” qualquer coisa é estilo de jornalismo de Veja. Sério mesmo, estou decepcionada.
Quando o PRB apoiou a eleição da Dilma alguém disse que ela era fantoche do Bispo Macedo? A não ser a imprensa, que a acusou de fantoche de todo mundo. Quando o Bispo escreveu em seu blog contra as mentiras que jogavam contra Dilma e a oposição acusou o governo de favorecer a IURD, todos do PT sabiam que não era verdade. Quando José Alencar foi para o PRB (do qual foi presidente de honra) ninguém disse que o Bispo Macedo seria vice-presidente e Alencar era um fantoche. Por que agora o raciocínio não pode ser o mesmo? Por que aceitar a agenda do PIG?
Falem das propostas, mostrem o seu candidato, convençam os eleitores sem vender a alma por desespero. Não é possível que não saibam que estão trabalhando com a estratégia do medo, pois foram vítimas disso, têm sido vítimas disso há algumas eleições.
Só falta agora a Regina Duarte na campanha do Haddad dizendo que tem medo do Russomano.
Tinha que registrar minha indignação e minha decepção com quem compra mentiras e faz o jogo do denuncismo irresponsável, apelando para o tapetão. Eu me recuso a julgar o partido inteiro pela irresponsabilidade de um candidato. E continuarei apoiando o PT quando ele for injustiçado, e quando tiver candidatos melhores. Espero que não destruam o respeito que ainda tenho pelo PT e por sua militância aderindo ao modus operandi de José Serra no segundo turno.

Quando vejo o tom da campanha de Haddad às vésperas da eleição, percebo que fiz a opção certa quando decidi que ele não teria meu voto. Como todo mundo sabe, tenho simpatia pelo PT, participei das últimas campanhas presidenciais, mas a minha militância nunca foi cega.

Pelo contrário, o que eu sempre achei bacana foi o espaço para o livre pensamento dentro do Partido dos Trabalhadores. Até nos blogs, em sua maioria, os textos sempre foram coerentes e lógicos, muito mais inteligentes do que os raivosos da oposição.

A campanha municipal em São Paulo começou assim. Como Haddad não me pareceu uma boa escolha do partido, fiquei feliz quando soube que Russomano seria candidato pelo PRB, partido que vi nascer. O maior problema veio quando Haddad ameaçava terminar em terceiro lugar. Perdeu o tom.

Aquilo que eu esperava do Serra (e que o PSDB também está fazendo, principalmente através da mídia), veio da campanha de Haddad.  Ligaram a metralhadora giratória. Agora começaram a usar depoimento de ex-obreira, atacar a IURD com os mesmíssimos argumentos da velha mídia.

Estou na IURD há quase treze anos e refuto veementemente qualquer acusação de manipulação e de que sejamos impedidos de pensar. Muito pelo contrário! Não conheço outro lugar que incentive tanto a pensar com a própria cabeça! Conheço a Igreja Universal, sei como funciona e posso garantir que todo mundo tem livre escolha e eu penso muito bem, obrigada.

Claro que temos interesses em comum, entre eles o de não ter um governo comprometido com a velha mídia que tanto nos odeia. Somos unidos e militamos pelos nossos ideais, raciocinamos e entendemos bem o que estamos fazendo. Sabemos que Russomano não é da IURD e não tem compromisso nenhum conosco, mas acreditamos que ele é a melhor opção para São Paulo e temos esse direito.

Política é um assunto de todos os cidadãos, estejam eles vinculados ou não a uma igreja. Porque fazemos parte de uma igreja temos de ser excluídos da sociedade? O fato de um candidato ser de um partido que tem membros de uma determinada igreja, não significa que aquela igreja irá participar do mandato! Se a igreja de vocês faria isso, me desculpe, a minha não faz. Como qualquer grupo, temos interesses em comum, mas nenhum deles é o de dominar o mundo, impor o cristianismo goela abaixo ou qualquer asneira que se diga por aí.

Eu garanto que conheço mais a IURD do que a tal ex-obreira. Garanto que entendo mais de como ela funciona do que qualquer crítico de sofá. Mas não estou aqui para defender a IURD ou dizer o óbvio: que Russomano é tão “fantoche do Bispo Macedo” quanto Dilma era um poste (e todos nós vimos que Dilma jamais foi um poste). O que preciso dizer, e que está entalado na minha garganta é: é correto usar as armas do inimigo para vencer?

Nós ajudamos a reeleger o Lula (inclusive o vice-presidente José Alencar filiou-se ao PRB em 2005), ajudamos a eleger a Dilma e o PRB faz parte da base aliada do governo federal. Esse papel do denuncismo irresponsável não se encaixa no PT.

Esperava coerência. Porque quando o Serra e o PIG (Partido da Imprensa Golpista) faziam isso contra a Dilma, o Lula e o PT, pegando “ex isso” e “ex aquilo” para dar depoimento, acreditando em qualquer coisa que lhes diziam, espalhando hoax a torto e a direito a gente dizia que era errado, que não se podia acusar sem provas, e falava do horror que é trabalhar uma campanha eleitoral baseada no medo. Lembro que os olhos de todos estavam bem abertos a isso naquele tempo. Por que agora se fecharam?

Esperava esse tipo de baixaria do Serra, jamais do PT! Usar o medo e o preconceito que o povo tem contra a IURD e o Bispo Macedo (medo e preconceito esses gerados e alimentados pelo PIG há vinte anos)para tentar barrar a candidatura de Russomano é ridículo! Dar trela para “ex” qualquer coisa é estilo de jornalismo de Veja. Sério mesmo, estou decepcionada.

Quando o PRB apoiou a eleição da Dilma alguém disse que ela era fantoche do Bispo Macedo? A não ser a imprensa, que a acusou de fantoche de todo mundo. Quando o Bispo escreveu em seu blog contra as mentiras que jogavam contra Dilma e a oposição acusou o governo de favorecer a IURD, todos do PT sabiam que não era verdade. Quando José Alencar foi para o PRB (do qual foi presidente de honra) ninguém disse que o Bispo Macedo seria vice-presidente e Alencar era um fantoche. Por que agora o raciocínio não pode ser o mesmo? Por que aceitar a agenda do PIG?

Falem das propostas, mostrem o seu candidato, convençam os eleitores sem vender a alma por desespero. Não é possível que não saibam que estão trabalhando com a estratégia do medo, pois foram vítimas disso, têm sido vítimas disso há algumas eleições.

Só falta agora a Regina Duarte na campanha do Haddad dizendo que tem medo do Russomano.

Tinha que registrar minha indignação e minha decepção com quem compra mentiras e faz o jogo do denuncismo irresponsável, apelando para o tapetão. Eu me recuso a julgar o partido inteiro pela irresponsabilidade de um candidato. E continuarei apoiando o PT quando ele for injustiçado, e quando tiver candidatos melhores. Espero que não destruam o respeito que ainda tenho pelo PT e por sua militância aderindo ao modus operandi de José Serra no segundo turno.

PS: Temos uma causa: a causa do evangelho. Se alguém começa a nos atacar, eu entendo que vai nos atrapalhar quando chegar ao poder e jamais terá meu apoio. Ninguém está buscando ajuda de governo, até porque isso não nos interessa. Ter rabo preso com governo não ajuda a causa. O que procuramos é um governo que não nos atrapalhe enquanto fazemos nosso trabalho. E qual é o nosso trabalho? Ajudar pessoas, transformar vidas. Esse vídeo é um resumo (bem resumido) do que fazemos: clique para assistir. Isso é o que você nunca vai ver na Globo.

Carta de afronta da Folha de São Paulo

Na Folha Universal desta semana, na coluna “Ponto de Vista”, Carlos Oliveira fala sobre o bico de Tucano da Folha de São Paulo (clique aqui para ler). Gostei muito do texto e despertou em mim uma revolta, mais especificamente o seguinte parágrafo: “Em sua edição de número 30.455, de 20 de agosto, o famigerado jornal estampa propositalmente em sua capa a seguinte chamada: “Russomano é o Davi que perderá para dois Golias – O desafio de Russomano (PRB) de chegar ao segundo turno em São Paulo é o de Davi contra Golias. Davi, do partido divino, venceu. Contra PT e PSDB, na realidade de uma democracia em maturação, Deus não vai resolver.” (Outro post a respeito, de Assis Araújo, mostra o texto da Folha de São Paulo na íntegra, com a chamada de capa! Clique aqui para ler.)
Primeira consideração: Agora o PT é um gigante, para a Folha de São Paulo? Agora admite que é um partido forte? Quando convém à Folha ela enxerga o Partido dos Trabalhadores? O medo da Folha reflete o medo da velha mídia em geral: Russomano está à frente de Serra. Haddad ainda está longe o suficiente, mas pelo visto os tucanos prefeririam lutar contra o PT do que enfrentar Davi, afinal de contas, já são anos e anos forjando denúncias e provas contra o partido de Haddad, inventar algo contra Russomano e o PRB agora daria muito trabalho e não convenceria tão bem. Os interesses eleitoreiros ficariam óbvios (não que deixem de fazer por causa disso).
Mesmo que Russomano esteja na liderança e não tenha o alto índice de rejeição que Serra tão arduamente lutou para conquistar, a Folha sentencia: “Russomano é o Davi que perderá para dois Golias” Baseando-se em quê a Folha faz essa afirmação? Em sua profunda vontade, é claro. E no esforço que fará para que isso se concretize, ao tentar – como sempre fez – manipular as informações e a mente de seus leitores.
A velha mídia ignora que o povo Brasileiro não come mais em sua mão. As pessoas têm aberto os olhos para as mentiras e manipulações da mídia tendenciosa. E esse processo não vai parar, não tem como parar. A velha mídia se debate como o náufrago prestes a se afogar. Só isso explica a declaração do editorial absurdo da Folha. “Deus não vai resolver” é um convite explícito à revolta de todos aqueles que não apenas acreditam em Deus, mas têm grande respeito por Ele e lutam Suas causas. A Folha desperta, assim, o “Exército do Deus Vivo”, por quem Davi se revoltava.
Isso me fez lembrar uma outra passagem bíblica, em que Senaqueribe, rei da Assíria manda uma carta de afronta para o Rei Ezequias, dizendo que o Deus de Israel não era capaz de livrá-lo de suas mãos. Ezequias, então, leva a carta até a Casa de Deus, a estende perante o Senhor e ora, revoltado com aquela afronta feita a Deus (2Reis 19:14-19).  Preciso dizer de quem foi a vitória?  A mesma revolta manifestou Davi diante de Golias, “Quem é, pois, esse incircunciso filisteu, para afrontar o exército do Deus vivo?” (I Samuel 17:26)
Carlos Oliveira traz a carta de afronta da Folha de São Paulo, estendendo como fez Ezequias, com a mesma indignação. Eis que milhares de anos depois de Golias, a Folha de São Paulo vem afrontar não apenas o exército do Deus vivo, mas o próprio Deus, dizendo que Ele não é capaz de livrar a cidade de São Paulo das mãos dos tucanos. Pensando assim, comparando o PSDB com Golias, a Folha assume que o partido é realmente tão ruim e pernicioso quanto eu acredito que seja. E o PT não merece a comparação com o gigante derrotado, a que faz jus o histórico do candidato José Serra e de seu partido.
Sim, Celso Russomano é Davi. O PRB é Davi. Pequeno, desprezado, mas valente e corajoso. Davi não apenas venceu Golias, como também foi o rei mais amado de Israel. Popularidade que os tucanos há muito tempo não se esforçam para ver.
Deus foi duro com Senaqueribe: “Por causa do teu furor contra mim e porque a tua arrogância subiu até aos meus ouvidos, eis que porei o meu anzol no teu nariz e o meu freio na tua boca e te farei voltar pelo caminho por onde vieste” (2 Reis 19:28)
Depois dessa, sinceramente, se eu não fosse votar em Celso Russomano, se ainda estivesse em dúvida, não teria mais dúvida nenhuma. Obrigada, Folha de São Paulo, por nos mostrar tão claramente quem é quem.

afrontaNa Folha Universal desta semana, na coluna “Ponto de Vista”, Carlos Oliveira fala sobre o bico de Tucano da Folha de São Paulo (clique aqui para ler). Gostei muito do texto e despertou em mim uma revolta, mais especificamente o seguinte parágrafo: “Em sua edição de número 30.455, de 20 de agosto, o famigerado jornal estampa propositalmente em sua capa a seguinte chamada: “Russomano é o Davi que perderá para dois Golias – O desafio de Russomano (PRB) de chegar ao segundo turno em São Paulo é o de Davi contra Golias. Davi, do partido divino, venceu. Contra PT e PSDB, na realidade de uma democracia em maturação, Deus não vai resolver.” (Outro post a respeito, de Assis Araújo, mostra o texto da Folha de São Paulo na íntegra, com a chamada de capa! Clique aqui para ler.)

Primeira consideração: Agora o PT é um gigante, para a Folha de São Paulo? Agora admite que é um partido forte? Quando convém à Folha ela enxerga o Partido dos Trabalhadores? O medo da Folha reflete o medo da velha mídia em geral: Russomano está à frente de Serra. Haddad ainda está longe o suficiente, mas pelo visto os tucanos prefeririam lutar contra o PT do que enfrentar Davi, afinal de contas, já são anos e anos forjando denúncias e provas contra o partido de Haddad, inventar algo contra Russomano e o PRB agora daria muito trabalho e não convenceria tão bem. Os interesses eleitoreiros ficariam óbvios (não que deixem de fazer por causa disso).

Mesmo que Russomano esteja na liderança e não tenha o alto índice de rejeição que Serra tão arduamente lutou para conquistar, a Folha sentencia: “Russomano é o Davi que perderá para dois Golias” Baseando-se em quê a Folha faz essa afirmação? Em sua profunda vontade, é claro. E no esforço que fará para que isso se concretize, ao tentar – como sempre fez – manipular as informações e a mente de seus leitores.

A velha mídia ignora que o povo Brasileiro não come mais em sua mão. As pessoas têm aberto os olhos para as mentiras e manipulações da mídia tendenciosa. E esse processo não vai parar, não tem como parar. A velha mídia se debate como o náufrago prestes a se afogar. Só isso explica a declaração do editorial absurdo da Folha. “Deus não vai resolver” é um convite explícito à revolta de todos aqueles que não apenas acreditam em Deus, mas têm grande respeito por Ele e lutam Suas causas. A Folha desperta, assim, o “Exército do Deus Vivo”, por quem Davi se revoltava.

Isso me fez lembrar uma outra passagem bíblica, em que Senaqueribe, rei da Assíria manda uma carta de afronta para o Rei Ezequias, dizendo que o Deus de Israel não era capaz de livrá-lo de suas mãos. Ezequias, então, leva a carta até a Casa de Deus, a estende perante o Senhor e ora, revoltado com aquela afronta feita a Deus (2Reis 19:14-19).  Preciso dizer de quem foi a vitória?  A mesma revolta manifestou Davi diante de Golias, “Quem é, pois, esse incircunciso filisteu, para afrontar o exército do Deus vivo?” (I Samuel 17:26)

Carlos Oliveira traz a carta de afronta da Folha de São Paulo, estendendo como fez Ezequias, com a mesma indignação. Eis que milhares de anos depois de Golias, a Folha de São Paulo vem afrontar não apenas o exército do Deus vivo, mas o próprio Deus, dizendo que Ele não é capaz de livrar a cidade de São Paulo das mãos dos tucanos. Pensando assim, comparando o PSDB com Golias, a Folha assume que o partido é realmente tão ruim e pernicioso quanto eu acredito que seja. E o PT não merece a comparação com o gigante derrotado, a que faz jus o histórico do candidato José Serra e de seu partido.

Sim, Celso Russomano é Davi. O PRB é Davi. Pequeno, desprezado, mas valente e corajoso. Davi não apenas venceu Golias, como também foi o rei mais amado de Israel. Popularidade que os tucanos há muito tempo não se esforçam para ver.

Deus foi duro com Senaqueribe: “Por causa do teu furor contra mim e porque a tua arrogância subiu até aos meus ouvidos, eis que porei o meu anzol no teu nariz e o meu freio na tua boca e te farei voltar pelo caminho por onde vieste” (2 Reis 19:28)

Depois dessa, sinceramente, se eu não fosse votar em Celso Russomano, se ainda estivesse em dúvida, não teria mais dúvida nenhuma. Obrigada, Folha de São Paulo, por nos mostrar tão claramente quem é quem.