Os demônios incontroláveis de Serra

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso havia dito em 98 ao Jornal do Brasil que o problema do Serra era “aquele demoniozinho que ele tem dentro de si”, pelo visto, agora o tal demoniozinho já tem companhia, pois na Isto é desta semana, na coluna do Boechat, página 32, encontrei a seguinte frase, atual, do FHC: “O Serra tem uns demônios dentro dele que, às vezes, nem ele mesmo controla”.

Essa frase para mim resume minha impressão a respeito de José Serra. Se você só conhece o Serra das edições do jornalismo da Globo, provavelmente achará que estou falando bobagem, mas se você se interessar em pesquisar sobre quem realmente é José Serra, sua personalidade descontroladamente explosiva, sua megalomania, sua opção pela mentira como primeira escolha em qualquer situação, irá me dar razão.

Serra é conhecido por ser realmente grosseiro e arrogante com jornalistas que fazem perguntas a que ele não quer responder (e não responde) e, no dia seguinte, telefonar para o patrão do tal jornalista, pedindo que o demita. Marina Silva lembrou disso nos momentos finais do primeiro turno, mas nós já sabíamos. Serra agora quer degolar qualquer um que ouse citar o nome de “Paulo Preto” perto dele. E a sociedade brasileira ficará sem a explicação sobre o caixa 2 e os desvios de recursos, pois isso prejudicaria a campanha (ao menos foi o que disse o PSDB à revista Isto é desta semana).

Os demônios incontroláveis de Serra o convenceram a reunir os líderes religiosos mais hipócritas que conseguisse encontrar (lembremos que líderes religiosos hipócritas foram utilizados por seus próprios demônios incontroláveis para perseguirem Jesus) para melhor manipular a massa de cristãos que o PSDB acredita ser suficientemente ignorante para isso. Os demônios incontroláveis de Serra são a melhor explicação para a baixaria em que ele transformou a campanha eleitoral. Baixaria da qual Dilma não pode sair, pois tentou manter-se distante no primeiro turno e não foi uma boa estratégia. Agora, ela tem de se defender.

Ficamos sem o debate de propostas, no entanto, sabemos a proposta de Dilma, que é de continuidade do modelo de crescimento do governo Lula. A proposta de Serra, até que ele prove o contrário (coisa que não parece querer) é ser um déspota cortador de pescoços de jornalistas e leiloeiro de todo o patrimônio que nos restou após a dilapidação feita por FHC (até hoje eu sofro ao ver propaganda da Vale do Rio Doce…).

PS: Tem gente que acha que votarei em Dilma porque o líder da minha igreja declarou apoio a ela, é uma tentativa de desqualificar minha escolha. Eu tinha vários motivos para votar em Dilma, tinha e ainda tenho, mas no momento o mais importante deles é: evitar a volta do PSDB e – sobretudo – não permitir que os “demônios incontroláveis” controlem nossa nação. Meu voto em Dilma é anti-Serra, anti-Globo, anti-imprensa corrupta, a favor da democracia e da verdadeira liberdade de imprensa, onde seu chefe não recebe um telefonema de político pedindo sua cabeça por uma opinião contrária.

.

Da série: trazendo de volta à memória

Reverberando mais um email maldoso que circula por aí, um indivíduo fez a seguinte pergunta, demonstradora de amnésia coletiva:

“Se FHC, o pai do Plano Real, estava no caminho errado, por que Lula continuou e não mudou nada?”

Segue a minha resposta, pois a dúvida dele pode ser a mesma de outras pessoas:


Deixa eu explicar uma coisa. Primeiro, FHC não é o pai do Plano Real. O Pai do Plano Real é o economista Edmar Bacha, o Plano Real foi criado no governo Itamar Franco. FHC estava no caminho errado, pois queria financiar o plano Real com o dinheiro da venda de estatais, a preço de banana. Estava sucateando as universidades federais (eu me lembro pois estudava em uma na época e só se falava nisso), impedindo concursos e diminuindo repasse de verbas, para poder privatizá-las. Se o PSDB tivesse conseguido mais um mandato, não teríamos mais universidades federais, seriam todas particulares.

Estava fazendo o mesmo com a Petrobras. Meu marido começou a trabalhar lá no governo FHC e a Petrobras foi desmembrada em diversas empresas menores, para ser sucateada e vendida aos poucos (o que começou a acontecer, mas felizmente esse processo foi interrompido com o início do governo Lula). Lula mudou MUITAS coisas, o Brasil cresceu o que certamente não cresceria se o PSDB tivesse continuado, pois estávamos reféns do FMI, que mandava e desmandava neste país. E não sei se você se lembra, mas a propaganda eleitoral de Lula em 2002 deixava bem claro que ele manteria as conquistas positivas do governo anterior (e todo governo tem coisas positivas e coisas negativas…o problema do governo PSDB é que as coisas negativas eram muuuito mais significativas do que os avanços, quase inexistentes) e se comprometeu a melhorar a qualidade de vida da população. Por esse discurso, ele foi criticado pela extrema esquerda, que não gostou do tom moderado, e também foi ridicularizado pela imprensa, que achou que ele estava mentindo (pelo tom ter sido diferente das duas campanhas anteriores) e o apelidou de “Lulinha paz e amor”,  mas foi exatamente por ter se proposto a isso que ele foi eleito. E tudo isso ele cumpriu.

Lula não prometeu um governo marxista, nem disse que o Plano Real era errado na campanha de 2002, e ofereceu propostas para o Brasil crescer e melhorar. Por isso ele foi eleito. O estilo de FHC lidar com a crise também estava muito errado, com arrochos, levando o país a recessão, quebrou o Brasil. Lula foi criticado pelo jeito de lidar com a crise, aumentando os investimentos e incentivando o comércio. E o Brasil foi um dos países menos atingidos pela crise, um dos que mais rápido saíram dela, tornou-se exemplo para países europeus, que por isso também conseguiram sair da crise.  Procure se informar melhor, não acredite em tudo o que recebe por email e não entre na onda difamatória por aí.

Se quiser votar no Serra, beleza, vote, mas pelos motivos corretos (tipo: eu gosto da direita, sou a favor de se vender todas as estatais por preço menor do que valem, etc. etc.), não por preconceito, nem raiva, nem ódio injustificado. Procure ler informações “do outro lado”, de mente aberta, para então fazer sua escolha. Cuidado com Globo, Veja, Isto é, Época, Folha de São Paulo e Estadão, não são isentos, nem imparciais. Não acredite em e-mails alarmistas e que pregam medo e ódio. Isso, é claro, se você quiser ser justo e fazer as coisas corretas.

Veja isto: http://lampertop.com.br/?p=688

Serra teria quebrado o país na crise

Meu marido me mandou esse vídeo que e demonstra bem a diferença de pensamento entre Serra e Lula, entre PSDB e PT, coisa que tanto Serra quanto PSDB tentaram disfarçar nessas eleições.

http://www.youtube.com/watch?v=Ig9pE6qwzxw

Lula foi ridicularizado pela oposição e pela mídia por estar “na contramão do resto do mundo”. E, na contramão do resto do mundo, o  Brasil sobreviveu à crise, foi um dos primeiros a sair dela e muito mais fortalecido, como Lula já havia previsto. Na contramão do resto do mundo, servimos de exemplo para aqueles que compartilhavam da política retrógrada cultivadora de recessão conseguirem uma injeção de otimismo para, também eles, mudar a forma de reação à crise e sair, como o Brasil saiu, de cabeça erguida.

Veja o histórico pronunciamento do Presidente Lula, no natal de 2008, explicando à nação o que era a crise e qual seria o papel decisivo da população para que o país conseguisse sair vitorioso:

http://www.youtube.com/watch?v=OuU6qomfCQY

Agora eu pergunto: para que eu vou tirar o PT do governo e colocar novamente o PSDB? E se você diz: “ah, eu vou votar na Marina porque não quero nem PT nem PSDB”, é bom saber que Marina já deixou bem claro que, se eleita, quer colocar o PSDB para governar com ela (e criticou o PT por não ter feito isso). Não satisfeita, também vai chamar boa parte do PT. Sem contar que tem aliança com o DEM (partido que adora mudar de nome: já foi Arena, já foi PFL…devia ser probido partido mudar de nome). Que renovação é essa? Que mudança?

Daqui a pouco publicarei um post sobre Marina, explicando o porquê nunca cogitei a hipótese de votar nela, mesmo eu sendo evangélica, mesmo eu me importando com causas ambientais.