Eu mereço ter dinheiro!

Pegando carona no assunto da minha colega de quintas-feiras Patrícia Lages (com quem tenho aprendido bastante, a propósito :-) ), a resenha de hoje é sobre o livro Eu mereço ter dinheiro! (Editora dsop), de Reinaldo Domingos. Um livrinho curto, divertido e bem instrutivo. Apesar de ser direcionado a mulheres, a mensagem pode ser aproveitada por qualquer pessoa! E mais uma vez apelo, como sempre, aos homens inteligentes que nos leem: não sejam preconceituosos com “literatura feminina”. Vocês podem ajudar suas esposas, namoradas e futuras namoradas ao ler livros direcionados a elas, como o A Mulher V ou Eu mereço ter dinheiro (a menos que vocês gostem muito de ter mulheres que não saibam lidar com dinheiro, não saibam se valorizar, não queiram melhorar e não sejam dignas de confiança… :-) ).

Antes de falar sobre o conteúdo, devo confessar que o que chamou a minha atenção de longe foi a capa. Mais chamativa, impossível! Ela simula um espelho com o título “Eu mereço ter dinheiro!” escrito com “batom” que eu acho que é rosa choque e o Davison afirma categoricamente que é vermelho. Então, para não brigar com meu marido, digamos que o batom seja um vermelho com um discreto reflexo rosado…rs… Mas a capa é lindamente escandalosa.

O autor explica os princípios básicos para se conquistar uma vida financeira estável, com bom humor, usando como exemplos as mocinhas dos contos de fadas. Quando li isso na sinopse, meu lado ranzinza já pensou: “ih, deve ser uma bobagem…” Mas como meu lado ranzinza há muito perdeu espaço para meu lado feliz, saltitante e aberto a novidades, achei que poderia ser uma grande sacada, para alcançar até mesmo as garotas mais novinhas e consumistas ou as mais velhas e bem humoradas (como eu). E acertei na mosca! (Tadinha da mosca.)

Você nunca imaginou que Branca de Neve, Cinderela, Bela Adormecida, Chapeuzinho Vermelho e suas amigas pudessem ter algo a ensinar sobre sua vida financeira, né? Elas são usadas de forma divertida, ilustrando os ensinamentos do autor. Ao ouvir isso, você pode achar que o livro parece infantil, mas não é! Aliás, Reinaldo Domingos tem livros infantis sobre educação financeira (ideia genial, se eu tivesse aprendido sobre isso na infância, teria evitado problemas sérios no meu casamento, anos depois), mas este livro, especificamente, é para mim e para você, mulher, não tente fugir e entregar para a sua sobrinha…rs…

Infelizmente, é muito pequeno o número de mulheres que têm independência financeira de verdade, porque o conceito de independência financeira pressupõe mais do que “ter o seu próprio trabalho e ganhar o seu próprio dinheiro”. Só é independente financeiramente a mulher que puder dizer que, se algo lhe acontecer e ela tiver que parar de trabalhar, ainda assim ela terá como manter seu padrão de vida hoje e no futuro. Ou seja, uma mulher que não dependa do marido, mas que tampouco dependa do trabalho para se manter. Uma mulher que tenha realmente dinheiro!

Uauuu…isso foi um soco no meu fígado, Reinaldo! Quantas mulheres podem dizer que são realmente independentes? E se você levar em consideração essa definição, verá que até mesmo as que optaram por ser donas de casa precisam de educação financeira, para ajudar seus maridos a alcançarem essa independência (ou pelo menos para não atrapalhar, instalando um ralo ligado a um buraco negro nas contas do casal).

Já contei aqui que eu tinha uma relação complicada com o cartão de crédito e descontava minha ansiedade em compras inúteis. Não comprava um monte de sapatos, nem bolsas, mas era doida por liquidação. De qualquer coisa. Desde camisetas e meias nas Lojas Americanas, até chocolates, cremes para cabelo, maquiagens e cadernos, muitos cadernos. Eu tinha um relacionamento 100% emocional com o dinheiro.

Mas não era apegada, não mesmo. Era tão desapegada que dava todo o dinheiro que eu tinha e que eu não tinha para qualquer loja que me entregasse uma bugiganga em troca..hahaha… Esse livro também trata desse tipo de problema,  lhe ensinando a ter uma relação mais racional com suas finanças. Ele fala em “amar seu dinheiro” não no sentido de fazer dele o seu deus, mas de não agir como se o odiasse (mal chega em suas mãos e você já quer passá-lo adiante). Aprender a ter uma relação mais racional é isso:

A partir de hoje, quando você passar pela vitrine de uma loja sem cair em tentação, saberá que está abdicando de ter uma bota de cano alto da grife do momento, por exemplo, porque está trocando um pequeno prazer imediato por um sonho maior e mais importante. Ou seja, você estará trocando a gratificação momentânea por algo melhor no futuro. Lembre-se: quando você se guia por impulsos, você erra!

Esse é o caminho que sempre funciona: renunciar, racionalmente. É um caminho doloroso, porque abre mão do prazer imediato por uma satisfação maior, mas que levará um pouco mais de tempo. É aquela velha luta que exercita nosso domínio próprio.

O que ele diz abaixo serve para diversas áreas da vida, desde o gerenciamento financeiro, uma reeducação alimentar, até a nossa vida espiritual! Leia isso quantas vezes precisar, saber colocar isso em prática pode fazer a diferença entre vencedores e perdedores:

Por isso, às vezes, é mais sábio ir pelo caminho mais longo para obter um sonho de consumo, sem se deixar influenciar por agentes externos, juntando o seu dinheiro primeiro para, então, de posse dele, fazer a aquisição desejada. Ao longo do processo de aplicação prática do que você está aprendendo neste livro, muitas pessoas vão lhe dizer que isso tudo é uma bobagem, que seu esforço não vai dar em nada. Suas colegas irão convida-la para praticar shopping-terapia em seus momentos de maior fragilidade, tentando desvia-la do caminho. Mas lembre-se!Os vencedores só são vencedores porque não perdem de vista uma coisa chamada resistência. Resista! Resista! E…resista!

Você está trilhando uma jornada pessoal. Ela é só sua! Ninguém mais poderá entender o que a move. Então, deixe as outras pessoas fora dela. As que realmente forem suas amigas e a amarem, certamente estarão ao seu lado lá na frente. Deixe que digam que você se tornou careta ou que anda meio desenturmada! Nada disso importa agora, porque, lá na frente, daqui a alguns anos, você estará bem de vida, e, talvez, muitas dessas pessoas que hoje a criticam não terão a mesma sorte. Se necessário, reveja seu círculo de amizades, os lugares que tem frequentado e os produtos que anda consumindo. Será que essas escolhas cotidianas realmente a fazem feliz, ou são apenas tentativas furadas de impressionar (a quem?) ou se sentir aceita (onde?)?

É tomar as rédeas da sua vida, se valorizar, assumir suas escolhas, manter o foco e seguir em frente, rumo à inevitável vitória.

Vanessa Lampert

Para ler as resenhas arquivadas, Clique aqui. E para ler as recentes, clique aqui.

PS: Me chamaram a atenção as ilustrações divertidas, economicamente espalhadas em algumas páginas, que dão um ar mais leve ao livro. Beeem antigamente, era comum encontrar ilustrações em livros adultos, hoje o trabalho desses profissionais nem sempre é valorizado. Ponto para a editora dsop, que investiu no trabalho da  ilustradora Luyse Costa.

PS2: Todo mundo já sabe como faz para que sua foto apareça ao lado do comentário? Quem ainda não fez e quiser fazer, clique aqui e siga as instruções do post :-) Mas não é obrigatório, obviamente, pode comentar em paz sem foto…rs…

Originalmente publicado no blog Cristiane Cardoso. Clique aqui para ver a postagem original.

Você realmente quer que alguém te pegue?

O que mais me assusta no fato de a famigerada música de Michel Teló ter se transformado em fenômeno mundial é imaginar que as mulheres – pelo menos as brasileiras – aceitaram sem problemas a letra.

Para mim, a música não pode se dissociar da letra que a acompanha. A letra é o motivo pelo qual a música existe, então eu a levo em consideração muito mais do que o instrumental.

A letra é uma cantada grosseira que eu odiaria receber, em qualquer época da minha vida. Imagine um desconhecido se aproximando e dizendo: “Delícia! Assim você me mata. Ai, se eu te pego!”  Antes, ele diz que tomou coragem para dizer isso. Tem que tomar muita coragem mesmo, meu amigo, porque se a moça se valorizar um pouquinho que seja, todas as suas chances com ela vão para o ralo por dez palavras.

Não entra na minha cabeça que uma mulher com um cérebro entre as orelhas possa gostar de ser transformada em um pedaço de carne, mas pensando bem, não é uma questão de inteligência, mas de saber se valorizar, coisa que parece que as meninas de hoje não estão acostumadas a fazer, pois se contentam com essas migalhas.

As mulheres continuam querendo um homem legal, super companheiro, amigo, com quem possam ter um relacionamento feliz para a vida inteira. Eu du-vi-do que haja alguém que não queira isso. Existe quem não acredite mais que isso exista, mas não quem não queira um relacionamento feliz e duradouro, é natural do ser humano.

Continuam querendo isso, mas não entendem que quando não se valorizam, atraem outro tipo de homem: justamente aquele tipo que ela não quer. Você não quer alguém que ao primeiro contato visual, ameaça “te pegar”, nem que te chame de “delícia” por causa do seu corpo e te use como um objeto. Você quer ser amada, respeitada, quer receber atenção por aquilo que você é de verdade, quer que o homem ao seu lado te ache linda mesmo quando você acorda, sem maquiagem, descabelada, com os olhos inchados e a cara amassada (momento autobiográfico…hahaha…).

No fundo, todo mundo quer um amor, estabilidade, paz, tranquilidade.  Se não quer, é porque não consegue imaginar o que seja isso de verdade. Se soubesse, iria querer com todas as suas forças. E caso alguém ameaçasse: “Ai, se eu te pego”, correria para a delegacia fazer um belo Boletim de Ocorrência.

.