Escrevendo seu futuro

Graciele, eu concordo 100% contigo. A obra de Deus precisa de pessoas que se comuniquem bem. Não que Deus só use quem se comunica bem, mas podemos ser muito mais usadas se soubermos escrever direitinho, comunicando bem nossas ideias.
Sem contar que hoje em dia são poucas as pessoas (dentro da obra ou fora dela) que dominam a língua escrita. Porque nossa sociedade está voltada para as emoções e o entretenimento, e não para a inteligência. Então quem dominar essa arte, se destaca até no trabalho!
A leitura -e isso eu sempre falo, porque é cientificamente comprovado – é o melhor exercício que podemos fazer por nosso cérebro. E escrever é a melhor forma de organizar nossas ideias.
Não é à toa que Deus é o maior Escritor do universo! Escreveu um livro enorme e disse que todo aquele que quiser conhecê-lo deve ler o que Ele escreveu!
Acho que isso já deveria fazer com que a gente acordasse para a importância de ler e escrever, de lutar contra a preguiça mental e a terrível zona de conforto, que atrasa a nossa vida.
Já escrevi sobre como vencer a preguiça de ler e também como resolver aquele problema de “não ter tempo para ler”. Resumo em uma palavra: sacrifício.
Quem colocar isso em prática verá grandes resultados. A cabeça começa a funcionar melhor, as ideias se encaixam com mais clareza, a inteligência se fortalece e com certeza conseguimos crescer espiritualmente, se direcionarmos bem nosso desenvolvimento.
Super apoiado este assunto no blog! :-)
Beijos!

Eu não sei para onde essas facilidades tecnológicas levarão a humanidade. O que mais me preocupa é que a linguagem parece estar involuindo. Eu entendo que a língua é viva e que novas palavras surgem a cada momento, não sou purista daquelas que têm chiliques a cada neologismo, a cada estrangeirismo, a cada quase dialeto que surge nas ruas. Não tenho problema com essas coisas, meu problema é com a visível preguiça mental.

Você vê crianças inteligentes de doze anos, que sabem mexer no computador melhor do que seus pais, que estão na escola, às vezes tirando excelentes notas (não sei como!) escrevendo como semianalfabetos, não apenas na questão gramática/ortográfica, mas também na questão do raciocínio lógico. Elas simplesmente não sabem se expressar! Mas aí você pensa: “tudo bem, são crianças. Não é porque eu sabia me expressar aos 12 anos que todo mundo é obrigado a saber. Quando crescer, aprenderão” e vê que entre os jovens adultos, a maioria tem o mesmo problema. Nem gosto de olhar os comentários de sites de notícias, por exemplo, que dá uma certa tristeza.

Na verdade, hoje em dia me incomodo menos com erros de ortografia do que com erros de lógica. É fácil decorar regras da língua portuguesa, o que exige um pouco mais de esforço é saber encadear os pensamentos e entender exatamente o que está dizendo. Para isso você não precisa ter graduação alguma, nem precisa ter concluído o ensino fundamental. Antigamente pessoas com a quarta série primária sabiam se expressar por escrito (e oralmente) muito melhor do que muito doutor que eu conheço hoje em dia.

A questão toda é não se deixar levar pela correria dos dias atuais, que nos deixam com a sensação de que se não nos movermos por impulso, não conseguiremos acompanhar o desenrolar dos dias. É extremamente importante cultivar o hábito de ler e de escrever. Não é problema não saber se expressar, o problema é não querer aprender, não se esforçar para mudar essa situação.

Hoje em dia são poucas as pessoas que dominam a língua escrita. Nossa sociedade está voltada para as emoções e o entretenimento, e não para a inteligência. Então quem dominar essa arte, se destacará até no trabalho!

A leitura – e isso eu sempre falo, porque é cientificamente comprovado – é o melhor exercício que podemos fazer por nosso cérebro. E escrever é a melhor forma de organizar nossas ideias. Não é à toa que Deus é o maior Escritor do universo! Escreveu um livro enorme e disse que todo aquele que quiser conhecê-lo deve ler o que Ele escreveu! Acho que isso já deveria fazer com que a gente acordasse para a importância de ler e escrever, de lutar contra a preguiça mental e a terrível zona de conforto, que atrasa a nossa vida.

Já escrevi sobre como vencer a preguiça de ler e também como resolver aquele problema de “não ter tempo para ler”. Resumo em uma palavra: sacrifício. Quem colocar isso em prática verá grandes resultados. A cabeça começa a funcionar melhor, as ideias se encaixam com mais clareza, a inteligência se fortalece e com certeza conseguimos crescer emocionalmente, intelectualmente e espiritualmente, se direcionarmos bem nosso desenvolvimento.

Vale a pena aplicar esforço para melhorar nesse aspecto. Vale a pena fazer um sacrifício para sair da zona de conforto e pensar com sua própria cabeça (por falar nisso, desligue a televisão, por favor). Se o resto do mundo continuar nesse ritmo de imbecilização, no caminho de volta à época das cavernas, pelo menos você estará na contramão do atraso, fazendo a diferença.

.

Como vencer a preguiça de ler

Texto originalmente postado na seção Livros, no site de Cristiane Cardoso. (Clique aqui para ver a postagem original)

Ao responder à pergunta que minha nova amiga Sandra, de Moçambique, me enviou pelo Twitter, imaginei que poderia ser a dúvida de muitas leitoras e achei que valia um post nesta coluna. Eis a pergunta:

“Olá minha querida. Eu detesto ler, tenho preguiça mas SEI que preciso mudar isso. Me diga, que faço para contrariar isto?”

Minha resposta: A mesma coisa que a gente faz quando sabe que precisa fazer algo, mas não tem vontade: sacrifício. Coloque um livro na bolsa e se determine a ler todo dia um pouco. No começo vai ser difícil, pois é uma luta contra sua vontade.  Só tire da cabeça que você não gosta. Não é não gostar, é não ter o hábito. Quando desenvolver o hábito, vai amar :-)

Pelo que ela me explicou, sabe que precisa ler alguns livros que farão a diferença na vida dela (você também sabe, não é?), mas a preguiça e a falta de hábito a fizeram acreditar que não gosta de ler. Quando você acredita que não gosta de ler, qualquer leitura se torna uma tortura.

O hábito de leitura é como um músculo que precisa ser desenvolvido. Se você não usar seus braços ou suas pernas por meses e depois disso tentar fazer um movimento com os músculos atrofiados, vai sentir dor, incômodo, exaustão…será chato pra caramba. Aí você vira para mim e diz: “Eu não gosto de me mexer!” Não é verdade. É incômodo pela falta de exercício, mas se você se sacrificar e ignorar o incômodo com o foco no objetivo maior, terá uma super recompensa ao final do esforço.

Tem outra coisa: livro é amigo. A-mi-go. Você tem se sentir à vontade com seu amigo. Coloque dentro da bolsa, não se preocupe em não amassar…claro, você não vai detonar o livro e pisar em cima, mas se tiver de se preocupar em não dobrar aqui, não amassar ali, é complicado se sentir à vontade. Posso estar errada, sei lá, mas essa é a minha teoria.

A principal dica é mesmo o sacrifício. Não importa se você está lendo um livro, um artigo de jornal ou um post em um blog: quando cansar de ler, pare um pouco, mas não abandone a leitura. Não pense em como se sente ao ler, mas no quanto você vai saber mais depois de terminar de ler. Tome um café, brinque com o cachorro, com o gato ou vá ao banheiro, depois volte e continue a leitura, tentando entender o que está escrito. Qualquer texto é o autor conversando contigo, então é falta de educação abandonar a leitura e não voltar para concluir, é como se deixasse alguém falando sozinho ou desligasse na cara da pessoa.  Se for um blog, só comente depois de ter lido todo o post, pois às vezes a resposta à sua pergunta está no que você não teve paciência de ler.

Impaciência e ansiedade são emoções, e emoções devem receber pouquíssimo alimento. Ceder a elas é alimentá-las até que fiquem fortes e tentem te estrangular. Emoções são como Gremlins, lembra daquele filme trash horroroso? Gizmo era um bichinho fofinho, mas se alimentado após a meia-noite ou molhado, gerava monstrinhos verdes destrutivos. Emoções são Gizmos necessários. Precisamos delas, mas bem domesticadinhas e pouco alimentadas. Já nosso espírito (que é nossa inteligência) precisa ser alimentado para ficar forte o suficiente para controlar os Gizmos. O melhor alimento para fortalecer o espírito chama-se sacrifício.

Deixar de fazer aquilo que você tem vontade para fazer aquilo que você não tem vontade, mas sabe que precisa, é a única maneira de desenvolver sua mente, crescer e se tornar uma pessoa melhor. Deus pede isso da gente o tempo todo, até porque a vida exige isso para não se tornar um fardo.  Fazer só o que você gosta e tem vontade é receita para a frustração, já que os Gremlins nunca se fartam, sempre querem mais e mais e mais…nada é suficiente para satisfazer a vontade humana. Então a partir de hoje em sua vida, seja na leitura ou em qualquer outra coisa que esteja difícil por não ter se tornado um hábito, decida sacrificar sua vontade e fazer o esforço. A recompensa vale o sacrifício! Você vai ver o quanto vai ganhar não apenas por ler, mas por se dispor a sacrificar.

PS: Eu não sou um “super ser” por ler bastante e gostar de escrever. Eu só me dediquei a essas duas coisas até que se tornassem parte da minha vida.

PS2: A gatinha da foto é a Ricota, ela tem 7 anos e está pensando se vale a pena ler esses dois livros… :)

Vanessa Lampert

Meu Blog:

http://www.lampertop.com.br

Você também me encontra no Twitter

E no Facebook