Livros que não são o que parecem – Cinquenta tons de cinza

Abro parênteses na série “Livros que não são o que parecem” para tratar de um que não é religioso. Nesse caso, é um livro que parece ser bom – por estar no topo dos mais vendidos de ficção – mas é uma porcaria. Eu achei que não precisasse resenhar Cinquenta Tons de Cinza (Fifty Shades of Grey). Para mim, todo mundo já sabia do que se tratava: um romance sem valor literário, com cenas de sexo sadomasoquista. Mas nem todo mundo sabe. Tenho recebido perguntas a respeito e fiquei preocupada. Achei melhor escrever uma resenha. Caso alguém lhe pergunte, você também saberá o que dizer.

O livro é ruim. Sob diversos aspectos. Cenas arrastadas, construção pobre, a personagem passa muito tempo com os mesmos questionamentos e frases repetidas, o que o torna cansativo. A linguagem às vezes é muito forçada…A autora cria diálogos dignos dos piores livros de banca de jornal. O problema não é um livro ter cenas de sexo, porque é como os filmes, se formos deletar todos os que têm cenas fortes, ficaríamos com pouquíssimas opções de entretenimento. Mas as cenas de sexo de Cinquenta tons de cinza vêm em uma quantidade excessiva e descontextualizada e são descritivas demais, algumas beirando o ridículo. Coisas como (um trecho neutro, of course. Temos menores de idade aqui):

Com um movimento suave, ele ajeita o seu corpo, de modo que, o meu torso está descansando na cama ao lado dele. Ele joga a perna direita sobre as minhas duas pernas e bota o seu antebraço esquerdo na parte de baixo das minhas costas, segurando-me para baixo, assim eu não posso me mover.

Amigos, eu não sei se o problema é comigo, mas eu não sou muito visual. Eu simplesmente não consigo visualizar isso e em minha cabeça, na terceira frase, os dois já estão embolados em um perfeito nó, como se fossem dois polvos enroscados, jogando batalha naval, sem o menor romance.

Mas esse não é o problema.

Acho impressionante como no século 21, em que falar de “submissão” em termos bíblicos causa espanto e horror, um livro que trate de submissão em termos degradantes faça tanto sucesso. Quero dizer, uma submissão que valorize a mulher é descartada à primeira menção, mas uma “submissão” que a desvalorize e a transforme em mero objeto é fascinante? Isso faz algum sentido?

A mulher tem uma necessidade natural de se sentir segura, amada, cuidada, protegida…tem a necessidade natural da submissão saudável a um homem que lhe dê essa segurança. A sociedade aboliu a submissão saudável, mas não consegue tirar da mulher a necessidade de segurança…sendo assim, a submissão distorcida e doentia encontra espaço suficiente para instalar…e essas distorções tornam-se normais, aceitáveis e até desejáveis!

Christian Grey é um homem  lindo e rico. Anastasia Steele é universitária e inexperiente. Eles se apaixonam e ela descobre que ele é um dominador sádico e quer iniciá-la.  Se fosse apenas isso, talvez o livro não fizesse tanto sucesso. Ele teve uma infância difícil, maltratado pela mãe biológica,  adotado aos quatro anos, foi abusado aos 15 anos por uma amiga casada da mãe adotiva. Essa amiga lhe apresentou o sadomasoquismo, e esse foi o único tipo de relacionamento que ele conheceu. Anastasia quer ajudá-lo. Não é amor – não o amor verdadeiro – mas um punhado de emoções e sensações que mexe com a cabeça das leitoras carentes e as prepara para aceitar relacionamentos doentios com homens desajustados.

Há uma necessidade de confiança entre os dois, para que ela se entregue totalmente a ele. Um relacionamento baseado em confiança e entrega…não é tudo o que as mulheres querem? Ele abre a porta do carro, se preocupa com sua segurança, está sempre pronto a protegê-la, a cuidar dela, lhe dá 100% de atenção e se preocupa em satisfazê-la…preenchendo todas as necessidades que as “mulheres modernas” têm desprezado…Só tem um “detalhe”: ele a oprime, a persegue e tem prazer em bater nela! E ela se tornou sua escrava.

Vê o tamanho do problema? O quanto é perigoso para a cabeça de mulheres carentes? Percebe o tamanho do perigo de romantizar um relacionamento doentio?  De ver isso como normal? Ao aceitar um relacionamento abusivo, você se priva de conhecer o verdadeiro amor e tudo de maravilhoso que ele traz…o amor faz o bem ao outro, não o mal. Em questões comportamentais, principalmente quando se trata de relacionamentos, obras de ficção têm, sim, um grande impacto. Pode apostar que muitas mulheres flexibilizarão seus limites por terem visto algo de “bonito” e “excitante” no relacionamento de Anastasia e Christian Grey.

Anastasia submete-se ao mais degradante, para não perder Christian. E tenta compreender o incompreensível, dizendo que ele sofre, se esconde em suas sombras… Desculpe, mas depois de conhecer as histórias reais das mulheres no Projeto Raabe, eu não consigo ver nenhum lirismo nisso. Isso não é submissão. Isso não é bonito. Anastasia não está feliz com o relacionamento, sente-se usada, sente-se mal, sente-se culpada e há um esforço por parte dele em tentar fazer com que ela se livre do sentimento de culpa. E a autora mostra tudo como se fosse lindo, como se fosse amor, como se fosse legal e prazeroso.

”Não desperdice sua energia em culpa, sentimentos de injustiça, etc. Nós somos adultos responsáveis e o que nós fazemos a portas fechadas está entre nós. Você precisa liberar a sua mente e escutar o seu corpo.”

Isso é uma tremenda enganação. Vai acreditando que “liberar sua mente e escutar o seu corpo”, fazendo qualquer coisa, não terá consequências. Sim, somos adultos, e por isso mesmo devemos pensar, e não agir por instinto, por emoção, não devemos nos guiar por sensações e por nossa mera vontade…se começarmos a agir assim – e é o que o mundo nos cobra – nos transformaremos em seres bestiais. Parece um quadro digno de ser pintado pelo diabo.

E eu vejo nisso o que a sociedade em geral tenta nos empurrar goela abaixo:

“ Siga o seu coração, querida, e por favor, por favor, tente não pensar demais sobre as coisas. Relaxe e aproveite. Você é tão jovem querida, você tem tanto para experimentar, apenas deixe acontecer.”

Amiga, faça isso e se encrenque pelo resto da eternidade. Me parece a própria voz do diabo, dando a receita para um futuro infeliz. Sim, siga o seu coração, não pense, relaxe e aproveite. E estatele-se ao cair do precipício. Sim, porque é para lá que o “siga seu coração e não pense” nos leva, pode crer. Mas Hollywood e toda a conspiração do entretenimento emburrecedor insiste nessa tecla infinitamente.

O livro  ilude e tenta romantizar o que na vida real não tem absolutamente nada de romântico.  E eu me pego pensando que já temos porcarias demais no mercado literário e na cabeça das pessoas para que precisemos desse tipo de coisa. São mais de quatrocentas páginas, amigos. Quatrocentas e oitenta páginas do seu tempo, que não voltam mais. Tenho certeza de que você tem coisa mais importante para ler em 480 páginas. Se tiver bom senso, passe longe desse livro. É o melhor conselho que posso dar.

Agora temos uma porção de garotinhas (e mulheres mais velhas também, por incrível que pareça) suspirando pelo fictício Christian Grey, sonhando com  chicotes, espancamentos e sessões de sexo selvagem e vazio descritas como danças de polvos malucos que uma hora estão de pé, em outra estão de cabeça para baixo (já disse que simplesmente não consigo visualizar descrições longas). E eu prefiro nem pensar no que pior esse mundo ainda pode inventar, como novo “fenômeno literário”.

Vanessa Lampert

Para ler as resenhas arquivadas, Clique aqui. E para ler as recentes, clique aqui.

PS: Falando em “coisas melhores para ler”, me lembrei de um livro (que muitos de vocês sabem que é um de meus preferidos) que fala de amor de verdade e é extremamente bem escrito. Se você ainda não leu o “Amor de Redenção”, dê uma lida na resenha,clique aqui para ler.

Originalmente publicado no blog Cristiane Cardoso. Clique aqui para ver a postagem original.

Eu mereço ter dinheiro!

Pegando carona no assunto da minha colega de quintas-feiras Patrícia Lages (com quem tenho aprendido bastante, a propósito :-) ), a resenha de hoje é sobre o livro Eu mereço ter dinheiro! (Editora dsop), de Reinaldo Domingos. Um livrinho curto, divertido e bem instrutivo. Apesar de ser direcionado a mulheres, a mensagem pode ser aproveitada por qualquer pessoa! E mais uma vez apelo, como sempre, aos homens inteligentes que nos leem: não sejam preconceituosos com “literatura feminina”. Vocês podem ajudar suas esposas, namoradas e futuras namoradas ao ler livros direcionados a elas, como o A Mulher V ou Eu mereço ter dinheiro (a menos que vocês gostem muito de ter mulheres que não saibam lidar com dinheiro, não saibam se valorizar, não queiram melhorar e não sejam dignas de confiança… :-) ).

Antes de falar sobre o conteúdo, devo confessar que o que chamou a minha atenção de longe foi a capa. Mais chamativa, impossível! Ela simula um espelho com o título “Eu mereço ter dinheiro!” escrito com “batom” que eu acho que é rosa choque e o Davison afirma categoricamente que é vermelho. Então, para não brigar com meu marido, digamos que o batom seja um vermelho com um discreto reflexo rosado…rs… Mas a capa é lindamente escandalosa.

O autor explica os princípios básicos para se conquistar uma vida financeira estável, com bom humor, usando como exemplos as mocinhas dos contos de fadas. Quando li isso na sinopse, meu lado ranzinza já pensou: “ih, deve ser uma bobagem…” Mas como meu lado ranzinza há muito perdeu espaço para meu lado feliz, saltitante e aberto a novidades, achei que poderia ser uma grande sacada, para alcançar até mesmo as garotas mais novinhas e consumistas ou as mais velhas e bem humoradas (como eu). E acertei na mosca! (Tadinha da mosca.)

Você nunca imaginou que Branca de Neve, Cinderela, Bela Adormecida, Chapeuzinho Vermelho e suas amigas pudessem ter algo a ensinar sobre sua vida financeira, né? Elas são usadas de forma divertida, ilustrando os ensinamentos do autor. Ao ouvir isso, você pode achar que o livro parece infantil, mas não é! Aliás, Reinaldo Domingos tem livros infantis sobre educação financeira (ideia genial, se eu tivesse aprendido sobre isso na infância, teria evitado problemas sérios no meu casamento, anos depois), mas este livro, especificamente, é para mim e para você, mulher, não tente fugir e entregar para a sua sobrinha…rs…

Infelizmente, é muito pequeno o número de mulheres que têm independência financeira de verdade, porque o conceito de independência financeira pressupõe mais do que “ter o seu próprio trabalho e ganhar o seu próprio dinheiro”. Só é independente financeiramente a mulher que puder dizer que, se algo lhe acontecer e ela tiver que parar de trabalhar, ainda assim ela terá como manter seu padrão de vida hoje e no futuro. Ou seja, uma mulher que não dependa do marido, mas que tampouco dependa do trabalho para se manter. Uma mulher que tenha realmente dinheiro!

Uauuu…isso foi um soco no meu fígado, Reinaldo! Quantas mulheres podem dizer que são realmente independentes? E se você levar em consideração essa definição, verá que até mesmo as que optaram por ser donas de casa precisam de educação financeira, para ajudar seus maridos a alcançarem essa independência (ou pelo menos para não atrapalhar, instalando um ralo ligado a um buraco negro nas contas do casal).

Já contei aqui que eu tinha uma relação complicada com o cartão de crédito e descontava minha ansiedade em compras inúteis. Não comprava um monte de sapatos, nem bolsas, mas era doida por liquidação. De qualquer coisa. Desde camisetas e meias nas Lojas Americanas, até chocolates, cremes para cabelo, maquiagens e cadernos, muitos cadernos. Eu tinha um relacionamento 100% emocional com o dinheiro.

Mas não era apegada, não mesmo. Era tão desapegada que dava todo o dinheiro que eu tinha e que eu não tinha para qualquer loja que me entregasse uma bugiganga em troca..hahaha… Esse livro também trata desse tipo de problema,  lhe ensinando a ter uma relação mais racional com suas finanças. Ele fala em “amar seu dinheiro” não no sentido de fazer dele o seu deus, mas de não agir como se o odiasse (mal chega em suas mãos e você já quer passá-lo adiante). Aprender a ter uma relação mais racional é isso:

A partir de hoje, quando você passar pela vitrine de uma loja sem cair em tentação, saberá que está abdicando de ter uma bota de cano alto da grife do momento, por exemplo, porque está trocando um pequeno prazer imediato por um sonho maior e mais importante. Ou seja, você estará trocando a gratificação momentânea por algo melhor no futuro. Lembre-se: quando você se guia por impulsos, você erra!

Esse é o caminho que sempre funciona: renunciar, racionalmente. É um caminho doloroso, porque abre mão do prazer imediato por uma satisfação maior, mas que levará um pouco mais de tempo. É aquela velha luta que exercita nosso domínio próprio.

O que ele diz abaixo serve para diversas áreas da vida, desde o gerenciamento financeiro, uma reeducação alimentar, até a nossa vida espiritual! Leia isso quantas vezes precisar, saber colocar isso em prática pode fazer a diferença entre vencedores e perdedores:

Por isso, às vezes, é mais sábio ir pelo caminho mais longo para obter um sonho de consumo, sem se deixar influenciar por agentes externos, juntando o seu dinheiro primeiro para, então, de posse dele, fazer a aquisição desejada. Ao longo do processo de aplicação prática do que você está aprendendo neste livro, muitas pessoas vão lhe dizer que isso tudo é uma bobagem, que seu esforço não vai dar em nada. Suas colegas irão convida-la para praticar shopping-terapia em seus momentos de maior fragilidade, tentando desvia-la do caminho. Mas lembre-se!Os vencedores só são vencedores porque não perdem de vista uma coisa chamada resistência. Resista! Resista! E…resista!

Você está trilhando uma jornada pessoal. Ela é só sua! Ninguém mais poderá entender o que a move. Então, deixe as outras pessoas fora dela. As que realmente forem suas amigas e a amarem, certamente estarão ao seu lado lá na frente. Deixe que digam que você se tornou careta ou que anda meio desenturmada! Nada disso importa agora, porque, lá na frente, daqui a alguns anos, você estará bem de vida, e, talvez, muitas dessas pessoas que hoje a criticam não terão a mesma sorte. Se necessário, reveja seu círculo de amizades, os lugares que tem frequentado e os produtos que anda consumindo. Será que essas escolhas cotidianas realmente a fazem feliz, ou são apenas tentativas furadas de impressionar (a quem?) ou se sentir aceita (onde?)?

É tomar as rédeas da sua vida, se valorizar, assumir suas escolhas, manter o foco e seguir em frente, rumo à inevitável vitória.

Vanessa Lampert

Para ler as resenhas arquivadas, Clique aqui. E para ler as recentes, clique aqui.

PS: Me chamaram a atenção as ilustrações divertidas, economicamente espalhadas em algumas páginas, que dão um ar mais leve ao livro. Beeem antigamente, era comum encontrar ilustrações em livros adultos, hoje o trabalho desses profissionais nem sempre é valorizado. Ponto para a editora dsop, que investiu no trabalho da  ilustradora Luyse Costa.

PS2: Todo mundo já sabe como faz para que sua foto apareça ao lado do comentário? Quem ainda não fez e quiser fazer, clique aqui e siga as instruções do post :-) Mas não é obrigatório, obviamente, pode comentar em paz sem foto…rs…

Originalmente publicado no blog Cristiane Cardoso. Clique aqui para ver a postagem original.

Somos todos filhos de Deus?

“Somos todos filhos de Deus?” (Editora Unipro), do Bispo Macedo, é um livro completo e de fácil leitura. O título é polêmico, embora um dos fundamentos do Cristianismo seja o fato de que as pessoas não nascem filhas de Deus. São criaturas de Deus e só se tornam filhas depois de nascerem de novo.

Com o passar dos anos, essa lógica parece ter se perdido nas religiões. Hoje todo mundo cresce convicto de que é filho de Deus. Poucos questionam. Então quando alguém afirma o contrário, o choque é inevitável. Mas está escrito: “A todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus”(João 1:12). Ele não precisaria dar-lhes poder de serem feitos o que já eram, não é verdade? Deus deu ao homem capacidade de reproduzir-se e  desde então a responsabilidade de fazer ou não filhos é da mãe e do pai. Nascemos filhos de nossos pais.  Só nos tornamos filhos  de Deus quando nascemos do Espírito, isso é fruto de uma escolha consciente.

O livro não gasta muito tempo com a pergunta do título. Ele a responde, explicando por que nem todos são filhos de Deus, e ensina a como nascer de Deus, como recebê-lo, como ser um desses que têm a honra de ser feito filho de Deus. Entre outras coisas, fala da atuação dos espíritos malignos e da libertação, do batismo nas águas, batismo no Espírito Santo e novo nascimento, do caráter cristão e dos perigos da religião. Sim, porque muitos acreditam que pelo simples fato de frequentarem a igreja, lerem a Bíblia e executarem rituais religiosos, estão próximos de Deus, são filhos dEle ou nasceram de novo. Olhe esses trechos:

Nicodemos não foi reconhecido como um homem de Deus e isso mostra que nem todos os que ocupam cargos religiosos, ainda que sejam os mais importantes, estão na condição de pessoas nascidas de Deus. O nascido da carne acredita que seu trabalho religioso na igreja o faz aprovado como alguém espiritual. E isso não o difere daqueles que fazem caridade pelos aflitos no intuito de agradar a Deus. Obviamente, a caridade é muito bem vista diante do Altíssimo, mas não é suficiente para se alcançar a salvação. Da mesma forma, o trabalho religioso não garante a salvação de ninguém. Para Deus, o importante não é o que a pessoa faz, no que se refere às obras, mas o que ela é.

(…)

“E o Senhor lhes respondeu: “Jeitosamente rejeitais o preceito de Deus para guardardes a vossa própria tradição” (Marcos 7.9). Os religiosos não estão preocupados com o interior ou com o relacionamento com Deus, mas em satisfazer o exterior com suas tradições e aparências, que para nada servem.

O religioso é extremamente preocupado com as aparências, e mede tudo por elas. Assim, se uma pessoa, um livro, uma música ou uma igreja tem aparência cristã, o religioso a aceita. Mas se não tem a aparência que o religioso esperava que tivesse, ele logo a rejeita. Julga, condena e executa a sentença.

Eu sempre ficava intrigado com o porquê de o Espírito Santo não realizar o novo nascimento imediato nas pessoas que vinham diante do altar oferecer-Lhe a vida. (…) Hoje tenho a resposta: o problema é que ninguém pode nascer estando vivo (…) Ninguém pode viver duas vidas simultaneamente!

(…)Não se pode ter duas vidas ao mesmo tempo! (…) Se quiser a vida nova oferecida pelo Espírito Santo, terá que abrir mão da vida velha e morrer. Mas, se quiser manter a vida antiga, jamais nascerá de novo! A morte a que nos referimos aqui não é uma morte física, mas espiritual. Em outras palavras, a pessoa tem que renunciar a si mesma, sua vontade, seu eu, e passar a obedecer à Palavra de Deus.

Muito forte, não? Como alguém pode nascer de novo sem ter morrido para a vida velha? O novo nascimento se vê pelos frutos. A nova criatura tem de ser, necessariamente, diferente de quando era uma velha criatura. Isso parece óbvio, mas muitos acham que essa diferença está apenas nos hábitos abandonados: ia para a balada, agora não vai mais. Tinha muitos namorados, agora não tem mais. Bebia e fumava, agora não bebe, nem fuma. Não ia à igreja, agora vai. Isso não é novo nascimento, é apenas mudança de hábitos.

O livro explica o quanto o novo nascimento é profundo. As mudanças vão além daquilo que você pode fazer por si mesmo. Você era nervoso, agora é tranquilo, era maldoso, agora tem prazer em ajudar os outros, era fofoqueiro, agora não gosta de ouvir da vida de ninguém, tinha maus olhos, agora olha a todos da melhor maneira possível, guardava mágoa, agora sabe perdoar, era depressivo, agora é alegre e emocionalmente estável, era desonesto, agora é confiável. Era descontrolado, agora tem domínio próprio. E daí por diante. Por não entender isso, a realidade é a seguinte:

De modo geral, dentro das igrejas evangélicas, as pessoas aceitam Jesus como Senhor e Salvador apenas na teoria. Na prática, fora da igreja, suas atitudes não têm nada a ver com a fé apresentada diante do altar.

Não só as atitudes. Eu  gastei horrores com antidepressivos que não resolveram nada (só davam muuuitos efeitos colaterais). Passei um tempão da minha vida culpando meus neurotransmissores, achando que o problema era físico. Hoje estou convicta de que o problema físico é consequência, e não causa. A causa está dentro da nossa alma. Enquanto houver espaços vazios, há lugar para que o mal se instale e bagunce nossos neurotransmissores. Então, se você está dentro de uma igreja, acha que é de Deus, e tem sofrido com depressão, não se engane. Seja humilde e parta do zero, seguindo o conselho do autor do livro, pois funcionou comigo:

Busque Aquele que tem o poder de curar a sua alma! Assim, quando Ele ocupar todos os espaços de sua vida, a depressão o abandonará para sempre.

Eis algo extremamente negligenciado por quem cai no sono da religiosidade: O filho se parece com o Pai. Talvez por não conhecer a Deus, não saber como Ele é, muitas pessoas têm dificuldade de medir isso, mas é necessário.

Não há como negar a obrigatoriedade de os filhos de Deus terem caráter semelhante ao do Senhor Jesus. Trata-se da imagem de Deus restabelecida no ser humano nascido do Espírito. Pois o mesmo Espírito que gerou Jesus gera os demais sem qualquer distorção de caráter. Quando alguém se posiciona como filho de Deus, mas tem comportamento contrário, certamente está enganando a si mesmo. (…) O primeiro ensinamento do Senhor, no Sermão do Monte, foi sobre a humildade. Ela foi estabelecida como condição básica para a entrada no Reino de Deus. “Bem aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mateus 5:3).

A humildade é característica necessária desde o início, para admitir sua necessidade de nascer de novo, até o fim, para sempre ter a noção de que sua vida depende de Deus. Faz parte do caráter dos filhos de Deus, pois é a única forma de manter-se obediente a Deus, com bons olhos e firme na fé.

Para se tornar filho dEle precisa, antes de tudo, conhece-lo como Ele é. Engolir seu orgulho, vestir-se da mais sincera humildade e aprender como Deus é de verdade. A quem você quer enganar? Quanto tempo vai continuar fingindo ser quem você gostaria de ser, mas que não é, na verdade?

Passei anos assim. Anos. E não era um fingimento consciente, não, eu realmente achava que não precisava nascer de novo. Achava que era filha de Deus pelos anos que tinha de igreja, ou por minha atitude ética (não matava, não roubava, não fumava, não bebia, não me prostituía, não adulterava, odiava mentira, não fazia nada de “errado”, tinha um forte “senso de justiça” – que me fazia brigar com todo mundo…rs – em que tinha que mudar?).

Ao ler “Somos todos filhos de Deus?” Você vai entender que ser filho de Deus não é falar evangeliquês, cantar musiquinha gospel, condenar pessoas ao fogo do inferno, apontar o dedo para os outros e empreender cruzadas contra as pessoas que não são religiosas, como fazem aqueles que mais parecem contratados do exército inimigo para atrapalhar a causa. Ser de Deus, ser filho de Deus, é ter o caráter do Pai, estar disposto a renunciar a tudo, inclusive a si mesmo, para conhecê-Lo e poder ser chamado seu filho e seu amigo. E assim, naturalmente, fazer as obras do Pai e ajudar aos que sofrem.

Vale a pena ler ou reler. Eu tinha lido mais de uma vez, aliás, pois me lembro que um pastor fez até um estudo a respeito, mas relendo agora, em alguns pontos era como se eu não tivesse lido! Bons livros são assim, sempre nos trazem coisas novas, não importa quantas vezes os leiamos. :)

Vanessa Lampert

Para ler as resenhas arquivadas, Clique aqui. E para ler as recentes, clique aqui.

Originalmente publicado no blog Cristiane Cardoso. Clique aqui para ver a postagem original.

Livros que não são o que parecem – Oração A Chave do Avivamento

O livro “Oração: a chave do avivamento” (Prayer that brings revival), de Paul Yonggi Cho, é um clássico pentecostal. Recebi um alerta do Bp. Marcelo Pires, sobre o autor dizer, na introdução, que o “avivamento” (muitas aspas aí) ocorrido em Pensacola, na Flórida, foi resultado de suas orações. Acontece que esse “avivamento” foi um marco da fanerose, o popular “cair no poder”.

Olhei a introdução em português e não encontrei nada a respeito. No entanto, ao ler o mesmo livro em inglês, fiquei surpresa ao constatar que a editora brasileira retirou nada mais, nada menos do que SEIS páginas da introdução original! Será que acham que adianta tirar o mofo de cima do alimento embolorado? Se você pensa assim, aviso: fungos liberam toxinas. Mesmo que os retire e não os veja mais, há, digamos assim, “raízes invisíveis” que contaminam todo o alimento. Uma vez que a coisa começa a mofar, a única saída segura para a sua saúde é jogar tudo fora.

Yonggi Cho parece muito “espiritual” e diz algumas coisas que são verdade, misturadas com muita toxina, capaz de imobilizar sua fé. Começo com alguns trechinhos da introdução em inglês traduzida (página 10 à página 17):

Em 1991, depois de uma temporada de intensa oração e jejum, uma visão profética começou a se desenrolar diante de meus olhos.(…). Na direção do Espírito Santo, eu estendi um mapa da América e permiti que o Espírito guiasse minha mão até a área onde esse avivamento despontaria. Meu dedo parou em Pensacola, uma cidade da Flórida nada associada a fervor espiritual.

Me parece aquela prática de comunicação com espíritos, chamada de “Tabuleiro Ouija”, em que a pessoa utiliza uma superfície plana com letras ou outros símbolos e deixa que seu dedo, copo ou qualquer outro objeto seja guiado pela entidade espiritual, para enviar mensagens.

Naquela noite em 1991, eu acreditei ter ouvido a voz do Senhor, alta e clara: “Eu vou enviar o avivamento para a cidade costeira de Pensacola, e ele se espalhará como fogo até que toda a América tenha sido consumida”.

“Ele se espalhará como fogo até que toda a América tenha sido consumida” me parece uma espécie de ameaça, não parece?…rs…

Após isso, ele conta que quando o Pastor Kilpatrick soube da “profecia”, e em vez de procurar saber se aquilo realmente vinha de Deus, começou, em suas orações, a pedir que aquele “avivamento” viesse logo. A mãe desse pastor adoeceu, e quando ela morreu, ele estava “fisicamente e emocionalmente esgotado”. Acredito que esse ambiente de fragilidade emocional do pastor responsável tenha sido importante para a ação desse espírito enganador.

Kilpatrick sentiu a sensação de vento no santuário. Uma pessoa após a outra caiu no chão assim que Hill orou por elas. Outros choravam, alguns sacudiam violentamente. Hill fez uma oração simples para Kilpatrick já que ele estava no palco. “Mais, Senhor”, disse ele, e o pastor caiu no chão, onde ficou por quase quatro horas.

Isso foi em junho de 95. Tenha em mente que em janeiro de 94 havia acontecido o que chamam de “bênção de Toronto”, outro marco do movimento do “cai-cai”. Sabendo disso, o povo de Pensacola recebeu a Fanerose de braços abertos, sem questionar.

“Quando eu bati no chão, me senti como se eu pesasse dez mil libras,” Kilpatrick disse à revista Charisma. “Eu sabia que algo sobrenatural estava acontecendo. Deus foi nos visitar.”

O fato de algo sobrenatural estar acontecendo não significa que seja Deus, ainda mais quando você sente como se pesasse quatro toneladas e meia! Isso não está certo e não é bíblico. Quem caiu na Bíblia, ou caiu porque desmaiou – ou quase desmaiou – de medo ou de susto (Daniel descreve como “desfaleceu a minha formosura”), ou caiu endemoniado, mesmo.

Sempre que alguém tenta usar um versículo fora de contexto como base bíblica para o cai-cai, eu me lembro de Ezequiel. Ele teve uma visão espiritual assustadora, até que se deparou com o trono do próprio Deus e Sua glória. Apavorado, caiu com o rosto em terra. Os entusiastas da fanerose terminam aí. Acham que ele caiu por não suportar a glória de Deus. O que acaba com todas as dúvidas em relação a um provável apoio ao cai cai como manifestação do Espírito de Deus são os dois versículos seguintes. Com Ezequiel estatelado diante dele, qual foi  reação de Deus?  (Ezequiel 2:1,2)

Esta voz me disse: Filho do homem, põe-te em pé, e falarei contigo. Então, entrou em mim o Espírito, quando falava comigo, e me pôs em pé, e ouvi o que me falava.

Amigos, não está bem claro? Quando recebeu o Espírito Santo, Ezequiel ficou de pé. E Deus ainda colocou a condição: “põe-te em pé, e falarei contigo”. O espírito manifestado em Pensacola com certeza não é Aquele que falou com Ezequiel.

Bem, daí para diante, a igreja de Pensacola inchou, e Cho cita esse fato como se fosse prova de que era de Deus. Número de pessoas na igreja não significa aumento de pessoas salvas. O ser humano é doido por um showzinho, e é isso que a manifestação emocional/demoníaca (uma coisa leva à outra, não duvide) traz.

O autor ainda tenta me convencer a ser educadinha com o diabo:

Contudo, o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não se atreveu a proferir juízo infamatório contra ele; pelo contrário, disse: O Senhor te repreenda. Estes, porém, quanto a tudo o que não entendem, difamam; e, quanto a tudo o que compreendem por instinto natural, como brutos sem razão, até nessas cousas se corrompem. “(Jd 1: 8.10.).

Yonggi Cho diz:

Os versos citados revelam um fato muito significativo sobre nosso adversário, o diabo. Satanás é um príncipe com um poder considerável. E Judas diz também que ele não pode ser tratado levianamente, como alguns crentes costumam fazer. Embora seu poder sobre a propriedade divina tenha sido destruído, ele ainda é um oponente muito perigoso.

Judas não está dizendo que temos que respeitar o diabo! Está falando de um grupo de pessoas dissimuladas dentro da igreja (o autor tirou os versículos do contexto!). “O Senhor te repreenda” é exatamente o que fazemos quando usamos o nome de Jesus. Nossa atitude diante do diabo não deve ser: “oh, ele é um oponente muito perigoso, não podemos tratá-lo levianamente, vamos expulsá-lo com cuidado, para que não se ofenda”.  Davi, diante de Golias, que representava ali o próprio satanás, disse: “Quem é esse incircunciso filisteu, para afrontar o Exército do Deus vivo?” Essa é a reação do nascido de Deus diante do diabo. Se você está com Deus, qualquer ataque contra você é feito contra o próprio Deus!

Fora isso tudo, o livro tem vários outros problemas. Vários. Eu não terminaria hoje se copiasse um por um. Mas vou falar de um deles. Cho substitui tudo (obediência, fé, confiança, amor, novo nascimento) por uma oração religiosa. Não me entenda mal, oração e jejum são necessários, mas o autor os explica de forma ritualística e religiosa, como se houvesse um código secreto para se chegar até Deus.

Esse era um dos grandes problemas que eu tinha nas outras igrejas. Você aprende a “receita” da “oração eficaz” e procura indícios emocionais que lhe “provem” que recebeu alguma resposta. Não ensinam a usar a fé. Não fazem a menor ideia do que ela significa. Sem convicção e certeza, a oração é ineficaz, são palavras vazias. A oração pode ser um aparelho para se comunicar com Deus, mas a fé é a linha telefônica. Se o pastor não ensinar o povo a usar sua fé, não adianta ensiná-los a orar, pois será como ter um iPhone sem ter uma linha habilitada. No caso de Cho, um iPhone quebrado.

A pessoa não deve seguir um manual religioso ao orar, basta conversar com Deus, com suas palavras, com sua simplicidade, mesmo que não seja muito eloquente. A Bíblia diz que Moisés falava com Deus como quem fala com um amigo. A pessoa é capaz de passar horas me contando seu problema, explicando com detalhes seu sofrimento, mas quando eu lhe digo para falar com Deus, ela não sabe como fazer. Ué, mas não acabou de contar toda a sua vida para mim? E nem adianta me dizer que é porque não vê Deus, pois hoje em dia as pessoas têm a maior facilidade em desabafar pela internet com quem nunca viram na vida. Pense que é como se você tivesse um Msn na cabeça e Deus estivesse online 24 horas. Você não falaria com Ele o tempo todo? Não é muito mais simples do que a religião faz parecer?

A forma desse livro explicar a oração afasta as pessoas de Deus. Mesmo que o autor diga que você também pode fazer o que ele faz, deixa toda a experiência tão mística, emocional e distante, que parece totalmente impossível ter uma comunhão decente com Deus! Ele diz que antes de cada reunião, leva horas de oração religiosa…

Antes de subir ao púlpito para pregar, tenho que passar pelo menos duas horas em oração. Quando vou pregar no Japão (…) tenho que passar pelo menos de três a cinco horas em oração. Como sempre prego em japonês, sinto com muita nitidez a grande oposição espiritual (…) Portanto, tenho que passar todo este tempo em oração, para conseguir impedir a ação das forças espirituais do mal, e preparar meu coração para o ministério da Palavra. Com uma comunhão tão intensa, não disponho de tempo para dedicar à convivência com outros crentes, como certamente gostaria de fazê-lo.

Me diz se esse parágrafo não te faz achar que esse tipo de “comunhão intensa” é apenas para Super Crentes? Me pergunto se Paul Yonggi Cho sobreviveria se tivesse de fazer reuniões de libertação com milhares de pessoas, programas de televisão, evangelização em presídios e ainda atender pessoas com diversos tipos de problemas depois de cada reunião em uma igreja aberta de domingo a domingo, de manhã até à noite,  e que é atacada, odiada, alvo de todos os tipos de trabalhos espirituais do mal absolutamente o tempo inteiro.

Para dizer a verdade, esse foi um dos piores livros que já resenhei até agora, pois sem aquele pedaço da introdução, pode passar como um alimento espiritual positivo, já que fala muitas coisas certas, o cara parece super espiritual, enaltece seu ministério de todas as formas possíveis  e se “Bom dia, Espírito Santo” enganou muita gente boa, creio que Yonggi Cho tem um potencial destrutivo bem maior.

Vanessa Lampert

Para ler as resenhas arquivadas, Clique aqui. E para ler as recentes, clique aqui.

PS: Fiz um texto explicando detalhadamente essa passagem de Judas, sobre Miguel e o diabo, caso alguém ainda tenha dúvida. Clique aqui para ler.

PS2: Repito o que disse em outra resenha: Antes que alguém me venha com “reter o que é bom”, se o livro é inspirado por espírito enganador, como reter o que é bom? Vamos aprender a não retirar os versículos de seu contexto. Paulo diz: “Não desprezeis as profecias; julgai todas as coisas, retende o que é bom; abstende-vos de toda forma de mal” (I Tessalonicenses 5:20-22)

Update: Nem todos os livros que não são da IURD são “do mal”. Esta série fala de não se deixar levar pelas aparências. Quanto ao fato de eu apoiar quem limita sua leitura espiritual aos livros da IURD, escrevi a respeito aqui. Clique para ler.

Originalmente publicado no blog Cristiane Cardoso. Clique aqui para ver a postagem original.

Abra o coração e feche a geladeira

“Abra o coração e feche a geladeira” (“Made to Crave”, Editora Thomas Nelson), de Lysa TerKeurst, é uma abordagem cristã ao tema “fazer as pazes com a balança”, mas o assunto principal é o relacionamento com Deus e o domínio próprio. Lembro que por muito tempo eu queria me convencer de que tinha Deus, mas escorregava sempre na falta do bendito domínio próprio. Como a Bíblia deixa muito claro que ele é uma das características do Fruto do Espírito, tive que engolir meu orgulho e assumir que precisava nascer de novo.

Achei bacana esse assunto em um livro cristão. Porque o pensamento religioso corrente é quase o de que somos almas penadas vagando por aí sem corpo! Acho engraçado como as pessoas têm coragem de dizer que cuidar da alimentação não é um assunto espiritual, mas assim que o excesso de peso causa doenças, correm para Deus pedindo cura. Ué, antes não era espiritual, agora é? Será que não dá para levar isso a sério desde o começo?

Lysa teve problemas com o excesso de peso. Chegou aos 90kg e continuava comendo de maneira emocional e dando justificativas estapafúrdias para seus maus hábitos. Ela faz pensar sobre suas escolhas e consequências.

Se eu fosse honesta comigo mesma, minha questão seria simples e clara: falta de domínio próprio. Poderia disfarçar e justificar esse problema durante o dia todo, mas a verdade era que eu não tinha um problema de peso; eu tinha um problema espiritual; eu dependia da comida para me consolar mais do que dependia de Deus. E simplesmente era preguiçosa demais para encontrar tempo para fazer exercícios.

Violento, não? Mas real. Quantas vezes já dissemos que Deus era o primeiro em nossa vida, mas colocamos outras coisas na frente dele, sem perceber? Se você depende de alguma coisa mais do que de Deus, se algo externo ou interno (como um comportamento ou impulso) te controla, te domina, alguma coisa está terrivelmente errada.

Achei muito legal o que ela fala a respeito do desejo. Ela explica que o ser humano foi criado para desejar, mas que esse desejo só pode ser satisfeito por Deus. Ansiamos Deus, mas antes de descobrirmos isso, tentamos preencher nossas lacunas com comida, compras, relacionamentos, entretenimento, trabalho, sexo e qualquer coisa que nos traga algum vislumbre de prazer momentâneo. Mas aquele desejo profundo nunca é suprido…é o que muitos denominam de “vazio”.

Quando eu era mais nova, tentava preencher esse vazio com compras (de qualquer tipo, até na farmácia, o negócio era comprar o que meus olhos desejassem e que pudesse ser parcelado em dez vezes no cartão!) e, antes de me casar, com paixões platônicas. Eu não namorava ninguém e era contra “ficar”, mas criava histórias na minha cabeça e me alimentava delas (tenho vergonha dos meus diários daquela época, nem te conto!). Mas nunca era suficiente, porque o vazio é um buraco negro, meus amigos, suga tudo para dentro de si, a única coisa que acaba com ele é a presença de Deus.

Por não conseguir poder controlar muito da sua vida, Amy sentiu que não conseguiria mais restringir as suas escolhas alimentares. A comida foi o entorpecente que ela escolheu.

Isso é profundo. Existem pessoas usando comida como entorpecente. E morrendo de culpa depois.

A autoestima de Lysa foi comprometida por ter sido abandonada pelo pai e abusada pelo avô. Ela mostra que mesmo as feridas mais profundas podem ser curadas através de um relacionamento com Deus.

Por anos a fio olhei para as flores das pessoas e secretamente as desejei para o meu prazer. Entretanto, o vislumbre desse homem cavando fundo da terra com suas mãos me trouxe uma nova revelação. Ele tinha um jardim porque havia investido tempo e energia para fazê-lo. Seu desejo não foi transformado em um jardim. Sua esperança não foi transformada em um jardim. Ele não se levantou um dia e encontrou um jardim com flores desabrochando de forma miraculosa na terra.

Não dá para você olhar aquela bonitona magra e definida e sentir inveja! Se você não está disposta a pagar o preço que ela paga para ter aquele corpo, você não quer aquele corpo. Se não estiver disposta a pagar o preço de investir tempo e energia para fazer um jardim, você não quer um jardim.

Recomendo o livro, com toda certeza. Apesar do tema denso, a leitura é leve e divertida, embora comece em um ritmo lento. Só não gostei do resumo no final de cada capítulo, com perguntas para ver se o leitor entendeu. Sempre me irrito com isso, e se alguém não se irrita, por favor, me explique como esse tipo de coisa te ajuda que eu realmente tenho curiosidade em saber.

É diferente de ter uma tarefa no final do capítulo. Tarefa é legal, incentiva a colocar em prática, mas esses resumos com perguntinhas, ainda mais depois de capítulos tão curtos, me parecem cansativos.

Outro problema foi a tradução/revisão (como não tive acesso ao original em inglês, não sei dizer se foi uma ou outra, ou as duas). Alguns trechos precisam urgentemente ver um revisor, como o feioso abaixo:

É como descascar as camadas de uma cebola. Apenas quando você pensa que tirou um pedaço dela, você percebe que existem muitas camadas ainda.

Um recado às editoras: respeitem os leitores. Vale a pena investir em boa revisão, principalmente em obras traduzidas. No caso de “Abra o coração e feche a geladeira” os erros não foram suficientes para que eu tenha vontade de jogar o livro pela janela, mas podem atrapalhar a compreensão de um leitor mais desatento, que provavelmente terá de ler mais de uma vez para entender alguns trechos.

No geral, acho que o maior mérito do livro é tirar as coisas da esfera emocional e trazer para a esfera racional. E fazer isso com leveza e humor. Jamais me esquecerei, por exemplo, de que:

As batatinhas fritas não me amam

:-)

Lysa é radical porque o problema dela com comida era bem sério. Não acho que devamos nos privar de todo e qualquer chocolate, por exemplo. Cada um deve saber os seus limites, suas fraquezas e fazer as coisas com sabedoria. Melhor se privar e ficar bem do que fazer concessões e ver todo o seu esforço ir por água abaixo. Afinal de contas,

Nenhuma comida jamais terá o sabor mais doce do que o da vitória.

Vanessa Lampert

Para ler as resenhas arquivadas, Clique aqui. E para ler as recentes, clique aqui.

PS: Não desisti da série “Livros que não são o que parecem”, viu? Sábado teremos mais um, aguardem. E estou anotando todas as sugestões de livros que vocês dão, estão todos em minha interminável lista. :-D

PS2: A Tamires de POA, e a Jéssica de BH me lembraram (nos comentários deste post) a respeito das Dicas Radicais, do Blog da Nanda Bezerra! Quem não está acompanhando, vale a pena! Clique aqui para acessar as dicas da Nanda! Obrigada, meninas!

Originalmente publicado no blog Cristiane Cardoso. Clique aqui para ver a postagem original.

Cristianismo puro e simples

Depois de tantas resenhas de livros ruins, eis que lhes trago um oásis no deserto. :-) A recomendação pública deste livro foi feita pelo Bispo Renato, neste post (clique para ler), e me convenceu rapidinho. “Cristianismo puro e simples” (Mere Christianity), da Editora WMF Martins Fontes, é leitura obrigatória para todos aqueles que se dizem cristãos ou se interessam pelo cristianismo.

Eu considero C.S Lewis um gênio da literatura. E não sou a única, é um consenso. Além de excelente escritor, ele era muito inteligente e tinha um raciocínio lógico fantástico. Foi ateu por muitos anos, e se converteu a uma fé bastante racional e segura. Ele era ateu de verdade, não ateu de modinha, como vemos hoje em dia.

Quer saber se o cara é ateu de verdade? Se ele odeia Deus, gasta seu tempo esculhambando Deus e os crentes, é raivoso e gosta de se mostrar superior, ele não é verdadeiramente ateu, só tem um problema pessoal com a ideia de Deus e quer fazer birra para chocá-Lo. Veja bem, eu não acredito em Coelhinho da Páscoa. Por que raios gastaria meu tempo falando mal do coelhinho da páscoa, rindo de quem acredita no coelhinho da páscoa, fazendo palestras para convencer as pessoas a não acreditarem no coelhinho da páscoa? Não seria ridículo?  O verdadeiro ateu não odeia algo que ele acha que não existe! Ele simplesmente não acredita. Mas tem boa vontade, está aberto, e quando conhece a Deus, deixa de ser ateu!

Este livro foi baseado em uma série de programas de rádio que ele fez durante a Segunda Guerra, explicando o cristianismo em termos simples. Sim, a explicação é simples, a linguagem é fácil e coloquial. No entanto, é impressionante observar que o que era simples, acessível e escrito para o cidadão comum naquela época, hoje talvez não seja compreendido com tanta facilidade por qualquer pessoa. Digo isso porque ele exige que seu cérebro acompanhe o raciocínio. Exige que a criatura raciocine, coisa que as pessoas hoje em dia não estão acostumadas a fazer. A sociedade deu uma emburrecida considerável nas últimas décadas. Cada vez mais nós, que preferimos pensar a viver pela emoção, nos sentimos alienígenas nesta sociedade. Mas você, que lê esta coluna, é uma pessoa que não tem preguiça de pensar e quer exercitar seus neurônios, não é verdade? Então vai gostar desse livro.

Ele consegue explicar com clareza os fundamentos da nossa fé. É a mesma fé, o mesmo Espírito! Eis uma raridade: encontrar um livro cristão verdadeiramente cristão. Até o entendimento dele sobre a trindade é o mesmo que eu tive há alguns anos, ao ler um livro de…física! …rs… (vou reler para fazer uma resenha aqui também…hahaha…me aguardem)

Sabe aquelas perguntinhas cretinas que te fazem de vez em quando, de “como é que Deus pode ser três e um ao mesmo tempo?” Então…essas e outras explicações estão lá, para quem quiser pensar.

Acho que esse trecho é o melhor resumo que já vi alguém fazer sobre o cristianismo:

O cristianismo concorda com o dualismo em que o universo está em guerra, mas discorda que seja uma guerra entre forças independentes. Considera-a antes uma guerra civil, uma rebelião, e afirma que vivemos na parte do universo ocupada pelos rebeldes.

Um território ocupado pelo inimigo — assim é este mundo. O cristianismo é a história de como o rei por direito desembarcou disfarçado em sua terra e nos chama a tomar parte numa grande campanha de sabotagem. Quando você vai à igreja, na verdade vai receber os códigos secretos mandados pelos nossos amigos: não é por outro motivo que o inimigo fica tão ansioso para nos impedir de frequentá-la.

Não é exatamente isso, amigos? Céus, é exatamente assim que a coisa toda funciona! Tem forma mais clara de condensar toda a extensa explicação sobre guerra espiritual? C.S Lewis trabalha muito com analogias, que é a melhor forma – na minha opinião – de explicar coisas aparentemente complexas e fazê-las acessíveis a qualquer pessoa. Faz parte da argumentação lógica. Isso faz com que a leitura desse livro seja tão prazerosa. Você vai se divertir, além de aprender muito.

Agora veja isso:

Quanto mais tiramos do caminho aquilo que agora chamamos de “nós mesmos” e deixamos que Ele tome conta de nós, tanto mais nos tornamos aquilo que realmente somos. (…) De nada vale procurar “ser eu mesmo” sem Ele. Quanto mais resisto a Ele e tento viver sozinho, tanto mais me deixo dominar por minha hereditariedade, minha criação, meus desejos naturais e o meio em que vivo. Na verdade, aquilo que chamo com tanto orgulho de “eu mesmo” é simplesmente o ponto de encontro de miríades de cadeias de acontecimentos que não foram iniciadas por mim e não poderão ser encerradas por mim. Os desejos que chamo de “meus” são meramente os desejos vomitados pelo meu organismo físico, incutidos em mim pelo pensamento de outros homens ou mesmo sugeridos a mim pelos demônios.

Eu li isso, boquiaberta, pensando em quantas vezes dei essa mesma explicação a tantas pessoas, explicando o porquê apenas a entrega incondicional do seu “eu” a Jesus faz com que você descubra quem você realmente é. Eu só me tornei eu mesma, só descobri quem eu era, depois que morri para mim mesma, depois que morri para este mundo, sacrifiquei minha vida para viver a vida dEle. Aí, sim, me libertei de todas essas influências e descobri o caminho para me transformar, dia após dia, na pessoa que Ele quer que eu seja. Que é quem realmente sou. Esse processo não tem fim, pois é um processo de aperfeiçoamento, mas somente quando se nasce de novo é que a coisa começa a ficar realmente divertida. A propósito, ele explica o novo nascimento, a substituição, todo o processo desde Adão e Eva…

O início do livro parecia um livro de filosofia, mas depois vai se abrindo para uma literatura de qualidade, com todos os seus elementos. Se eu colocasse aqui todos os trechos que achei fortes neste livro, ganharia o prêmio de maior resenha do mundo. Mas salvei diversos deles e vou fazer bilhões de posts sobre isso em meu blog…rs…com trechos do livro, não tem jeito, é daquelas coisas que você lê e quer compartilhar com todo o universo.

Mas Vanessa, esse livro não tem problema algum? Tem. Tem alguns. São ínfimos em relação ao todo, mas tenho que citar os mais importantes. Primeiro, quando ele diz:

A teologia é como um mapa. (…) No passado, quando havia menos instrução formal e menos discussões, talvez fosse possível passar com algumas poucas idéias simples sobre Deus. Hoje não é mais assim. Todo mundo lê, todo mundo presta atenção a discussões. Consequentemente, se você não der atenção à Teologia, isso não significa que não terá ideia alguma sobre Deus. Significa que terá, isto sim, uma porção de ideias erradas — ideias más, confusas, obsoletas.

Acredito que na época em que esse livro foi escrito (início da década de quarenta) isso fosse verdade. No entanto, hoje em dia a teologia é que tem levado muita gente sincera à morte espiritual, com uma porção de ideias erradas, más, confusas e obsoletas. Mas nada do que ele explica precisaria de qualquer estudo teológico tradicional, está tudo bem claro na Bíblia. E se alguém acha que a Bíblia é uma leitura muito complexa e que precisa de uma interpretação especial feita por grandes estudiosos, me desculpe, isso não é verdade.

Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos, e as revelaste aos pequeninos. (Mateus 11:25)

Basta ter o Espírito Santo, pois a promessa feita a respeito é que:

Quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade. (João 16:13)

O segundo problema do livro possivelmente é ligado ao primeiro. É a primeira e única vez que eu noto uma interferência das tradições religiosas do autor neste livro (já havia notado o mesmo problema em outro livro dele):

Por mais que você sofra nessa vida terrena, por mais que passe por purificações inconcebíveis depois da morte (…)

Purificações depois da morte, amiguinho? Segundo a Bíblia, morreu, morreu. Não tem essa de purificação depois da morte. Isso é ideia católica, que provavelmente a igreja Anglicana arrastou consigo. Desconsiderem.

O terceiro problema é:

Quando as tribulações chegam – doenças, problemas de dinheiro, novos tipos de tentação —, ele se decepciona. Aos olhos dele, essas coisas foram necessárias antes, para despertá-lo e fazê-lo arrepender-se; mas, e agora: por quê? Porque Deus o está obrigando a progredir ou subir a um novo nível (…)

Mais influência da religião. Doença não é tribulação, miséria não é tribulação. Tribulação é o que a gente passa por causa do evangelho, as perseguições, as dificuldades. Pode acontecer de Deus usar uma situação colocada pelo mal para que você “suba a outro nível”? Pode, mas não foi algo provocado por Ele, o que Ele fez foi usar o limão para fazer uma limonada. Se foi isso o que C.S Lewis quis dizer, concordo com ele. Mas se era a velha ideia religiosa de que doença é provação de Deus para que você progrida, isso já matou a fé de muitos crentes por aí. E matou os próprios crentes, também.

Mas como eu disse, esses são probleminhas minúsculos dentro de um livro excepcional. Apenas comento porque julgo necessário. Quando ele pensava dentro da Palavra de Deus, pensava com bastante clareza e lucidez. Mas infelizmente naquele tempo não existia o que temos hoje.

Abaixo, um trecho muito legal sobre amor (eu disse que não colocaria mais trechos, mas não resisti…rs…

Em primeiro lugar, quanto ao significado da palavra. “Caridade” hoje significa simplesmente o que antes se chamava “esmola” — ou seja, o que damos para os pobres. Originalmente, seu significado era muito mais amplo. (Você vai entender por que ela ganhou essa acepção moderna: se uma pessoa é “caridosa”, dar esmolas aos pobres é uma das coisas mais óbvias que ela faz, e, assim, as pessoas passaram a dar a esse ato o nome da própria virtude. A mesma coisa aconteceu com a poesia, cuja expressão mais óbvia é a rima. Ora, para a maioria
das pessoas, hoje, a “rima” é a própria poesia.) A caridade significa “amor no sentido cristão”. Mas o amor no sentido cristão não é uma emoção. Não é um estado do sentimento, mas da vontade: aquele estado da vontade que temos naturalmente com a nossa pessoa, mas devemos aprender a ter com as outras pessoas. No capítulo sobre o perdão, observei que o amor que temos por nós mesmos não implica simpatia por nós mesmos. Significa que queremos nosso próprio bem.
(…)

Veja se isso não é a fé que temos vivido!  A fé inteligente e sacrificial:

As únicas coisas que podemos conservar são as que entregamos a Deus. As que guardamos para nós são as que perderemos com certeza.

Vanessa Lampert

Para ler as resenhas arquivadas, Clique aqui. E para ler as recentes, clique aqui.

PS: Eu acho o estilo dele muito parecido com o estilo do Bispo Renato. Como diz meu marido, são textos que dão “cócegas no cérebro”…rs…

PS2: Esse é para quem me perguntou se não existem livros cristãos bons de escritores de fora da IURD. Eis uma raridade…rs…

PS3: Outro problema desse livro é a editora. Alguém me explica por que raios escolheram essa capa sem graça para os livros do C.S Lewis (exceto as crônicas de Nárnia, essas ficaram caprichadinhas)? Todas são iguais, só muda o tom do fundo! Parece que a intenção é que ele não seja vendido, nem sequer visto!

PS4: A série de “livros que não são o que parecem” não acabou, não! Tenho vários na fila! E cada vez chegando mais…hahahaha…

Originalmente publicado no blog Cristiane Cardoso. Clique aqui para ver a postagem original.

Livros que não são o que parecem – Bom dia, Espírito Santo

Para quem não conhece, Bom dia, Espírito Santo (Good Morning, Holy Spirit) é um best-seller de Benny Hinn, pregador que se tornou famoso por derrubar as pessoas. Eu li esse livro na pré-adolescência (tinha uns 12 ou 13 anos), época em que estava em outra denominação e não conhecia o Espírito Santo, nem tinha muito senso crítico, então entrei na onda de todo mundo e achei o máximo, mas o tempo passou e eu nem me lembrava mais dele.  Então, há alguns anos, depois de ter recebido o Espírito Santo e de conhecer a Deus, resolvi reler, para saber o que acharia agora, depois de ter tido minhas próprias experiências com Deus. Gastei meu tempo e compartilho aqui a experiência para que você não precise gastar o seu e possa orientar a quem lhe perguntar a respeito dele.

O que este livro diz que é? Vamos ler a sinopse:

“Em “Bom Dia, Espírito Santo”, Hinn apresenta descobertas e verdades que Deus lhe tem ensinado através dos anos. Você irá adquirir um conhecimento mais profundo da Divindade e como os membros da Trindade interatuam entre si e conosco. “

Nãããão!!! Não acredite nessas palavras bonitas. Você não vai descobrir nada, nem adquirir coisa nenhuma, e já te explico o porquê.  Quem Benny Hinn “encontra” é uma entidade que se faz passar pelo Espírito Santo. A experiência que ele descreve é 100% emocional e, sinceramente, se alguém me dissesse que passou por aquilo, eu o encaminharia a uma reunião de libertação, com urgência.

Ele foi a uma reunião em que viu uma mulher manifestada com o que ela dizia ser o Espírito de Deus.

O culto só começaria dali a uma hora. Tirei o casaco, as luvas e as botas. Enquanto relaxava, percebi que tremia mais que antes. Não conseguia parar. As vibrações percorriam meu braço e pernas, como se estivesse ligado a uma espécie de máquina. A experiência era nova para mim. Para ser sincero, sentia medo.

Ele continua explicando a sensação, mas olha que esquisito:

Enquanto o órgão tocava, eu não conseguia pensar em outra coisa além do tremor em meu corpo. Não era uma sensação de “doença”. Não era como se estivesse pegando um resfriado ou uma virose. Na verdade, quanto mais continuava tanto mais bela parecia.

Afinal de contas, ele estava com medo, o tremor o incomodava tanto que não conseguia pensar em outra coisa, mas “quanto mais continuava tanto mais bela parecia”? O que significa isso? Não vi nada de belo em ter uma tremedeira descontrolada, incômoda e assustadora, do nada! Sabe o que é isso? A valorização da sensação. Já entro em detalhes quanto a isso.

Nesse momento, como se saísse do nada, Kathryn Kuhlman apareceu. Num instante a atmosfera naquele prédio ficou carregada.

“A atmosfera naquele prédio ficou carregada”. Mais um que precisa urgentemente de uma sessão de descarrego.

A evangelista continuou chorando por um período de mais ou menos dois minutos. Depois jogou a cabeça para trás. Ali estava ela, a alguns passos de mim, com os olhos chamejantes. Estava viva.

Desculpe, amigos, mas tenho que interromper. A linguagem deste livro é totalmente emocional, mais até do que a do “A Cabana”, mas o espírito é bem parecido.  Mas veja só por quê. O espírito que estava nessa mulher (e depois passou para o autor do livro) é extremamente teatral, performático. Ficou chorando convulsivamente por dois minutos, depois jogou a cabeça para trás.

Naquele momento ela mostrou uma ousadia que eu nunca vira em outra pessoa. Apontou com o dedo em riste, com enorme poder e emoção e até mesmo sofrimento. Se o próprio diabo estivesse lá, ela o teria derrubado com um simples golpe.

Ousadia, poder, emoção, sofrimento? Essa foi uma das cenas mais bizarras do livro. Só detalho aqui porque é a origem de todo o “Ministério” desse indivíduo. Vê-se com clareza que esse espírito é estranho.

Foi um instante de incrível dimensão. Ainda soluçando, Kathryn olhou para a audiência e disse em agonia: – por favor. – Ela pareceu esticar a palavra: – Por fa-a-vo-or, não entristeçam o Espírito Santo. –  Ela suplicava. Se você puder imaginar uma mãe rogando a um assassino que não mate o seu bebê, terá uma ideia do quadro. Ela pedia e suplicava.

Note que o autor evoca a imagem mais emocionalmente tocante o possível. Ele não se importa com o fato da coisa toda ser completamente desprovida de sentido, ele apenas quer que você “sinta” e para isso coloca essas frases sentimentais e sensoriais. Agora, como assim “uma mãe rogando a um assassino que não mate o seu bebê?” Veja que o Espírito Santo é colocado aqui em uma posição de fragilidade, como um bebê indefeso, o que contraria completamente o que a Bíblia diz que Ele é.

Ela disse então: – Vocês não compreendem? Ele é tudo o que eu tenho! Pensei comigo mesmo – Do que ela está falando? Sua súplica apaixonada continuou, e disse:

– Por favor! Não o magoem. Ele é tudo o que eu tenho. Não magoem o meu Amado! – Jamais esquecerei estas palavras. Posso lembrar ainda como sua respiração ofegava ao pronunciá-las.

Consegue ser mais dramático, emocionalmente carregado e pretensamente manipulador do que qualquer um dos livros anteriormente analisados nesta série jamais sonhou em ser. Se você não conhece o Espírito Santo, um aviso: Ele não é assim. Aqui sou obrigada a copiar e colar o que já escrevi sobre Ele em outra resenha: “Realmente, não tem nada a ver com o Espírito Santo que eu conheço

Aí me lembro de quando o Espírito de Deus se apossava de Sansão…a Bíblia diz que ele matou um leão com suas próprias mãos, lembra? E mil homens com uma queixada de jumento. ”

Quando Paulo disse “Não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção” (Efésios 4:30) Não disse isso chorando, em agonia, com peninha do coitadinho do Espírito Santo indefeso. Preste atenção no versículo. É um alerta: não entristeçam o Espírito Santo, pelo bem de vocês mesmos, ou perderão a salvação. Nele nós fomos selados para o dia da redenção. “Entristecer” aqui tem o sentido de luto. Só se está de luto por quem já morreu. Entristecer o Espírito de Deus é se afastar dEle através do pecado e se aproximar da morte eterna. Não façam isso, para o seu próprio bem.  A coisa é bem mais racional do que parece.

Ela apontou então seu longo dedo para mim e disse com grande clareza:

– Ele é mais real do qualquer coisa neste mundo!

Quando ela olhou para mim e proferiu essas palavras, algo me agarrou literalmente por dentro. Gritei dizendo:

– “Eu preciso conseguir isso”.

Então esse é o ponto inicial do livro. Sua sede era de ter aquilo que ele viu ali. Descreve essa reunião mega emocional e irracional, com muita música e oração da mulher manifestada. Impressionado com a experiência (porque ele “sentiu” várias coisas durante a reunião e viu milagres), ele chega em casa e diz: “Eu quero ter o que a Kathryn Kuhlman tem!” Baseado nisso, busca, com toda a força, não o Espírito Santo da Bíblia, mas o espírito que ele viu manifestado em Kathryn Kuhlman, o que ele viu naquela reunião, para ter a experiência que ela teve.

Logo em seguida, começa a tremer, como tremeu na reunião. Depois descreve o que me parece um choque elétrico. O rapaz foi eletrocutado pela entidade e realmente acredita que aquilo era o Espírito Santo. Nada do que ele descreve parece o Espírito Santo que eu conheço. É só uma descarga elétrica emocional que o faz ser um super-crente que derruba os outros ao jogar seu paletó. O restante do livro por diversas vezes faz você ter uma vontade sincera de levar o rapaz a uma sessão de descarrego.

Ao contar sua história, Benny Hinn te faz crer que ele é um “escolhido”, cuja mãe católica pediu “Deus, se me deres um menino, eu o devolvo ao Senhor”. Assim, Hinn quer se mostrar mais do que um Profeta Samuel pós-moderno, um ser especial com experiências sobrenaturais desde a infância (ele diz ter visto Jesus e após a visão ficou imóvel e…adivinha? Sentindo choques elétricos! Que espírito é esse que trabalha com eletrochoque?).

Eu vi Jesus entrar em meu quarto. Ele usava trajes mais alvos que a neve e um manto vermelho escuro drapejado sobre a veste. (…) Quando isso aconteceu, eu estava dormindo, mas de repente uma sensação incrível, que só pode ser descrita como “elétrica”, tomou conta do meu pequeno corpo. Era como se alguém tivesse me ligado numa tomada. Senti um formigamento como de agulhas – milhares delas-percorrendo meu organismo. (…) Quando acordei, a sensação extraordinária ainda perdurava. Abri os olhos e olhei ao redor, mas o sentimento intenso e poderoso continuava em meu íntimo. Sentia-me totalmente paralisado, não podia mover nenhum músculo. Nem uma pestana. Achava-me completamente congelado ali.

Por algum motivo as pessoas anseiam por esse tipo de coisa, por “sentir” fisicamente Deus. Minha teoria é que elas têm tanta dificuldade de crer em Deus, que uma sensação física é como se trouxesse Deus até o mundo material, é quase uma “prova” de sua existência. Por isso esse espírito de engano tem tanto espaço. E substitui o espiritual pelo sensorial/sentimental. E líderes que digam “olha, eu senti isso, eu senti aquilo, eu vi Jesus,  fui arrebatado, vi o céu, vi o inferno, etc. etc.” tentando passar super santidade acabam ganhando mais do que admiração do povo sedento.

Isso é normal entre alguns líderes evangélicos que ao mesmo tempo em que dizem que todos podem ter acesso a Deus, se colocam como seres especiais que têm contato e experiências com Deus quem ninguém mais tem.  Você vê as palavras “sentimento”, “torpor”, “me senti”, “chorar” com muita frequência. Para quem não tem intimidade com Deus, aquele relato emocional convence…mexe com seus sentimentos, afinal de contas,  quer ver Jesus, quer sentir o Espírito Santo, alguma sensação física que lhe faça ter certeza de que Ele existe! É um caminho bem mais fácil do que o da fé.

Muitas vezes, quando meus amigos vinham ver-me, eles começavam a chorar por causa da presença do Espírito Santo.

Agora me diz: quantas pessoas cheias do Espírito Santo, que você conhece, fazem seus amigos chorarem ao se aproximar? Eu te digo quantas conheço: nenhuma. Nem vemos isso na Bíblia. Note que ao mesmo tempo em que se esforça para parecer “humilde”, e que diz que você também pode ter aquela “unção”, Benny Hinn faz questão de se colocar em uma posição tão superior ao restante da humanidade, para jamais ser questionado.

Infelizmente, as pessoas têm sido facilmente enganadas pelas emoções, pelas sensações. O Espírito Santo não é uma sensação, um sentimento ou um amigo imaginário. Se você se contentar com isso, será para sempre enganado por um espírito que nada tem de santo, perdendo a oportunidade de ter uma experiência real com o verdadeiro Espírito Santo, através da fé racional. Se você tentar desenvolver uma intimidade com Deus através desses esforços emocionais, não conseguirá.

É um livro que eu considero perigoso para a fé. Primeiro, porque há um espírito ali. Um espírito enganador. Mistura verdade com mentira, coisas certas com coisas erradas e pode fazer uma grande confusão na cabeça de quem é sincero. Se quiser ter um relacionamento íntimo e verdadeiro com o Espírito Santo, busque diretamente nEle, e não queira ter experiências “como as de fulano”, nem se deslumbre com pirotecnias espirituais.

Não adianta um livro que fale coisas lindas a respeito do Espírito Santo se não é do Espírito Santo que ele está falando. Pode dizer coisas lindas, mas misturadas a outras que te trarão mais para perto de experiências emocionais e carnais (ou mesmo demoníacas) do que exatamente espirituais.

É o grande problema da igreja evangélica atual: a busca por emoções e sensações que não preparam a ninguém para os problemas que eventualmente irão enfrentar, apenas abrem espaço para espíritos estranhos. Cristãos emocionais são fracos, confusos, muitos acabam escravos de medicamentos para depressão e estresse ou não conseguem perdoar ao serem vítimas de alguma injustiça. Tudo isso porque as emoções foram alimentadas por tanto tempo que se tornaram a maior força na vida dessas pessoas e abriram espaço para atuação do mal em suas vidas.

Queimei o livro. Sim, não tenho coragem de jogar no lixo porque vai que alguém pega e lê? E antes que alguém me venha com “reter o que é bom”, você vai ler um livro com um conteúdo antibíblico e reter o que é bom? É como se eu lesse, sei lá, “A Bíblia de Satanás” e dissesse que vou “reter o que é bom”. Vamos aprender a não retirar os versículos de seu contexto. Paulo diz: “Não desprezeis as profecias; julgai todas as coisas, retende o que é bom; abstende-vos de toda forma de mal” (I Tessalonicenses 5:20-22)

Vanessa Lampert

ATENÇÃO, ANTES DE COMENTAR, LEIA:

Se você ficou com muita vontade de me dizer que estou blasfemando contra o Espírito Santo ou que o Espírito Santo age de forma diferente com cada pessoa, por favor, leia esse textinho aqui ANTES de comentar, sobre o Espírito Santo: clique aqui para ler.

Comentários com xingamentos tradicionais ou com xingamento gospel, do tipo “Deus tenha misericórdia de você” (acredite, Ele tem. E de você também) não serão aceitos.

E, sim, eu tenho o direito de alertar que o espírito de Kathryn Kuhlman (que foi o que Benny Hinn pediu que entrasse nele) não é de Deus. Estou julgando com base na Bíblia, que é a forma certa de se julgar, segundo as Palavras de Jesus: “Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça” (João 7.24).

Para ler as resenhas arquivadas, Clique aqui. E para ler as recentes, clique aqui.

PS: Lembrei desse post aqui (clique para ler).

PS2: Vocês já perceberam que todos esses livros que estamos analisando na série “Livros que não são o que parecem” têm as mesmas características? Foco na emoção, linguagem sentimental e manipuladora e distorções da verdade?

Originalmente publicado no blog Cristiane Cardoso. Clique aqui para ver a postagem original.

A excelência da sabedoria

Durante o Jejum de Daniel, minha mãe atacou todos os livros de sua estante e começou a desenterrar alguns que eu nem me lembrava que existiam. Em uma semana ela tinha lido uns seis livros, então cada dia que conversávamos ao telefone (ela mora em Campo Grande – MS e eu em São Paulo), ela tinha uma novidade para me contar. Sobre esse livro o entusiasmo dela foi tão grande e genuíno que me convenceu: “Ele é curtinho, mas super completo, maravilhoso, você tem que ler!” (Agora você sabe de quem puxei o dom de convencer os outros a ler.) Ela tem razão! “A excelência da sabedoria” (Editora Unipro), do Bispo Macedo, tem 74 páginas, é muito fininho e a leitura é bem agradável. O conteúdo é bem objetivo, prático e dinâmico, ele pula de um assunto para o outro com grande facilidade, mas você não se perde, acompanha o raciocínio também facilmente. E é muito raciocínio, amigos! Naquelas 74 páginas cabe tanta coisa!

“A excelência da sabedoria” faz uma análise cuidadosa dos primeiros capítulos do livro de Provérbios, com lições para absolutamente todas as áreas da vida: fala de vida espiritual, de sabedoria (é claro), de fé inteligente, de finanças, de vida sentimental, de família, de saúde…acho que não ficou um assunto sem ser abordado. E, melhor de tudo: como é comum nos livros do Bispo Macedo, este livro tem uma linguagem simples e de fácil compreensão.

Apesar de ser estudo de Provérbios, ele passeia por toda a Bíblia, conversando com o leitor, eu achei isso muito legal! Porque ele pegava um versículo de Provérbios, começava a meditar e ligava a outro versículo lá do Novo Testamento, por exemplo.  Sabe em que eu acho que isso ajuda? A nos ensinar a como meditar na Palavra de Deus, fazendo uma leitura pausada e profunda. Quando você vê, está continuando o raciocínio, meditando na meditação feita. Da próxima vez que pegar um versículo bíblico para ler, perceberá quanta riqueza existe naquelas poucas linhas.

Fui ensinada na igreja tradicional a decorar versículos. Nada contra você ler tanto que acabe  sabendo de cor, mas não era o que fazíamos. Decorávamos mesmo, ainda crianças, sem sequer entender o que estávamos dizendo. E o versículo caía no solo estéril do compartimento religioso da mente humana, para nunca mais ser compreendido. É por isso que muitos religiosos depois se aplicam aos estudos teológicos mais malucos, para tentar trazer compreensão ao que decoraram, mas a Palavra de Deus é tão simples!

Ela é rica, cheia de detalhes, mas simples de entender, acessível a qualquer ser humano. Peça ao Espírito Santo que guie seu entendimento e medite, pense.

Um trecho do livro diz: “É impossível que alguém que pratique a Palavra de Deus seja infeliz, viva em depressão.” Concordo plenamente. É impossível! Se todo mundo praticasse a Palavra de Deus, a indústria de antidepressivos e ansiolíticos teria de vender vitaminas.

A Palavra de Deus praticada transforma, de dentro para fora. Para isso você tem de tirar da sua cabeça a ideia equivocada de que a Bíblia é um livro difícil. Não é! Pessoas menos inteligentes do que você conseguem entendê-la, eu te garanto. Pessoas mais inteligentes também. Ela é para todos. Deus não seria justo se reservasse o entendimento de sua Palavra apenas aos sábios deste mundo. Pelo contrário! Ele diz que ocultou aos sábios deste mundo e a revelou aos humildes.

Este é o maior segredo desse livro: se você for suficientemente humilde para ler e absorver o Espírito dessas palavras, colocando em prática tudo o que aprender, pode ter certeza de que terá muito mais do que qualidade de vida.

Vanessa Lampert

Para ler as resenhas arquivadas, Clique aqui. E para ler as recentes, clique aqui.

PS: Desta vez fizemos o caminho inverso.  O filhotinho desta resenha saiu esta semana na Folha Universal. Então se der uma sensaçãozinha de déjà vu, foi lá que você viu.  :-)

PS2: Faz tempo que não encontro esse livro na IURD. Infelizmente, você ainda não o encontra em livrarias. O jeito é comprar no Arca Center ou pelo televendas: http://www.arcacenter.com.br

Originalmente publicado no blog Cristiane Cardoso. Clique aqui para ver a postagem original.

Antes de dormir

Vamos hoje para um romance de entretenimento que me espantou um pouquinho. Eu já falei aqui que sou atraída por histórias de amnésias, não? Mas depois de “Para sempre”, achei que ninguém traria mais nada de novo. “Antes de dormir” (S.J.Watson, editora Record) me pegou primeiro pela capa (coisa séria, né? Pessoa indo pelas aparências), mas depois olhei a sinopse e já não sabia se gostava porque era história de amnésia ou se não gostava porque achava que amnésia já tinha dado o que tinha que dar.

E o comentário na capa do livro “Simplesmente o melhor romance de estreia que já li” não quer dizer muita coisa, convenhamos. Quantos romances de estreia essa pessoa leu? Sem esse dado, eu não posso avaliar. Se ela leu quinhentos romances de estreia, o livro podia ser realmente bom, mas e se leu dois? Ou um? Sem contar que isso me soa como aquelas resenhas de produtos que dizem que “é muito bom pelo preço”, quer dizer que pode ser uma bela de uma porcaria, mas se for barato, está perdoado. Como era o romance de estreia do cara, poderia ser ruim que não teria problema. Seria isso?

Comecei a ler sem expectativa alguma. Christine se assusta ao acordar ao lado de um estranho, sem entender por que não se lembra de como chegou àquele quarto. Ao entrar no banheiro, se apavora com as fotos coladas no espelho e com o reflexo de seu rosto envelhecido. Já está com mais de quarenta, mas sua mente parou nos vinte e poucos, quando sofreu o acidente, há 27 anos. Assim começa a história. O único apoio dessa confusa mulher é o marido, Ben. Ele é um amor, super cuidadoso, resignado, e você simpatiza com ele de cara, poxa vida, o homem passou quase trinta anos cuidando da mulher amnésica, cumprindo a mesma rotina exaustiva todos os dias. A primeira impressão que tive dele foi de um homem cuidadoso, amoroso, mas já cansado de lutar.

Me coloquei no lugar dele e admirei seu sacrifício pela esposa. Mas quando Ben sai para trabalhar, um telefonema começa a bagunçar as coisas. (Não vou dar nenhum spoiler que já não esteja na sinopse ou na orelha, não se preocupe.) O estranho se apresenta como médico e diz que eles têm se encontrado sem que Ben saiba e que ela tem escrito um diário, como parte do tratamento. Quando o encontra e começa a ler seus dias anteriores, descobre que Ben esconde informações e a trama se complica.

É um romance de suspense, amigos! Quem diria! E um suspense inteligente, bem feito. A trama é bem emaranhada. Geralmente eu adivinho o final das coisas…rs…tenho um raciocínio lógico muito bom, então desvendo os mistérios dos livros com certa facilidade, mas esse não foi fácil, não. No ponto crucial, quando o nó começa a se desfazer, eu tive que me perguntar: “caramba, como não pensei nisso?” E eu não pensei nisso! Sério, mesmo. Deve ser um bom exercicio para o cérebro, porque você fica tentando descobrir como encaixar aquelas peças e descobrir o que aconteceu com Christine e se realmente tem alguma coisa de errado na história toda ou é coisa da cabeça dela. Deve ser algo como montar um quebra-cabeças de milhões de pecinhas, só que mais divertido.

Fora uma ou outra cena desnecessária, o ritmo é ágil e agradável, principalmente do meio para o final e eu me peguei pensando sobre as escolhas que a gente faz na vida e suas consequências. E também na importância de estar bem consciente do que se vive. Não foi “o melhor romance de estreia que eu já li”, mas S.J. Watson conseguiu fazer o impensável: inovar em uma história de romance de amnésia (gostou da nova classificação? “Romance de amnésia”). Só isso já valeria a leitura.

Vanessa Lampert

Para ler as resenhas arquivadas, Clique aqui. E para ler as recentes, clique aqui.

Originalmente postado no Blog Cristiane Cardoso. Clique aqui para ver a postagem original.

Livros que não são o que parecem – Conversando com Deus

Geralmente eu dou dicas de livros legais ou, se não gostei, deixo claro que é minha opinião e que você deve ler para formar a sua. Mas esta resenha é de “Livros que não são o que dizem ser”, para que você não perca o tempo que eu perdi lendo coisas que vão contra a nossa fé ( nem sempre isso fica claro no título e na sinopse). Óbvio que não vou deixar de fazer resenhas de bons livros, pois esse é o objetivo desta coluna, mas de vez em quando colocarei esses da série “Parece, mas não é”. Existem muitos nessa categoria, não vou sair catando esse tipo de livro, falarei apenas dos que estão mais em evidência e correm o risco de cair nas mãos de pessoas sinceras, que estejam na fé e acreditem que encontrarão algum alimento espiritual ali.

Começo com o “Conversando com Deus” (Conversations with God), que não é novo, mas está sempre em evidência porque o filme de mesmo nome circula como “filme gospel” e “filme cristão” e é um chamariz para o livro. É uma série de três livros, escrita por Neale Donald Walsch. Como eu disse, o negócio virou até filme e eu já soube de crentes que deram esse livro de presente, achando que era algo evangelístico!!!

Vi cristãos indicando esse livro, provavelmente por terem gostado do filme. Olha aí o que a fé sem a inteligência faz. Como você vai doar um livro que não leu?? Como vai indicar algo que não conhece? Quando doa um livro, você está assinando embaixo das palavras do autor, a pessoa que o recebe confia em você e por isso irá ler. E talvez até comente contigo quando vocês se encontrarem novamente, para tirar alguma dúvida…e com que cara você vai dizer: “ahnnn…desculpe, mas eu não li o livro que te dei”!

Bem, vamos lá. O que esse livro diz que é? Vamos ler a sinopse do livro 1: “Imagine que você pudesse conversar com Deus. E, nessa conversa, abordar os temas que mais o inquietam, animam, alegram e entristecem. Questões das mais íntimas às mais gerais: do amor ao sexo, da vida à morte, da família às relações com o desconhecido. Em Conversando com Deus, Livro I: Um diálogo sobre os maiores problemas que afligem a humanidade, o autor revela que essa conversa é possível. “

Uau, parece interessante, não? Parece até cristão! Mas não é. Achei que fosse uma obra literária em que o autor colocasse as respostas que supostamente Deus daria, ou que encontraria uma forma criativa de fazer o leitor sentir-se em um “diálogo” com Deus. Mas nããão! O cara foi visitado por uma entidade que se apresentou como Deus (Sessão de descarrego nele!):

Para minha surpresa, quando escrevia a última das perguntas amargas e irrespondíveis e me preparava para pôr de lado a caneta, minha mão permaneceu fixa sobre o papel, como se mantida ali por uma força invisível. De repente, a caneta começou a mover-se sozinha. Eu não tinha a menor noção do que iria escrever, mas uma idéia pareceu surgir, por isso decidi deixá-la vir.

Fala sobre um caminho largo, diz mentiras e distorce verdades de um jeito bastante sinistro. Apoia a instituição de um governo mundial, a reencarnação e se propõe a substituir a Bíblia, pois, segundo a entidade, a Bíblia “não é uma fonte competente”. (O livro do cara que você nunca viu na vida, segundo a entidade, é que é uma fonte competente, veja só.)

Vejamos alguns trechinhos. Esse “deus” diz:

“Minha forma mais comum de comunicação é através do sentimento. O sentimento é a linguagem da alma. Se quiser saber o que é verdade para você em relação a alguma coisa, veja como se sente em relação a ela.”

Imagina? Isso é o que o ser humano que não conhece a Deus quer ouvir! Imagina só, Deus falando que você deve escutar o seu coração! Tão fácil! Mas nada poderia ser mais equivocado. O verdadeiro Deus nos ensina, na Bíblia, que o coração é “enganoso e desesperadamente corrupto”. Nossos sentimentos são tão volúveis que se eu fosse aplicar isso na minha vida, o que é verdade para mim hoje poderia não ser amanhã, dependendo do que eu sentisse! Vai nessa e daqui a pouco você estará protagonizando as maiores asneiras da sua vida (que é o que acontece quando a gente anda pela emoção).

O verdadeiro Deus fala através do intelecto, da mente, da fé racional, e não do sentimento. Quem fala através do sentimento é quem quer manipular o ser humano. É o que o autor desse livro faz com seus leitores.

Fique atento aos seus sentimentos, aos seus Pensamentos Mais Elevados e à sua experiência. Sempre que qualquer um deles for diferente do que lhe ensinaram seus mestres, ou do que leu em seus livros, esqueça-se das palavras. As palavras são a fonte menos confiável da Verdade.

Isso é o que a entidade diz para justificar-se do fato de o que ela escreve ser antibíblico. Segundo ela, os sentimentos, os “pensamentos mais elevados” (que nada mais são do que sensações) e experiência devem ser colocados acima da Bíblia e do que você aprendeu sobre Deus. Suas experiências de poucos anos de vida valem muito mais do que a Palavra de Deus, que tem milhares de anos. Isso não me parece inteligente. Na verdade, é algo bastante estúpido. Sem contar que…o que aconteceu com o “A Tua Palavra é a verdade” (João 17:17)? Jesus, em sua oração ao Pai, diz que “A palavra é a verdade” aí o livro de Neal diz “as palavras são a fonte menos confiável da verdade”. Quem tem mais crédito?

Segundo a entidade, o inferno não existe (nem demônios, afinal de contas, é bem mais interessante para ela que você acredite nisso). E tenta justificar isso dizendo que Ele não é vingativo e não nos puniria com tormento eterno. Mas a Bíblia nos diz que Deus não criou o inferno para punir o homem, e sim para lançar o diabo e os demônios. O homem foi criado perfeito e destinado a viver a eternidade com Deus. O inferno só passou a receber almas humanas depois que o diabo conseguiu enganar o homem e levá-lo a achar que poderia ser igual a Deus se O desobedecesse.

O inferno não é punição pelos pecados, é consequência de uma vida afastada de Deus. E tanto Deus (o verdadeiro Deus) não quer isso, que enviou Seu Filho para nos substituir, pagando o preço que nós deveríamos pagar e nos absolvendo, nos dando a única oportunidade de passar a eternidade com Deus. Isso é o que o verdadeiro Deus explicaria, pois foi isso o que Ele deixou claro em Sua Palavra.

O que acha desse “deus”?:

O mal é o que você chama de mal. Contudo, até mesmo isso Eu amo, porque é apenas através do que você chama de mal que pode conhecer o bem; apenas através do que chama de obra do demônio que pode conhecer e realizar a obra de Deus. (…) Eu não amo o “bem” mais do que o “mal”. Hitler foi para o Céu. Quando compreender isso, compreenderá a Deus.

O livro é cheio de confusão e tão emocional que dispensa o raciocínio (exceto o distorcido). Ele diz que o pecado não existe, que certo e errado é conceito subjetivo, que não existe inferno, nem demônio, não é? Mas em determinado momento (nas raras vezes em que O menciona) diz que Jesus permitiu ser crucificado para ser a salvação eterna do homem. Mas salvação de quê? Se não existe pecado, se não existe inferno, se a Bíblia está errada quando diz que “ao homem é dado morrer só uma vez, e depois disso, vem o Juízo” (Hebreus 9:27), que salvação é essa? Como salvar a quem não está perdido?

Você teve 647 vidas passadas, já que insiste em que Eu seja exato. Essa é a de número 648.

A gente ri agora ou depois? A entidade apoia a reencarnação, mas o livro nem espírita é, já que diz que as reencarnações não servem para aprender nada. Quer porta mais larga do que essa? Você só tem de fazer o bem, plantar amor, viver por suas emoções e tentar ouvir a Deus em seus sentimentos! Aí você, cristão bem intencionado, resolve dar esse livro de presente para alguém que está precisando de Deus e essa pessoa, já confusa, encontra uma entidade que semeia mais confusão ainda! Como sempre o diabo escancara a porta, para que as coisas fiquem bem fáceis, envenena a pessoa contra a Verdade da Palavra de Deus porque o que ele realmente quer, o que realmente interessa para ele, é ganhar a alma dessa pessoa, depois da morte. Se conseguir enganá-la até lá, está no lucro. Para isso, ele se passa até por espírito de luz, como diz a Bíblia.

Para tirar todas as dúvidas a respeito da identidade do ser que inspirou esse livro (e que quer se fazer passar por Deus), me diga quem diria isso:

“O que tem sido descrito como a queda de Adão, na verdade foi o seu erguimento – o maior evento isolado da história da humanidade. Porque sem ele, o mundo da relatividade nunca existiria. O ato de Adão e Eva não foi o pecado original. Na verdade foi a primeira bênção. “

Quem você acha que enxerga a queda de Adão como “uma bênção”? E como “o maior evento isolado da história da humanidade”?

Como descobri esse livro? Eu já sabia da existência dele e do filme, mas não sabia do que se tratava. Então encontramos alguns filmes “gospel” que ainda não tínhamos visto, inclusive este. Eu e meu marido estávamos assistindo ao filme. Bem antes da metade (acho que assistimos a um terço da produção), estranhamos o fato de estar tão arrastado, irritante, emocional…então deixamos o filme de lado e fui procurar o livro, para ver do que se tratava.  Nem ia escrever tanto, mas esse é o concentrado do pensamento que está espalhado no mundo, inclusive nas igrejas evangélicas (fora a parte da reencarnação).

As estratégias do diabo são sempre as mesmas. Muitos livros  têm alguns veneninhos desses, tipo “siga seu coração”, “sentir a Deus”. Neste ele concentrou tudo e foi bem descarado, mas muitos livros que se dizem cristãos têm um ou outro fragmento dessa mesma linha de pensamento, envenenando a sua fé. Achei importante explicar esses pontos básicos, mas esse tipo de livro não merece leitura, muito menos de três volumes! Seu tempo é precioso, amigo. Li apenas parte do primeiro livro, pois quando ficou bem óbvio para mim que aquela entidade não era Deus, decidi que não perderia meu tempo lendo o que ela ditou, né? Merece ficar falando sozinha pela eternidade no lago de fogo e enxofre.

Vanessa Lampert

(Você também me encontra no Twitter , no Facebook e no Meu Blog)

Quer ler todas as resenhas? Clique aqui.

PS: No período de Jejum de Daniel, li e resenhei aqui e na Folha Universal apenas livros cristãos e sei que não existe melhor época para você se esbaldar de literatura cristã. Muitos conseguirão desenvolver e consolidar o hábito de leitura justamente por causa do propósito. Mesmo tendo terminado, sugiro que inclua isso em seus jejuns, principalmente se você tem preguicite aguda ao chegar perto de um livro! Se esse é o seu problema, veja  o artigo: Como vencer a preguiça de ler.

No entanto, como eu já havia dito no post Alimentação Literária, nem tudo que se existe para ler é espiritualmente nutritivo. E entre os livros que se dizem cristãos, isso é especialmente verdadeiro. Resolvi citar alguns entre os mais badalados, para que ninguém se contamine com vinho estragado embalado em rótulo bonito.

Originalmente postado no Blog Cristiane Cardoso (clique aqui para ver a postagem original).

40 segredos que toda solteira deveria saber

O livro  “40 segredos que toda solteira deveria saber” (Editora Unipro), escrito por Nanda Bezerra fez uma de minhas viagens da minha casa até a igreja ser muito mais agradável ano passado. O livro é pequeno, cabe na bolsa, e foi uma excelente companhia no ônibus até o metrô, no metrô até o outro ônibus e do outro ônibus até a igreja :-D(graças a Deus que o carro chegou, alguns meses depois…rs…). Mesmo tendo oito anos de casada, aproveitei bastante as dicas! Me ajudou a avaliar minha vida espiritual e também me deu mais bagagem para ajudar moças solteiras. Recentemente, para escrever a resenha para a Folha Universal e para este blog, reli e pude constatar que a primeira impressão que tive deste livro foi realmente acertada. Eu me pegava rindo sozinha, enquanto aprendia e concordava com a Nanda. Batemos altos papos invisíveis dentro da minha cabeça.  Nanda escreve como se falasse com uma amiga e meu olhar deslizou pelas linhas com grande facilidade, o que, para mim, é um indicativo de que o livro é bom, não existe nada mais irritante do que leitura cansativa.

E meu estilo de leitura (do que realmente me dá prazer de ler) é algo leve, fluido, um bate-papo, mesmo, de preferência escrito por uma pessoa bem humorada. O texto nem precisa ter humor, mas se o autor for bem humorado, isso vai transparecer para o leitor. 40 Segredos é um livrinho feliz. Desde a cor de suas letrinhas (algo entre o azul e o roxo) até as ilustrações que abrem os capítulos, passando pelo texto leve e despretensioso da Nanda. Só quando o livro acabou é que eu me dei conta de que ela não estava aqui na minha frente conversando comigo, porque eu ainda tinha alguns comentários a fazer a respeito do assunto e ela já não me respondia mais…hahaha…

O bom de ler é que você está sozinha quando tem essas experiências, então ninguém pode te chamar de maluca. Exceto se você escrever e publicar na internet para que o mundo inteiro descubra que você não bate bem. :-D

Falando sério, se você quiser uma leitura rápida, prática, divertida e de bom conteúdo para a mulher cristã, independente de ser casada ou solteira, com certeza vai gostar desse livro. Para dizer a verdade, acho que eu o leria até se eu fosse homem, principalmente se fosse solteiro. Sério, porque assim eu poderia escolher melhor a solteira por quem resolvesse me interessar, conseguiria avaliar melhor. É como o “A Mulher-V”. O homem que ler “A Mulher V” estará mais apto a identificar uma Mulher V (se for solteiro) ou ajudar sua esposa a se tornar uma Mulher V.  Quem tem mais conhecimento, possui uma grande vantagem (falarei sobre isso nos próximos dias).

Update: Eu fiquei tão íntima da autora que me esqueci de escrever o nome inteiro dela…hahaha…coloquei agora, logo após o nome da editora :-) .

Vanessa Lampert

(Você também me encontra no Twitter , no Facebook e no Meu Blog)

Quer ler todas as resenhas? Clique aqui

Resenha originalmente publicada no Blog Cristiane Cardoso

Nada a perder

Peguei o “Nada a perder” (Editora Unipro/ Editora Planeta) para ler ontem à noite, pouco antes de dormir, já tarde. Meu objetivo era iniciar o livro e ler um pouquinho a cada noite. No entanto, quando me dei conta, já tinha passado da metade, estava quase no final e avançara a madrugada. Sabendo que tinha que acordar cedo, deixei o restante da leitura para a manhã seguinte, quando a concluí. Sentei aqui para escrever uma resenha, mas sinceramente nem sei por onde começar. Sabe o “não tenho palavras para descrever”? Mas eu sempre tenho palavras, elas só estão tomando fôlego.

É o primeiro volume de uma série de três livros em que o Bispo Macedo conta sua vida. Muita gente estranha: “Ué, mas o Bispo já não tem uma biografia? Por que escrever uma autobiografia?” Mas eu lhe garanto: uma coisa não tem absolutamente nada a ver com a outra. A biografia “O Bispo” é excelente, mas fala sobre o Bispo, conta sua história através dos olhos de um observador externo. Douglas Tavolaro é um excelente escritor e consegue nos envolver na história, mas nada me preparou para o que encontrei em “Nada a perder”.

Ao ler a autobiografia, era como se Edir Macedo estivesse conversando comigo, me explicando sua forma de pensar, que o moveu em cada passo de sua caminhada. E aqui peço licença para me referir ao Bispo sem o título, não por falta de respeito, mas porque quem conversou comigo durante a leitura daquele livro não foi o título, mas o jovem Edir, cheio de um sonho aparentemente impossível, movido por uma fé que me alcançou, anos depois. Eu já vi o jovem que ele descreve. Já vi, várias vezes, sempre que fala de fé (e ele sempre fala de fé), sempre que fala com Deus no altar, a gana de nos passar o que ele tem, o brilho em seus olhos, denunciando a vontade inesgotável de nos fazer conhecer o Deus que ele conhece. Foi com ele que aprendi essa fé, foi com ele que descobri que eu também poderia nascer de novo e ter um relacionamento real com Deus.

Uma das primeiras mensagens dele que ouvi pela rádio, enquanto eu ainda estava em outra denominação, me marcou para sempre, ele dizia algo como: “Não é porque eu estou dizendo que você tem que acreditar, confirme na Bíblia, você tem que acreditar no que está escrito”. Ele explicava que era humano, sujeito a falhas e que nós deveríamos buscar a independência espiritual, todos nós poderíamos ter o mesmo relacionamento que ele tem com Deus, não era preciso depender de pastor nenhum. Isso para mim foi revolucionário, pois em todas as igrejas em que passei, a dependência era da direção do pastor, da direção da igreja, dos rituais religiosos, e não de Deus. A Igreja Universal me abriu um novo horizonte, me apresentando a um Deus de quem eu apenas ouvia falar.

Por isso, a biografia não é só de Edir Macedo, é de todos nós que temos percorrido o caminho da fé. Eu me identifiquei muito, e acredito que qualquer pessoa que leia com o coração aberto se identificará também, com a busca, com as lutas, com a perseverança. A biografia é também de Deus, pois Ele permeia cada uma das páginas. O caráter de Deus é fortemente delineado ali, você o vê escolhendo aquele rapaz mais desprezado e desacreditado e começa a entender como Ele pensa. O porquê de Ele escolher as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes. Ele precisava de alguém que agisse independente do medo e da situação, Ele precisava de alguém que Lhe desse espaço para agir, Ele precisava de alguém que sonhasse os Seus sonhos e para quem o mundo não fosse nada. Ele encontra isso em quem se entrega totalmente.

Novamente eu ouço o Bispo Macedo, na voz do jovem Edir, me dizendo que Deus está comigo assim como está com ele. Não importa se ele é Bispo, se ele é o líder visível da Igreja Universal do Reino de Deus, pois o verdadeiro líder é o Espírito Santo. O que o jovem Edir me mostrou naquele livro não foi a história gloriosa do Bispo Edir Macedo, mas o poder do Espírito Santo e da fé.

“Nada a perder” é um livro que todos devem ler. Você vai ler e terá vontade de sair distribuindo por aí, sério mesmo. Vai te ajudar não apenas a conhecer mais sobre a história e os pensamentos do Bispo Macedo, mas também ajudará ao jovem que está buscando a Deus, àquele que está começando na fé e também a quem já tem dentro de si a vontade de ganhar almas, mesmo que tal pessoa nem seja da Igreja Universal.  Quem é sincero com Deus percebe claramente que o jovem Edir, o Bispo Macedo, realmente acredita em tudo o que prega. Aquela é sua fé, aquela é realmente a sua vida. Quem realmente está interessado em conhecer o Deus de Abraão tem neste livro a oportunidade de vê-lo em ação.

Li as 238 páginas e fechei o livro com lágrimas nos olhos. Não de emoção, foi algo bem mais profundo. O jovem Edir me contou grande parte de sua vida, mas só o que ficou no final foi uma forte mensagem de fé, detalhada com proximidade, como que pelo amigo que conversa contigo na varanda de casa, de madrugada, olhando para o céu e diz: “Conte as estrelas”…

Vanessa Lampert

(Você também me encontra no Twitter , no Facebook e no Meu Blog)

Quer ler todas as resenhas? Clique aqui.

Update: A quem perguntou onde se encontra este livro, ele já está disponível na IURD com a capa que abre este post, lá em cima, e nas livrarias seculares com a capa que está aqui ao lado.

Para quem prefere comprar pela internet, já vi no site da Siciliano, da Livraria Cultura e da Saraiva.

*Post originalmente publicado no Blog Cristiane Cardoso

Sangue Quente*

Começo esclarecendo que “zumbi” não é um tema que me agrade. A saída de Isaac Marion, no entanto, é surpreendente. Ele teve coragem de contar uma história diferente, e fiquei grata por isso, pois abri o livro sem nem mesmo saber do que se tratava. “Sangue Quente” (“Warm bodies”, no original…e a tradução do título, nesse caso, foi feliz, já que “Corpos quentes” teria uma conotação sensual que o livro não tem), da editora Leya, é um romance escrito em uma linguagem de fácil leitura, mas que em momento algum é pobre ou infantil.Pelo contrário, o cara escreve muito, muito bem. Se você gosta de escrever, vale a pena ler só para analisar o jeito dele contar a história. Vou cuidar para colocar apenas os spoilers que já estão na sinopse do livro, na contracapa e na orelha. Aí ninguém pode reclamar que revelei alguma coisa…rs…A menos que você leia um livro sem ler a contracapa e a orelha, coisa que não recomendo.

Me espantei logo de cara com o bom ritmo e pelo fato de ser narrado em primeira pessoa por um zumbi, o que torna a história surreal ainda mais surreal, mas convence. R. não lembra do próprio nome, não lembra de nada de sua vida e o autor não se preocupa em dar muitas respostas (em certo ponto o leitor para de perguntar, pois vê que algumas questões não são relevantes). No livro, como em qualquer ficção, zumbis comem seres humanos. Se você já assistiu a um filme de zumbi, deve se lembrar que eles gostam especialmente de cérebro. Finalmente, temos uma explicação plausível: ao ingerir o cérebro, os zumbis têm um breve lampejo da vida de sua infeliz vítima. É quase como uma droga que faz com que eles consigam ter a sensação de viver novamente. São poucos instantes, então eles querem mais. É triste, pois em seguida voltam às suas vidas de mortos-vivos…aliás, assim são as emoções e diversão que este mundo oferece: pequenos pedaços de entusiasmo, alegria temporária e depois…voltam às suas vidas de mortos-vivos. Quantas pessoas assim você conhece? O “cééérebro” que elas comem é o álcool, são as drogas, as baladas, o namorado, um hobby, a religião, a filosofia, o sexo, a internet…mas nada é suficiente para lhes dar vida de verdade. O vazio se torna ainda maior após o efeito ter passado

Tudo vai bem até que ele come um cérebro diferente. Por algum motivo, as lembranças deste cérebro são mais intensas (viaje na história, ok? É um mundo onde isso é possível…risos…) e ele tem vontade de proteger a menina que o dono do cérebro amava. Ele a leva consigo, juntamente com o restinho do cérebro do rapaz, que vai degustando como aperitivo por grande parte do livro. O ritmo fica um pouco mais arrastado lá pelo meio do livro, mas nada que prejudique a leitura, depois acelera novamente.

Muita gente não gostou desse livro porque apesar do universo de “R” ser triste, a narrativa é claramente otimista. Mesmo quando ele descreve os sentimentos de um rapaz depressivo (o dono do tal cérebro), você percebe o quanto aqueles pensamentos não têm sentido e fica com vontade de sacudir o cara…é o escritor que te faz entender isso, de maneira muito sutil. Enquanto o garoto justifica sua falta de esperança, o jeito do autor escrever te faz ver o quanto ele estava errado em desistir de lutar. Também fica claro o quanto Isaac se divertiu ao escrever o livro e talvez por isso a leitura seja tão agradável.

O interesse por uma menina viva faz com que o zumbi comece a descobrir a vida, aos poucos, e a mudança em sua realidade acontece de maneira natural. Você pode encaixar várias metáforas nessa história. Aliás, eu li o livro como uma grande metáfora da sociedade. Inclusive algo que o Bispo Macedo disse em uma reunião de domingo na João Dias me fez lembrar deste livro na hora. Ele comparou as pessoas que não nasceram de novo a zumbis. Quem não teve um encontro com Deus vive como R. e seus amigos no início do livro, mortos-vivos, corpos vazios vagando pelo mundo em busca de céééérebros… Depois que conhecem a Deus, começam a viver.

Não, o Bispo Macedo não leu este livro…rs… No entanto, esse despertamento de R. diante do amor é semelhante ao que acontece quando a pessoa finalmente nasce de Deus e começa a descobrir o que é viver, esse paralelo é bem real. Depois que terminei de ler, pesquisei na internet para ver aos outras opiniões. Vi muita gente elogiando, alguns criticando sem ter lido (esse é o ápice da ignorância) e outros falando mal porque o livro tinha uma mensagem de esperança. É mole? O mundo – principalmente o dos “intelectualóides” – padece de um mal chamado “culto à desilusão” onde só tem valor e é considerado bonito o que for triste, pessimista e negativo.

Bem, voltemos ao livro. O relacionamento entre o zumbi e a moça é contado de forma delicada, e é – por motivos óbvios – algo não físico. Ela não se interessa pelos belos olhos azuis dele ou por seu corpinho apodrecido, mas por quem ele é. Ela é meio desmiolada e o escritor coloca em sua boca alguns poucos palavrões que achei desnecessários, meio fora de contexto, mas você acaba fazendo algumas concessões quando o livro é bom, e essa é uma delas. A ideia dele certamente foi mostrar o contraste entre a personalidade dos dois. O zumbi se interessa por ela justamente por causa de seus excessos. Ela transborda vitalidade, como toda adolescente, e ele anseia por um pouco daquela vida. Mas como ela poderia gostar dele? Ainda que gostasse, como ficariam juntos em um mundo em guerra, semidestruído, em que os Zumbis são monstros canibais que se espalharam, obrigando os humanos a viverem escondidos em estádios fechados, como minorias acuadas, à beira do fim da civilização? Como ele poderia ser aceito no mundo dela? Como ela poderia sobreviver no mundo dele?

Ah, também vi comentários de pessoas indignadas por ele ter “maculado a mitologia zumbi”…isso é ridículo. Zumbis não existem, e desde que haja uma boa premissa e o cara consiga explicar tudo direitinho, pode escrever o que quiser, de acordo com a imaginação dele, afinal de contas, é ele que está criando esse universo (diferente de quando você escreve um romance realista). No caso, ele não quis descaracterizar o zumbi, apenas mostrar o que acontece lá dentro, por trás da aparência de cadáver ambulante. Os zumbis do livro comem cérebro e atacam as pessoas grunhindo. Eles não conseguem articular palavras e os pensamentos são bastante diferentes dos vivos, mas você acompanha um desenvolvimento emocional improvável e até um tanto quanto frio de R, mas bastante verossímil.

Eu descubro que gostei mesmo do livro quando me pego incentivando outras pessoas a lê-lo e foi assim com Sangue Quente. Tudo bem que um ou outro me olhou meio atravessado por ter preconceito contra zumbis…rs…mas como os direitos do livro já foram comprados e talvez o filme não seja tão bom quanto o livro, achei melhor informá-los a respeito antes que Hollywood estrague tudo.

Vanessa Lampert

(Você também me encontra no Twitter , no Facebook e no Meu Blog)

Quer ler todas as resenhas? Clique aqui.

* Resenha originalmente publicada em:

http://www.cristianecardoso.com/pt/portfolio/livros/

Desperte o milionário que há em você*

Carlos “Wizard” Martins é um megaempresário, autor do livro “Desperte o milionário que há em você” (Editora Gente), que tem o subtítulo “Como gerar prosperidade mudando suas atitudes e postura mental”, mas ele não nasceu rico, nem ganhou seu dinheiro de alguém. Foi com trabalho duro e visão empreendedora que ele conquistou sua fortuna, após mudar sua maneira de pensar ao alimentar-se de bons livros. Em uma obra curtinha (156 páginas, curtinha até demais), compartilha com o leitor sua forma de pensar, que lhe permitiu construir uma fortuna depois dos trinta anos, após ser demitido de seu primeiro emprego. Faz tempo que não leio um livro de autoajuda com tanta cara de autoajuda. Não me entenda mal, o livro não é ruim, mas no final de cada capítulo há uma espécie de “resumo” com fundo cinza, com tópicos que têm a maior cara de estereótipo de texto de autoajuda. Não chega a prejudicar o conteúdo do livro, eu estranhei um pouco, mas depois tentei tirar proveito desses resumos, para ajudar a fixar os principais pontos.

Várias citações interessantíssimas ficam passeando por sua cabeça por muito tempo, pedindo: “pensa em mim, pensa em mim”. Fala sobre coisas práticas como planejamento financeiro, mas a maior parte do livro é voltada a manter um padrão correto de pensamento, mudar a forma de enxergar o mundo e a si mesmo. Carlos é mórmon e ao contar sua história, faz umas três menções à igreja dos santos dos últimos dias (que acrescentou o livro de Joseph Smith às Escrituras e é considerada uma seita), mas as informações passadas por ele não têm a ver com religião (na verdade, acho que ele está mais preocupado em incentivar as pessoas a aderirem ao modelo de franquia do que a se juntarem à igreja em que ele frequenta). Quando ele se viu diante do desemprego e da dificuldade financeira, sua reação foi fazer uma oração sincera buscando direção a Deus. Quando obteve a certeza do que deveria fazer profissionalmente, ele agiu. Ele fala de agir pela certeza, mesmo sem ver (isso não é fé?), de perseverança, de definição. Esses conceitos lhe são familiares?

A conclusão a que eu cheguei foi bem simples: não importa a religião, a profissão, a cor da pele ou nível de escolaridade, é uma lei universal: se você age a fé, você vê o resultado. Pode ser mórmon, evangélico, católico, espírita, pode até nem ter religião. Foi exatamente isso que eu vi nesse livro. É essa mudança de pensamento profunda que ocorre naqueles que participam das reuniões dos 318, às segundas na IURD, com sede de aprender e crescer e que depois dão testemunhos espantosos. O triste é ver muitos crentes que resistem a essas verdades, presos à sua religiosidade e à caixinha equivocada à qual decidiram que Deus deve se encaixar, enquanto pessoas de fora estão lá, agindo a fé, sendo sinceros com Deus, alcançando resultados e chamando a atenção do mundo.

Olha que interessante esse trecho (existem vários trechos interessantes no livro, vou transcrever apenas alguns):

“Quando você se propõe a mudar as coisas ao seu redor, uma coisa interessante acontece. É como se existissem forças que “puxam” você de volta ao seu estado atual, já familiar e estável, pois esse é um caminho conhecido, apesar de não desejado. Por isso, uma coisa eu posso garantir: em sua busca da prosperidade, seu desejo, sua força e sua perseverança serão testados.” (Carlos Wizard Martins)

“Geralmente, as pessoas não mudam quando se sentem bem, mas quando estão abatidas, deprimidas ou frustradas. Quando atingimos o ponto do inconformismo insuportável, a tendência é fazer muito mais do que estamos fazendo. O sofrimento nos impele àqueles momentos de grandes decisões, afinal, estamos sofrendo. Então, finalmente, tomamos uma atitude e alteramos o curso que estamos seguindo.” (Carlos Wizard Martins)

Em seguida, ele cita Ralph Emerson:

“Nossa energia origina-se de nossa fraqueza. Só depois de sermos aferroados, picados e dolorosamente atingidos, desperta-nos a indignação armada com forças secretas. Um grande homem está sempre desejando ser pequeno. Enquanto esta acomodado no conforto das vantagens, ele dorme. Quando é pressionado, atormentado ou derrotado, tem a oportunidade de aprender alguma coisa. Adquire sagacidade e maturidade. Ganhou fatos, aprendeu sobre sua ignorância, está curado da insanidade da presunção. Adquiriu moderação e habilidade verdadeira.” (Ralph Waldo Emerson)

Uma outra citação que ele faz, retirada de um livro de Norman Vincent Peale:

“Há um modo de saber se você já está velho: qual é seu estado de espírito ao levantar-se pela manhã? A pessoa jovem acorda com uma estranha sensação de ânimo, uma sensação que talvez não seja capaz de explicar, mas é como se dissesse: ‘Este é meu grande dia. Este é o dia em que acontecerá uma coisa maravilhosa’. O indivíduo velho, não importa a idade, levanta com o espírito indiferente, sem a expectativa de que acontecerá qualquer coisa importante. Será apenas um dia como outro qualquer. Talvez espere que não seja pior. Algumas pessoas mantêm o espírito da expectativa aos 70 anos, outras o perdem cedo na vida.” (Norman V. Peale)

Gostei do conteúdo do livro, mas corre o sério risco de ao fim da leitura você se interessar em se tornar um novo franqueado dos cursos de idiomas do autor…rs…ele acredita tanto no modelo que a certa altura do livro, venda a ideia ao leitor. O que não deixa de ser um bom ensinamento: quer dar certo em alguma coisa? Escolha uma ideia em que você acredite tanto, mas tanto, a ponto de vendê-la a qualquer pessoa que sente ao seu lado para ouvir o que você tem a dizer. Se você acreditar naquilo com todas as suas forças, isso será natural e sairá com credibilidade suficiente para fazer com que se destaque no meio da multidão que exerce a mesma atividade.

Vanessa Lampert

(Você também me encontra no Twitter , no Facebook e no Meu Blog)

Quer ler todas as resenhas? Clique aqui.


* Resenha originalmente publicada em:

http://www.cristianecardoso.com/pt/portfolio/livros/

Pare de reclamar e concentre-se nas coisas boas*

Amo esses títulos autoexplicativos. No final das contas, o que vai pegar seu leitor no meio daquele emaranhado de outros livros é o título, não é mesmo? A menos que ele já saiba quem você é, o que não era o caso.  ”Pare de reclamar e concentre-se nas coisas boas” é a versão “título óbvio” que a editora Sextante deu para “A complaint free world” (“Um mundo livre de reclamações”), escrito por Will Bowen. – O que não me espanta, já que é a mesma editora que traduziu “The Servant” (“O servo”), de James Hunter, para “O monge e o executivo”. :-)

A ideia de “Pare de reclamar e concentre-se nas coisas boas” é bem interessante. A proposta é ficar 21 dias sem reclamar, sem se lamentar, sem criticar e sem falar mal dos outros. “Moleza” – pensei. Li o livro para ter certeza de que não se tratava de uma atitude de conformismo diante dos problemas. Não é. Ao menos eu entendi que não é se conformar com tudo, mas não ficar reclamando e se lamentando o tempo todo. Achei que o livro poderia ser mais bem desenvolvido, eu o faria com o dobro de páginas (tem apenas 140), para deixar a coisa mais clara, pois alguns pontos ficaram resumidos demais. Mas este é um livro do qual eu não posso reclamar…hahaha… Felizmente, Will dá vários exemplos e conta histórias que nos permitem entender até o que ele não explicou.

Bem, vamos ao desafio: 21 dias sem reclamar, certo? Você deve usar algum objeto para controle, o grupo de Will escolheu uma pulseira, que deveria ser colocada em um dos braços. Assim que você se pegar reclamando, troque a pulseira de braço e recomece a contagem. Segundo ele, leva de 4 a 8 meses para completar os 21 dias seguidos sem reclamações. Apenas as reclamações e críticas que saírem pela sua boca (ou seus dedos, no caso de digitar) contam, as que ficarem apenas em sua mente, não. A pulseira ajuda a tornar o hábito consciente.

Segundo o autor, talvez você tenha que se afastar de amigos e familiares fofoqueiros ou reclamadores compulsivos que atrapalhem seu esforço (até porque depois que você se tornar uma pessoa sem reclamações, não terá muito assunto com eles…rs…), principalmente porque eles podem te fazer voltar ao vício de reclamar e fofocar. Ele orienta a não tomar parte em conversas de reclamação. Seu interlocutor pode se queixar, criticar ou fofocar, mas você deve ficar quieto (se reclamar da reclamação dele, terá de mudar sua pulseirinha de lado…rs…), sem retorno, a conversa se esvaziará.

Bem, lá fui eu fazer o desafio. As primeiras 24 horas foram tranquilas, cheguei ao cúmulo de monitorar meus pensamentos até durante o sonho (sou uma criatura disciplinada, amigos)! Eu pensava “não, não vou dizer isso porque é uma reclamação, deixa eu reformular a frase para uma sentença mais positiva”. Sério, eu fiz isso dormindo. No entanto, no dia seguinte, acordei com um torcicolo e reclamei…depois, reclamei de não ter colocado a roupa para lavar (Poxa, levanta e vai lavar a roupa, de que adianta reclamar?*) e troquei minha pulseirinha imaginária de braço duas vezes antes mesmo do café da manhã. Não demorou muito e reclamei que meu cabelo estava muito ressecado. Coloquei a pulseirinha imaginária no outro pulso. Pouco tempo depois, lá estava eu falando de como ainda não tinha conseguido fazer a resenha do Casamento Blindado. Troca a pulseirinha de novo…fiquei chocada! Mesmo controlando, foram três reclamações seguidas! Bastou ter acordado com um incômodo físico para virar a miss rabugice 2012.

Não me considero uma pessoa “reclamona”, muito menos negativa, mas me espantei com a dificuldade que tive com esse desafio de não fazer comentários negativos e não reclamar em voz alta, aí reclamei de ter reclamado…rs… (No meu caso, tenho policiado meus pensamentos, também, pois sou expert em me criticar e cobrar demais de mim. E meus papos comigo mesma – obviamente – são feitos dentro da minha cabeça. Embora Will diga que os pensamentos acabam mudando quando mudamos o padrão de palavras, policio os pensamentos, embora não mexa na pulseirinha por eles.) Vou reler o livro para analisá-lo melhor, mas recomendo a leitura, sim. Qualquer coisa que te ajude a ter uma postura mais positiva diante da vida, faz diferença.

Uma coisa interessante que Will escreve é que a gente tem o péssimo hábito de dizer quando acontece algo ruim: “eu mereço!” ou “isso só acontece comigo” ou “tinha que ser assim!”, fazendo com que um recado seja enviado ao nosso cérebro (e ao universo), que tratará de providenciar mais coisas ruins, afinal de contas, merecemos… Então, o antídoto é: aceite as coisas boas que te acontecem! Aconteceu algo legal, mesmo que pequeno (como encontrar uma boa vaga no estacionamento), diga: “eu mereço!” ou “isso sempre acontece comigo!” ou “tinha que ser assim” ou “tudo sempre dá certo para mim”. Aos poucos você realmente vai acreditar nisso e começará a desenvolver esse novo padrão para a sua vida. Assim, você começa a se concentrar nas coisas boas, torna-se grato pelas coisas positivas que acontecem, mesmo as menores, que passavam despercebidas.

Will acreditou tanto nisso que colocou toda a sua igreja nesse desafio (ele é pastor de uma pequena igreja americana) e criou o movimento “Um mundo sem reclamação”, baseado nesses princípios. Óbvio que funciona, pois diminuir a quantidade de reclamações, críticas e fofocas fará com que você pare de exercitar os maus olhos. E, segundo a Bíblia, os olhos são a lâmpada do corpo, se teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso. Se teus olhos forem maus, todo teu corpo andará em trevas. Mudar do olhar mau para o olhar bom é sair das trevas para a luz.   Quer reclamar? Reclame para Deus. Mas reclame sabendo que ele resolverá, e esqueça, confie (isso poderia estar mais claro no livro, mas optaram por uma abordagem mais secular).

Vale a pena. É uma leitura divertida, um assunto interessante com uma proposta desafiadora – e eu AMO desafios. Você também deve gostar, imagino. E então? Que tal 21 dias seguidos sem se queixar, sem falar mal dos outros e sem criticar? Se quiser conhecer bem as regras e os argumentos, procure este livro em alguma livraria, ele é curtinho e fácil de ler. Eu vou reler o meu. Depois conversamos mais a respeito.

PS:  *Isso me lembra o dia em que eu comentei com minha mãe (ao telefone, pois ela mora em Campo Grande – MS), que não tinha lavado roupa durante o dia, e que já era noite, se eu lavasse àquela hora ela não ia secar, porque estava frio e com umidade alta e blá blá blá… Ela riu e disse, com seu jeito calmo: “Vanessa, você já parou para pensar que tudo o que tem a fazer é colocar as roupas dentro da máquina e apertar um botão? Imagina se tivesse que lavar todas elas à mão?” … Pense no tamanho da minha vergonha ao constatar o ridículo daquela reclamação, diante de um raciocínio tão claro? Na verdade, se você pensar bem, 98% das reclamações que fazemos ao longo do dia são ridículas assim. O que podemos resolver, podemos resolver. O que não podemos, tudo o que podemos (e precisamos) fazer é apresentar a Deus.

PS2: Isso também é colocar em prática Filipenses 4:8, lembra desse versículo?  ”Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.”  No final das contas, Will está certo, se você se habituar a falar apenas o que é bom, vai se encher do que é bom. Afinal de contas, a boca fala do que o coração está cheio…e mudar o que você fala inevitavelmente irá alterar o conteúdo do seu coração e da sua mente.

Vanessa Lampert

Meu Blog:

http://www.lampertop.com.br

Você também me encontra no Twitter

E no Facebook


* Resenha originalmente publicada em:

http://www.cristianecardoso.com/pt/portfolio/livros/